E em Ciências contam-se fábulas - opest.ul.pt · Mas a raposa, como conta a famosa fábula de...

Click here to load reader

  • date post

    08-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    214
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of E em Ciências contam-se fábulas - opest.ul.pt · Mas a raposa, como conta a famosa fábula de...

  • associao dos estudantes da faculdade de cincias de lisboa Junho 2010 | n2 | Srie XVII

    E em Cincias contam-se fbulas...

    improp.indd 1 31-05-2010 18:35:14

  • Termo de ResponsabilidadeOs artigos assinados so da responsabi-lidade da seco, entidade ou autor que venha indicado no respectivo artigo. S os artigos sem nenhuma indicao so da responsbilidade da Direco.

    NotaOs artigos publicados so da exclu-siva responsabilidade dos autores e no do meio da sua publicao.

    Direco e EdioIns Martins e Joo Reis

    RedacoIns Martins, Joo Reis, Ulisses Correia, Teresa Varela, Ana Bastos, Mafalda Gomes, Diogo Carvalho, Ricardo Ramirez, Robert Antunes Weinmann, Pedro Martins, Filipa Lobo, Carolina Fraga, Carolina Allegro, Joo Correia, Luis Rebelo e A.Branco.

    PropriedadeAssociao de Estudantes da Faculdade de Cincias de LisboaRua Ernesto Vasconcelos, Bloco C1, 2 piso, 1749-146 LisboaTel.: 217 500 094; Fax: 217 500 093e-mail: [email protected]://www.aefcl.pt/improphttp://www.aefcl.pt

    Design grficoRaquel Ferreiraraqueldinizferreira.wordpress.com

    Impresso e acabamentoFergrfica - Artes Grficas, S.A.

    Exemplares1500

    PeriodicidadeTrimestral

    Distribuio Gratuita

    ndice

    4 FABULA 8 Abrilconversasmil 10 DiadaLiberdade 12 Desporto/Cinema 16 TrabalhoCultural 17 DivulgaoCientfica 18 ObamaCares 19 Marchade24deMaro 20 Rdio/Inciodesemestre 21 CiclosdeCinema/Inquritos

    22 RentredaULParty

    Era uma vez uma raposa e uma viosa videira, fora do seu alcance dada a sua altura. Aps constatar que no conseguia alcanar tais maduras uvas, foi consolar-se a ler o improp, que neste nmero comea com um artigo sobre o FABULA, o qual, no sendo um conto sobre animais falantes (e neste caso letradas), foi o festival de bandas que teve espao no terreiro do C6, em finais de Abril, alm do artigo, poder a raposa ouvir as entrevistas que passaro na rdioActividade, a Rdio que em data prxima comear as suas emisses. Mas a raposa, tal como no comeu as uvas, no esteve no FABULA. Quanto s uvas no tem grande soluo, apenas cobiou-as e filosofou sobre o seu sabor, vindas de videiras regadas pelas chuvas e conversas de Abril, conversas mil, um sabor digno de frutos do conhecimento, que combatem a ignorncia, um sabor presente nos seminrios sobre sustentabilidade ambiental, organizados pela AEFCL, o SIM-UL, o NEBULis e a Team Horta. E se a raposa encontra incongruncia na altura, espacial, a que as uvas crescem, no tem a ningum a quem declarar as suas opinies recheadas de indignao, no se passando o mesmo com os alunos da FCUL que encontram sempre maneiras de comer as uvas ou pelo menos de se revoltar contra essa impossibilidade, caso tal acontea, seja por abaixo-assinados ou adereando-se ao ncleo do pedaggico da AEFCL (com um artigo sobre os inquritos pedaggicos), ou ainda a participar nas Manifestaes Estudantis, sendo que a ltima foi no 24 de Maro, dia do estudante, contou com presena da AEFCL. raposa resta-lhe, alm de ler o improp, imaginar como seria saborear as uvas que so mais vulgarmente associadas abundncia e celebrao da boa vida, ou seja, a uma viso algo hedonista, uma viso algo privilegiada nas festas organizadas pela AEFCL, como o caso da festa da Rentre, a ltima festa em que a AEFCL esteve na organizao.Mas a raposa, como conta a famosa fbula de Esopo, reescrita por La Fontaine, pode pensar que as uvas ainda no esto na altura, temporal, certa para serem comidas, da que poderia especular o que lhe aconteceria se comesse tais uvas, especular se lhe fariam mal sade e, se tal acontesse, se teria direito a assistncia mdica facilitada ou, pelo contrrio, se teria de passar por enormes complicaes para conseguir o direito aos cuidados mdicos. Pior seria se a raposa passasse por esta situao mdica nos Estados Unidos da Amrica, onde houve recentes alteraes no sistema de sade, que sero abordados num texto do improp. Por fim, contrariamente raposa que desistiu das to cobiadas uvas, celebra-se neste improp o 25 de Abril, o dia da Liberdade, pois os alunos da FCUL no desistiro nunca de lutar por uma sociedade mais justa em que a liberdade e a democracia so soberanas e por uma escola livre e gratuita ao acesso de todos. As uvas ao povo, pois o povo que planta as uvas!

    Por Joo Reis , Licenciatura em Geologia

    Editorial

    improp.indd 2 31-05-2010 18:35:15

  • ndice

    4 FABULA 8 Abrilconversasmil 10 DiadaLiberdade 12 Desporto/Cinema 16 TrabalhoCultural 17 DivulgaoCientfica 18 ObamaCares 19 Marchade24deMaro 20 Rdio/Inciodesemestre 21 CiclosdeCinema/Inquritos

    22 RentredaULParty

    A tua AE existe para ti, como tal, e como ser scio no s pagar, sabes quais as regalias que tens em ser scio da AEFCL?

    Podesdesfrutarde:

    -DescontosnosbaresdaATFCUL;

    -DescontosnasfestasdaAEFBULACL;

    -DescontosnosworkshopsediversasactividadesdaAEFCL;

    -DescontosemserviosWEB:

    .Alojamento(10%):

    LINUX

    WINDOWS

    .VPS(Contrato:Mensal10%,Semestral15%,Anual20%):

    LINUX

    WINDOWS

    .Servidores Dedicados(Contrato:Mensal10%,Semestral15%,Anual20%):

    LINUX/WINDOWS

    -Descontoemconsultasetratamentosdeestomatologia,nosatimasatodooagregadofamiliar,bastandopara

    talapresentarocartonumadasmuitasclnicasOralCareInstituteaoteudispordenorteasuldopas:

    .ConsultadeEstomatologia(Diagnosticooral)-grtis

    .RadiologiaDentria(OrtopantomografiaDigital)-grtis

    .Preodetratamentogeneralista-25

    -DescontosnaEscoladeMergulhoHaliotis:

    .CursosOpenWatereseguintesnveis

    .Baptismogrtis

    -Descontode5%naLojaAcadmica;

    -Descontosde30%noTeatroAberto;

    -BilhetesgratuitosparaconcertosnaGulbenkian;

    -Bilhetesgratuitosparaexposies;

    -ParticipaonasequipasdaFCUL.

    PodesfazeroteucartodescionasecretariadaAE,necessitasparataldeumafotografiatipopasseede10(quotaanual).

    Maisinformaesemwww.aefcl.pt

    improp.indd 3 31-05-2010 18:35:15

  • 4|FABULA por Ins Martins | improp n. 2 | Junho 2010

    sistemadesom...tudoonecessrioparaarealizaodeconcertos.s18hcomearamosantepreparos,comocheck-sound,paraques 19h, a primeirabanda a actuarno palcopudesse subir e fazermagia.Indispensvel,nopoderiafaltaracomidaeabebida,con-tandocomumaacodeconsciencializaocontraodesperdciodeplstico,queconsistiunareutilizaodoscoposdecerveja.

    OitoforamasbandasapisaropalcodoFABULA,setedelasapar-ticiparemnoditoconcursoquecontounoscombandasemqueosseuselementoseramdaFaculdadedeCinciasmascomoutrasbandasapanhandoumaamostradetodaaUL,ficaafaltarumaban-da:NaoViraLata,abandaconvidadaqueabriuefechouofestival.Comumagrandepresenaempalco,osNaoViraLatadesperta-ramopblicoparaossonspercussivos,quentesevermelhosqueaquecemqualqueralma.

    O pblico, esse, comeou meio tmido, mas com o cair da noi-te, bebida mistura e um clima propcio festa, rapidamente semostrouapoiando,danando,aplaudindo,divertindo-secomaboamsica.

    A radioActividade esteve presente mostrando o seu microfone,quetodaanoiteandouatrsdebandasepblicoembuscadeen-trevistas,dasquaisapresentamosexcertosnestaediodoimprop.

