ROTEIRO DE ESTUDOS I ETAPA LETIVA LÍNGUA … de Rec III etapa... · Alfabeto (vogais e consoantes)...

of 33 /33
1 ROTEIRO DE ESTUDOS I ETAPA LETIVA LÍNGUA PORTUGUESA 2.º ANO/EF 2018 Caro(a) aluno(a), É tempo de rever os conteúdos estudados na I Etapa e esclarecer suas dúvidas. Com o estudo diário e a realização de exercícios, você poderá avançar nos seus conhecimentos. Organizamos para você atividades que o(a) ajudarão a se preparar para a Avaliação de Recuperação. Bons estudos! I CONTEÚDOS LEITURA, ORALIDADE, INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO Poema Tirinha Parlenda Trava-língua Cantiga Adivinhação Conto Texto narrativo Bilhete ANÁLISE LINGUÍSTICA/SEMIÓTICA (ALFABETIZAÇÃO) Alfabeto (vogais e consoantes) Ordem alfabética Letras maiúsculas e minúsculas Sílabas/palavras/frases/ textos Paragrafação Pontuação: ponto-final, interrogação, exclamação Língua falada e língua escrita Versos e rimas Emprego de letras em posição átona em final de palavra Sinonímia e antonímia

Embed Size (px)

Transcript of ROTEIRO DE ESTUDOS I ETAPA LETIVA LÍNGUA … de Rec III etapa... · Alfabeto (vogais e consoantes)...

  • 1

    ROTEIRO DE ESTUDOS I ETAPA LETIVA

    LNGUA PORTUGUESA 2. ANO/EF 2018

    Caro(a) aluno(a),

    tempo de rever os contedos estudados na I Etapa e esclarecer suas

    dvidas. Com o estudo dirio e a realizao de exerccios, voc poder avanar

    nos seus conhecimentos.

    Organizamos para voc atividades que o(a) ajudaro a se preparar para

    a Avaliao de Recuperao.

    Bons estudos! I CONTEDOS

    LEITURA, ORALIDADE, INTERPRETAO E PRODUO DE TEXTO

    Poema

    Tirinha

    Parlenda

    Trava-lngua

    Cantiga

    Adivinhao

    Conto

    Texto narrativo

    Bilhete

    ANLISE LINGUSTICA/SEMITICA (ALFABETIZAO)

    Alfabeto (vogais e consoantes)

    Ordem alfabtica

    Letras maisculas e minsculas

    Slabas/palavras/frases/ textos

    Paragrafao

    Pontuao: ponto-final, interrogao, exclamao

    Lngua falada e lngua escrita

    Versos e rimas

    Emprego de letras em posio tona em final de palavra

    Sinonmia e antonmia

  • 2

    II ATIVIDADES

    ATIVIDADE I

    TEXTO I

    Pirata de palavras

    Heitor era um menino que trazia sempre no bolso folhas de papel e uma caneta azul. Quando passava pela rua, voltando da escola, ia anotando palavras dos luminosos de propaganda, cartazes e placas. Depois assinava a folha, embaixo, trocando a letra H pela letra L.

    Formava, assim, Leitor. Seus amigos perguntavam: Para que isso Heitor? Ele sorria e dizia: Sou pirata de palavras! Ele imaginava criar uma grande histria,

    colecionando palavras como quem guarda selos. No primeiro dia juntou: amarelo, caramelo, alfinete,

    sorvete, anzol, jornal, barril e anil. No segundo dia juntou: caminho, feijo, balo, algodo, estrada,

    espada, toalha, medalha. No terceiro dia juntou: chcara, chuvisco, chapu, chaveiro, chocolate,

    xadrez, xarope. No quarto dia juntou: pssaro, pssego, passeio, passado, morro,

    murro, carro, burro. No quinto dia foram dez palavras. Era um dia de muito sol! Juntou:

    praa, vidraa, brinquedo, coqueiro, faqueiro, pipoqueiro, lmpada, tampa, banco, canto.

    No sexto dia foram s quatro palavras. Era um dia de muita chuva... Juntou: tesoura, vassoura, panela, capela.

    E assim foi anotando, semana aps semana. As palavras cresciam como em um dicionrio. E nada de histrias...

    Ento, Heitor percebeu que histrias se fazem de palavras, ideias, sonhos e fantasias...

