Comunicação e Novas Mídias - Aula 6

download Comunicação e Novas Mídias - Aula 6

of 61

  • date post

    24-May-2015
  • Category

    Documents

  • view

    822
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of Comunicação e Novas Mídias - Aula 6

  • 1.
    • Comunicao e Novas Mdias - Aula 06/2010
  • Prof. Paulo Ranieri
  • http://jornalismomultimedia.wordpress.com
  • twitter: @pauloranieri

2. PROF. PAULO RANIERI 3.

  • AULA 6 GAMES E COMUNICAO
  • A influncia dos jogos sociais, ou simplesmente jogos na comunicao.Novos modelos de comunicao interactiva nos Jogos Sociais (Nlson Zagalo); Jornalismo videogame: Nova prosa para novas mdias (Andr Deak)

PROF. PAULO RANIERI 4. PROF. PAULO RANIERI 5. PROF. PAULO RANIERI 6. A interatividade, a realidade virtual e a experincia narrativa adquirida nos ltimos anos pelos desenvolvedores de jogos, alm das ferramentas cada vez mais simples para a construo de animaes grficas avanadas, aproximam a cada dia os infogrficos do jornalismo s sensaes proporcionadas pelo videogame. Experincias de apropriao narrativa das mais diversas linguagens pelo jornalismo no so novidade. Assim foi quando o jornalismo utilizou a narrativa desenvolvida pelo cinema para fazer documentrios. Ou quando, h algumas dcadas, o jornalismo utilizou a literatura e criou um gnero hbrido, capaz de produzir um texto sobre fatos reais utilizando ferramentas narrativas tpicas da fico aquilo que, anos depois, ficaria conhecido comonew journalism . ( Jornalismo videogame: Nova prosa para novas mdias, Andr Deak). PROF. PAULO RANIERI 7. PROF. PAULO RANIERI 8. Uma narrativa eletrnica A internet trouxe novas possibilidades para a narrativa jornalstica at ento impensveis: a fuso de vdeo, udio, texto e grficos estticos e animados. No se trata da somatria dessas linguagens, antigas e superexploradas, mas de uma nova narrativa que se utiliza de todas as outras, acrescida da participao interativa do leitor. Leitor esse que no pode mais ser chamado apenas de leitor ou telespectador porque participante, capaz inclusive de definir a narrativa que mais lhe agrade. Os programadores o chamam de usurio. A internet e, muito em breve, a TV digital, foram o desenvolvimento dessa nova narrativa. Nem to nova, na verdade: o surgimento dos jogos eletrnicos os chamados videogames tem mais de 20 anos. uma narrativa que evoluiu rapidamente, exatamente ao explorar a fuso das linguagens conhecidas e a intensa participao do usurio. Com o avano da tecnologia, hoje, o que h de mais novo em narrativas de hipermdia. ( Jornalismo videogame: Nova prosa para novas mdias, Andr Deak). PROF. PAULO RANIERI 9. Jornalismo no um formato Algumas exposies experimentais na Europa sobre histria, por exemplo, entregam um fone de ouvido com um GPS embutido ao espectador. A exposio feita em uma rua, ou num quarteiro histrico. Conforme a pessoa caminha pelas vielas, o GPS detecta onde ela est e o contedo do fone de ouvido acionado. E se o jornalismo repetisse essa experincia num ambiente virtual? Como seriam as reportagens sobre uma batalha histrica se o leitor (usurio?) pudesse estar dentro do cenrio, movimentando-se, observando diversos ngulos de um mesmo fato? A a questo: h mistura possvel entre jornalismo e entretenimento? As narrativas e tcnicas do entretenimento podem ser utilizadas livremente pelo jornalismo? O passado indica que sim. O jornalismo, se visto como uma srie de procedimentos ticos para a apurao de um fato, no obedece a nenhuma regra narrativa e pode se utilizar de qualquer uma existente. Basicamente, o jornalismo no um formato, mas um contedo e a maneira como esse contedo foi elaborado. Sendo assim, a experincia do jornalismo videogame, se no surgiu ainda em alguma parte do mundo (real ou virtual), no est muito longe. ( Jornalismo videogame: Nova prosa para novas mdias, Andr Deak). PROF. PAULO RANIERI 10. Qual o limite entre o entretenimento e o jornalismo? Existe algum limite ou o jornalismo pode ser entretenimento completo? PROF. PAULO RANIERI 11. A isso, devo acrescentar agora o que julgo ser a significao atual do termo, atual e mais pesada, mais fixa, que no tem sido levada em conta. A partir da segunda metade do sculo XX, ele deixou de designar o, digamos assim, estado mental produzido no sujeito que se ocupa da desocupao, deixou de se referir a um atributo de atraes especializadas em distrair a audincia, e virou o nome de uma indstria diferenciada. Mais do que uma indstria, um negcio global. Com o advento dos meios de comunicao de massa, a palavra, sempre que enunciada, traz consigo esse sentido material: o de negcio. ( Jornalismo videogame: Nova prosa para novas mdias, Andr Deak)PROF. PAULO RANIERI 12. Assim, como a prpria palavra indstria que antes nomeava apenas uma habilidade humana mudou inteiramente de sentido com a revoluo industrial, a palavra entretenimento foi revolvida por um processo de ressignificao definitivo a partir da indstria do entretenimento. Ao afirmar que faz entretenimento, ainda que marginalmente, uma emissora de televiso se declara pertencente a essa indstria e a esse negcio. Quando uma TV pblica diz que faz entretenimento, afirma que pertence a um campo industrial e econmico ao qual no tem vocao nem destinao de pertencer. ( Jornalismo videogame: Nova prosa para novas mdias, Andr Deak) PROF. PAULO RANIERI 13.

