São Paulo x Flamengo

Click here to load reader

  • date post

    16-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    224
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Edição 13 Campeonato Brasileiro 2010 08/09/2010

Transcript of São Paulo x Flamengo

  • 08.09

    Edio 13 - Setembro 2010

    Morumbi 8 de Setembro de 2010 22h

    vs Flamengo Campeonato Brasileiro

  • editorial

    A evoluo do SO PAULO F.C. j visvel e temos totais condies de conseguir os nossos objetivos. Nesta primeira apresentao do segun-do turno a hora de arrancarmos no Campeonato Brasileiro e subir gradativamente os degraus.

    Nossa primeira misso alcanar a zona que nos garanta uma vaga para disputar a Copa Libertadores da Amrica do ano que vem. Se atingirmos este feito, passamos a olhar com mais carinho para o ttulo nacional. E que ningum duvide que isso possa acontecer. Em 2008, mui-tos no acreditavam, mas no final das contas le-vantamos o nosso sexto caneco.

    Em uma mescla de jogadores experientes e rodados, como Jorge Wagner, Fernando, Ricar-do Oliveira, Rodrigo Souto, com jovens talentos como Marlos, Fernandinho, Marcelinho, entre outros, o TRICOLOR comea a se acertar e dar um pouco de trabalho e medo aos nossos advers-rios. Neste reencontro com o Flamengo, vamos com tudo em busca dos trs pontos.

    Nesta edio, um dolo que entende como

    ningum como funciona o SO PAULO F.C. Com 20 anos dentro do Morumbi, a PRELEO homenageia a grande estrela do clube. Re-cordes, prmios, nmeros, tudo a respeito do jogador que mais vezes vestiu o nosso manto, contados em trs pginas.

    Alm disso, falamos tambm sobre a nossa terceira conquista da Libertadores. Os ttulos ga-nhos geraram at uma brincadeira dos so-pau-linos com o nome do estdio. O Morumbi pas-sou a ser chamado de Morumtri. As pginas fixas com as tabelas do primeiro e segundo turnos, os fatos do dia e a coleo dos ingressos promocio-nais do especial Morumbi 50 anos deixam a edi-o ainda mais saborosa para o nosso torcedor.

    Boa Leitura!

    EXPEDIENTEA PRELEO, o programa oficial, uma publicao da G8 Sports

    autorizada pelo SO PAULO Futebol Clube.

    Solues em Comunicao

    Paulo Otvio AlbuquerqueEdITOR SOBERANO FANTICO

    www.revistasmatchday.com.brCrticas, dvidas e sugestes: [email protected]

    Conselho Editorial: Diego Ragonha Fbio Aramaki Paulo Sanches

    Textos:

    Alexandre de AquinoMTB 53110

    Gustavo CriscuoloMTB 54530

    Fotografias:VIPCOMM

    Tefilo Pereira

    LogsticaAnderson Marques

    Edio de Arte:Artur Guimares

    Duane Rios

    Contatos Comerciais:[email protected]

    Impresso: Grfica Daleffi

    Tiragem:10.000 exemplares

  • Quando a famlia so-paulina est em festa, a experincia no estdio se torna memorvel. O jogador se inflama, o time todo se empolga e a chance de vitria maior. Faa sua parte:

    Compre seu ingresso de forma antecipada e/ou pela internet;

    Leve troco, caso v adquirir a entrada nas bilheterias do Morumbi;

    Respeite a fila e mantenha a ordem;

    Cante apenas em prol do time ou de seu dolo. Evite provocaes;

    Esquea os rojes e sinalizadores. Eles podem provocar acidentes;

    Sente no lugar marcado previsto no ingresso;

    Se consumir alimentos, busque uma lixeira para dispensar papis e plsticos;

    Quando usar o banheiro, colabore para a higiene do local.

    palco e torcida

    Grito da TorcidaOl, Le, TRICOLOR Ol, Le, TRICOLOR Ol Le, TRIIIICOLOR Ol Le, TRIIIICOLOR

