Projeto Pedagógico do MBA em Gestão Empreendedora e ...€¦ · Empreendedora e Inovação, a...

of 16 /16
Realização Parceria www.mbaempreendedorismo.org.br MBA EM GESTÃO EMPREENDEDORA E INOVAÇÃO CICLO DE EDUCAÇÃO EM EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA A Educação em seus diferentes níveis passa por tensões para atender às demandas advindas das novas tecnologias da informação e da comunicação, bem como dos fenômenos da exclusão social e das desigualdades de desenvolvimento, das pressões entre o global e o local, da degradação do meio ambiente, demandas sociais essas próprias de um mundo em crescente processo de mudança. Nesse contexto, o grande desafio do sistema de educação é criar condições para que o processo de ensino-aprendizagem ocorra de forma efetiva, capacitando professores que incorporem e utilizem novas tecnologias, inovando o processo didático e metodológico nas universidades e formando pessoas preparadas para tomar decisão de maneira autônoma e inovadora escolhendo seu caminho de aprendizagem. A questão, pois, é bem mais do que construir conhecimentos, é criar ambiência para desenvolver competências que possibilitem as pessoas vivenciarem

Embed Size (px)

Transcript of Projeto Pedagógico do MBA em Gestão Empreendedora e ...€¦ · Empreendedora e Inovação, a...

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    MBAEMGESTÃOEMPREENDEDORAEINOVAÇÃO

    CICLODEEDUCAÇÃOEMEMPREENDEDORISMOEINOVAÇÃO

    UMAEXPERIÊNCIAINOVADORADEPÓS-GRADUAÇÃOEMEMPREENDEDORISMOEINOVAÇÃO

    EDUCAÇÃOEMPREENDEDORA A Educação em seus diferentes níveis passa por tensões para atender às demandas advindas das novas tecnologias da informação e da comunicação, bem como dos fenômenos da exclusão social e das desigualdades de desenvolvimento, das pressões entre o global e o local, da degradação do meio ambiente, demandas sociais essas próprias de um mundo em crescente processo de mudança. Nesse contexto, o grande desafio do sistemadeeducação é criar condições para que o processo de ensino-aprendizagem ocorra de forma efetiva, capacitando professores que incorporem e utilizem novas tecnologias, inovando o processo didático e metodológico nas universidades e formando pessoas preparadas para tomar decisão de maneira autônoma e inovadora escolhendo seu caminho de aprendizagem. Aquestão, pois, é bem mais do que construir conhecimentos, é criar ambiência para desenvolver competências que possibilitem as pessoas vivenciarem

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    experiências, realizarem práticas, atuarem de forma corajosa e criativa, comprometidas com a inovação, capazes de planejar sua vida e com isso suas ações e formarem redes sociais nas quais se movimentem com autonomia. Assim, a questão é como desenvolver competênciasenfrentandoastensões entre o global e o local, a tradição e a modernidade, o longo e o curto prazos, as competências indispensáveis e as igualdades de oportunidades, o desenvolvimento do conhecimento e a capacidade do ser humano de assimilação. Por competência, pode se entender a tríade que envolve: conhecimentos, habilidades e atitudes, englobando de forma integrada não só questões técnicas, mas, também, aspectos sociais e afetivos relacionados ao trabalho e a vida:

    • O conhecimento corresponde ao saber o que e por que fazer, ou seja, refere-se ainformações assimiladas e estruturadas pelo indivíduo, que lhes permitem entender o mundo.

    • Ahabilidaderefere-seasabercomofazeralgonomomentoadequado,ouseja,é a capacidade de agir de acordo com objetivos ou processos pré-definidos, mobilizando objetos de conhecimento, técnicas e aptidões.

    • Aatitudediz respeitoaaspectosafetivosesociais relacionadosao trabalho. Incluiaidentidadedo indivíduo com os valores da organização, por consequência,seucomprometimento e motivação para atender aos padrões de comportamento esperados para atingir resultados no trabalho com qualidade. AoproporoprojetodeumMBA(CursodePós-Graduação LatoSensu)emGestão Empreendedora e Inovação, a Fundação PaqTcPB, em parceria com aUniversidade Federal de Campina Grande, volta-se para o desenvolvimento decompetências que possibilitem a inserção de profissionais graduados no mundo do empreendedorismo de oportunidades e de inovação, enfocando, principalmente adimensão atitude empreendedora.