  • Segundo Geraldo Seabra, brasileiro, mestre na Teoria dos NewsGames, esta forma de publicao possui as mesmas bases que caracterizam o Jornalismo On-line, com apenas uma diferena: informar o leitor de forma ldica.

PROF. PAULO RANIERI 14.

  • - Videogames abrigam todas as linguagens humanas;
  • - Os jogos podem funcionar bem como um emulador autntico de notcias;
  • - Desde o Iluminismo, uma das maneiras mais legtimas de compreender a realidade que nos cerca;
  • - Desde 2003 os portais de notcias dos Estados Unidos fazem experimentos relacionados ao que chamavam de Editoriais Games;

PROF. PAULO RANIERI 15.

  • - Gneros Jornalsticos: Informativo (informa pura e simplesmente objetividade), Interpretativo (informa explicando), Opinativo (informa com opinio) e Diversional (Edgar Morin sincretismo do real e do imaginrio);
  • - Os games podem ser considerados, portanto, um gnero diversional com caractersticas de entretenimento: informam e educam divertindo;

PROF. PAULO RANIERI 16.

  • - Narrativa expositiva ou descritiva Uso de texto como forma de narrar a trama da histria, muitas vezes, com apelo visual e/ou sonoro (1975). Por exemplo Muds, RPG ou adventures baseados em textos.
  • - Narrativa cinematogrfica esse estilo busca emular o estilo do cinema, contm sequencias de animao (anos 80). O primeiro foi o Dragons Lair.

PROF. PAULO RANIERI 17. PROF. PAULO RANIERI 18.

  • Narrativa ambiental estilo mais valorizado nos jogos atuais. Segundo Seabra, o estilo mais adequado para jogos eletrnicos, com detalhes do cenrio e do som. (1988) Half-Life foi um dos pioneiros.

PROF. PAULO RANIERI 19. PROF. PAULO RANIERI 20.

  • Narrativa dos NewsGames nesta nova forma a trama inteira baseada em uma notcia ou um acontecimento (fato) relevante para a sociedade. As aes do jogador no determinam a narrativa, elas so a prpria narrativa. Fuso dos trs estilos numa nica interface.

PROF. PAULO RANIERI 21. http://newsgaming.com/games/madrid/ PROF. PAULO RANIERI 22. http://www.persuasivegames.com/games/game.aspx?game=nyt_food PROF. PAULO RANIERI 23.

  • http://www.cnn.com/ELECTION/2008/presidential.pong

PROF. PAULO RANIERI 24.

  • http://www.usatoday.com/news/politics/election2008/candidate-match-game.htm

PROF. PAULO RANIERI 25. http://veja.abril.com.br/politica/segundo-turno/enquete-candidatos-rj.html PROF. PAULO RANIERI 26.

  • G1 2007 NanoPops Poltico

http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL148591-5602,00-JOGUE+E+APRENDA+COM+O+NANOPOPS+DE+POLITICA+INTERNACIONAL.html PROF. PAULO RANIERI 27. http://www.estadao.com.br/especiais/desafio-de-craques,56928.htm PROF. PAULO RANIERI 28. http://bushbash.flashgressive.de PROF. PAULO RANIERI 29. Mensagens curtas de pedido de ajuda durante manifestaes em Teer. Os servios de microblogs funcionaram como uma newsroom de onde se buscou solues reais para cidados comuns.PROF. PAULO RANIERI 30. Proposta de interface dos NewsGames com edio no Twitter. A interface grfica dos newsgames pode conter recursos de servios de microblogs para que os jogadores editem e postem mensagens curtas apresentando suas posies em relao aos temas abordados dentro do jogo. No se trata de meros comentrios ou opinies, mas uma possibilidade real de mobilizao poltica atravs de mensagens curtas visando a busca de solues para problemas reais.PROF. PAULO RANIERI 31. http://origin.super.abril.com.br/infograficos/info_420553.shtml PROF. PAULO RANIERI 32. http://origin.super.abril.com.br/multimidia/info_536279.shtml PROF. PAULO RANIERI 33. http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default.jspx?action=getDetail&id=15481&product=&uf=1&local=1&section=infograficos&tipoflash=infografico PROF. PAULO RANIERI 34.

  • Os games no devem ser encarados como uma mera alternativa do Jornalismo On-line, mas uma proposta real de se fazer jornalismo. Um novo gnero. Os suportes dos Newsgames funcionam tambm como suporte de produo, e no apenas de circulao e consumo. At agora, no entanto, o que se v apenas o bsico, uma remediao da notcias, mas a tendncia que se v muito mais alm.

PROF. PAULO RANIERI 35. PROF. PAULO RANIERI 36. http://gaia.saude.mg.gov.br/blog/dengue-ville/ PROF. PAULO RANIERI 37. PROF. PAULO RANIERI 38. PROF. PAULO RANIERI 39. Muito se tem escrito sobre os jogos nas redes sociais, sobre o seu poder para gerar retorno. Mas afinal o que so as redes sociais digitais? As red