Logística Reversa – Visão Geral

of 22/22
LOGÍSTICA REVERSA Prof. Luiz Alberto Nogueira Morato 2012 1
  • date post

    09-Jan-2017
  • Category

    Documents

  • view

    226
  • download

    6

Embed Size (px)

Transcript of Logística Reversa – Visão Geral

  • LOGSTICA

    REVERSA

    Prof. Luiz Alberto Nogueira

    Morato

    2012

    1

  • Apresentao da

    Disciplina

    A Logstica Reversa a rea da Logstica que trata, genericamente, do fluxo fsico de produtos, embalagens ou outros materiais, desde o ponto de consumo at ao local de origem. Os processos de logstica revesa existem h tempos; entretanto, no eram tratados e denominados como tal.

    Como exemplos de logstica reversa, temos: o retorno das garrafas (vasilhame), a coleta de lixos e resduos reciclveis. Atualmente, uma preocupao constante para todas as empresas e organizaes pblicas e privadas, tendo como grandes pilares de sustentao: a recuperao de valor dos produtos; a conscientizao dos problemas ambientais; a escassez de matrias-primas; as polticas e a legislao ambiental.

    A logstica reversa aborda a questo da recuperao de produtos, parte de produtos, embalagens, materiais, dentre outros, desde o ponto de consumo at ao local de origem ou de disposio em local seguro, com o menor risco ambiental possvel. Assim, a logstica reversa trata de um tema bastante sensvel e muito oportuno, passando ainda pela abordagem do desenvolvimento sustentvel e das polticas ambientais.

    2

  • Contedo Programtico

    Unidade I Viso Geral

    1.1. Conceito

    1.2. Importncia

    1.3. Aplicaes

    1.4. Ciclo de Vida do Produto

    1.5. Revalorizao dos Bens

    1.6. Impactos na gesto da

    logstica

    3

  • Contedo Programtico

    Unidade II Abordagem Econmica

    2.1. Canais de Distribuio Reversos de Bens de Ps-Consumo e de Ps-Venda

    2.2. Logstica Reversa de Ps-Venda

    2.3. Logstica Reversa de Ps-Consumo

    2.4. Logstica Reversa de Embalagem

    2.5. Inibidores das Cadeias Reversas 4

  • Unidade III Abordagem

    Ambiental

    3.1. Legislao Ambiental no Mundo e no Brasil

    3.2. Marketing Verde

    3.3. Gesto Ambiental

    3.4. ISO 14000

    3.5. Resduos slidos

    3.6. Disposio final

    Contedo Programtico

    5

  • Unidade I VISO GERAL

    Objetivo

    Prezado Aluno (a),

    Ao final desta unidade,

    esperamos que voc seja

    capaz de:

    Compreender conceitos e

    a importncia da logstica

    reversa diferenciando-a

    da logstica direta.

    Definir as inter-relaes

    internas e externas do

    sistema de logstica

    reversa no contexto da

    organizao empresarial.

    LOGSTICA REVERSA

    Luiz Alberto Nogueira Morato - 2012

    6

  • 1.1. Conceito

    A vida de um produto, do ponto de

    vista logstico, no termina com sua

    entrega ao cliente.

    Produtos se tornam obsoletos,

    danificados, ou no funcionam e

    devem retornar ao seu ponto de

    origem para serem adequadamente

    descartados, reparados ou

    reaproveitados.

    Outra questo, refere-se a produtos

    adquiridos pela internet, em que o

    consumidor tem o direito de

    arrepender-se da compra em at

    sete dias a contar da data de

    recebimento do produto.

    Temos tambm o caso de retorno

    de embalagens, em que acontece

    basicamente em funo da sua

    reutilizao - fator econmico ou

    devido a restries legais - fator

    ambiental.