    ATITUDEVOLTADAPARAEMPREENDER Oconceitodeatitudedizrespeitoàs “respostas avaliativas relativamente estáveis que são dadas a uma entidade ou situação”. Atitude, dizem alguns autores, é percebida a partir de trêscomponentes:oafetivo(ouavaliativo)querefleteofatodapessoa gostar ou não da entidade ou situação; o cognitivo, que consiste nas crenças que as pessoas têm sobre a entidade ou situação; e o comportamental, que representa as tendências comportamentais em relação à entidade ou situação. Embora esses “componentes sejam inter-relacionados, podem ocorrer algumas inconsistências entre eles”. Além de destacarem o componente afetivo pela influência que o humor e as emoções têm sobre a atitude, essas são como um grau de avaliação pessoal favorável ou desfavorável em relação a um objeto atitudinal, podendo ser utilizadas para se referir à avaliaçãodeumobjeto,conceitooucomportamentonocontinuumdedimensões como a favor ou contra, bom ou mau e gostar ou não. Atitudes são à base de situações sociais, como as relações de amizade e conflitos e, a partir delas, é possível fazer inferências sobre ocomportamentodosatores.

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    Neste contexto, a atitude a ser considerada é a atitude empreendedora que é conceituada como a predisposição aprendida, ou não, para agir de forma inovadora, autônoma, planejada e criativa, estabelecendo redes sociais. O conceitodeempreendedorismo,queadjetivaatitudecomoempreendedora,é aqui considerado em função de quatro elementos: traços de personalidade, postura estratégica, inovação e propensão a assumir riscos, destacando entre elas a busca de oportunidade e a criatividadecomotraços de personalidade. Empreendedorismo,então pode ser definido como processo, tangível e intangível, realizado por pessoa com habilidades criativas, sendo uma complexa função de experiências de vida, oportunidades, habilidades e capacidadesindividuais. Aatitudeempreendedorapodeserassociadaà predisposição para gerenciar a vida ou a um empreendimento, obtendo informações acompanhando-o e avaliando-o sistematicamente; à predisposição para ter iniciativas, tomar decisões, atingir objetivos,cumprirmetas,buscaroportunidadeseaceitarriscos;à predisposição para liderar, influenciar nas ações e resultados do empreendimento, estabelecer redes sociais, desenvolver a autoconfiança, e à predisposição para agir de forma criativa, construirdiferenciaiscompetitivoseprodutivos. Ascaracterísticas mais destacadas para a formação da atitude empreendedora são a inovação, a busca de oportunidades, a criatividade, a propensão a correr riscos, a liderança, a visão, a persistência e a necessidadederealização. É, pois, essa atitude que este Curso MBA aqui proposto tem por objetivo desenvolver, para formar pessoas empreendedoras, ou seja, inovadoras, capazes de promover a mudança, comprometidos com a inovação. Inovação é compreendida como o queé feito de modo diferente, agregando valor, ou seja, toda e qualquer solução que gere mais valor, novos conhecimentos, novas e melhores soluções para problemas. De um modo geral, inovação é o esforço para gerar novidade, novos processos, novas práticas,novosmétodos, enfim, novas ações com base em informação e conhecimento. A ambiência interna das comunidades educacionais, como as condições gerenciais, de infraestrutura e tecnológicas, e externa, como as redes sociais, são fatores que possibilitam o desenvolvimentodocompromissodaspessoascomainovação. No entanto, não é suficiente desenvolver estratégias organizacionais para inovar, o desafio das comunidades de ensino (escolas, faculdades e universidades) é serem os professores agentes inovadorescapazesdeimplantarvaloreseideiasinovadoras.

    EMPREENDEDORISMOCOMBASEEMCONHECIMENTOEINOVAÇÃO Oprocessodeglobalização tem repercussões significativas para as organizações no que diz respeito ao acesso à informação e a novos mercados, resultando em maior competição internacional e na necessidade da busca de novas formas de organização e gestão para lidar com as novas tecnologias. Com isso, as diversasáreas do conhecimento têm aceitado amplamente que a inovação constitui-se num elemento central para a obtenção da competitividade.