    Feita essa nova descoberta, agora o nosso Leitor pirata de aventuras! BRAGA, Jussara. Pirata de palavras. So Paulo: Editora do Brasil, 2010.

    01. Faa o que se pede.

    a) ESCREVA outro ttulo para a histria.

    b) ESCREVA o nome de um personagem do texto.

  • 3

    02. Leia o trecho do texto.

    Ele imaginava criar uma grande histria, colecionando palavras como quem guarda selos.

    a) ESCREVA o significado da palavra imaginava.

    b) LIGUE a palavra abaixo ao seu significado.

    03. MARQUE com um (X) a resposta correta.

    a) Como se chama o menino da histria?

    Pintor Leitor Reitor Heitor

    b) O que o menino sempre levava no bolso?

    papel e tesoura cola e tesoura papel e caneta borracha e lpis

    04. Responda:

    a) O que o personagem da histria gostava de fazer?

    colecionando

    escrevendo brincando juntando desenhando

  • 4

    b) Por que o menino se considerava um pirata de palavras?

    c) O que o menino respondia quando seus amigos perguntavam sobre o que ele fazia?

    d) No fim da histria, qual foi a descoberta do menino?

    TEXTO II

    O menino que descobriu as palavras

    Era uma vez um menino

    Que, ainda bem pequenino,

    Descobriu todo contente,

    Que palavra que nem gente:

    Umas so festa e alegria,

    Como palhao e folia.

    Outras so sempre tristeza,

    Como doena e pobreza. [...]

    SANTOS, Cinea Archanjo. O menino que descobriu as palavras. So Paulo. tica, 2010.

  • 5

    05. Faa o que se pede.

    a) Responda:

    Qual a semelhana entre os Textos I e II?

    b) CIRCULE, no Texto II, duas palavras que rimam.

    06. ESCREVA uma histria para as imagens abaixo. Conte o que o pirata encontrou no ba.

    Fonte: https://www.canstockphoto.com.

  • 6

    ATIVIDADE II

    TEXTO I

    UM PRESENTE INESQUECVEL

    Eu tinha quatro anos e morava na casa azul da esquina. Queria muito ter um gatinho. Mas o pediatra dizia que no era bom criana alrgica ter co ou gato em casa.

    No sei por que, um dia mame resolveu arriscar. Trouxe um gatinho. Meu Deus, no me lembro de ter ficado to feliz! Nem quando ganhei a boneca mais linda da rua, que minhas amigas faziam fila para pegar. Nem quando chegou minha prima Isadora, de quem eu gostava de paixo.

    Mas logo tive uma crise de asma brava demais... Fui parar no hospital. Mame se culpava e chorava. Papi no dizia nada, s queria ficar perto de mim. E, quando voltei para casa, no encontrei Xod. Mas ele no sumiu da minha vida, no! Foi morar com a vov, que todo dia me

    telefona dando notcias dele. O pediatra falou que, com o tempo, vou adquirir uns tais anticorpos e

    ento vou poder ter quantos gatos e cachorros quiser. Mas no ao mesmo tempo. Parece que os dois no combinam muito.

    ALMEIDA, Zlia. Ponto de partida. So Paulo: FTD. p. 40. (Adaptado).

    01. ENUMERE os pargrafos do texto.

    Quantos pargrafos o texto possui?

    02. Faa o que se pede.

    a) MARQUE com (X) a opo que apresenta o mesmo significado da

    palavra grifada.

    Foi morar com a vov, que todo dia me telefona dando notcias dele.

    ( ) Parte escrita de um jornal

    ( ) Informaes

    ( ) Informaes apresentadas na TV

  • 7

    b) REESCREVA a frase abaixo, empregando uma palavra de sentido contrrio ao da palavra sublinhada.

    Meu Deus, no me lembro de ter ficado to feliz.

    03. Responda:

    a) Qual era o grande desejo da menina?

    b) Por que o desejo da menina no era possvel de ser realizado?

    04. MARQUE com um (X) a opo que completa corretamente cada frase, de acordo com o texto. a) Depois que a menina ganhou o gatinho...

    ( ) foi brincar com Xod e suas amigas.

    ( ) levou Xod para visitar sua prima Isadora.

    ( ) ganhou tambm um co.

