Apost. Empreendedorismo

of 16 /16
EMPREENDEDORISMO CURSO EMPREENDEDORISMO 1

Embed Size (px)

Transcript of Apost. Empreendedorismo

EMPREENDEDORISMO

CURSO EMPREENDEDORISMO

PALMEIRA DAS MISSES, 2011.

1

EMPREENDEDORISMO

1.

EMPREENDEDORISMOA) CONCEITO

Empreendedorismo o estudo voltado para o desenvolvimento de competncias e habilidades relacionadas criao de um projeto (tcnico, cientfico, empresarial). Tem origem no termo empreender que significa realizar, fazer ou executar. O empreendedor aquele que apresenta determinadas habilidades e competncia para criar, abrir e gerir um negcio, gerando resultados positivos. O empreendedorismo essencial para a gerao de riquezas dentro de um pas, promovendo o crescimento econmico e melhorando as condies de vida da populao. tambm um fator importantssimo na gerao de empregos e renda. B) POR QUE EMPREENDER? O sonho de muita gente deixar de ser empregado e passar para o grupo dos empreendedores. Mas, o que ser empreendedor? Os empreendedores so pessoas capazes de executar o que se prope com muita vontade, determinao, competncia e uma boa dose de ousadia. So dotadas de vrias qualidades que as credenciam para o sucesso e so conscientes de que s se chega l custa de muito trabalho e dedicao. So pessoas decididas, corajosas, capazes de correr riscos calculados, focadas, persistentes, otimistas, que esto sempre identificando oportunidades. Podemos citar como caractersticas do empreendedor: Criatividade; Capacidade de organizao e planejamento; Responsabilidade; Capacidade de liderana; Habilidade para trabalhar em equipe; Gosto pela rea em que atua; Viso de futuro e coragem para assumir riscos; Interesse em buscar novas informaes, solues e inovaes para o seu negcio; Persistncia (no desistir nas primeiras dificuldades encontradas); Saber ouvir as pessoas;

2

EMPREENDEDORISMO

Facilidade de comunicao e expresso.

C) SAINDO DA INFORMALIDADE A dura vida do trabalhador informal

D) O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI O Microempreendedor Individual aquela pessoa que trabalha por conta prpria (trabalhador informal) e decide legalizar sua situao com o governo, tornando-se um pequeno empresrio. Esse trabalhador pode ter renda anual mxima de trinta e seis mil reais (R$ 36.000,00), no pode ser scio de outra empresa, mas pode

3

EMPREENDEDORISMO

ter um empregado, recebendo um salrio-mnimo ou o piso da categoria a que pertence.

E) QUEM PODE SER UM EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

Trabalhadores que prestam servios diversos (manicures, costureiras, carpinteiros, pipoqueiros, vendedores ambulantes, etc.); Os trabalhadores que atuam, em geral, no comrcio e na indstria; Os que prestam servios de natureza no intelectual/sem regulamentao legal; Os que trabalham em escritrios contbeis. COMO

F) QUANTO CUSTA A LEGALIZAO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL A inscrio como empreendedor individual gratuita.

Para a formalizao e primeira declarao anual existe um grupo de firmas de contabilidade, optantes do simples nacional, que esto disposio para realizar estas tarefas sem cobrar nada (veja a lista das firmas de contabilidade no endereo www.portaldoempreendedor.gov.br). Depois de se cadastrar pela internet (definir o nome da empresa), o CNPJ e o nmero de inscrio na junta comercial so emitidos imediatamente, num documento que deve ser impresso, assinado e encaminhado Junta Comercial. O formulrio deve ser encaminhado junto com cpia da identidade e do CPF do empreendedor.