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    Principalmentedevidoavantagensemtecnologiasemaioresfluxosdeinformação, o conhecimento é cada vez mais percebido como condutor central do desenvolvimento e da inovação. Entretanto, devido à complexidade do processo de inovação existe certo consenso de que a mesma seja considerada numa perspectiva ampla e sistêmica.Destaforma,osestudossobreinovação envolvem várias disciplinas e diversas perspectivas que podem ser complementares. Surgem, assim, diversas políticas de inovação que buscam responder questões relacionadas a: quais são as forças que conduzem à inovação e os fatores que a obstruem? Como se dá o processo de inovação no interior das organizações e como gerenciá-lo? Que tipo de práticas de negócios são utilizadas para promover a inovação? Como o conhecimento é acumulado e como circula entre os atores? Como os processos de inovação são desenvolvidos no âmbito da indústria e nas esferas regionais e nacionais? Entre outras. Paraodesenvolvimentodeestratégias e projetos de inovação é necessário um melhor entendimento de vários aspectos críticos do processodeinovação, tais como as atividades de inovação que não estão incluídas na Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), as interações entre os atores e os fluxos relevantes de conhecimento, concentrado nos processos interativos através do qual o conhecimento é criadoetrocadodentrodasempresaseentreasempresaseoutrasorganizações. A avaliação dessas interações precisa ser ampliada em virtude da importância dos fluxos de conhecimento entre as empresas e outras organizações para o desenvolvimento e difusão de inovações. Isso ajuda a entender o papel das estruturas organizacionais e das práticas que promovem o compartilhamento e o uso das estruturas organizacionais e do conhecimento e da interação com outras empresas e instituições públicas. Por sua vez, no âmbito do lócus de inovação, mais precisamente os empreendimentos com base em conhecimento, tecnologia e inovação, este processo não pode ser dedicado a poucos e muito menos feito de forma desarticulada e sem incentivos das instituições de fomento. Foi pensandonesteprocesso e levando em consideração experiências bem sucedidas em outros países que nos últimos anos tem sido feito um enorme esforço por parte de toda a sociedade brasileira no sentido de promover a inovação no âmbito das empresas. São exemplosdissoaLeidaInovação e os recentes Editais de apoio aos processos inovadores, como foi o caso do Programa PRIME e maisrecentementeoProgramaTECNOVA,ambosexecutadospelaFINEP–FinanciadoradeEstudoseProjetosdoMCTI,emparceriacomFundaçõesdeApoioà Pesquisa dos Estados e outras ICTs. Em outras palavras, existe o entendimento que no dia-a-dia das empresas sejaimplantada a Gestão da Inovação, utilizando-se, para tal, dos mais diversos instrumentos e ferramentas de apoio. Para tal, admite-se que devido à importância assumida pela inovação no contexto atual dos negócios, bem como pela sua complexidade, faz-se necessário que as empresas lancem mão de especialistas inovadores e treinados para liderar equipes e gerenciar processos de mudança. Portanto,é com este intuito, isto é, o de preparar empreendedores e gestores para melhor enfrentar o processo de inovação no âmbito das empresas com base tecnológica, em especial as que participam ou pretendem se candidatar a participar de programas de incentivoedesubvenção econômica, no âmbito da

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, do Centro de Inovação e Tecnologia Telmo Araújo e das Universidades Federal de Campina Grande e Estadual da Paraíba, é que está sendo proposta a realização deste MBA em Gestão Empreendedora e Inovação (Curso de Pós-Graduação LatoSensu).

    OMBAEMGESTÃOEMPREENDEDORAEINOVAÇÃO O MBA em Gestão Empreendedora e Inovação em seus objetivos, metas, estratégias e atividades foca o desenvolvimento de atitude empreendedora,dimensão que visa o desenvolvimento de pessoas que além de participativas, críticas, reflexivas, e criativas, estão comprometidas com a inovação e com o exercício da responsabilidade social. Este MBA busca, complementarmente, relacionar teoria à prática,entendidascomodimensões indissociáveis para uma análise reflexiva da realidade. Poroutrolado,nasuaconcepção, o MBA considera a missão de educar e a visão de futuro da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), valores que podem orientar o processodeensino-aprendizagem,principalmenteaquelesvoltadosparaodesenvolvimentohumano,ainclusão e a responsabilidade social. Além disso, os quatro pilares da educação - aprender a ser, a fazer, a conviver e a conhecer – foram tomados como orientaçãofocalparaodesenvolvimentodesteMBA. Nestesentido,osfundamentosquenortearamapropostasão os seguintes:

    • Gestão empreendedora de negócios de alto impacto; • Gestão da Inovação no Contexto da Gestão do Conhecimento; • Necessidadedevisão integradaesistêmica do processo de inovação, superando

    a percepção comum envolvendo as dimensões: econômica, financiamento e conhecimento técnico-científico, enfatizando a gestão do habitat e discutindo as limitações dos modelos lineares;

    • Exploração das dimensõeshumana,histórica, filosófica, política, econômica, legal, sociocultural, técnico-científica, e epistemológica da inovação, segundo as perspectivas da gestão de empreendimentos inovadores;

    • Desenvolvimento de uma linguagem de comunicação adequada aos empreendedoresegestoresdeinovação, com ênfase no tratamento dos conceitos básicos envolvidos no processo de inovação (tecnológica ou não) e difusão;

    • Ênfase no desenvolvimento de técnicas de gestão estratégica, visando à formação de equipes de alto desempenhoetambém na elaboração, execução e avaliação de projetos e planos de negócios de acordo com a filosofia de planejamento situacional e combinação com as categorias do Modelo Evolutivo, e com a metodologia da matriz de impactos cruzados, usada para iniciarconstrução de cenários; e,

    • Entendimento dos interesses e papéis dos distintos agentes do sistema de inovação, com ênfase na aprendizagem de técnicas de negociação e empreendedorismo inovador.