    ( ) teve crise de asma.

    b) Quando a menina voltou do hospital para casa, Xod...

    ( ) estava muito feliz esperando por ela.

    ( ) sumiu da vida dela.

    ( ) foi morar com a vov.

    ( ) fugiu da casa dela.

  • 8

    05. Releia o ltimo pargrafo do texto e observe as imagens.

    a) MARQUE com um (X) a imagem que est de acordo com a ltima frase do ltimo pargrafo.

    Leia a frase.

    b) EXPLIQUE o que a menina quis dizer com a frase acima.

    Parece que os dois

    no combinam muito.

  • 9

    06. SEPARE as palavras em slabas e CLASSIFIQUE-as quanto ao nmero de slabas.

    Cachorro:

    Gatos:

    Pediatra:

    Deus:

    Alrgica:

    05. Leia a tirinha.

    Disponvel em: www.turmadamonica.uol.com.br/tirinhas>. Acesso em: 25 abr. 2018.

    a) No primeiro quadrinho o que o Bidu e o cachorro esto fazendo?

    b) Quem ganhou a briga?

  • 10

    ATIVIDADE III

    TEXTO I

    MEU AMIGO TROVO

    Era uma vez um cachorro chamado Trovo. Pode parecer, por causa

    do nome, que era um bicho enorme. Desses de dar medo quando a gente

    v na rua.

    Mas no isso no. Trovo nasceu para ser pequeno. um

    cachorro amarelo, peludo, sapeca, de raa diferente, muito bonito, como

    nunca tinha visto igual. Eu coloquei esse nome

    quando uma vizinha distribuiu os filhotes. Ela no

    queria trabalho. Eu peguei o cachorrinho, coloquei

    debaixo do brao e levei para casa, j imaginando

    que minha me iria reclamar.

    O caso que eu gosto de ter cachorro, mas

    no tenho tempo de cuidar dele. Tem a escola,

    dever de casa, desenho animado, revistinha para

    ler, jogar bola com os amigos. Na verdade, sou um

    garoto muito ocupado. Acontece de esquecer de cuidar do cachorro. Minha

    me e meu pai ficam bravos comigo, e eu acabo ficando sem bicho de

    estimao.

    Com Trovo foi diferente. Eu insisti, criei caso, jurei de ps juntos

    cuidar direitinho dele, acabei convencendo! Ufa! duro convencer os

    adultos de alguma coisa! E assim eu criei Trovo. Ensinei a ele muitas

    coisas: colocar medo em umas meninas que moravam na minha rua, a

    correr atrs do caminho do lixo, a brincar de bola comigo, a ser carinhoso,

    e muitas coisas mais.

    Para ser sincero, s vezes ele aprendia muito. Um dia, ele confundiu

    um chinelo novo de minha me com uma bola e acabou com o chinelo no

    dente. Outro, ele correu atrs do carro de um motorista que tinha medo de

    cachorro e que estava tentando estacionar na porta de nossa casa.

    O homem no sabia se arrancava ou se ficava no carro, trancado, esperando socorro. Mas tambm a gente no pode exigir demais de um filhote, pode? Pena que algumas pessoas no entendem isso!

    MOTA, Snia Rodrigues. Meu amigo Trovo. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999. (Adaptado).

  • 11

    01. Leia um trecho do texto.

    a)

    Uma vizinha distribuiu os filhotes porque ela no queria trabalho.

    RISQUE a melhor opo. Que palavra poderia substituir a palavra distribuiu, sem alterar o sentido da frase?

    repartiu largou embrulhou

    b)

    Na verdade, sou um garoto muito ocupado!.

    ESCREVA uma palavra, com o mesmo sentido das palavras destacadas

    Garoto:

    Ocupado:

    02. Faa o que se pede.

    a) NUMERE os pargrafos do texto.

    b) ESCREVA o nmero do pargrafo correspondente a cada informao.

    ________ pargrafo: Ensinei Trovo muitas coisas: a colocar medo

    em umas meninas antipticas que moravam na minha rua.

    ________ pargrafo: Trovo um cachorro de raa diferente,

    amarelo, peludo, sapeca, muito bonito, como nunca tinha visto igual.

    ________ pargrafo: Era uma vez um cachorro chamado Trovo,

    por causa do nome, pode parecer que era um bicho enorme.

