cincia e linguagem: fleck e o estilo de pensamento como rede de

Click here to load reader

download cincia e linguagem: fleck e o estilo de pensamento como rede de

of 134

  • date post

    08-Jan-2017
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of cincia e linguagem: fleck e o estilo de pensamento como rede de

FERNANDA SCHIAVO NOGUEIRA

CINCIA E LINGUAGEM: FLECK E O

ESTILO DE PENSAMENTO COMO REDE DE

SIGNIFICADOS NA CINCIA

Belo Horizonte

Faculdade de Filosofia e Cincias Humanas

Universidade Federal de Minas Gerais

Julho/2012

FERNANDA SCHIAVO NOGUEIRA

CINCIA E LINGUAGEM: FLECK E O

ESTILO DE PENSAMENTO COMO REDE DE

SIGNIFICADOS NA CINCIA

Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao

em Histria da Faculdade de Filosofia e Cincias

Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais,

como requisito parcial para obteno do ttulo de

Mestre.

Linha de Pesquisa: Cincia e Cultura na Histria

Orientador: Prof. Dr. Mauro Lcio Leito Cond

Belo Horizonte

Faculdade de Filosofia e Cincias Humanas

Universidade Federal de Minas Gerais

Julho/2012

Com amor, para meu querido tio (irmo)

Fernando do Esprito Santo Schiavo.

Saudades eternas.

AGRADECIMENTOS

Gostaria de registrar meus sinceros agradecimentos a pessoas que foram

fundamentais para que eu conseguisse chegar ao outro lado de uma das mais

desafiadoras travessias da minha vida acadmica.

minha me, Isabella, pela generosidade da amizade verdadeira, pela

grata segurana de ter sempre com quem contar em todos os momentos.

Aos meus queridos familiares, meus avs, Celestino e Loreta, e meu tio,

Rogrio, pelo acolhimento amoroso de todas as horas, pelo apoio incondicional, do

maternal universidade.

Ao meu tio (irmo), Nando, criado comigo, privado da nossa convivncia

to jovem, pela alegria de poder estar em sua companhia, desde a infncia.

Ao meu orientador, Mauro Lcio Leito Cond, quem me apresentou aos

objetos de estudo, os quais me fascinaram desde a graduao, pelo valioso incentivo

para prosseguir na carreira acadmica e por todas as contribuies dadas ao longo da

minha dissertao.

Natascha Ostos, companheira de velha data. Mais do que uma amiga,

uma irm. O meu muito obrigada por compartilhar comigo tanto das minhas

experincias vividas. s minhas amigas de adolescncia, Carolina Oliveira, Kamilla

Gomes e Renata Paixo, pelo prazer do recente reencontro e pelo reviver de antigas

lembranas.

Ao departamento de Histria da UFMG, a todos os professores que

colaboraram efetivamente para que eu tivesse uma formao intelectual consistente.

Particularmente, aos professores Jos Carlos Reis e Betnia Gonalves Figueiredo que

reconheceram mrito em meu projeto de pesquisa, durante a seleo do mestrado; ao

professor Jos Newton Coelho Meneses, que ministrou a disciplina Seminrio de

Dissertao pelas discusses sobre meu tema de investigao e aos professores,

Bernardo Jefferson de Oliveira e Maria Lcia Dourado, pela participao na minha

banca de qualificao.

A todos os interlocutores que se propuseram a debater comigo assuntos

caros ao meu tema de investigao nos eventos onde apresentei comunicaes, em

especial, o Colquio de Histria e Filosofia da Cincia [Ludwik Fleck] e o IV

Simpsio Nacional de Tecnologia e Sociedade, onde pude expor resultados parciais do

meu mestrado. Aqui, gostaria de destacar as participaes dos meus colegas do Scientia

e do professor Carlos Alvarez Maia, quem contribuiu com o desenvolvimento da minha

proposta de pesquisa nas mais variadas situaes, sempre com sugestes to valiosas,

inclusive quando comps minha banca de defesa, conjuntamente ao professor Wagner

Lannes, profissional ao qual, igualmente, gostaria de agradecer pela leitura criteriosa do

meu trabalho e por todas as avaliaes feitas, com dedicao e seriedade.

Aos funcionrios dos Colegiados da graduao e da Ps-Graduao da

UFMG, pela boa vontade para solucionar pendncias burocrticas, principalmente, pela

ajuda prestativa recebida do Marinho (chefe do Colegiado da Graduao) e do

Alessandro (antigo chefe de todos os colegiados da Ps-Graduao).

s agncias de fomento pesquisa, as quais estiveram presentes por toda

a minha trajetria como estudante. Mais especificamente, essa dissertao no seria

possvel sem a bolsa com que fui agraciada do Conselho Nacional de Desenvolvimento

Cientfico e Tecnolgico (CNPq).