    A reutilizao de produtos e materiais no um fato novo. A reciclagem de metais, plsticos e papis so processos realizados j h algum tempo. Nesses casos, a reciclagem se justifica, pois a recuperao algo mais vantajoso economicamente do que a simples disposio final. Entretanto, com a crescente preocupao com o meio ambiente, a importncia do reuso vem tomando maiores propores. Ao invs de fluxo nico dos materiais, a idia de ciclo cada vez mais empregada. Em todos os casos, a oportunidade de reutilizao deu origem a um novo fluxo de materiais, partindo do consumidor e chegando ao fornecedor. O gerenciamento desse caminho inverso dos materiais, quando comparado ao fluxo direto da cadeia de suprimentos, chamado de logstica reversa

    Mais precisamente, no ano de

    2001, o Council of Logistics

    Management CLM - define a

    logstica reversa como:

    7

  • A Logstica Reversa definida como a

    parte do processo da cadeia de

    suprimento que planeja, implementa e

    controla de modo eficiente e eficaz o

    fluxo direto e reverso e o estoque de

    bens, servios e informao entre o

    ponto de origem e o ponto de consumo

    com o propsito de atender os

    requisitos dos clientes.

    Em outras palavras, a logstica reversa

    trata de mover o produto da destinao

    final para o retorno ao ciclo de

    negcios, ou para disposio final

    adequada.

    Podemos dizer que o conceito de

    Logstica Reversa est em evoluo

    face as novas possibilidades de

    negcios relacionados ao crescente

    interesse empresarial e de pesquisas

    nesta rea na ltima dcada.

    1.2. Importncia

    O avano tecnolgico acelerou a

    introduo de novos produtos no

    mercado, levando a maiores condies

    de consumo e ao crescimento do

    descarte de produtos usados,

    aumentando o lixo

    urbano, principalmente em pases

    com menor desenvolvimento

    econmico e social. Isto ocorre

    porque os canais reversos de

    distribuio, normalmente, no

    esto estruturados, havendo

    desequilbrio entre as quantidades

    de material descartado e

    reaproveitado.

    Cabe mencionar que as atividades

    da LR para obter o

    reaproveitamento de produtos

    usados por meio da utilizao do

    fluxo reverso podem agregar valor

    ao produto no mercado, pela

    imagem corporativa associada ao

    respeito ao meio ambiente, alm

    de captar oportunidades

    econmicas para o processo

    produtivo, como a reduo de

    compra de matriaprima virgem.

    Outros pontos a serem lembrados

    e que podem impulsionar a

    aplicao da Logstica Reversa

    so:

    - Os custos de descarte em

    aterros sanitrios tm aumentado;

    -Consideraes econmicas e

    ambientais esto forando as

    empresas a utilizarem

    embalagens retornveis;

    8

  • - Maior conscincia das empresas

    com relao a todo o ciclo de vida

    de seus produtos, ou seja, ser

    legalmente responsvel pelo seu

    destino aps a entrega dos

    produtos ao cliente, evitando a

    gerao de impacto negativo ao

    meio ambiente;

    - A matria-prima nova est se

    tornando menos abundante, e

    conseqentemente, mais cara;

    - Economias geradas para a

    empresa devido ao

    reaproveitamento de materiais e

    componentes secundrios. Alm de

    apresentar diferenciao em

    servio ao cliente a medida que o

    fabricante tem polticas mais

    liberais de retorno de produtos,

    apresentando uma vantagem em

    relao a concorrncia;

    - Eliminao de produtos que se

    tornam obsoletos devido ao alto

    grau de desenvolvimento

    tecnolgico.

    - Face as regulamentaes, muitas

    empresas so obrigadas a

    recolherem seus produtosquando

    os mesmos atingem o final da vida

    til;

    - As empresas devem desenvolver

    produtos amigveis ao meio

    ambiente;

    - Tcnicas para recuperao de

    produtos e gerenciamento do

    desperdcio devem ser

    desenvolvidas.