    OBJETIVOGERALDOCURSO

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    Introduzir e discutir os princípios, práticas e técnicas da gestão com foco nas demandas e desafios do empreendedorismo com base em conhecimento, tecnologia e inovação.

    OBJETIVOSESPECÍFICOS

    • Prepararoempreendedorparaprojetaroseunegócio de alto impacto, alinhando objetivos pessoais com oportunidades de mercado;

    • Apresentarediscutirosconceitosbásicos de inovação, bem como as diferentes formas de pensar e os modelos de gestão empreendedora;

    • Desenvolveraabordagemsistêmica de inovação em seus negócios; • Discutirosaspectoscríticos dos processos de inovação e difusão de tecnologias; • ApresentarediscutiraLeide Inovação e os documentos dos conceitos legais e

    oficiais; • Apresentarconceitosetécnicas de prospecção tecnológica; • Apresentarosinstrumentosgovernamentaisdeexecução das políticas e estratégias

    de Inovação; e • Valoração da inovação e sua negociação.

    PÚBLICOALVO Empreendedoresegestoresdenegócios de empreendimentosdebasetecnológica e inovadores, e Profissionais Graduados em qualquer Área do Conhecimento que desejem desenvolver ou aprimorar suas competências, habilidades e atitudes empreendedoras para gerirem negócios ou empreendimentos de alto impacto: administradores, engenheiros, arquitetos, advogados, contadores,economistas,comunicadoressociais,designers,programadoreseáreas afins. METODOLOGIA

    • Princípios, prática e essência, evidenciando a prática (práxis) e a troca de experiências como base de aprendizagem; no curso os participantes não são tratados como alunos (sem luz), mas como profissionais capazes de interpretar e compartilhar suas experiências; a aprendizagem depende do empenho de cada um, cabendo ao docente propor temas de acordo com os objetivos dadisciplinaemediaroprocesso;

    • Utilização de técnicas de aprendizagem em grupo (aprendizagem cooperativa) para viabilizar a troca de experiências entre os participantes, exercitando as práticas de negociação e de trabalho em equipe;

    • Apresentação de estudos de casos, como forma de disseminação das melhores práticas adotadas no País e no exterior, com ênfase em casos reais de empresas inovadoras e agências locais de inovação;

    • Usodemateriaisinstrucionaisdiversificados,comaplicação de exercícios práticos, vídeos, teatros, jogos e simulações para fixação dos conceitos, bem como de aprendizagem do processo de negociação;

    • Utilização da técnica de leitura orientada, explorando textos clássicos e modernos, inclusive como forma de cotejo com os conceitos propostos nadisciplina;

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    • Aplicação de vários tipos de exercícios para estimular o raciocínio, tornando ativa ao invés de passiva, a interação dos participantes com os conteúdos propostos;

    • Uso intensivo de linguagem metafórica no sentido de ensejar interpretações próprias e estimular a criação de conceitos;

    • Adoção do método socrático: apresentação, discussão e síntese - Leitura, Narração, Áudio – Visual, Exercícios, debates, e considerações finais.

    AVALIAÇÃODAAPRENDIZAGEM Oprocessodeavaliação proposto tem base nas perguntas e inquietações, bem como de socialização dos conhecimentos entre os participantes como indicadores de aprendizagem, em oposição à solicitação de respostas prontas de mera replicação (provas), sem profundidadeesemrespeitoàs interpretações próprias dos participantes, sobretudo, em relação às questões polêmicas e não consensuais encontradas na literatura. Para fins de aprovação final do aluno no MBA em Gestão Empreendedora e Inovação, o Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) poderá ser a elaboração do Plano de Negócios de um Empreendimento Inovador e de Alto Impacto ou umaMonografia que apresente resultados de uma pesquisa envolvendo os temasInovaçãoeEmpreendedorismo.