SUMRIO

RESUMO 08 INTRODUO 09 CAPTULO 1 FLECK, VIDA E OBRA 1.1 - CONSIDERAES INICIAIS 24 1.2 - QUEM FOI FLECK? AS MULTIFACES DO MDICO E MICROBIOLOGISTA POLONS 26 1.3 - O DURADOURO ANONIMATO DA TEORIA DA CINCIA DE FLECK E A TARDIA VALORIZAO DAS CONTRIBUIES DO PENSADOR POLONS

31

1.4- OS PILARES DE ESTRUTURAO DA TEORIA DA CINCIA DE FLECK 38 1.5- CONSIDERAES FINAIS 48 CAPTULO 2 FLECK VERSUS CARNAP: CINCIA E LINGUAGEM 2.1- CONSIDERAES INICIAIS 51 2.2- O ESTILO DE PENSAMENTO COMO REDE DE SIGNIFICADOS NA CINCIA 53 2.3- AS OBSERVAES DO MUNDO SO O A PRIORI DA LINGUAGEM? OS FENMENOS E O OLHAR DIRECIONADO DO CIENTISTA, O VER FORMATIVO

56

2.4- AS REDES DE SIGNIFICADOS DO ESTILO DE PENSAMENTO E A FALTA DE FUNDAMENTOS ABSOLUTOS NA LGICA E NA EXPERINCIA

64

2.5- AS REDES DE SIGNIFICADOS DO ESTILO DE PENSAMENTO E AS INFLUNCIAS HISTORICAMENTE CONDICIONADAS DO SOCIAL

71

2.6- O ESTILO DE PENSAMENTO, A TERCEIRA VIA ENTRE O UNIVERSALISMO ESTRITO E O RELATIVISMO ABSOLUTO

79

2.7- CONSIDERAES FINAIS 90 CAPTULO 3 FLECK E A DICOTOMIA, DESCOBERTA VERSUS JUSTIFICATIVA 3.1- CONSIDERAES INICIAIS 94 3.2 - A LONGA LONGEVIDADE DA DIVISO DE REICHENBACH: A CONTEXTUALIZAO DA DICOTOMIA, DESCOBERTA VERSUS JUSTIFICATIVA

97

3.3 - A (PSEUDO) SOLUO DE KUHN DIVISO DE REICHENBACH: A SOBREVIVNCIA DA DICOTOMIA, DESCOBERTA VERSUS JUSTIFICATIVA

103

3.4 FLECK E O BINMIO, VERDADE E REALIDADE: A RESTAURAO DA UNIDADE ENTRE A DESCOBERTA E A JUSTIFICATIVA

107

3.5 - CONSIDERAES FINAIS 119 CONCLUSO 121 REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS 126

8

RESUMO

Na investigao conduzida, pretendemos somar esforos a outras iniciativas

ainda incipientes voltadas para a (re)descoberta das contribuies pioneiras dadas pela

teoria da cincia de Ludwik Fleck, pensador polons precursor, condenado a mais de

trs dcadas de ostracismo. Para tanto, concentraremos as atenes sobre questo de

fundamental importncia no processo de elaborao das ideias originais de Fleck: a

contraposio do pensador polons ao Crculo de Viena, no geral, e a Carnap, no

particular. Mais especificamente, abordaremos os pontos de discordncia entre Fleck e a

orientao neopositivista como zonas de acesso privilegiadas a discusses caras ao

pensador polons sobre assuntos pertinentes produo do conhecimento da cincia,

com especial destaque para o papel da linguagem como instrumento de mediao das

interaes cientista/mundo.

Ao nosso modo de ver, Fleck consegue avanar por onde as abordagens

tradicionais das teorias da cincia vigentes encontrariam graves limitaes. Muitas

dificuldades no sanadas satisfatoriamente por investigadores consagrados na atualidade

(como Thomas Kuhn, Bruno Latour e David Bloor) so superadas com eficincia pelos

pontos de vista sustentados pelo pensador polons. Portanto, procuraremos evidenciar

como Fleck soluciona com grande agilidade antigos desafios enfrentados pelas

interpretaes voltadas a analisar a produo do conhecimento da cincia. Aqui,

avaliaremos quais os mecanismos acionados por Fleck e com qual grau de competncia

o pensador polons equaciona aporias consideradas herdadas das tradies

remanescentes dos mais de trinta anos sob a influncia hegemnica da orientao

neopositivista, como, a diviso de Reichenbach, a principal consolidadora da distino

entre o contexto de descoberta e o contexto de justificativa.

PALAVRAS-CHAVES: Ludwik Fleck; Crculo de Viena; Rudolf Carnap;

linguagem/cincia; diviso de Reichenbach.

9

INTRODUO

Na presente proposta de pesquisa, concentraremos as atenes sobre um

intelectual recentemente valorizado pelas contribuies dadas ao melhor entendimento

da produo do conhecimento da cincia, o mdico e microbiologista polons, Ludwik

Fleck. Como Fleck foi (re)descoberto pela comunidade acadmica muito tardiamente

(mais de trinta anos depois da sua primeira publicao), muitos assuntos fundamentais

para a compreenso das intepretaes criadas pelo pensador polons continuaram

negligenciados. Dentre os temas de investigao ainda no contemplados na atualidade,

Lwy, Jas e Fehr chamam a ateno para a total ausncia de discusses sobre como

Fleck aborda a importncia da linguagem na atribuio de significados ao mundo,

operada pelo cientista. Segundo Lwy, Jas e Fehr, a bibliografia especializada

subestimaria largamente a participao fundamental das correlaes mantidas entre

linguagem e cincia na constituio dos pontos de vista do pensador polons1.

Na investigao conduzida, todos os esforos estaro mobilizados na

busca pela superao da grave lacuna constatada na historiografia da cincia: a carncia

de estudos aprofundados sobre objeto de estudo promissor, as especificidades da teoria

da cincia de Fleck. Para tanto, pretendemos analisar minuciosamente o principal alvo

das preocupaes da teoria da cincia de Fleck, p