    1.3. Aplicaes

    Existem alguns fatores que levam

    aplicao da logstica reversa:

    - Econmicos: relacionam-se com

    o custo da produo, por

    necessidade de adaptao dos

    produtos e processos para evitar

    ou diminuir o impacto ao meio

    ambiente;

    - Governamentais: relacionam-se

    legislao e poltica de meio

    ambiente;

    - Responsabilidade Corporativa:

    relacionam-se ao

    comprometimento das empresas

    fabricantes com a coleta de seus

    produtos ao final da vida til;

    - Tecnolgicos: ligam-se aos

    avanos tecnolgicos da

    reciclagem e projetos de produtos

    com finalidade de

    reaproveitamento aps descarte

    pela sociedade;

    - Logsticos: relacionam-se aos

    aspectos logsticos da cadeia

    reversa, como por exemplo, a

    coleta de produtos.

    9

  • 1.3.1. Econmicos

    A Logstica Reversa pode trazer

    ganhos diretos s empresas por meio

    da recuperao de produtos e reduo

    de custos com o descarte adequado

    de materiais usados. Como exemplo,

    os equipamentos eletrnicos, que,

    normalmente, tm vida til bastante

    curta, devido ao acelerado avano

    tecnolgico. Seus componentes, no

    entanto, podem ser reutilizados.

    Algumas empresas esto praticando o

    processo de recuperao de produtos

    para prevenir-se contra futuras

    imposies governamentais. Deste

    modo, no estaro despreparadas ao

    ter que cumprir alguma lei, e,

    conseqentemente, no iro efetuar

    gastos inesperados para atender s

    exigncias impostas.

    Toda empresa, independentemente do

    ramo, tamanho, tipos de produtos ou

    localizao geogrfica, pode

    beneficiar-se do planejamento,

    implementao e controle de

    atividades da Logstica Reversa,

    mesmo que no haja imposio

    governamental.

    Os fatores econmicos apresentam-

    se por meio de ganhos diretos e

    indiretos. So eles:

    - Ganhos Diretos: reaproveitamento

    de materiais, reduo de custos,

    adio de valor na recuperao.

    - Ganhos Indiretos: antecipao a

    imposies legislativas, proteo

    contra a competio de mercado,

    imagem corporativa associada

    proteo ambiental, melhora de

    relacionamento fornecedor/cliente.

    1.3.2. Governamentais

    Referem-se a qualquer imposio

    governamental para que as empresas

    recuperem seus produtos ou os

    recolham ao final da vida til ou aps

    o descarte, objetivando evitar a

    degradao do meio ambiente.

    A legislao de diversos pases,

    principalmente da Europa, tem sido

    bastante rigorosa com os fabricantes,

    impondo obrigaes quanto ao

    recolhimento de seus produtos para

    que sejam recuperados ou

    descartados adequadamente.

    10

  • 1.3.3. Responsabilidade Corporativa

    Est relacionada ao conjunto de

    valores ou princpios que levam a

    empresa a se tornar responsvel

    perante a logstica reversa. Por

    exemplo, as empresas que mantm

    extensivo programa de recolhimento

    de seus produtos aps o descarte -

    priorizando as responsabilidades

    social e ambiental.

    1.3.4. Sociais

    Envolvem os governos por meio de

    imposies governamentais,

    provimento de coleta seletiva

    urbana de resduos slidos o que

    contribui para a gerao de

    empregos e instituio de

    incentivos para empresas

    praticantes da Logstica Reversa, as

    empresas por meio da preocupao

    em dar um destino adequado a seus

    produtos no final da vida til e a

    sociedade em geral que praticando

    a rotina do descarte de forma

    adequada estar contribuindo para a

    preservao do meio ambiente e

    para a obteno da melhoria

    contnua da qualidade de vida.

    11

  • 1.4. Ciclo de Vida do Produto

    Por trs do conceito de Logstico

    Reversa est um conceito mais

    amplo, que o do ciclo de vida do

    produto. A vida de um produto, do

    ponto de vista logstico, no termina

    com sua entrega ao cliente.

    Produtos se tornam obsoletos,

    danificados, ou no funcionam e

    devem retornar ao seu ponto de

    origem para serem adequadamente

    descartados, reparados ou

    reaproveitados.

    O ciclo de vida do produto dividido

    em quatro estgios, sendo o

    primeiro a introduo, o segundo

    crescimento, o terceiro maturidade,

    e o quarto declnio.