    ESTRUTURAPEDAGÓGICADOCURSOMBA EMGESTÃO EMPREENDEDORA EINOVAÇÃO

    Aestrutura pedagógica do MBA em Gestão Empreendedora e Inovação terá 360 h de duração, que será composta por 12 (doze) disciplinas de 30 (trinta) horas, sendo 12 (doze) horas presenciais e 18 (dezoito) horas à distância com o uso da Plataforma Moodle.

    CONTEÚDOSPROGRAMÁTICOS

    Disciplina Conteúdo

    EmpreendedorismoeStartups

    • Oqueé empreendedorismo.• PerfileHabilidadesdoempreendedor..• Conceitodenegócio de alto impacto.• Identificação e reconhecimento de oportunidades

    valiosas.• Proposição e validação de modelos de negócios de

    projetos inovadores.• Ideação: liberando as amarras da imaginação.• Padrões de Negócios.• DesigndeNegócios e o pensamento visual.• Oqueé uma startup.• BusinessModelCanvas.• Mínimo Produto Viável.

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    EcossistemadeInovaçãoeEmpreendedorismo

    • ConceitosBásicos de inovação.• Invenção, Descoberta e Inovação.• Inovação aberta e co-criação.• Dados,informação, conhecimento e Inteligência.• Ambientesparaapromoção do empreendedorismo e da

    inovação.• Conceitosecaracterização de Ecossistema de Inovação,

    Habitats de Inovação, Incubadoras, Aceleradoras, Parques Tecnológicos e espaços de coworking.

    • A Hélice Tripla da Inovação: Academia, Governo eMercado.

    • Os principais ecossistemas de inovação no Brasil e no mundo.

    • A transferência de tecnologia e a proteção da propriedade industrial em ecossistemas de inovação.

    GestãodeMarketingeVendas

    • Pesquisademercado:análise do setor, da concorrência e do público alvo.

    • Criação e Posicionamento da Marca.• Estratégias de Produto e/ou Serviço inovadores.• Estratégias de Precificação.• Estratégias de Comunicação de marketing.• CanaisdeDistribuição de Marketing.• E-commerce.• Vendas;• Multimarcas;• Processodevendas;• Relacionamentocomcliente;• Visualmerchandising;• Ciclodevendas;• Funildevendas;• Construindoegerenciandoequipedemarketingevendas.

    GestãodaInovaçãoTecnológica

    • Inovação e Tecnologia.• EstruturaOrganizacionaldeEmpresasInovadoras.• Processodainovação tecnológica.• Inovação Tecnológica e Estratégia Competitiva.• Ferramentasdagestão da inovação.• Introdução ao TEMAGUIDE.• DesignThinking.• Gestão de projetos inovadores.

    EstudodeViabilidadeEconômico-FinanceiradeNovosEmpreendimentos

    • PlanejamentoFinanceirodeNovosEmpreendimentos;• Fluxodecaixa;• Projeções de vendas;• Projeções de custos;• DRE;• Métodos de avaliação de projetos de investimentos de

    capital: payback, valor presente líquido, taxa interna de retorno, ROI;

    • Fontesderecursos.

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    MecanismosparaCaptaçãodeRecursosparaNovosEmpreendimentos

    • Classificação dos instrumentos de apoio à inovação;• Órgãos de Fomento;• Estratégias para captação de recursos;• SistemaNacional,RegionaleLocaldeInovação;• Sistemadeincubação de empresas;• Fontescriativasderecursos;• Gestão, acompanhamento e prestação de contas de

    projetos aprovados em editais de fomento;• InvestidorAnjoeVentureCapital;• Dicas e dificuldades no processo de financiamento para a

    inovação.

    IntraempreendedorismoeGestãodePessoas

    • Intraempreendedorismo.• Climaorganizacional.• Culturaorganizacional.• Comoatraireselecionaraspessoascertas.• Aprendizagemorganizacional.• Motivandodepessoas.• Autodesenvolvimento.• Comorecompensarotime.• Liderança.• Comunicação organizacional.• Definindocompetências empreendedoras.

    Inovação,NovasTecnologiaseEconomiaCompartilhada

    • Oimpactodasnovastecnologiasnoambientedenegócios.• Tendências e negócios: digitalização, automatização,

    mídias sociais, serviços on-line, análise e interpretação de dados, manufatura avançada, robótica e inteligência artificial.

    • Aeconomiacompartilhada.• Mercadosderedistribuição.• Lifestylescolaborativos.• Sistemasdeprodutoseserviços compartilhados.

    AspectosJurídicoseinstitucionaisdainovaçãotecnológicae

    empreendedorismo

    • Questões societárias;• Pessoajurídica;• Constituição de uma empresa;• Contratos;• PropriedadeIntelectual;• Marcasepatentes.• Tecnologiasproprietárias não protegidas por patentes.• Panoramadosorganismoseinstituições envolvidos com a

    inovação tecnológica.• Lei da inovação e outras leis de incentivo à pesquisa,

    desenvolvimento e inovação.