    Enjoy!

    FABULATexto de Ins Martins, Mestrado em Bioinformtica.Entrevistas de Frederico Melo, Licenciatura em Fsica e Cludio Augusto, Licenciatura em Eng. Energia e Ambiente.

    Assim foi uma fbula

    Nodia28deAbril,inseridonodesignadoDiaAberto,deu-seumgrandeacontecimento,sealgumavezfoivistodevetersidoemalgu-mafbulaquenonanossafaculdade,FestivalAcadmicodeBandasUniversitriasdeLisboaeArredores.AconteceunoterreirodoC6eofrenesimcomeoubemcedocomamontagemdopalco,colunas,

    improp.indd 4 31-05-2010 18:35:20

  • FABULA por Ins Martins | improp n. 2 | Junho 2010 | 5

    Nao Vira Lata: Winga,Lascas,Jorge,Andr,Papaia,Francisco

    RadioActividade: O que acham de se fazer isto numa faculdade?NaoViraLata:Achoquemuitoimportante,vocsestoadar

    importnciamsica,aomanifestoqueaspessoas tm,mensa-gemqueaspessoasqueremtransmitiratravsdamsica.

    Pblico: Margarida,Fred

    RadioActividade: O que ests achar do festival?Fred: Foi um achado aqui para a faculdade, foi uma coisa feno-

    menal,foradesrieequeserepitapormuitasvezes.Aassociao(AEFCL)bemcomoafaculdadeestodeparabnspeloeventopro-movidonosnoitecomodurantetodoodia,houvediversasani-maesnosespaos.

    Margarida:AbandaquevaiganharosManiacMansion,voga-nhar,omelhorconcertoquejvinaminhavida...

    R: Quais so as influncias da vossa banda?Papaia: As nossas influncias so a msica em geral, mas parti-

    cularmente a msica tradicional africana, brasileira, portuguesa.Auniodetodasasculturas,umbocadinhoanossaideia,perceberqueamsicaumpontodeunioentreasdiferentesculturas.

    R: Acho que vocs tm uma caracterstica bastante prpria, que pelo facto de terem s percusso e voz. No difcil s com isso conseguir fazer algo que tenha densidade?

    P: No, a nossa formao sempre foi base de percusso e nssemprefomosapaixonadosmaispelapercusso,houtroselemen-tosdogrupoquetocamoutrotipodeinstrumentosmasachoqueapercussosuficiente.

    R: H quanto tempo vocs tocam juntos?P:Nscomogrupotemoscercade4/5anosdeexistncia.Come-

    amoscomoalunosdoMestreWingadepoisformmosumgrupocomosmelhoresalunosdasaulasdele.

    R: O que achas do que est aqui acontecer numa faculdade?Jorge:Achoquesim,estumbocadocalminho,masainiciativa

    sempreboa,osestudantestmdefazeristo,tmdepassarporisto,estamoscparamelhoraravidadosestudantes.

    R: Vocs tm uma grande ligao a Sintra?J:Sim,Sintraumstioextremamenteenergticoenosvivemos

    disso,oquenoscompeatodososnveis,musical,comopessoas,

    EntrevistasFo

    to: A

    EFC

    L

    improp.indd 5 31-05-2010 18:35:21

  • conheciam pareciam estar a gostar, demos o nosso melhor comosempre.

    R: Quais so as vossas reas?5:Somosdevriasreas:artes,cincias,economia,humanidades.R: Quais so as vossas influncias?5:As nossas influncias so muito variadas, porque cada um de

    nsouvecoisas,completamentediferentes;masnumtodo,rockdosanos80e90cantadoemportugus:Peste&Sida,Censurados,UHF,Xutos&Pontaps,pora.

    www.myspace.com/5ohkubo

    Michaels:Diogo(baixo),Rodrigo(guitarra),LusPedro(bateria),Manel(voze2guitarra)

    Margarida

    JACK&DANTE:Dante(baixo,guitarraevoz),Jack(bateriaevoz),Gordo(baixo,guitarraevozes)

    5ohkubo:Guilherme(voz),Carlos(baixo),JooRamos(guitarra),Francisco(bateria),Ricardo(guitarra)

    RadioActividade: Pessoal como correu?5ohkubo:Correubem,muitobem,optimamente.Masopblico

    quetmdedizersecorreubem.Masparansfoiptimo.R: Acham que a reaco do pblico foi boa?5:Foibom,opessoalreagiubem;mesmoaspessoasquenonos

    RadioActividade: H quanto tempo que comearam?Michaels:NestaformaoestamosdesdeJaneiro.R: Quais so as vossas influncias?M:Essencialmentepunkrockerockalternativo.R: O que acharam da vossa actuao aqui no FABULA, correu bem?M:Correubem,tocmosoessencial,oqueestavaensaiado,fiquei

    surpreendidocomareacodopblico,nopenseiquefossetantagenteequeelesfossemgostar.Achoqueopblicoestevebem,prin-cipalmentenofim,quandopuxaramparahavervotaonossa,achoquefoibom.

    RadioActividade: Jack&Dante na Faculdade de Cincias, o que h a dizer sobre isto?

    J:Somosbastantecientficos,aplicamoscinciaemtudo,onossoprincpioquernavidaquernamsicaprovarquenenhumacinciaexacta,nemmesmoamatemticaumacinciaexacta.

    R: O que acham deste espao para continuar a fazer actividades?J:Euachoesteespaomuitobom,temtudodeumbomfestival,

    temmalta,umgrandepalco,umgrandeespao,achoqueideal.JtnhamostocadonaFaculdadedeDireitoedePsicologia,masgosteimuitodetocaraqui,oambienteestmuitobom,muitagente,gentebemdisposta,todososingredientesparasairdaquiumcozinhadodivinaleestbomtempo,fundamental.

    R: J gravaram alguma coisa, algum Single?J:Temosnonossomyspace4msicas,muitosvdeos,concertosno

    Porto,emLisboa.Nopalcoprincipaltemltodasasnossasgravaes.www.myspace.com/thejackdanteband

    Laud99:David(voz),AnaTeresa(voz),Pedro(guitarra),DomAzevedo(guitarra),Andr(baixo/bass),Joo(bateria),Eddie(letras,compositor,harmnica)

    A banda que vai ganhar so os Maniac Mansion, vo ganhar, o melhor concerto que j vi na minha vida...

    Foto

    : AEF

    CL

    Foto

    : AEF

    CL

    Foto

    : AEF

    CL

    Foto

    : AEF

    CL

    6|Fabula por Ins Martins | improp n. 2 | Junho 2010

    improp.indd 6 31-05-2010 18:35:36

  • BANDA VENCEDORA: Maniac Mansion:Frederico(sintetizadoreguitarra)Sebastio(bateria)

    Borderline Insane:Prim(guitarraevoz),Renato(baixo),Tomas(guitarra),Ricardo(bateria)

    Sound addiction:Nuno(vozeguitarraritmo),Joo(baterista),Jnior(guitarrasolo),Lus(baixo)

    RadioActividade: O que que acharam?Laud99:Acheiqueestavaumambientemuitointeressante,muito

    agradvel,opblicodecinciasacolheu-nosmuitobem,foiocon-certocommaispblicoquejtivemosatagora,correumuitobem.

    R: Quais so as vossas influncias musicais?L:LedZeppelin,QueensofTheStoneAge,PauloFurtado,paraque

    nosabenoeosconcertos,onossoDeus.WraygunneTheLegen-daryTigerMantmmuitainflunciananossamsica.

    R: Quais so as vossas expectativas para o futuro?L:Temosvriosconcertosparadar,opblicogosta,damosfestaepor

    issoachoquecomobandavamoslonge.HouveoconcursodaLevisondeficamosnotop10,opessoalgostouetivemosmuitosvotos.

    R: Que achaste do concerto?L:difcildeexplicar,lemcimanosabemosoqueaspessoas

    ouviram,masaquiloquesentiquecorreubem,obviamentepodiatercorridomelhor,podiatercorridomelhoraqualquerbanda,achoquedemosonossomelhoreopessoalgostou.Melhorqueistoeraimpossvel.

    www.myspace.com/laud99

    Frederico: Tambm estou a estudar biomdica e toco noutras bandas; toco em Moes Implosion como baixista, j tocamos h bastante tempo.

    RadioActividade: Como que vocs se sentem com isto, gostaram de tocar?

    Frederico: No mnimo surpreendidos, foi muito bom, correu muita coisa mal, inventmos parte de uma msica inteira, um prato voou, ouvia-se as mudanas dos pedais, txec txec, no era de propsito, mas foi bom.