  • 12

    03. Responda:

    a) O Trovo pertence a um menino ou a uma menina? Como possvel saber disso? COPIE do texto a frase que justifica a sua resposta.

    b) Quais eram as obrigaes do menino que o impediam de cuidar do cachorro?

    c) Como o menino convenceu os pais a ficar com Trovo?

    d) O que Trovo fez de errado?

    e) GRIFE, no texto, a frase que mostra o que o menino ensinou ao cachorro.

    04. Faa o que se pede.

    a) Se voc ganhasse um animal de estimao e tivesse que escolher um

    nome para ele, qual nome voc escolheria? JUSTIFIQUE sua escolha.

  • 13

    b) O dono de um animal tem diversas obrigaes. Afinal, todo bicho deve ser bem tratado. ESCREVA duas obrigaes que voc considera importantes, nesse caso.

    05. Leia o trecho abaixo.

    Era uma vez um cachorro chamado Trovo. Pode parecer, por causa do nome, que era um bicho enorme. Desses de dar medo quando a gente v na rua.

    a) CIRCULE, com lpis vermelho, um substantivo prprio.

    b) CIRCULE, com lpis azul, um substantivo comum.

    c) COPIE do trecho uma palavra com ch e que tenha 3 slabas.

    d) ESCREVA, em ordem alfabtica, as palavras sublinhadas no trecho acima. 1- __________________________ 5- _________________________

    2- __________________________ 6- _________________________

    3- __________________________ 7- _________________________

    4- __________________________

  • 14

    ATIVIDADE IV

    TEXTO I

    CAD MEU TRAVESSEIRO?

    Isadora est com sono, J vestiu o seu pijama. J deu boa noite a todos. E agora vai pra cama.

    Voc viu meu travesseiro? Eu no sei onde botei. Vai ver, ficou na mochila Que no Toror deixei. Faz trs dias que eu no durmo, Perdi meu travesseiro. Aposto que quem achar Vai dormir o ano inteiro. Procurei por toda parte, Em todo canto onde corro. Soube que talvez esteja L em cima daquele morro.

    MACHADO, Ana Maria. Cad meu travesseiro. So Paulo: Salamandra, 2005.

    01. Responda: a) Que ttulo a autora escolheu para o poema?

    b) Qual o nome da personagem do poema?

  • 15

    02. Faa o que se pede.

    a) CIRCULE o traje que a personagem usa quando vai dormir.

    a) PINTE a figura que mostra a resposta correta. O que a personagem sente ao vestir-se para dormir?

    03. Leia as frases.

    Voc viu meu travesseiro? Eu no sei onde botei.

    MARQUE com (X) o melhor significado para a palavra grifada acima.

    ( ) atirei ( ) coloquei ( ) assentei ( ) encontrei

    04. PINTE a resposta correta. Qual a ideia principal do poema

    A menina tem medo da Cuca e do Bicho-papo.

    A menina perdeu seu travesseiro e tenta encontr-lo.

    A menina conta um sonho que ela teve.

    A menina ensina uma cantiga de ninar.

  • 16

    05. NUMERE, de 1 a 5, os fatos, na ordem em que aparecem no poema.

    ( ) A menina deu boa-noite a todos.

    ( ) A menina descobriu que perdeu o travesseiro.

    ( ) A menina j vai para a cama.

    ( ) A menina j vestiu o pijama.

    ( ) A menina est com sono.

    06. No poema h palavras que rimam. Veja:

    COPIE do poema outros dois pares de palavras que rimam.

    TEXTO II

    07. Leia a cantiga abaixo.

    NANA, NEN

    Nana, nen Que a cuca vem pegar Papai foi na roa Mame foi passear O bicho-papo Em cima do telhado No deixa o menino Dormir sossegado.

    Domnio pblico.

    TRAVESSEIRO INTEIRO

  • 17

    a) MARQUE com (X) as respostas corretas sobre o poema Cad meu travesseiro e a cantiga de ninar Nana, nen.

    Os dois textos foram escritos em versos?

    Sim No

    No poema e na cantiga aparecem palavras que rimam?

    Sim No

    b) ESCREVA, em ordem alfabtica, as palavras abaixo.