    ProspecçãoTecnológica

    • Formas de prospecção: busca de anterioridade, mapeamento patentário, monitoramento tecnológico, vigilância tecnológica, prognóstico ou previsão tecnológica, mapas tecnológicos.

    • Prospecção e mercado.• Inteligência competitiva na prospecção tecnológica.• Previsão de novos produtos.• Definição de potenciais rotas para aperfeiçoamentos em

    produtos e processos existentes.• Rastreamentodecapacitação tecnológica.• Identificação de tecnologias emergentes.• Identificação de novos mercados e de novas fontes de

    financiamento.

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    • MonitoramentodeoutroscentrosdeP&DedeC&T&I.• ModalidadesdeTransferência de Tecnologia.• A importância da prospecção tecnológica em setores

    intensivos de P&D.• Metodologiaseestratégias de prospecção tecnológica.

    OficinadeNegócios

    • Modelagemdenegócios.• Plano de negócios, usando métodos ágeis (ex. Método

    Canvas).• Protótipo conceitual, low definition.• Desenvolvimentodeprotótipos high definition.• Elaboração do pitch de apresentação.

    PlanodeNegócios

    • Metodologiaparaelaboração de um plano de negócios;• Estruturação dos capítulos referentes ao sumário

    executivo, descrição do negócio, análise de mercado, estratégia, plano de marketing, planejamento operacional e financeiro.

    • Diferentespúblicos do plano de negócios.• Conceitosrelacionadosdemarketing,estratégia e finanças.

    EQUIPEDOCENTEDOCURSO

    Disciplina CargaHorária

    NomedoMediador

    Titulação Instituição

    EmpreendedorismoeStartups 30h HyggoAlmeida Doutor UFCG EcossistemadeInovação e

    Empreendedorismo 30h Mônica Tejo Doutora UFCG

    Gestão de Marketing e Vendas 30h Vinícius Moreira Doutor UFCG Gestão da Inovação

    Tecnológica 30h RodrigoMotta Mestre UNIFacisa

    EstudodeViabilidadeEconômico-Financei-ra de Novos

    Empreendimentos

    30h Lúcia Melo Mestre UFCG

    MecanismosparaCaptação de Recursos para Novos Empreendimentos

    30h TiagoMassoni Doutor UFCG

    Intraempreendedo-rismoeGestão de Pessoas

    30h Fátima Camêlo Mestre SEBRAE

    Inovação, Novas Tecnologias e Economia Compartilhada

    30h SuzanneCorreia Doutora UFCG

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    AspectosJurídicos e institucionais da inovação tecnológica e

    empreendedorismo

    30h GesilSampaioeRafaelaSilva

    Doutor/Doutora

    UESM/PaqTcPB

    Prospecção Tecnológica 30h José Nilton Doutor UFCG

    OficinadeNegócios 30h CleoneSouzaeAntonioAugusto

    Mestre/Doutor

    UFCG/UEPB

    PlanodeNegócios

    30h RobertoRanieri Mestre UNIFacisa

    NºDEVAGAS

    DESTINAÇÃODASVAGASOFERTADAS DESTINAÇÃO

    ProfessoresdaUFCG 05Vagas

    Técnicos de Nível Superior da UFCG 15Vagas

    Técnicos de Nível Superior do PaqTcPB 05Vagas

    EmpreendedoresdeEmpresasIncubadasITCG/IACOC 05Vagas

    DemandaSocial 50Vagas

    TOTALDEVAGAS 80VAGAS

    CRONOGRAMADEREALIZAÇÃODOCURSOMBA

    ATIVIDADEASERREALIZADA PERÍODODEREALIZAÇÃO

    Elaboração do novo Projeto Pedagógico e Regulamento do Curso julho/agostode2017

    Tramitação na UAAC / CH / PRPG agosto/setembrode2017

    Resolução de Autorização do Curso outubrode2017

    Preparação de Material e Divulgação do Curso outubrode2017

    Período de Inscrições novembrode2017ajaneiro2018

    Seleção e Matrícula janeiroefevereirode2018

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    Início do curso março de 2018

    Disciplinas março de 2018 a março de 2019

    Elaboração do TCC com foco em Empreendimento Inovador e de Alto Impacto ou uma Monografia em Inovação e Empreendedorismo abril/junhode2019