    Morumbi

    Nome oficial:Ccero Pompeu de Toledo (Morumbi)

    Diferenciais:256 projetores de iluminao, com 1500 LUX por ponto. rea para deficientes fsicos com 92 lugares e 102 para acompanhan-tes. Lanchonetes, sistema de som e 2 placares eletrnicos, 5 vestirios, 2 auditrios para entrevistas coletivas, departamento de fisioterapia, sala de antidoping, tribuna de imprensa trrea, 6 cabines de rdio e 4 de televiso, 12 tribunas de honra, edifcio garagem, posto policial e posto mdico emergencial.

    Capacidade atual:73.501 pessoas

    Inaugurao:2 de outubro de 1960, com So Paulo 1x0 Sporting Lisboa

  • especial morumbi

    6 preleo

    Usar o Morumbi como uma das grandes armas nas conquistas da Libertadores sempre foi uma das nossas regras bsicas para chegar aos ttulos. A primeira vez, em 1992, foi ganha com muita dedicao e suor peran-te a nossa torcida. No ano seguinte, o time utilizou as arquibancadas de seu poderoso estdio para aplicar a maior goleada da final da competio no primeiro jogo decisivo e praticamente garantir o bi aqui mesmo.

    Em 2005, de novo, usamos o palco a nosso favor. Na fase de classificao obtivemos 100% de aprovei-tamento (4 a 2 no Universidad do Chile, 3 a 1 no Quil-mes (ARG) e 3 a 0 The Stronguest (BOL)) e empatamos as trs partidas longe dos nossos domnios.

    Ficamos com a quinta melhor campanha geral da competio e pegamos um rival brasileiro. desta maneira, encaramos o Palmeiras nas oitavas de final. No primeiro jogo, vitria por 1 a 0 no Palestra Itlia. depois, no duelo da volta, mais um placar favorvel, 2 a 0, com direito a gol de Rogrio Ceni. Nas quartas, tivemos pela frente uma equipe mexicana, o Tigres.

    No Morumbi praticamente definimos a vaga com uma goleada avassaladora de 4 a 0, com dois gols do

    goleiro artilheiro Rogrio Ceni. Houve ainda tempo de nosso arqueiro e dolo perder uma penalidade. E os trs tentos em uma nica partida, que seria mais um recorde em sua carreira, bateu na trave. Mas tudo bem. No encontro na casa deles, perdemos por 2 a 1 e avanamos para as semifinais com autoridade.

    A um passo da final foi a vez de encarar uma equi-pe argentina, o River Plate. tradicional em nossas participaes enfrentar os hermanos. No retrospecto geral foram 19 jogos, sendo dez vitrias, um empate e oito derrotas. O Morumbi assistiu ao primeiro jogo e, aps muita tenso, vencemos por 2 a 0. Fomos a Buenos Aires e mais uma vitria, dessa vez por 3 a 2, a primeira do SO PAULO F.C. no territrio do vizinho.

    Com uma campanha belssima, chegamos s fi-nais para encarar o Atltico-PR. Aps empatar em 1 a 1 no Beira-Rio, em Porto Alegre (RS), decidimos no nosso caldeiro. E aqui mostramos o porqu ter um estdio prprio importante. Humilhamos os atletica-nos com uma impiedosa goleada por 4 a 0. Nesse dia a casa TRICOLOR ganhou o apelido de Morumtri, uma brincadeira da torcida que via a sua equipe a conquis-tar o terceiro ttulo na competio continental.

    virou MORUMTRIO dia em que o Morumbi

    SoPauloF.C.Rogrio Ceni, Fabo, Luganoe Alex; Cicinho, Mineiro, Jo-su, Danilo e Jnior (FbioSantos);Amoroso(DiegoTar-delli)eLuizo(Souza).Tcnico:PauloAutuori

    Atltico-PR

    Diego, Jancarlos, Danilo, Dur-val e Marco (Rodrigo); Co-cito,AndrRocha(AlanBahia),FabrcioeEvandro;Lima(Fer-nandinho)eAlosio.Tcnico:AntnioLopes

    4 x 0

  • morumbi 50 anos - ingressos comemorativos

    fatos do dia

    8/9/1992Com trs gols do lateral-esquerdo

    Ivn, o SPFC goleia por 5 a 2 o Santo Andr pelo Campeonato Paulista.