    TELHADO ROA

    SOSSEGADO DORMIR

    CUCA PAPAI- NEN -

    MENINO

  • 18

    ATIVIDADE V

    TEXTO I

    A COLCHA DE RETALHOS

    Nos finais de semana, Felipe vai para a casa da vov.

    Vov sabe fazer bolo de chocolate, brigadeiro, bala de coco, po de queijo... enfim, sabe fazer tudo que Felipe gosta.

    Vov sabe contar histrias como ningum! Coloca os culos, faz uma cara engraada, fala bem fininho e fraquinho, depois bem grosso e forte, imitando a voz de alguns personagens das histrias.

    Um dia, quando Felipe chegou casa da vov, encontrou uma poro de pedaos de tecido espalhados pelo cho, perto da mquina de costura em que ela estava trabalhando.

    Vov explicou que os tecidos eram retalhos das costuras que fazia e que iria fazer uma colcha de retalhos.

    Felipe resolveu ajudar e separou os retalhos: os de bolinha, os de listrinha, os de florzinha, de Lua e estrela, xadrez...

    Vov comeou a chorar contando que cada pedao de tecido trazia uma lembrana: de um passeio gostoso, de uma viagem, de uma festa, de um parente que estava longe...

    Felipe no entendeu o motivo do choro. Na verdade, a gente s entende as coisas que j experimentou; em outro momento ele entenderia o que era saudade.

    Um dia, ao voltar da escola, Felipe entrou correndo em seu quarto e viu a colcha de retalhos esticada sobre a sua cama.

    Deitado sobre a colcha, ele passou algum tempo lembrando que cada retalho tinha uma poro de histrias.

    De repente, Felipe comeou a sentir uma coisa estranha dentro do peito que ia aumentando, aumentando...

    Felipe foi atrs de sua me e pediu para irem correndo para a casa da vov.

    Chegando l, abraou a sua av bem forte e cochichou no seu ouvido:

    Preciso te contar um segredo: eu acho que j entendi... agora eu j sei o que saudade!

    SILVA, Conceil Corra da; RIBEIRO, Silvanye. A Colcha de Retalhos. 2. ed. So Paulo: Editora do Brasil. 2010. (Adaptado).

  • 19

    01. Faa o que se pede.

    a) NUMERE os pargrafos do texto e COMPLETE a frase a seguir: O texto A colcha de retalhos possui _____________ pargrafos.

    b) NUMERE, de 1 a 4, a ordem dos acontecimentos narrados na histria.

    ( ) Felipe compreendeu o que era saudade.

    ( ) Felipe encontrou pedaos de tecido espalhados pelo cho.

    ( ) Vov comeou a chorar, pois cada retalho lhe trazia uma lembrana.

    ( ) Vov explicou que iria usar os retalhos das costuras para fazer uma colcha.

    02. ESCREVA o significado das palavras sublinhadas nas frases abaixo.

    Um dia, quando Felipe chegou casa da vov, encontrou uma poro de pedaos de tecido espalhados pelo cho...

    Chegando l, abraou a sua av bem forte e cochichou no seu ouvido.

  • 20

    03. Responda s questes, de forma completa, e volte ao texto sempre que necessrio.

    a) Para onde Felipe vai aos finais de semana?

    b) Por que Felipe gostava de visitar a sua av?

    c) O que a vov planejava fazer com os pedaos de tecidos?

    d) Vov explicou ao Felipe o que era saudade, mas ele no entendeu. Quando foi que o menino conseguiu entender o que era saudade?

    04. Leia a frase abaixo.

    Vov explicou que os tecidos eram retalhos das costuras que fazia...

    a) MARQUE com (X) a resposta correta.

    Por que os pedaos de tecido eram importantes para a vov?

    ( ) Porque eram coloridos.

    ( ) Porque traziam lembranas.

    ( ) Porque eram diferentes uns dos outros.

    ( ) Porque estavam velhos.

    b) SUBLINHE o pargrafo do texto que justifica sua resposta.

  • 21

    05. ESCREVA outro ttulo para a histria A colcha de retalhos.

    JUSTIFIQUE o ttulo que voc escolheu.

    TEXTO II

    MINHA AV

    A minha av tem uns pintinhos. Os pintinhos piu. A minha av tem uma galinha. A galinha c E os pintinhos piu. A minha av tem um galo. O galo corococ, A galinha c E os pintinhos piu. A minha av tem...