    DefesasdosTCC’s julhode2019

    Entregadaversão final dos TCC´s agostode2019

    Elaboração do Relatório Técnico Final do Curso MBA em Gestão Empreendedora e Inovação

    agosto/setembrode2019

    CALENDÁRIODEREALIZAÇÃODASDISCIPLINASDOMBA

    Disciplina PeríododeRealização

    EmpreendedorismoeStartups 23e24demarço(Presencial)à 26 de abril de 2018 (Parte EAD)

    EcossistemadeInovaçãoeEmpreendedorismo 27e28deabril(Presencial)a24demaiode2018(ParteEAD)

    GestãodeMarketingeVendas 25e26demaio(Presencial)a28dejunhode2018(ParteEAD)

    GestãodaInovaçãoTecnológica 29e30dejunho(Presencial)a26dejulhode2018(ParteEAD)

    EstudodeViabilidadeEconômico-FinanceiradeNovosEmpreendimentos

    27e28dejulho(Presencial)a23deagostode2018(ParteEAD)

    MecanismosparaCaptaçãodeRecursosparaNovosEmpreendimentos

    24e25deagosto(Presencial)a20desetembrode2018(ParteEAD)

    IntraempreendedorismoeGestãodePessoas 21e22desetembro(Presencial)a18deoutubrode2018(ParteEAD)

    Inovação,NovasTecnologiaseEconomiaCompartilhada

    19e20deoutubroa22denovembrode2018(ParteEAD)

    AspectosJurídicoseinstitucionaisdainovaçãotecnológicaeempreendedorismo

    23e24denovembro(Presencial)a20dedezembrode2018(ParteEAD)

    ProspecçãoTecnológica 21e22dedezembrode2018a30dejaneirode2019(ParteEAD)

    OficinadeNegócios

    01a14defevereiro(1ª Parte EAD), 15e16defevereiro(Presencial),17a28defevereirode2019(2ª

    ParteEAD)

    PlanodeNegócios 01a14demarço (1ª Parte EAD), 15e16demarço(Presencial),17a31demarço de 2019 (2ª Parte EAD)

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    ElaboraçãoeEntregadoTCC 01deabrila01dejulhode2019 DefesadoTCC 15a26dejulhode2019

    EQUIPEDECOORDENAÇÃODOMBAEMGESTÃOEMPREENDEDORAEINOVAÇÃO

    VerônicaMacáriodeOliveiraMotta CoordenadoraPedagógica do MBA ProfessoraDoutoradaUnidadeAcadêmica de Administração e Contabilidade CentrodeHumanidadesdaUFCG

    VicentedePauloAlbuquerqueAraújo CoordenadorAdministrativodoMBA CoordenadordoCiclodeEducação em Empreendedorismo e Inovação CoordenadorGeralePesquisadorSênior do PEASA MISA UFCG

    REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICASPARAOCURSOMBA

    ACKOFF,R.L.,FromDatatoWisdom– Presidential Address to ISGSR, June1998, Journal of Applied Systems Analysis, Volume 16, 1989 BATESON,G.MindandNature:ANecessaryUnit.USA:E.P.Dutton,1979. BAUER,R.Gestão da Mudança; Caos e Complexidade nas Organizações-Atlas-São Paulo –1999. BOHM,D.Thoughtasasystem.London:Routledge,1994. CAPRA,F.ATeiadaVida.São Paulo, Cultrix, 1996. CAPRA,F.PontodeMutação. 2 ed. São Paulo: Cultrix, 2000. CARNEIRO,A-MetodologiadeAvaliação de Grupos Acadêmicos – Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Gestão do Conhecimento e da TI-PGCTI da UCB – Brasília – 2007; CASTELLS,M.ASociedadeemRede.7ed.Ver.Ampl.São Paulo: Paz e Terra,1999. CASTKA,P.etal.Factorsaffectingsuccessfulimplementationofhighperformanceteams.TeamPerformanceManagement,2001.121 DAVENPORT,T.ePRUSAK,L.WorkingKnowledge.Boston:HarvardBusinessSchoolPress,1998. DEMASI,D.Oócio criativo.QuartaEdição. Sextante Rio, 2001