    R: O que acharam da reaco do pblico?Frederico: O pblico foi impecvel, no correram connosco do pal-

    co, quiseram mais msicas no fim... e temos de agradecer ao Sancho que emprestou o mikrokorg. a pessoa que d apoio moral, orienta o aquecimento da banda a ver se fazemos os alongamentos bem feitos antes do concerto.

    R: H quanto tempo que vocs tocam juntos?Sebastio: Estamos juntos desde o primeiro ano da faculdade, mas

    tocamos juntos desde domingo.R: Isto d-vos pica para continuar?Frederico: No sei, eu no estava mesmo espera, com problemas

    tcnicos durante o concerto..Sebastio: O conceito surgiu ao Frederico, apetecia-lhe tocar, a

    mim apetecia-me tocar, juntamo-nos. Tocmos das 9 s 5h, tocmos hoje de manh e aconteceu isto, as ideias eram boas, agora daqui para a frente no sei.

    R: Esto a estudar o qu?Sebastio: Biomdica.

    RadioActividade: O que acharam da vossa actuao?BorderlineInsane:Achoquefoisexy,muitobom,lemcimano

    seouviabem,maspelareacodopblicoachoquefoibom.R: Ento ficaram satisfeitos com a vossa prestao, acham que

    conseguiram puxar pelo pblico?B:Achoquesim,epelaprimeiravezumapessoafezcrowd-surfing

    duranteumconcertonosso.R: E no houve raparigas atirar roupa interior para o palco?B:Issoaindanoaconteceumash-deacontecer.R: Com o tempo talvez consigam chegar a esse patamar. Como

    que vocs classificam o vosso estilo de msica?B:Sugar-punk,umpoppunkamaricadoparasaltarumbocadinho.R: E o que acham aqui do espao da organizao?B:Erabomquemais faculdades tivesseminiciativascomoestas,

    nosparadivulgarbandasquenosejamtoconhecidasmastam-bmparadarrodagemabandasquenotocamtantasvezes.

    www.myspace.com/borderlineinsanerock

    colas secundrias em que no temos nada, anfiteatros que nos do tudo e nos oferecem tudo o que precisamos, portanto olha tambm em Portugal assim.

    R: Quais so as vossas influncias musicais?U2, Pearl Jam, Oasis, Queens of The Stone Age, Green Day...R: E relativamente s condies aqui do nosso espao da FCUL, o

    que acham de tocar na faculdade, do palco?S: Achei que em termos de medio de palco podia estar um boca-

    dinho melhor mas o que se consegue, vrias bandas nunca se con-segue um som perfeito. Quando tens uma banda unicamente e tens ateno dirigida para a banda, tens as condies perfeitas, obviamente que com vrias bandas impossvel ter o som impecvel para todas, mas acho que est porreiro, iniciativas destas so muito boas.

    www.myspace.com/soundaddiction

    RadioActividade: Boa noite, o que acharam desta vossa actuao?

    Sound Addiction: Acho que correu bem, tirando o fim da pe-nltima msica e a ltima m-sica em que houve problemas tcnicos com a voz.

    R: H quando tempo que vo-cs tocam juntos?

    S: 6/7 anos.R: Ento j to habituados a

    tocar ao vivo?S: Sim, j tocmos vrias vezes,

    em vrios stios, desde escolas secundrias, festivais de bandas.Desde condies em bares a es-

    Foto

    : AEF

    CL

    Foto

    : AEF

    CL

    Fabula por Ins Martins | improp n. 2 | Junho 2010 | 7

    improp.indd 7 31-05-2010 18:35:44

  • Abril conversas milindustriaiseagrcolasintensivos,naexploraoilimitadadosrecur-sostemprovocadogravesdesequilbriosnossistemasterrestres.Ousodatecnocinciaparacontrolaredominaranaturezatempermi-tidoespciehumanaromperconstantementetodososseuslimitesnaturais,sejaaonveldapopulao(queduplicouentre1961e1999),sejaaonveldaenergiaedealimentosdisponveis.Airracionalidadedocomportamentohumanoficoubempresentenasessosobrepes-cas,emquesedeuoexemplodoatumnoAlgarve,ondeonmerodepeixesfoiseguidoataoltimopeixetersidopescadotalcomohcentenasdeanos,naIlhadaPscoasederrubouataltimarvore.

    Falou-sedanecessidadeouinevitabilidadedodecrescimentopopulacionalglobal,bemcomododecrescimentomaterialdasSo-ciedadesdoNorte,atseatingirumpontodeequilbrioestvelemqueaqualidadedevidahumananoponhaemcausaasuaperma-nncianoplaneta.

    possvel?Oproblemadocrescimentoaceleradopode serodenoseconseguiratingirumasoluodeequilbrio,comofoiexem-plificadocomoproblemadossistemasdinmicosdotipopredador/presa.Noentanto,nopodemoscederaumpessimismoimobilista.

    Quesoluestemosjdisponveisequesoluesseroviveisesustentveis?Odesenvolvimentodeenergiasrenovveise limpas,

    DuranteoltimomsdecorreuoseminrioAbrilconversasmil(AcM),umseminrioorganizadopelaAEFCL,oSIM-UL,oNEBULiseaTeamHorta,quegirouvoltadasustentabilidadeambiental.OAcMfoimotivadopelavontadedediscutirosvriosaspectosdacriseambiental, recolhendoperspectivasdiferentes.Para isso,convers-moscomprofessores,estudantesdasmaisvariadasreascientficas(daBiologiaMatemtica,daFilosofiaEngenharia),comactivistasdeONGs,compermacultoresnofundo,comcidadoscrticoseempenhados!

    Aprimeirasesso,comofilmeHomedeuumpanoramageralso-breoimpactodaactividadehumanadospasesdesenvolvidosnosistema terrestre, alterando drasticamente os seus ritmos naturaiseos seusequilbrios,mas tambmsobreas consequncias sociaisque esta ideia deprogresso produz nas populaes mais pobresdoglobo.Nas sesses seguintes,discutiram-seaspectosmaispar-ticulares do problema e solues.As questes levantadas revelamumaprofundaligaoentretodoseles,quesejuntamnumaquesto,quesoduas:possvelasseguraracontinuidadedacivilizaoemharmoniacomoplaneta?Como?

    OmodelodedesenvolvimentoseguidopelosPasesdoNorteba-seadonocrescimentomaterialdesenfreado,noabusodeprocessos

    8|Abril conversas mil por Ana Bastos | improp n. 2 | Junho 2010

    improp.indd 8 31-05-2010 18:35:49

  • Abril conversas milaliadoeficinciaenergtica,parece serumbomcontributo,masnosuficiente.Areduodoconsumoedodesperdcioimpem-se.

    Os danos que o ser humano tem provocado no ambiente ultra-passamemmuitooproblemadoaquecimentoglobaldaperdadebiodiversidadedestruiodossolos,rioseoceanos,atdepleodosstocksmineraisealimentares.Assoluesdevemserholsticasepartirdeumanovaideiadeculturahumana.Apermacultura,en-tendidacomoculturapermanentepressupeumanovarelaodoserhumanocomomeio,sintetizadaemtrsticas:cuidardaterra,cuidardaspessoas,partilharosexcedentes.Porpermanentenose

    deveentenderimutvelnemformatadapelocontrrio,permacul-tura significa a capacidadedeemcada local e emcadamomentopercebercomopodemosactuaremsinergiacomanaturezadefor-maaatingirvidassatisfatriasequeasseguremacontinuidadeeaharmoniacomomeio.

    Seremosmaisfelizesseconsumirmosmenos?Nosomosmaisfe-lizesportrocarmosdetelemveltodososanostalcomonosomosmaisfelizesporcomermorangosemDezembro,noentantoalgotosimplescomoistoacarretapesadoscustosambientais:desdetodososrecursosusadosparaosproduziremestufas,provavelmentenaAndaluzia,ataotransporteeconservaoemarmaznsfrigorficos.fundamentalavalorizaodosaspectosmenosmateriaisdasnos-sasvidasoconhecimento,acultura,aarte,asrelaessociaisearedefiniodasnossasnecessidades.

    Comofazemosamudana?Serqueamudanadeverpartirdegovernosouautoridades?Serquechegacadaumfazerasuamu-dana?MuitasvezessefalouembecossemsadaaolongodoAcM,adimensoecomplexidadedosproblemaspodeserintimidante.Noentanto,ahistriadeElzeardBouffier,umsimplespastorqueplan-tavarvores,servedeinspiraoparaque,nomnimo,tentemoscomtodasasnossasforas.Oqueprecisofazer!

    Texto de Ana Bastos Mestrado em Eng. da Energia e Ambiente

    Seremos mais felizes se consumirmos menos? No somos mais felizes por

    trocarmos de telemvel todos os anos tal como no somos mais felizes por comer morangos em Dezembro, no

    entanto algo to simples como isto acarreta pesados custos ambientais.