    Chuva de Gols

    8/9/2007O SO PAULO F.C. vence o Vasco da Gama por 2 a 0 e acaba com uma invencibilidade de 22 jogos do time carioca em casa.

    Quebrando tabus

    8/9/1944Nasce Nen, jogador que disputou 260 jogos pelo TRICOLOR, em Jaboato dos Guararapes, PE.

    8/9/1942Lenidas comanda a goleada de

    4 a 0

    no Comercial FC de SP, pelo Campeo-

    nato Paulista, no Pacaembu.

    ParabnsChuva de gols

    Lenidas

  • 16.05

    morumbi 50 anos - ingressos comemorativos

    Kak

    Ricardo Izecson dos Santos Leite, o Kak, foi o nico jogador elei-to pela FIFA

    como O

    Melhor do

    Mundo que j pisou no gram

    ado do

    Morum

    bi vestindo

    o manto

    tricolor. Revelado nas categorias de base, quando ainda o cham

    a-vam

    de Cac, logo campeo do

    primeiro torneio que disputa pro-

    fissionalmente, o RJ-SP de 2001,

    marcando, inclusive, 2 gols na final.

    Tudo isto aps sofrer um grave aci-

    dente que quase o impossibilitou

    de jogar

    futebol. Rapidam

    ente assum

    e o posto de lder e dolo do Tricolor. Em

    2002 Campeo

    Mundial pela Seleo Brasileira e,

    em 2007, j pelo M

    ilan, eleito o M

    elhor Jogador do Mundo.

  • O futebol o grande entretenimento do brasi-leiro. O Estatuto do Torcedor prev as responsabili-dades de dirigentes quanto segurana e conforto nos estdios. Confira os principais artigos. Saiba que o clube coloca a disposio o servio de Ou-vidoria. Alm disso, foi recm criado o Juizado do Torcedor, no Frum da Barra Funda, mais um rgo disponvel para suas reclamaes.

    Art. 31. A entidade detentora do mand

    o

    do jogo e seus dirigentes devero convo

    car os

    agentes pblicos de segurana visando

    a ga-

    rantia da integridade fsica do rbitro e d

    e seus

    auxiliares.

    Art. 32. direito do torcedor que os rb

    i-

    tros de cada partida sejam escolhidos me

    diante

    sorteio, dentre aqueles previamente sele

    ciona-

    dos. 1o O sorteio ser

    realizado no mnimo

    quarenta e oito horas antes de cada roda

    da, em

    local e data previamente definidos.

    2o O sorteio ser aberto ao pblico, g

    a-

    rantida sua ampla divulgao

    ESTATUTO TORCEDOR

    Chega de violncia

    Se voc pudesse estar no gramado, qual funo escolheria? Certamente no seria a de juiz ou bandeirinha. Alm de suas profisses formais, as pessoas nesses "cargos" se dedicam a legitimar o resultado da partida, em-bora s vezes errem. Se voc vai reclamar, faa isso dentro dos limites da desportividade, e com conhecimento da regra do jogo.

    Trgua, juizo

    Qualquer jogador que est

    em campo pode trocar de

    posio com o goleiro.

    Verdade. Realmente qualquer

    jogador pode trocar de posio com

    o goleiro, desde que o rbitro seja

    previamente avisado, e que a troca

    ocorra em uma paralisao do jogo.

    Realidade MitoEm uma substituio, o jo-gador deve sair pelo meio de campo, durante uma paralisa-o da par