    Domnio Pblico. (Fragmento).

    06. MARQUE com um (X) a opo correta.

    O objetivo principal dessa cantiga :

    ( ) ensinar a cuidar dos animais.

    ( ) ensinar os sons produzidos pelos animais.

    SILVA, Conceil Corra da; SILVA Nye Ribeiro.

    A Colcha de Retalhos. 2 ed. So Paulo:

    Editora do Brasil. 2010.

  • 22

    07. ESCREVA uma diferena entre os Textos I e II.

    08. Leia seguinte trecho da cantiga.

    A minha av tem um galo.

    O galo corococ,

    A galinha c

    E os pintinhos piu.

    A minha av tem...

    O uso de reticncias no ltimo verso significa que a cantiga pode ser continuada.

    ESCREVA um novo trecho para a cantiga Minha av, incluindo o nome do animal presente na ilustrado abaixo.

    A minha av tem...

    ...

  • 23

    ATIVIDADE VI

    TEXTO I

    RISADINHA, O PIOLHO

    A menina chegou em casa coando a cabea. Estava com piolho. Todo ano, no comeo das aulas, acontecia a mesma coisa. E vinha vinagre quente, catao de lndeas, lavao de cabelo. E choro. E me reclamando. Uma verdadeira luta. Um sofrimento.

    Agora estava acontecendo tudo de novo. Depois de mais uma sesso dessas, com os olhos vermelhos de tanto chorar, a menina foi secar os cabelos ao sol.

    Um piolho, que estava molhado aproveitou o momento para tambm se secar. E para tomar um pouco de sol. Colocou-se bem vontade, de barriga para cima, as patinhas da frente apoiando a cabea.

    A menina sentiu uma cosquinha e, ao se coar, coou a barriga do piolho. Ele era cosquento e comeou a rir. Ela ouviu aquele risinho e no descobriu de onde ele vinha.

    Como o riso pega, no demorou para que todos os outros piolhos logo comeassem a rir. O riso era tanto que a menina comeou a dar risadas. Da a pouco ria a me, ria o povo todo da casa.

    O riso tomou conta da vizinhana, contagiou o quarteiro, depois invadiu o bairro, em seguida a cidade e se espalhou pelo mundo afora.

    Ningum sabia por que estava rindo, mas todo mundo ria para valer. E quanto mais se ria, mais vontade se tinha de rir. Dizem at que o sol, l nas alturas, deu boas gargalhadas.

    COELHO, Ronaldo Simes. Risadinha, o piolho. Belo Horizonte: L, 1986. (Adaptado).

    01. ASSINALE com um (X) a alternativa correta. a) A expresso o piolho era cosquento e comeou a rir, significa que

    ( ) o piolho sentia muitas ccegas e ria, ria...

    ( ) o piolho ficava de costas para rir.

    b) A expresso o riso tomou conta da vizinhana, significa que:

    ( ) ningum riu junto com o piolho.

    ( ) todo mundo do bairro comeou a rir.

  • 24

    02. Responda s questes, de acordo com o texto.

    a) Por que a menina estava com os olhos vermelhos de tanto chorar?

    b) Como a me da menina cuidava do problema dos piolhos?

    03. Leia o seguinte verbete de dicionrio.

    PIOLHO s.m.: inseto sem asas que vive no couro cabeludo do homem sugando sangue para se alimentar.

    Fonte: Dicionrio informal.

    a) De acordo com o verbete acima, qual o alimento do piolho?

    b) Onde vive o piolho?

    04. Observe a capa do livro.

    TEXTO II

    a) Qual o ttulo e o nome da autora desse livro?

    b) Qual a semelhana entre essa capa de livro e o texto Risadinha, o piolho?

  • 25

    05. Leia a tirinha abaixo.

    TEXTO III

    Disponvel em: . Acesso em: 25 abr. 2018

    a) O personagem mostrou ser um bom amigo com o colega? Por qu?

    b) Uma criana deve se sentir envergonhada quando pega piolho?

    JUSTIFIQUE sua resposta.

    Lo Lo

    Ele nem

    viu !

    O bon pode

    esconder os piolhos.

    Amigo, voc no precisa esconder

    os piolhos, basta se cuidar com os

    remdios certos que eles acabam.