    Abril conversas mil por Ana Bastos | improp n. 2 | Junho 2010 | 9

    improp.indd 9 31-05-2010 18:35:57

  • Dia da LiberdadeArmadas inicia um golpe de estado cujo objectivo era depor o governo e pr um fim Guerra Colonial, que desde 1961 terminava com as vidas de milhares de jovens portugueses e africanos.

    Ao MFA rapidamente se juntou um povo sedento de liberdade que encheu as ruas de Lisboa colocando cravos na ponta das espingar-das das foras armadas induzindo uma revoluo sem derrama-mento de sangue.

    Ao final do dia, o MFA e a populao lisboeta no Largo do Carmo, onde se situava o quartel da GNR, impuseram a rendio do ditador Marcelo Caetano, que acabou exilado no Brasil.

    Aps o glorioso dia para o povo portugus e para a Humanidade seguiu-se um perodo de grandes mudanas na poltica portuguesa, o PREC (Processo Revolucionrio Em Curso). Durante este perodo o pas foi governado por vrios governos liderados por elementos das foras armadas e por dirigentes comunistas, socialistas e outros de-mocratas. Imps-se o fim da Guerra Colonial com a independncia das colnias. Os operrios e restantes trabalhadores organizaram-se em comisses e associaes que detinham o poder sobre as fbricas e locais de trabalho. Os sindicatos organizaram-se de modo a defender os direitos dos trabalhadores. Foram levadas a cabo campanhas de al-fabetizao nas zonas rurais reduzindo o analfabetismo para o que hoje (7% da populao). Realizaram-se campanhas de reconstruo do pas nas quais quase toda a populao participava, como a renovao de espaos pblicos ou a cedncia do ordenado de um dia de trabalho para

    Dia 25 de Abril foi o dia em que Portugal parou, mais uma vez, para celebrar, mas mais importante que isso, para exercer um dos princi-pais valores inerentes espcie humana, a Liberdade.

    Durante mais de quarenta anos os portugueses viveram mergu-lhados na opresso imposta por um estado fascista e totalitrio, que sobrevivia decrpito entre as outras naes, na sua maioria livres e democrticas da Europa, custa da liberdade e pobreza do seu povo e das suas colnias, mantidas anacronicamente subjugadas. Este esta-do desptico, denominado de Estado Novo, foi liderado por Salazar e depois Marcelo Caetano que,ajudadosporumaeliteretrgradaetradi-cionalista, usaram as mais variadas formas de terror, seja psicolgico sejam fsicos, para subjugar o povo. Mantendo o pas parado no tem-po, fechado ao exterior e mudana, orgulhosamente ss. Muitos luta-ram na clandestinidade contra o regime vigente ao longo dos anos, dos quais se destacam o Partido Comunista Portugus como principal oposio, embora ilegal, organizada. Os estudantes eram uma fora essencial na luta contra o regime, sendo liderados pela Acadmica de Coimbra e pelos Estudantes da Universidade de Lisboa, dos quais se destacam os da AEFCL, que, nas antigas instalaes da FCUL chega-ram a reunir clandestinamente e a serem alvos da violncia policial por quererem aprender a Evoluo Darwinista num estado profun-damente catlico. No entanto qualquer tentativa de contestao era rapidamente calada pela censura, priso, tortura e morte.

    Mas, na madrugada de 25 de Abril de 1974 o movimento das Foras

    10|Dia da Liberdade por Joo Reis | improp n. 2 | Junho 2010

    Populares na manh da revoluo (direitos reservados)

    improp.indd 10 31-05-2010 18:36:00

  • Dia da Liberdadeajudar a ultrapassar momentos de dificuldades econmicas do pas.

    A 25 de Novembro de 1975 d-se o fim do PREC com um golpe mi-litar liderado por foras de direita e de centro esquerda que temiam a contnua ascenso da extrema-esquerda em Portugal. Termina assim o perodo revolucionrio iniciado a 25 de Abril de 74.

    36 anos depois

    Se hoje se pode votar para escolher os dirigentes de Portugal gra-as ao 25 de Abril. Se hoje podemos andar na rua sem medo de dizer o que queremos graas ao 25 de Abril. Se hoje podemos dizer que a democracia e a liberdade so soberanas em Portugal graas ao 25 de Abril!

    Actualmente a maior parte das foras de esquerda, como o PCP e o BE, assim como vrias personalidades progressistas lamentam que a revoluo no tenha ido mais longe e que muitas das conquistas do 25 de Abril tenham aos poucos sido perdidas.

    No entanto, passados 36 anos, a 25 de Abril de 2010, comemorou-se a revoluo dos cravos e gritou-se pela liberdade e por um futuro mais livre e democrtico do que o presente que vivemos. Vrios partidos de esquerda, personalidades pblicas, associaes defensoras das liber-dades que Abril conquistou, mas mais importante, o povo. Desceram a Avenida da Liberdade em Lisboa denunciando as injustias que afec-

    tam as condies de vida actuais e as medidas retrgradas e reaccio-nrias que se tm avizinhado, como pretexto de resolver e ajudar a ultrapassar crises internacionais e pagar emprstimos que Portugal deve. Hoje em dia vive-se em Portugal uma precariedade que no se observava desde h 36 anos.

    No Ensino Superior as propinas, o processo de Bolonha, o RJIES (Regime Jurdico do Ensino Superior), a privatizao de faculdades e as vrias tentativas de tornar a educao num mercado, elitizado e acessvel a s alguns, vo contra a Constituio da Repblica Portu-guesa de 1976, filha da Revoluo dos Cravos, onde se afirma que o ensino deve ser para todos e tendencialmente gratuito.

    A Associao dos Estudantes da Faculdade de Cincias de Lisboa, re-presentada e acompanhada por duas dezenas de estudantes da FCUL participou nesta marcha, acompanhando alegre mas conscientemente a defesa da Liberdade e dos direitos conquistados, defendendo a Uni-versidade de Abril e o cumprimento da constituio. Exigiu-se o fim das propinas e o retiro do Processo de Bolonha. Muitas pessoas deram aos estudantes de cincias os parabns, pois parece que h j muito tempo que nenhuma AE ou Acadmica participava nestas comemoraes.

    A AEFCL continua assim a defesa da liberdade, iniciada a 25 de Abril de 1974, e dos direitos dos Estudantes de Cincias, por uma sociedade livre e democrtica e por um Ensino digno dos mesmos valores.

    25 de Abril Sempre! Fascismo nunca mais!

    Texto de Joo Reis Licenciatura em Geologia

    Dia da Liberdade por Joo Reis | improp n. 2 | Junho 2010 | 11

    EstudantesdaFCULnodesfiledo25deAbril (direitos reservados)

    Foto

    : dire

    itos

    rese

    rvad

    os

    Esta a madrugada que eu esperavaO dia inicial inteiro e limpoOnde emergimos da noite e do silncioE livres habitamos a substncia do tempo.

    Sophia De Mello Breyner Andresen

    improp.indd 11 31-05-2010 18:36:02

  • Comojsedizianaediopassada,odesenvolvimentocontnuodumaculturaeprticadesportivaumvectoressencialnaevoluodosestudantesdoensinosuperior.

    Assim fazemosumapelo aos alunosda casapara sedirigiremAEFCLeinscreverem-senasdiversasmodalidadesexistentes(Fute-bol11M,VoleibolF,BasquetebolM,FutsalFeRguebi7M),poisoDepartamentoDesportivoprecisadevocsparasemanterecrescer,sendobemrepresentadoemcadaumadasequipas.Havercondi-esquepermitiro aos alunosuma fcil integraoemqualquerequipaea reformulaodealgunsaspectosnoano lectivoquesesegue.Esperamoscporti!

    Nodia28deAbril,DiaAbertonaFCUL,oDesportivoorganizou

    emcompletaparceriacomaempresaSafetyPassageduasmodalida-desdegrandeinteressenosdiasdehoje,sendoelasoPaintballeoCombateLaser.OPaintball(noEdficioC6),semavertentedecom-batetevepoucaadeso,joCombateLaserfoideummodogeraljo-gadopelosvriosalunosenoalunosdaFCUL,havendoumcampo,montadonorelvadodoEdficioC8,comvriosinsuflveisdemodoaedificardecertaformaobstculosquedificultassemasequipasdeseeliminaremumassoutras.Nofimpercebeu-sequeosestudan-tesgostaramdaactividadeedecertoquevoltaremosatrazeroCom-bateLaseraocampusdaFCULparaparticipares,vaitreinando

    ODepartamentodesportivocelebrounasegundaquinzenadomsdeMaioumprotocolocomaHALIOTIS,melhorescolademergulhodopas,pelaPADI(entidadedecertificaesinternacionais),ondeosnossosassociadossepoderoinscrever,individualmenteouemgru-

    CINEMA

    DesportoTexto de Ulisses Correia, Licenciatura em Geologia

    Iron Man 2

    Eis a to aguardada sequela de Iron Man! Embora uns furos abaixo do primeiro filme, mais a nvel de hist-ria e profundidade dos personagens do que propriamente em termos de aco, estamos perante o tpico blo-ckbuster, que cumpre a sua funo de entretenimento, e que tem como pon-tos fortes a faceta de one man show de Robert Downey Jr., e as sequncias de aco bem elaboradas. J para no falar da excelente banda sonora, numa onda maioritariamente AC/DC. Bom toque Jon Favreau.