4

EMPREENDEDORISMO

Se preferir, o empreendedor individual pode procurar uma empresa de contabilidade, optante do Simples Nacional, para que ela faa a formalizao e a declarao anual, de graa. Os encargos so muito baixos. O empreendedor no pagar nada de imposto para o governo federal. Caso exera atividade de comrcio, recolher o ICMS mensal de R$ 1,00. Se exercer atividade de servios, pagar o ISS mensal de R$ 5,00. O INSS, pago para a Previdncia, de 11% do salrio-mnimo (R$ 51,15 hoje). O pagamento destes tributos ser feito at o dia 20 de cada ms, na rede bancria ou casas lotricas, com um formulrio gerado pela internet no endereo www.portaldoempreendedor.gov.br.

G) COMO PRESTAR CONTAS AO GOVERNO No preciso fazer uma contabilidade formal, mas alguma organizao necessria. Dever ser feito um registro mensal, em um formulrio simples, do total das suas receitas, que fica em mos do prprio empreendedor. Dever ser mantido tambm, com o empreendedor, um arquivo das notas fiscais de compra de produtos e servios. A contabilidade formal como livro dirio e razo est dispensada. No preciso tambm ter livro caixa. Contudo, o MEI deve manter um mnimo de organizao em relao ao que compra ao que vende e ao que fatura. Essa organizao permite gerenciar melhor o negcio e a prpria vida, alm de ser importante para crescer e se desenvolve.

5

EMPREENDEDORISMO

Apesar de no precisar da contabilidade recomendado fazer o controle de suas compras, vendas e de seu lucro. Esse tipo de organizao das contas permite uma gerncia melhor do negcio, melhorando o prprio negcio, permitindo seu crescimento e desenvolvimento. Mensalmente o MEI dever preencher um relatrio muito simplificado que contenha quanto o empreendimento faturou, com emisso de notas fiscais e sem a emisso de notas fiscais, dividido por entradas fruto de atividade comercial, industrial e servios. Pode ser de prprio punho e no precisa ser enviada a nenhum rgo, basta guard-lo. Alm disso, o empreendedor dever manter as notas fiscais de suas compras e vendas. H) QUAIS OS BENEFCIOS DE VIRAR UM EMPREENDEDOR INDIVIDUAL A emisso do CNPJ facilitar a abertura de conta bancria, o pedido de emprstimos, com acesso a linhas de crditos especiais e a emisso de notas fiscais. A partir da formalizao o trabalhador e a sua famlia podero contar com os benefcios da Previdncia Social: auxlio-doena, aposentadoria, salrio-maternidade, penso e auxlio-recluso. O empreendedor poder registrar at um empregado, com baixo custo 3% (Previdncia) e 8% (FGTS) do salrio-mnimo por ms, valor total de R$ 51,15. O empregado contribui com 8% do seu salrio para a Previdncia. No existem taxas para a abertura da empresa e nem para a expedio de alvar de funcionamento, ou de registro na junta comercial. Todos estes documentos sero emitidos pela internet. No existe burocracia para o empreendedor. A nica obrigao a apresentao da declarao anual de faturamento, que pode ser feita pela Internet. Os empreendedores individuais podero se reunir em grupos e consrcios para fazer compras em conjunto, permitindo melhores condies de negociao de preo e pagamento, uma vez que iro comprar maior quantidade. A carga tributria muito inferior das empresas normais. Formalizado, o empreendedor individual poder vender produtos e servios ao mercado governamental, seja nas esferas municipal, estadual e federal. Poder, ainda, ter acesso a polticas e incentivos economia, como financiamentos do Banco do Brasil e da Caixa Econmica Federal.

6

EMPREENDEDORISMO

A formalizao do Microempreendedor Individual foi regulamentada pela Lei Complementar no 128/08 e s pode ser alterada por outra lei igual, o que d segurana jurdica ao empreendedor, pois as regras so estveis.

2.