    Ele

    realmente

    meu amigo!

    me respeita.

  • 26

    ATIVIDADE VII

    TEXTO I

    O LPIS CHORO

    Era a hora de fazer a lio de casa. Quando Laurinha abriu o estojo para pegar o lpis, ouviu uma vozinha desesperada. Era a voz do lpis, que estava tremendo, apavorado. E chorava, chorava...

    O lpis pedia para a menina no o tirar do estojo, dizia ainda que queria ficar escondido, seno a sua inimiga nmero um iria encontr-lo.

    Laurinha logo perguntou ao lpis quem era a sua inimiga nmero um e o lpis respondeu:

    Ela me persegue, ela quer acabar comigo! No me deixa fazer nada, destri tudo o que eu fao com o maior esforo... Assim no possvel viver, assim no d para trabalhar. Eu sou um fracassado... E a culpa do meu fracasso dela!

    Laurinha espantou-se com aquele ela. Parecia at que o lpis estava falando da terrvel bruxa da Branca de Neve. Ser que tem bruxa no mundo dos lpis? Ento, Laurinha perguntou ao lpis, mais uma vez, quem era ela e o que ela fazia de to terrvel.

    Ela me persegue, destri tudo o que eu fao. Por mais que eu capriche, l vem ela atrs, apagando tudo o que eu fiz com o maior esforo! Voc no sabe como triste olhar para trs e ver que tudo o que a gente escreveu foi apagado sem d pela malvada disse o lpis, chorando.

    Laurinha ento perguntou ao lpis se ele estava com medo da borracha e ele pediu para a menina no falar nem o nome dela, seno ela iria aparecer.

    A menina sorriu e resolveu acalmar o lpis, dizendo: Ora, lpis, no voc que erra, sou eu! E bem melhor apagar

    logo um erro que a gente cometeu, pois assim a gente aprende. E, depois, nem sempre o que a gente apaga so erros, s vezes apagamos para deixar melhor, mais bonito, mais caprichado. Sendo assim, a borracha muito necessria. Sem ela, a gente no teria o direito de errar, no acha? errando que a gente busca acertar, no final!

    Aos poucos, o lpis foi ficando mais calmo e, logo, Laurinha pde comear a fazer as lies de casa. Conseguiu apagar os pequenos errinhos, at tudo ficar bem lindo, lindo mesmo!

    BANDEIRA, Pedro. As cores de Laurinha. So Paulo: Moderna, 2009. (Adaptado).

    01. Faa o que se pede.

    a) REESCREVA as frases, substituindo cada palavra grifada por outra que tenha o mesmo sentido.

    O lpis foi ficando calmo.

  • 27

    Tenho que ficar escondido, seno ela me encontra!

    b) RISQUE, nos quadros abaixo, as palavras com o sentido contrrio ao das palavras grifadas nas seguintes frases:

    destri tudo que eu fao com o maior esforo.

    baguna ataca constri

    aparecer.

    desaparecer mostrar surgir

    02. Responda:

    a) De acordo com o texto, o que aconteceu quando Laurinha abriu o estojo para fazer a lio de casa?

    b) COMPLETE as frases, de acordo com o texto.

    O lpis estava desesperado porque...

    O lpis ficou mais calmo quando...

  • 28

    03. Releia o trecho sublinhado no texto O lpis choro.

    a) MARQUE com um (X) a alternativa correta. Nesse trecho foi possvel aprender:

    A borracha desnecessria.

    Apagamos apenas os erros.

    errando que a gente busca acertar.

    No aprendemos com nossos erros.

    b) Imagine o que o lpis disse para Laurinha depois que soube da importncia da borracha e ESCREVA.

    04. Observe a capa do livro.

    TEXTO II

    a) COMPLETE as informaes.

    - Ttulo do livro:

    - Nome do autor:

    - Nome da editora:

    - Nome do ilustrador:

  • 29

    b) MARQUE com um (X) a resposta correta.

    Qual a semelhana entre a capa do livro e o texto O lpis choro?

    Os lpis aparecem dentro de um estojo.

    H uma menina chamada Laurinha.

    A borracha aparece no texto e na capa do livro.

    A menina est feliz porque o lpis choro.