    Nota Final: 7 / 10 M.G.

    12|Desporto por Ulisses Correia | improp n. 2 | Junho 2010

    The Bounty Hunter

    A histria desta fita tenta abranger 3 ambiciosos espectros cinematogrfi-cos: comdia, romance e aco... mas, simplesmente, no consegue. Ex-Mulher Procura-se apresenta-se sim como um festival de lacunas narrati-vas que nem pelo apelativo elenco se salva (com Aniston e Butler longe do seu melhor). Poderia ainda falar nos dilogos desinspirados, ou at mes-mo na pssima edio, mas tempo perdido. Tal como os 110 minutos de durao desta pelcula descartvel e extremamente fraca.

    Nota Final: 2 / 10 M.G.

    pospararealizarbaptismosdemergulhosemqualquercustoepos-teriormenteefectuaremtambmocursodeOpenWater(oinicial)e/ououtrosmaisavanados,comumdescontosignificativosobreopreoinicial.Osmergulhos(baptismoecursos),seroefectuadosemPeniche,ondeestsediadaaescola,masexistetambmahiptesedeseremLisboa,mascomaagravantedeserempiscina.Estescur-sos,comaproveitamento,oferecemcertificaointernacional,PADI,oquetepermitemergulharemqualquerpartedoMundo.

    Nodia25deMaioaconteceumaisumaGalaAnualdoDesportoda

    Universidade,emquesedistingueaPersonalidadedoAno,eaAE-FCLconcedeuahiptesedeserdistinguidonaGalaoatletaIlidricoAlcindoLeiteePina,queintegraaequipadeFutebol11masculino,pelosfeitosderelevoalcanadosnoDesportonopresenteanolecti-vo,representandoassimanossafaculdadenoseiodetodasasoutrasconcorrentes.

    improp.indd 12 31-05-2010 18:36:06

  • Osoldescianohorizonte,umabrisafrescaarrepiavaostranseun-tes e engendrava bailados de folhas secas; jovens, em grupos ba-rulhentos,aosparesousolitrios,passavamnumvaivmcontnuo;fragmentosdefrases,gargalhadasepalavrespairavamnoar,porbrevesinstantes,logoengolidaspelatoadadacidade.

    OVelho,sentadonobanco,sentiaoscheiros,ouviaossonsetudoobservavaemredor.Tudolheera,simultaneamente,familiarees-tranho.

    Naquelelugarpassaraamaiorpartedasuavida.Alisonhara,luta-ra,viveraporideais,estudaraetrabalhara.Aliamadureceraeenve-lhecera,vendo,apoucoepouco,todososseussonhostransforma-rem-seemespuma.

    Mas,mesmoagora,comosmovimentoslentos,opensamentodi-fuso, a viso desfocada, ainda sentia a vibrao da sua juventude,dealgumaformanuncaperdida,porqueconservadanasmemriasfortesdeumavidavivida.

    E,porissomesmo,depoisdeteracompanhadovriasgeraesdejovens, repletosde entusiasmo,de verdades absolutas, de sonhos,deideaisdesociedadesperfeitas;comcabeloslongos,curtosoura-pados, calasestreitas, largas, rasgadaseatcadas,mostrandoostraseiros;saiasmdias,longas,curtas;numcicloperpetuamentere-petido;continuavaaestremecer,peranteodeslumbrantemistriodavida,queserepeteincessantemente,sempreimutvelesemprediferente.

    Dashordasde jovensaquem,ao longodosanos, tentara trans-mitirconhecimentos,unstinham-setransformadoemfigurasme-diticas,demaioroumenorimportncia,emdiferentesesferasdasociedade,amaioriaviviacomosimplescidadosannimos,alguns

    O Velho e o Tempo

    Texto de Teresa Varela

    Kick-Ass

    Esta adaptao dos quadradinhos de BD transpe para o grande ecr um novo super-heri em potncia, Kick-Ass de seu nome. Um adolescente desleixado e sem super-poderes figura central num filme ainda marcado pela jovem Chloe Moretz, no papel de Hit-Girl. Esta, apesar da tenra idade, interpreta a maior parte das cenas de aco, onde podemos reconhecer al-guns rasgos de Kill Bill. Original, e mais do que sequncias de tiros e pancadaria, Kick-Ass consegue ainda predispor o espectador a rir com algumas cenas de enorme brilhantismo humorstico.

    Nota Final: 8/10 D.C.

    Fish Tank

    Baseado no mundo de Mia, uma problemtica adolescente de 15 anos, este filme retrata a realidade social onde esta se insere, bem como o seu seio familiar totalmente inadequado (entretanto composto com a chegada do atencioso namorado da sua me...). Vivendo essencialmente das boas in-terpretaes dos actores principais, e da intensidade e realismo que conse-guem impor s cenas do filme, Fish Tank acaba por ter um ritmo inte-ressante, no desmotivando quem o assiste.

    Nota Final: 7/10 D.C.

    O Velho e o Tempo por Teresa Varela | improp n. 2 | Junho 2010 | 13

    Textos em http://goldenticket.blogs.sapo.pt

    tinham-seperdidonosdesviosdocaminhoeoutros,ainda,tinhampartidoprematuramente.

    Um grupo de raparigas, de vozes cristalinas e corpos elegantes,passaramrindo,ignorandooVelho.Este,pelocontrrio,observou-assorrindo,voltando,porummomento,asentir-seojovemdeoutrora.NosolhosdoVelhobrilhouofulgordajuventude.

    Nodia seguinte,pelamanh,algumsedeteve intrigadocomosorriso daquele velho, imvel e frio, sentado no banco do jardim.Empoucosminutos,umapequenamultidoparoujuntoaoVelho,dispersando-se depois, vagarosamente, afastando do esprito, comveemncia,aideiadaprpriamortalidade.

    Mas,talcomooprprioVelhofinalmentedescobrira,nosetrata-vadamorte,massimdodeslumbrantemistriodavida,quesere-petia,numcicloperpetuamenterepetido,incessantemente,sempreimutvelesemprediferente.

    improp.indd 13 31-05-2010 18:36:08

  • improp.indd 14 31-05-2010 18:36:43

  • Death (2010) | Aguarela e tinta da china em moleskin | Daniel Alfacinha | http://corvosclaros.deviantart.com/

    improp.indd 15 31-05-2010 18:37:09

  • Desde o incio deste 2. semestre que a associao tem vindo a organizar e participar em vrias actividades na faculdade e fora dela, altura de fazer um balano do que tem sido feito.

    Exposio fotogrfica da BiodiversidadeDe22a26deMaro,decorreunotriodoC5aExposiodefoto-

    grafiassobreBiodiversidade,daautoriadoalunodeMIEEARicardoSilva,organizadaemconjuntopelaAEeinseridanatemticadoanointernacionaldaBiodiversidade2010.Estaexposiocontoucom70fotografias,tiradasemviagensdoautorporterrasportuguesas,di-vidaspelostemasFaunaeFlora,EnergiasRenovveisePaisagens.

    Workshop de Iniciao FotografiaDecorreuemAbrileMaioumWorkshopdeIniciaoFotografiaem

    quesepretendeuiniciarosparticipantesnastcnicasfotogrficasquelhespermitiramterumdomnioecontrolosobreasimagensqueque-riamproduzir,semseveremobrigadosarecorreraprogramasautom-ticosdascmarasfotogrficas.

    Workshop de VozDia24deAbril,porJooFartaria,terapeutadafala.

    Projecto Teatro LegislativoNodia20deAbrildecorreunasaladeconvviodaAE,apeade

    teatroEstudantesporEmprstimoProjectoTeatroLegislativo,aqualcontoucomoapoiodaAE,teveobjectivodiscutirosproblemasdo Ensino Superior envolvendo as opinies dos vrios estudantespresentesnapea,tantopblicocomoactores.Asideiaseopiniestiradasnasvriasapresentaesdapeaaolongodevriasfaculda-desnopassero levadasadiscussonoparlamento,porpartedopartidoBlocodeEsquerda.