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    DRUCKER,P.Administração em tempos de grandes mudanças. São Paulo - Pioneira, 1994. GLEICK,J.– Caos: A Criação de uma Nova Ciência- Campus - Rio -1998; FURTADO,C.Formação econômica do Brasil. 17 ed. São Paulo:Ed.Nacional,1986. HABERMAS,J.ODiscursoFilosófico da Modernidade São Paulo. Editora Martins Fontes, 2000. HANDY,C.,TempodeMudanças. São Paulo: Saraiva, 1996. HYMAN,R.B.CreativeChaosinHigh-PerformanceTeams:AnExperienceReport.CommunicationoftheACM,1993. HOCK,D.ONascimentodaEraCaórdica. São Paulo: Cultrix, 1999. HYMAN,R.B.CreativeChaosinHigh-PerformanceTeams:AnExperienceReport.Communication-ACM,1993. IRVINE,JeMARTIN,B.-ForesightinScience:pickingtheWinners-FrancesPrinterPublishers-Londres-1984; JANTSCH,E."DesignforEvolution:SelfOrganizationandPlanningintheLifeofHumanSystems"InternationalLibraryofSystemsTheoryandPhilosophy-N.Y-1975; KATZENBACH,J.R;SMITH,D.K.Thewisdomofteams.Boston:HBSP,1993. LORENZ,E.AEssência do Caos – Tradução de Cláudia Bentes David- Editora UnB - Brasília, 1996 LOSADA,M.F.Thecomplexdynamicsofhighperformanceteams.JournalMathematicalandComputerModeling,1998. LOSADA,M.F.;HEAPHY,E.TheRoleofPositivityandConnectivityinthePerformanceofBusinessTeams:ANonlinearDynamicsModel.AmericanBehavioralScientist,2001. MARION,R.;UHL-BIEN,M.-Leadershipincomplexorganizations.TheLeadershipQuarterly,20001. MARIOTTI,H.ComplexidadeePensamentoSistêmico – Associação Palas Athena, São Paulo, 1999; MARIOTTI.H– Reducionismo “Holismo e Pensamento SistêmicoeComplexo:suasconseqüências na vida cotidiana”- www.geocities.com/pluriversu MATTUS,C-Política, Planejamento e Governo - IPEA - 1992; MCELROY,M.W.TheNewKnowledgeManagement:Complexity,LearningandSustainableInnovation.USA:Butterworth-Heinemann,2002.

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br

    NONAKA,IeTAKEUCHI,H,-Criação do Conhecimento na Empresa: como as empresas japonesas geram dinâmica da inovação. Rio de Janeiro, Elsevier, 1997, 14a Edição; PAIVAJUNIOR,F.;GONÇALVES, C. A., MELO, S. B. Empreendedorismo e relacionamento:umcompostodeconfiança e adaptabilidade. In: ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DE EMPRESAS, 4, 2005, Londrina. Anais...Londrina: UEM/UEL, 2005. PARDINI,D.J.,BRANDÃO, M. M. Competências empreendedoras e sistemas de relações sociais: a dinâmica dos construtos na decisão de empreender nos serviços de fisioterapia. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 31, 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2007. PRADO,I.Entrepreneur:habilidadedecriaeinovar.In:In:ENCONTRODEESTUDOSSOBREEMPREENDEDORISMOEGESTÃO DE EMPRESAS, 2, 2001, Londrina. Anais... Londrina: UEM/UEL, 2001. PORTER,M.CriandoasVantagemdeAmanhã. Em Repensando o Futuro. São Paulo:MakronBooks,1998. REICH,R.-OTrabalhodasNações: preparando para o capitalismo de Século XXI Tradução de Claudiney Fullmann – Educator – 1994; ROCHA,I."PlanejamentoEstratégico de C&T - "E¬studos Analíticos do Setor de C&T no Brasil" -ProjetoMCT/ABC/PNUD-Brasília- 1993; ROCHANETO,I– Ciência, Tecnologia e Inovação: uma visão sistêmica (ainda no prelo, mas DVD disponível); ROCHA,I.Gestão de Organizações de Conhecimento. Brasília: FUNADESP, UCB/Universa,2004a. SCHUMPETER,J.A.Businesscycles,v.I.NewYork:McGrawHillBooks,1939.SCHUMPETER,J.A.Capitalisme,socialismeetdémocratie. Paris: Payot, 1979. SCHUMPETER, J. A. Development. Journal of Economic Literature, v. 43, n. 1, p.108-120, 2005. SENGE,P.M.ADançadasMudanças. 5 ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1999 a. SENGE,P.M.Etal.AQuintaDisciplina:CadernodeCampo.RiodeJaneiro:QualitymarkEditora,1999.128 SCHUMPETER,J.TeoriadoDesenvolvimentoEconômico: uma investigação sobre lucros, capital,crédito, juro e ciclo econômico. Tradução de Maria Silvia Possas. São Paulo: Nova Cultural, 1988. THEECONOMIST-"Innovation:themachineryoffuture"-Janeirode1992(21à 23). UCB-SistemadeGestão do Conhecimento - 2005

  • Realização Parceria

    www.mbaempreendedorismo.org.br