    05. Leia o trecho de um poema de Vinicius de Moraes.

    TEXTO III

    AQUARELA

    Numa folha qualquer, eu desenho um sol amarelo

    E, com cinco ou seis retas, fcil fazer um castelo.

    Corro o lpis em torno da mo e me dou uma luva,

    E se fao chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva.

    Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel,

    Num instante imagino uma linda gaivota a voar no cu. (...)

    MORAES, Vincius. Disponvel em: . Acesso em: 10 maio 2017. (Fragmento).

    a) ESCREVA, em ordem alfabtica, as palavras grifadas no poema.

  • 30

    b) ILUSTRE o primeiro verso do poema.

  • 31

    ATIVIDADE VIII

    TEXTO I

    A RVORE DOS MEUS DOIS QUINTAIS

    Quando nasci, a rvore j morava no quintal, j era grande e conversava comigo. Eu cresci e ela cresceu ainda mais. E tambm cresceu a nossa amizade.

    Um dia, quando estava no meu quarto, parado e pensando, encontrei outra rvore que era diferente, mas era a mesma rvore. Fiquei confuso e corri para o quintal. A rvore continuava ali, firme. Voltei para o meu quarto e o meu pensamento me mostrava a outra rvore. Mas a eu entendi, havia duas rvores, que na verdade eram a mesma. Havia a rvore do quintal e a rvore da imaginao.

    Durante o dia, eu brincava na rvore do quintal de casa, abraava seu tronco, subia em seus galhos, balanava e conversava com ela.

    J noite eu brincava na rvore da imaginao, ria e danava com ela. Ter uma amizade assim muito bom, ento resolvi plantar outras

    rvores. Enchi minhas mos de sementes e lancei para cima, para os lados, para a terra.

    Daqui algum tempo, com certeza haver novas rvores nos meus dois quintais. Mesmo com a forte amizade que cultivei com minha rvore querida, as outras rvores sero amigas bem-vindas.

    RIBEIRO, Jonas. A rvore dos meus dois quintais. So Paulo: Paulus, 2012. (Adaptado).

    01. Faa o que se pede.

    a) PINTE o quadro com significado de cada palavra grifada nas frases abaixo.

    Um dia, quando estava no meu quarto, parado e pensando encontrei outra rvore.

    PROCUREI ACHEI BUSQUEI

    Enchi minhas mos de sementes e lancei para cima, para os lados, para a terra.

    AJEITEI JOGUEI LARGUEI

    b) MARQUE com um (X) a opo que completa corretamente a frase.

    Quem conta a histria ...

    ( ) o menino. ( ) a rvore.

  • 32

    02. a) GRIFE, no texto lido, a parte que representa a imagem abaixo.

    RIBEIRO, Jonas. A rvore dos meus dois quintais. So Paulo: Paulus. 2012.

    b) MARQUE com (X) a opo que completa corretamente a frase.

    Um dia, quando o menino estava no seu quarto, ele encontrou...

    ( ) outra rvore. ( ) outro quintal.

    03. a) NUMERE as lacunas, identificando as rvores, de acordo com a histria lida.

    ( ) rvore do quintal ( ) rvore da imaginao

    O menino brincava na rvore, abraava seu tronco, subia em seus galhos, balanava e conversava com ela.

    O menino ria e danava com ela.

    Morava no quintal da casa.

    b) ESCREVA o que o menino resolveu fazer para ter novas rvores em seus dois quintais.

  • 33

    04. a) PINTE a ilustrao que representa a resposta correta.

    Em qual perodo do dia o menino brincava com a rvore do quintal?

    b) Quando o menino brincava com a rvore da imaginao?

    02. Leia a tirinha.

    TEXTO II

    Disponvel em: . Acesso em: 20 abr. 2017.

    a) ESCREVA o que o personagem da histria A rvore dos meus dois quintais (Texto I) e o personagem Chico Bento (Texto II) fazem de semelhante.

    b) MARQUE com um (X) as alternativas corretas, de acordo com os Textos I e II.

    ( ) Os dois textos referem-se a rvores.

    ( ) No Texto II, Chico Bento est plantando uma rvore de esperana, pois o homem est cortando muitas rvores.

    ( ) No Texto I, o menino decidiu que s haveria uma rvore em seu quintal.

    SC/gmf

    ESSA A DI QU?

    DI GOIABA? DI JACA?

    DI MANGA?