    A Introduo um perodo de baixo

    crescimento em vendas, uma vez

    que o produto est sendo

    introduzido no mercado. No h

    lucros nesse estgio, devido s

    pesadas despesas com a introduo

    do produto.

    O Crescimento um perodo de

    rpida aceitao do mercado e

    melhoria substancial dos lucros.

    A Maturidade um perodo de

    baixa no crescimento de

    vendas. Isso porque o produto j

    conquistou a aceitao da maioria

    dos compradores potenciais. Os

    lucros se estabilizam ou declinam,

    devido competio acirrada.

    O Declnio o perodo em que as

    vendas mostram uma queda

    vertiginosa e os lucros

    desaparecem.

    O ciclo de vida material do produto

    apresentado na figura a seguir

    na sua forma ideal, com o

    fechamento do ciclo de materiais

    por meio do fluxo reverso com

    aplicao das estratgias de fim de

    vida que incluem a reciclagem, a

    remanufatura e o reuso, entre

    outras.

    12

  • 1.4.1. O Nascimento de um Produto

    Um novo produto pode nascer

    devido trs razes principais: fruto

    de uma nova descoberta cientfica

    (normalmente revolucionria),

    devido nova utilizao de um

    conhecimento cientfico j existente

    ou ainda devido mudanas e ou

    melhorias de um produto existente.

    Muitas empresas e centros de

    pesquisas, possuem equipes

    multidisciplinares de pesquisadores,

    que dedicam anos e muito dinheiro

    com pesquisa cientfica pura,

    tentando descobrir novos conceitos

    e fenmenos cientficos.

    Atualmente algumas reas so

    muito pesquisadas, tais como:

    farmacutica, telecomunicaes,

    energia e novos materiais no

    metlicos.

    Talvez o campo da pesquisa

    cientfica atual, que mais tem

    recebido ateno seja o da indstria

    farmacutica, procurando uma

    vacina para a AIDS. H vrios anos

    que esto sendo gastos bilhes de

    dlares, basicamente tentando-se

    entender os fenmenos cientficos

    envolvidos na contaminao e

    propagao da doena.

    A partir da podero ser desenvolvidos

    novos produtos, como vacinas

    preventivas e remdios para

    tratamento dos doentes.

    Muitas pesquisas so desenvolvidas

    de forma a criar novos produtos e

    objetos, baseando-se em conceitos e

    fenmenos cientficos j conhecidos.

    Este o conceito da pesquisa

    tecnolgica aplicada, como por

    exemplo, na busca de telefones

    celulares cada vez menores e com o

    mnimo de emisso de ondas

    prejudiciais aos usurios.

    Finalmente tm-se as pesquisas

    aplicadas a produtos e objetos

    existentes, onde se procura dar nova

    forma fsica ou nova utilizao. Neste

    caso, alm do fenmeno cientfico j

    dominado, tem-se o produto em uso.

    Esta forma de criar novos produtos

    muito utilizada por empresas que no

    possuem grandes volumes de capital

    financeiro, para investimento em

    pesquisas puras. Neste caso a

    pesquisa parte das necessidades do

    mercado e desenvolvimento do

    produto para atender estas

    necessidades. Muitas vezes criam-se

    novos produtos que embutem

    patentes de processos existentes,

    onde se pagam direitos aos

    detentores da patente.

    13

  • 1.4.2. A morte e descarte de um Produto

    Todo produto, aceito pelo mercado,

    tem um ciclo de vida bem definido,

    ou seja, tem: gestao, nascimento,

    crescimento, maturidade,

    envelhecimento e morte,

    exatamente como ns seres

    humanos. A morte de um produto

    tem duas conseqncias bem

    definidas, uma para o fabricante e

    outra para o consumidor e a

    sociedade. Para o fabricante a

    morte significa descontinuidade de

    produo, parada nas vendas e

    perda de lucros. por este motivo

    que as empresas tm que estar

    sempre pesquisando e

    desenvolvendo novos produtos;

    caso contrrio

    a empresa morre junto com o

    produto. Para o consumidor e a

    sociedade a morte significa no

    disponibilidade do produto e

    problemas ambientais.