    Workshop de Msica ImprovisadaNodia27deAbrildecorreunasaladeconvviodaAEoWorkshopde

    MsicaImprovisada,ondeoprofessordemsicaRuiMiguelBritoco-ordenouosparticipantesnacriaodemsicaconjuntaentreosvriosinstrumentosqueosestudanteslevaramequeeleforneceu,ouvindo-seossonsdaguitarra,meldica,darbuka,ferrinhosepauzinhos.

    Trabalho CulturalTexto de Ncleo Cultural e Espaos

    16 |Trabalho Cultural por Ncleo Cultural e Espaos | improp n. 2 | Junho 2010

    Feira de Artesanato

    Nosdias27,28e29foirealizadaumaFeiradeArtesanatonotriodoC5daFCUL.Nas fileiraspodiam-secontar artesosprofissio-nais,estudantesecolegasnossosdafaculdade,todoselesreunidosparanosmostraralgumdomelhorartesanatoquesefazpelomundofora.OsestudantesdaFCULresponderamcomumaboaaflunciaenofimossorrisosdesatisfaodosartesossaltavamvista.Seestiverescomvontadedesairdoarmrioemostrartuafaculdadeaquiloqueastuasmosconseguemfazer,ficaatentoporquevaisteratuaoportunidadenaprximafeiradeartesanato!

    Workshop de Escrita CriativaAolongodosmesesdeMaro,AbrileMaio,decorreramdiversos

    WorkshopsdeEscritaCriativa.Segueoexemplodeumdosexerc-cios,porJooVarinoAlves(LicenciaturaemEngenhariaInformti-ca),resultantesdassesses:

    Viajarpeloespaoaosabordagravidade,visitarnebulosasdistan-tes,sentirosventossolaresdeumasupernovaemexploso.Cheirarostomoseapoeiradouniverso,alcanarasestrelascomalgomaisqueestesmembrosprimitivos.Conheceroimpossvel.Corrercontraumfotodeluz,eganhar.Ultrapassaraslimitaesfsicasdonossoser.Vivernametafsica.OlharDeusnosolhos,no comosmeus,mascomosdele.Eperguntar,porqu?

    Fc-Acto - Grupo de Teatro da FCULO grupo de teatro da FCUL, parte integrante daAEFCL, estreou

    PYM,apartirdeEdgarAllanPoe,noCiclodeTeatroUniversitriodaBeiraInteriorCovilh,nodia19deMaro.Assimcomo,Istonoumjogo,nodia8deMaio,noCineteatroJooMota,emSe-simbra,quenosabriuasportas,simpaticamente.

    improp.indd 16 31-05-2010 18:37:15

  • OfsicotericoNikodemPoplawsky,daUniversidadedoIndianapropeahiptesedequeonossouniversonasceudentrodeumwormhole(oupontedeEinstein-Rosen).

    PoplawskiusaosistemadecoordenadasEuclideanas,coordena-dasisotrpicas,paradescreverocampogravitacionaldeumbu-raconegroeparamodelaromovimentoradialgeodsicodeumapartculamassivaacairnoburaconegro.

    Ao estudar o movimento radial atravs do horizonte de even-tosdedoistiposdiferentesdeburacosnegros (deSchwarzschilde de Einstein-Rosen, ambos os quais tm solues matemticaslegtimasparaarelatividadegeral)Poplawskiadmitequeapenasaexperinciaouobservaopodemrevelaromovimentodeumapartculaacairnumburaconegroreal,mastambmnotaqueointeriordoburaconegronuncapoderserobservadoanoserqueoobservadorpasseatravsdohorizontedeeventos.

    EstacondioseriasatisfeitaseonossouniversofosseointeriordeumburaconegrodeoutrouniversodizPoplawski. Comoateoriada relatividadegeraldeEinsteinno temumaorientaotemporal,seumburaconegrosepodeformarpelocolapsogravi-tacionaldematriaatravsdeumhorizontedeeventosnofuturo,entooinversotambmpossvel.Talprocessodescreveriaumburacobrancoaexplodir:matriaemergindodumhorizontedeeventosnopassado,comoumuniversoemexpanso.

    Umburacobrancoliga-seaumburaconegroporumapontedeEinstein-Rosenehipoteticamenteoinversotemporaldeumbu-raconegro.Amatriaengolidapeloburaconegroseriaexpelidaatravsdoburacobrancoconstituindoumnovouniverso.Oartigode Poplawski sugere que todos os buracos negros astrofsicos, enoapenasosdeSchwarzschildoudeEinstein-Rosenpodemcon-terpontesdeEinstein-Rosen,cadaumcomumnovouniversoqueseformousimultaneamentecomoburaconegro.

    Dasegue-sequeonossouniversopossaeleprprioter-sefor-madonointeriordeumburaconegrodentrodeoutrouniverso.

    EstateoriapoderiaresolveralgunsproblemasencontradosnateoriadoBigBang(deixadeseassumiraexistnciadeumasingularidadeantesdoinciodaexpansodouniverso)erelacionadoscomoproble-madaperdadeinformaonosburacosnegrosquandoseatravessaohorizontedeeventos(oquevaicontraasleisdafsicaquntica).

    PontesdeEinstein-Rosennuncaforamobservadasnanatureza,masproporcionamaosfsicostericosecosmologistassoluesparaare-latividadegeral,combinandomodelosdeburacosnegrosebrancos.

    Artigo original: Poplawski N. J.; Radial motion into an Einstein-Rosen Brigde;

    Phys.Lett.B687:110-113,2010

    Adaptadode:http://www.sciencedaily.com/releases/2010/04/100406172648.htm

    UmaequipadepaleoantropologialideradaporSvantePbo,ames-maquesequenciou60%dogenomadohomemdeNeandertal,fezcomparao de algumas regies deste genoma com as do homemactual,echegouconclusodequeoshumanosactuaisdaeursiapartilhammaisvariaesgenticascomohomemdeNeandertaldoqueoshumanosdafricasub-Sahariana.VistoqueohomemEuroa-siticotemumancestralcomummuitomaisrecentecomohomemsub-SahaarianodoquecomohomemdeNeandertal,estadescobertaumaindicaomuitoforteparaaocorrnciadefluxognicoentreosNeandertaiseosEuroasiticos.AreadecontactoentreohomemdeNeandertaleosnossosantepassadosfoilimitadaEuropa,logoseriadeesperarqueassemelhanasgenticasfossemmaiorescomoseuropeus,mastantoasiticoscomoeuropeuspossuemomesmograudesemelhanacomoNeandertal,oqueindicaqueocruzamentosedeuantesdadivergnciadeeuropeuseasiticos.PareceentoqueoscruzamentossederamnoMdioOriente,entre45000e80000anosatrs.

    Oestudoidentificou12regiesnuclearesemindivduosnoafrica-nossemsequnciashomlogasemindivduosafricanos,tornando-ascandidatasaseremderivadasdeNeandertais.Destas12sequncias10delaseramhomlogasasequnciasNeandertais.

    Estas novas evidncias surpreenderam toda a equipa, visto quecontradizem todo o trabalho anterior de Pbo, baseado em DNAmitocondrialequeapontaparaqueosNeandertaisnotenhamcon-tribudoparaa variaogenticaencontradanasmitocndriasdoshumanosactuais.AoprincpiopenseiquefossealgumtipodeerroestatsticoafirmouPbo.

    E.F.Gussow,umcomentadordanotcianositedaScientific Ame-rican temuma teoria interessanteeplausvelparaasdiscrepnciasentreosdoisestudos:vistoquenoexistemevidnciasdehibridaonoDNAmitocondrial,osnicoscruzamentosbemsucedidosterosidoentreNeandertaismachoeH. Sapiensfmea(ahereditariedadedoDNAmitocondrialexclusivamenteporviamaterna).IstopoderquererdizerqueadescendnciadecruzamentosentreNeandertaisfmeaeH. Sapiensmachoeraestril,ouqueascriashbridasficavamaocuidadodame,eassimfilhosdepaisapiensemeNeandertalter-se-iamextinguidocomosNeandertaissemdeixarvestgiodasuaheranamitocondrial.