    Por mais simples que seja, todo

    produto causa impacto ambiental.

    Desde a coleta da matria prima,

    fabricao, uso e descarte, em toda a

    cadeia produtiva existe impacto

    ambiental. Um dos grandes desafios

    atual da humanidade exatamente

    este, produzir cada vez mais, com o

    mnimo de impacto ambiental. De

    forma geral nossos processos

    produtivos so extremamente

    dispendiosos e poluentes. Aps mais

    de 250 anos, da primeira revoluo

    industrial, ainda utilizamos mal os

    recursos naturais.

    Alm da produo, o reuso/reciclagem

    dos produtos torna-se uma atividade,

    no s estratgica, mas

    principalmente de preservao da

    vida. Alm dos investimentos

    financeiros, nas fases de pesquisa e

    desenvolvimento, tambm se deve

    pensar e quantificar os gastos com os

    futuros descartes dos produtos. Este

    fato extremamente importante para

    os produtos que possuem

    componentes de reconhecido impacto

    ambiental e que por lei obriga os

    fabricantes a dar o destino correto.

    Este o caso de produtos que contm

    elementos qumicos perigosos,

    radioativos e tambm, por exemplo,

    das baterias de telefones celulares.

    14

  • As oito fases do ciclo de vida de um

    produto

    15

  • Viso de ciclo de vida da rea ambiental, que mostra

    principalmente o ciclo de material, depois do

    lanamento de um produto.

    16

  • 1.5. Revalorizao dos Bens

    A recuperao e agregao de valor

    aos produtos retornados podem

    ocorrer de diferentes formas,

    dependendo das caractersticas dos

    produtos e dos processos aos quais

    esses so submetidos.

    O valor do produto recuperado varia

    de acordo com os processos pelos

    quais esse submetido, sendo que,

    medida em que o produto avana

    sobre os nveis de recuperao,

    maior a revalorizao do mesmo.

    Quando a etapa final do processo a

    revenda, o reuso ou a redistribuio

    garante-se ao produto a sua funo

    original, e, portanto, a sua mxima

    revalorizao. Quando a alternativa

    encontra-se na base da pirmide, a

    revalorizao est associada

    recuperao de materiais, energia ou

    ao descarte apropriado de resduos. A

    recuperao parcial, estando

    atrelada, normalmente, a razes

    legais e/ou ambientais em detrimento

    s econmicas.

    A revalorizao, ou recuperao do

    valor, de bens e produtos adquire

    diferentes nveis de

    importncia conforme o setor

    empresarial. Quando um produto

    possui alto valor agregado, o seu

    retorno ou descarte acarreta

    desperdcio de matria-prima,

    energia e tempo. Alguns setores

    dependem mais diretamente da

    recuperao de seus produtos,

    como o caso da indstria

    fonogrfica e editorial, que possuem

    polticas especficas que garantem a

    liberdade para a devoluo dos

    produtos com baixa sada ou ciclo

    de vida muito curto.

    A classificao dos diferentes nveis

    de recuperao de valor tem o

    intuito de suprir a

    necessidade de um sistema que

    garanta a esquematizao das

    etapas necessrias para o correto

    manejo dos bens e produtos

    retornados, assim como permitir a

    separao dos diferentes objetivos

    almejados com a implantao de um

    programa de logstica reversa,

    permitindo elencar as barreiras e

    oportunidades vinculadas a cada

    sistema. A obteno de um

    panorama claro e integrado dos

    processos envolvidos na logstica

    reversa imprescindvel para a o

    bom desempenho do sistema como

    um todo.

    17

  • Existem duas grandes reas de

    atuao da logstica reversa que tm

    sido tratadas independentemente at

    ento pela literatura, diferenciadas pelo

    estgio ou fase do ciclo de vida til do

    produto retornado.

    A primeira a ser analisada a Logstica

    Reversa de Ps-Venda e a segunda a

    Logstica Reversa de Ps-Consumo.