    Adaptadode:http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=neandertal-genome-study-r

    Artigooriginal:Greenetal.,ADraftSequenceoftheNeandertalGenome;Nature465,148-

    149,2010

    Divulgao Cientfica por Ricardo Ramirez | improp n. 2 | Junho 2010 |17

    A casa do nosso universo outro universo ainda maior? Assim sugere a investigao de wormholes

    Estudo de genomas de Neandertal revela que os nossos antepassados podem no ter sido assim to selectivos na escolha de parceiros sexuais

    Divulgao Cientfica Texto de Ricardo Ramirez, Licenciatura em Biologia

    improp.indd 17 31-05-2010 18:37:16

  • 18 |Obama Cares por Ana Bastos e Robert AntunesWeinmann | improp n. 2 | Junho 2010

    ObamaCaresTexto de Ana Bastos e Robert AntunesWeinmann Mestrado em Engenharia da Energia e do Ambiente e Licenciatura em Biologia

    Muitasforamasesperanasque,pelomundofora,sedepositaramnacandidaturadeBarackObamaapresidentedosEstadosUnidosdaAmrica.DesdeadesmilitarizaodoAfega-nistoedoIraque,ratificaodoProtocolodeQuioto,ouadopodeumnovopapelno

    quadropoltico-econmicomundial.Noplanonacional, umadaspromessasmaisradicaiseraaimplementaodeumservionacionaldesade,quepermitisse

    oacessouniversalaoscuidadosmdicos,independentedosmeioseconmi-cosdecadaum.delembrarqueathpouco,asadeeraasseguradaexclu-sivamenteporprivados,deixando30milhesdeamericanosdeforadosis-tema.ApropsitodistovaleapenalembrarofilmeSickoeohomemque,

    tendoperdidoumdedo,tinhadedecidircombasenopreo,seamputavaorestododedoouseoreconstitua.Quantovaleumdedo?!

    Depoisdeumalongalutacomosrepublicanoseatalgunsdemo-cratasconservadores,aleidesadepassou,mascomimportantes

    cedncias - a opo pblica foi abandonada.Apesar disso, foiumaenormerevoluonosistemadesadedosEUA.Pela

    primeiravez todososcidados tmacessoacuidadosdesade,jqueoestadopagaaosmaiscarenciadososeguro

    desadeeaomesmotempoimpedeasCompanhiasdeSeguro de rejeitarem doentes segundo pr-condies,comoaconteciaatagora.Comparadocomossistemasdesadepblicadospaseseuropeus(especialmenteosnrdicoseaFrana)opasso

    dadomuitomodesto.Aindaassimgerou-semuitodioporpartedeopositoresfanticosaestalei:multidesagri-

    tarmatemestalei,cartazesdeObamacombigodeHitlerououtrosqueochamavamcomunista(osseguidoresdoirreverenteDailyShowdeJonStewartsabembemdoqueestamosafalar).claroqueamaioriaqueseopsaestaleiestlongedesertoextremista,massemdvidanomenosegosta!Aquestofundamentalessa.DeveoEstadoassegurarcuidadosdesadebsicosatodososseuscidadosoucontinuarcomumsiste-maquepermitequepessoasmorramapenaspor serempobresoudemasiadodoentesparaseremaceitespelasseguradorasprivadas?Obamaconheciademasiadobemestarealidadeparadeitaraperderaoportunidadeasuamemorreudecancroeataosltimosdiastevedediscutircomasseguradoras.Curioso que, ao mesmo tempo que esta Nova Era comea nosEUA,porcalgunsarautosdoneo-liberalismoapregoamaprivati-zaodonossoSistemaNacionaldeSade(12.norankingmun-dial, dados de organizao mundial de sade do ano 2000) e daSeguranaSocialcomosoluoparaacriseeconmicaefinancei-ra.ValeapenalembrarqueoserviodesadenosEUAomaiscaro do mundo mas est em 37. lugar, bem atrs de Portugal.Talmedidateriacustossociaisbrutais,aumentandoadesigual-dade e a pobreza, e beneficiando apenas aqueles que so osmaiores responsveis pela crise, bancos, seguradoras e afins,queganhammilhes jogandoo jogoda especulao comasvidasdemilhes.

    improp.indd 18 31-05-2010 18:38:34

  • Marcha de 24 de Maro por Pedro Martins | improp n. 2 | Junho 2010 |19

    econtratodeconfiana;Contraaspropinas,quesofreramumaespecialatenoatravs

    deumjogo/encenaoorganizadopelosestudantesdaFaculdadedeCincias onde os participantes eram convidados a tentar saltar asbarreiras,quecorrespondiamaosvriosvaloresdapropinaaolongodosanoseondeningumconseguiuultrapassarabarreiradapro-pinaactual.

    Masestalutaporummelhorensinonoterminoucomofimdamanifestao,ircontinuarescolaaescolanatentativaderesolverosproblemasquecadaumapossui.Nanossafaculdadesovriososproblemasaquehojeassistimoscomoafaltadecondiesmateriaisehumanasnasbibliotecas,adegradaodoedifcioC1,entremuitosoutros.

    Cabe a ns, estudantes, denunciar estes problemas e reivindicarpormelhorescondiesparaqueanossaaprendizagemnoensinosuperiorsejafeitacomaqualidadedevida,deformaaadquirirmostodososensinamentosecompetnciasnecessriosparaofuturo,ter-minandoapenasquandoosestudantesalcanaremoEnsinoPblico,GratuitoedeQualidadepeloqualtmlutado.

    Ocorreunopassadodia24deMaro,diadoestudante,umamani-festaoquecomeounoMarqusdoPombaleterminounaAssem-bleiadaRepblica,porumEnsinoSuperiorPblicodequalidadeeparatodos,quecontoucomaparticipaodosestudantesdaFacul-dadedeCincias.

    Esta manifestao foi organizada por estudantes de todo o pasapsasmedidasinsuficientesedemaggicasapresentadaspelogo-vernoemrespostamanifestaododia17deNovembro,amaisvi-sveldasquaisocontratodeconfiana,que,claramente,noresolvenenhumdosproblemasessenciaisdoEnsinoSuperior.

    Aolongodetodoopercursoasvriaspalavrasdeordemquesefa-ziamouvirreflectiamaquelasqueeramasexignciasdosestudantes:

    UmamelhorAcoSocialEscolaremelhorescondiesdeensino;Contraaprivatizaodeinstituiesdoensinosuperior,Bolonha

    Texto de Pedro Martins Licenciatura em Geologia

    Marcha de 24 de Maro

    improp.indd 19 31-05-2010 18:38:37

  • 20 |Rdio por Ins Martins, Incio de semestre, por Filipa Lobo | improp n. 2 | Junho 2010

    Ocomeodasaulas(quase)sempreamesmacoisa:novasdisci-plinas,novoshorrios, trocadesalas,mudanadeprofessores,en-fim, tudotodiferentemasaomesmotempotoparecidocomoqueanteriormentejexperimentmos.

    ApesardeseromeuprimeiroanonaFCUL,sintoqueocomeodeumnovosemestrebastantesemelhantecomoinciodequalquerumdosanosescolaresquejtivemosantesnoEnsinoSuperiorounoBsico.Noentanto,hojepresencieiumasituaoquenoesperava.

    Quandomeencaminhavaparaumaaulatericaquetinhadapartedamanhdeparei-mecomumamultidoforadasala,afazerfila.Espreiteilparadentroepercebiquenoentravamaisningumna

    sala.Ouseja,dosalunosquetinhamaquelaaulanosseushorrios,porqueseinscreveramnaquelaturmaqueporacasoeraanicadis-ponvel,cercademetadecontinuarinscritomasosrestantesteroque mud-la para outros dias e portanto, para outra turma. Claroquepodercausaralgumtranstornoparaquemjtemoseuhorriodefinido,doqualpoderoresultaratsobreposiescomoutrasca-deiras.Etudoistoporqueoespaoreduzidoparatodososalunosaparentementenoprimeiravezqueistoacontecenanossafacul-dadee,infelizmente,noseraltima.Aindaassim,umsemestre,maloubemcomeaimpreterivelmente.

    RdioTexto de Ins Martins, Mestrado Bioinformtica

    Incio de semestreTexto de Filipa Lobo, Licenciatura Biologia

    Comeoucomosendoumadasmuitaspropostasdalista,quandosecandidatouseleiesparaaAssociaodosEstudantesdaFacul-dadedeCinciasdeLisboa,estandoactualmenteemviasdesairdopapelparapassaraosnossoscomputadores,telemveis,qualquertec-nologiaquesuporteumapginaweb.