    Essa distino se faz necessria,

    embora existam inmeras

    interdependncias que sero

    examinadas a seguir, pois o produto

    logstico e os canais de distribuio

    reversos pelos quais fluem, bem como

    os objetivos estratgicos e tcnicas

    operacionais utilizadas em cada rea

    de atuao so, via de regra, distintos.

    Denomina-se logstica reversa de ps-

    venda a especfica rea de atuao que

    se ocupa do equacionamento e

    operacionalizao do fluxo fsico e das

    informaes logsticas correspondentes

    de bens de ps-venda, sem uso ou com

    pouco uso, que por diferentes motivos

    retornam aos diferentes elos da cadeia

    de distribuio direta, que se

    constituem de uma parte dos canais

    reversos pelo qual fluem estes

    produtos.

    Seu objetivo estratgico o de

    agregar valor a um produto

    logstico que devolvido por

    razes comerciais, erros no

    processamento dos pedidos,

    garantia dada pelo fabricante,

    defeitos ou falhas de

    funcionamento no produto, avarias

    no transporte, entre outros motivos.

    Esse fluxo de retorno se

    estabelecer entre os diversos elos

    da cadeia de distribuio direta,

    dependendo do objetivo estratgico

    ou motivo de seu retorno.

    Denomina-se logstica reversa de

    ps-consumo a rea de atuao da

    logstica reversa que igualmente

    equaciona e operacionaliza o fluxo

    fsico e as informaes

    correspondentes de bens de ps-

    consumo descartados pela

    sociedade, que retornam ao ciclo

    de negcios ou ao ciclo produtivo

    pelos canais de distribuio

    reversos especficos.

    Constituem-se bens de ps-

    consumo os produtos em fim de

    vida til ou usado com possibilidade

    de utilizao e resduos industriais

    em geral.

    18

  • Seu objetivo estratgico o de

    agregar valor a um produto

    logstico constitudo por bens

    inservveis ao proprietrio original,

    ou que ainda possuam condies

    de utilizao, por produtos

    descartados por terem atingido o

    fim de vida til e por resduos

    industriais.

    Estes produtos de ps-consumo

    podero se originar de bens

    durveis ou descartveis e flurem

    por canais reversos de reuso,

    desmanche e reciclagem at a

    destinao final.

    1.6. Impactos na gesto da

    logstica

    O processo de logstica reversa

    gera impactos na gesto da

    logstica; pois muitos materiais so

    reaproveitados e retornam ao

    processo tradicional de

    suprimento, produo e

    distribuio.

    Este processo geralmente

    composto por um conjunto de

    atividades que uma empresa

    realiza para coletar, separar,

    embalar e expedir itens usados,

    danificados ou obsoletos dos

    pontos de consumo at os locais

    de reprocessamento, revenda ou

    descarte.

    Vrios so os tipos de

    reprocessamento que os materiais

    podem ter, dependendo das

    condies que estes entram no

    sistema de logstica reversa. Os

    materiais retornam ao fornecedor

    quando houver este acordo.

    Podem ser revendidos se ainda

    estiverem em condies

    adequadas de comercializao.

    Podem ser reciclados se no

    houver possibilidade de

    recuperao.

    19

  • Alternativas de recuperao de produtos retornados,

    ordenados de acordo com a capacidade de recuperao

    de valor

    20

  • A Logstica Reversa lida com 5

    questes bsicas:

    1. Quais alternativas esto

    disponveis para recuperar

    produtos, partes de produtos e

    materiais?

    2. Quem deve realizar as

    diversas atividades de

    recuperao?

    3. Como estas atividades devem

    ser realizadas?

    4. possvel integrar as

    atividades tpicas da logstica

    reversa com sistemas de

    distribuio e produo

    clssicos?

    5. Quais so os custos e

    benefcios da logstica reversa,

    do ponto de vista econmico e

    ambiental?

    21

  • Bibliografia

    DONATO, Vitrio. Logstica Verde: uma abordagem

    scio-ambiental. So Paulo: Cincia Moderna, 2009.

    LEITE, Paulo Roberto. Logstica Reversa. 2 ed. So

    Paulo: Pearson / Prentice Hall, 2009.

    22