    ArdiodaFaculdadedeCinciaschegou!Todooprocessoqueantecedeuaconcretizaodoprojecto,comoo

    levantamentodenomeseaescolhadomesmofoiabertocomunida-deestudantilquecontribuiucominmerosnomes,exemplodealgunsforam,CinciasFM,FCULFM,TelefoniadeCincias,radioActividade,RdioOn,entremuitosoutros,queculminounavotaodosmesmosnositedaAEFCLelevouradioActividadeaolugarmaisaltodopdiocomdiferenadeumvotoparaosegundomaisvotado,CinciasFM.Apartirdacomearamospreparativosparadarvozaoprojecto:ositedardionasceu,programasforamgravados,entrevistasforamfeitas,pois...NoFABULA(FestivalAcadmicodeBandasUniversitriasdeLisboaeArredores), realizadonopassadodia28deAbril, almdasbandas,algunsdevemtersidoaquelesqueforaminterpeladosporummicrofonequereproduziaaquiloquealgumdiziacomo:...entrevis-taparaaradioActividade,oqueestoachardoFabula?!....

    Numafaseinicial,ardiocomearporfuncionarempodcast,tendosemprecomoobjectivofinalas24horasdeemissoonline,atlnoprecisasdemeterodespertadorparaouviroteuprogramafavorito,clicasnolinkdoprogramaepuff,aqualquerhora,emqualquerlugar!Ardioabertaaosestudantes, tendo-seconstitudoumNcleo da

    radioActividaderesponsvelpelofuncionamentoecriaodosprogra-masdamesma.

    E tu?! Gostavas de ter um programa com a tua assinatura? Tensideiasegostavasdeasverconcretizadas?

    Tensaquiaoportunidade..Levantamosopanoaumdosprogramas,45Rotaes...

    Este o programa dos anos 70, 80 e 90. a melhor msica de sempre, a banda sonora do presente marcada por vozes e sons do passado. 45 Rota-es marca o regresso dos grandes temas at ns. Porque so trs dcadas de msica, vamos ter aqui uma oportunidade de escutar todos os temas perdidos mas no esquecidos. Desde as grandes baladas aos sons domi-nantes das pistas de dana, passando pelos temas mais comerciais, tudo tem o seu espao em 45 Rotaes. A nossa promessa que esta vai ser uma viagem musical inesquecvel para todos aqueles que se deixarem levar pela melhor msica de todos os tempos, a 45 Rotaes!

    Joaquim Rosa, Mestrado Engenharia Informtica

    ...esteemuitosoutrosesperam-teemhttp://radioactividade.fc.ul.pt

    improp.indd 20 31-05-2010 18:38:38

  • Osciclosdecinematmsidoumaconstantenesteanolectivo.ComeoucomDieWelle (Aonda),um filmecomproduona

    Alemanha que encheu um auditrio do C2, seguido de um deba-te sobre a problemtica do filme que contou com a presena doProf. Lus Vicente. Seguiram-se 3 grandes filmes: A Valsa comBashir(Israel),TheRoadtoGuantanamoeSacanassemlei.

    O ncleo de cinema vai continuar a apostar no mesmo modelo,misturar filmes conhecidos de qualidade com filmes mais under-ground; o objectivo abranger vrios pblicos-alvo. Esperamosqueoprximociclode trsprojecesnoC3 contribuapara isso.ComeoucomoTouroEnraivecidorealizadoporMartinScorcesecomumbrilhanteRobertdeNiro,quedeixouumamarcaprofundanocinema, seguidodeumfilmedecultoOBom,oMaueoVi-lodeSrgioLeonecomuminesquecvelClintEastwoodeporfimumfilmerecente,MaryeMaxde2009quenochegouaestrearemPortugal.EsteltimocontaahistriasurrealmasverdadeiradeumaamizadeporcorrespondnciaentreumdoentedeAspergerdeNovaIorqueeumaraparigaaustralianaaolongodeduasdcadas.Umfilmesurpreendentedeanimaocheiodemomentostrgico-cmicos,comogalardoadoPhilpSeemourHoffman.

    Porfim,umagradecimentoatodososquepresenciaramasprojecesdefilmesnaFCULequecontriburamcomassuassugestes.On-cleodecinemaestabertoparticipaodetodos,porissosequiseresajudar-nosaorganizarmaisemelhoresciclosdecinema,junta-te

    Bomcinema!

    Ciclos de Cinema por Robert Antunnes Weinmann, Inquritos, por Carolina Fraga | improp n. 2 | Junho 2010 |21

    InquritosTexto de Carolina Fraga, Mestrado em Eng. Energia e Ambiente

    Ciclos de CinemaTexto de Robert Antunnes Weinmann, Licenciatura em Biologia

    Os inquritospedaggicos soummtodomuito importantenaavaliaodaqualidadedoensinodaFCULeumadasformasmaisimportantesdeosalunosexpressaremasuaopinio.

    atravsdelesqueseconsegue:-Avaliaraqualidadedoensinogeral;-Saberaopiniodosalunossobreoscontedosleccionadosnuma

    cadeira;-Saberseosalunospercebemaimportnciadessescontedosese

    elessoleccionadosdeformaaseremrelevantesparaoutrascadeiras;-Avaliarosprofessoresdeacordocomaopiniodosalunos;-Avaliaraimplementaodascompetnciasrequeridaspelopro-

    cessodeBolonha;Osinquritossoindispensveisparaaacreditaodoscursospor

    entidadesexterioresUL(porexemploaordemdosengenheiros).Tendoemcontaasuaimportncia,eofactodenoseremfeitos

    hjalgunsanosnaFCUL,esteanofoifeitoumesforoporpartedoConselhoPedaggicoparaqueestesvoltemaserprticacomum.

    Jpoderopreencheroinquritorelativoscadeirasdo1Semes-tree,quando tiveremde se inscreverparaosexamesda1pocado2Semestre,seroredireccionadosparaapginadosinquritos,onde terodepreencherumporcadacadeira,esentopoderofinalizarainscrionoexame.

    1380

    Mary e Max

    improp.indd 21 31-05-2010 18:38:38

  • 22 |Rentre da UL Party por Carolina Allegro, | improp n. 2 | Junho 2010

    participantestevecercadetrintaminutosparapassarsomenofinaloDJconvidadoeprofessordeDJsescolheuovencedor,oDJdaFa-culdadedeMedicinaDentria,queganhouumcursodeDjnaProDj.

    AorganizaofoiumaparceriaentreasAssociaesdeEstudantes/AssociaesAcadmicasdasFaculdadesdeCincias,Direito,Farm-cia,MedicinaDentriaePsicologiadaUniversidadedeLisboaeaAAUL -AssociaoAcadmica da Universidade de Lisboa.A festacorreumuitobem,aspessoascomearamachegarbastantecedoemeia-noiteoespaoestavacomposto,principalmenteporquetantooULDjContestcomoaHappyHourterminavamporvoltadameia-noite.Depoisdoconcurso,passaramsomdoisDJsconvidadosenofinaloDJvencedoranimouafestadurantecercadeumahoraatporvoltadascincohoras.OsestudantesdaFCULestavamempesoeissov-sepelacoberturafotogrficadoevento,disponvelnositedaAEFCL.Portercorridotobemcontamosquehajauma3.edioparaoano,porissosenochegasteairanenhumadelasaindaestsatempodeconheceresaFestadaRentre!

    EstafoiasegundaediodafestadaRentre,aprimeiraaconteceuno ano passado, no incio do 2. semestre no foyer da FaculdadedeMedicinaDentria, tal comoesteano.Destavezoevento teveaparticularidadedecomearduassemanasantesdetercomeado.Istoporqueestasegundaedionofoisumafesta,abriucomoULDJContest,umconcursodeDJsentrealunosdaUniversidadedeLisboa,cujapr-selecodosconcorrentescomeouevidentemen-teantesdodia18deMaro,odiada festapropriamentedito.OsDjsconcorrentesforamquatro,umrepresentantedecadafaculdadeorganizadora,exceptodaFaculdadedeDireito.Nanossafaculdadeinscreveram-seseteestudantes,dosquaisfoiescolhidoapenasum,HenriqueRocha,estudantedeEngenhariaInformtica,parapartici-parnoconcursodeDJsnoinciodafestadaRentre.Apr-selecofoifeitaporprofessoresdaescoladeDJsProDj.Cadaumdosquatro

    Rentre da UL PartyTexto de Carolina Allegro Licenciatura em Engenharia da Energia e do Ambiente

    DJ Korbit (Henrique Rocha) www.djkorbit.net

    improp.indd 22 31-05-2010 18:38:42

  • DJ Korbit (Henrique Rocha) www.djkorbit.net

    improp.indd 23 31-05-2010 18:38:45

  • Em cada edio do improp passaremos a divulgar outras publicaes da Universidade de Lisboa. Aqui vai uma: SGEO (da Associao de Estudantes do Instituto de Geografia e Ordenamento do Territrio)

    improp tem o patrocnio de:

    www.aefcl.pt

    A AEFCL, como no poderia deixar de ser, esteve presente na Semana Acadmica de Lisboa

    improp.indd 24 31-05-2010 18:38:47