ADMINISTRANDO OS CUSTOS E RESULTADOS

O conhecimento do mercado fundamental para o seu sucesso como empreendedor. Mas no basta apenas analisar a disponibilidade de fornecedores, a intensidade da concorrncia e a existncia de consumidores potenciais para descobrir se o seu negcio mesmo uma boa oportunidade. Tambm necessrio analisar a viabilidade financeira do seu novo empreendimento. Na prtica, isso significa colocar na ponta do lpis todos os gastos necessrios para montar o negcio e faz-lo funcionar e, ao mesmo tempo, projetar qual o preo ideal para seus produtos ou servios e qual o volume de vendas necessrio para que o empreendimento consiga pagar seus custos e gerar algum lucro. A) O QUE O PLANEJAMENTO FINANCEIRO? o processo em que voc ir calcular:

Os montantes de investimento, que o quanto voc precisar gastar para montar o negcio, comprando as instalaes, mveis e equipamentos necessrios e reservando algum dinheiro para o incio da operao; Os custos de funcionamento, que so despesas administrativas e com a atividade-fim da empresa; As receitas que voc espera obter, determinando o preo dos seus produtos e projetando as vendas em funo do seu estudo de mercado.

Tudo isso para que voc possa antecipar os possveis resultados do seu negcio.

7

EMPREENDEDORISMO B) O QUE A GESTO FINANCEIRA?

o processo em que voc ir administrar o dia-a-dia da sua empresa. O casamento das contas a pagar e a receber, a administrao do seu fluxo de caixa, as reservas necessrias para os perodos de vacas magras e a distribuio dos resultados nos perodos de vacas gordas sero analisadas nesta unidade. Uma boa gesto financeira funciona como uma espcie de termmetro do seu negcio, mostrando ms a ms se o negcio est saudvel (ou no) e indicando as aes a tomar.C) O QUE PROJEO DE RESULTADOS?

O conhecimento do resultado obtido pela empresa, ou seja, qual o lucro real e quais so os custos e receitas que possibilitaram este resultado, de fundamental importncia para podermos administrar nosso negcio. A projeo de resultados um dos mais importantes instrumentos de planejamento, como se fosse uma bssola. Possibilita ao empreendedor conhecer o resultado obtido, alm de identificar as provveis causas deste resultado. Na verdade, o instrumento demonstra, de forma clara, o aumento ou diminuio da riqueza da empresa, resumindo o resultado de todos os esforos do perodo. A projeo de resultados gera inmeras informaes para a administrao. Uma das mais importantes utilizaes a de planejar as aes, que iro melhorar o desempenho do negcio. Em um empreendimento, o lucro obtido, ou mesmo o prejuzo, nem sempre esto refletidos no aumento ou reduo do dinheiro disponvel no caixa ou no banco. O lucro pode estar, por exemplo, no aumento dos estoques da empresa, no aumento de contas a receber, ou mesmo refletido no aumento dos bens que a empresa possui, como, por exemplo, na aquisio de um novo veculo para a empresa. D) APRENDENDO COM COCOS Para entendermos melhor os conceitos envolvidos na gesto financeira de nosso empreendimento vamos utilizar alguns exemplos prticos. Vamos analisar o exemplo de Pedro e sua Barraca Agua Doce. Pedro possui um pequeno negcio com o qual mantm a sua mulher e dois filhos. H perodos em que ele vende bem e pode pagar as suas contas com folga e pensar em ampliar seu negcio. Mas h outros momentos em que tudo fica mais difcil.

8

EMPREENDEDORISMO

Pedro, agora, est preocupado em acompanhar direito os nmeros de seu empreendimento. Ele quer ser capaz de entender a situao da barraca e poder se preparar melhor para ampliar o seu negcio e poder enfrentar os momentos de reduo de suas vendas. Vamos elaborar uma projeo de resultados da barraca de coco gua Doce? Eis o diagnstico da situao hoje: Preo de venda de cada coco: R$ 2,00 Custo de compra unitrio do coco: R$ 0,50 Custo semanal de locao da barraca: R$ 18,00 Comisso do ajudante sobre venda: 15% (R$0,30 por coco)

Podemos raciocinar da seguinte maneira: comprando um coco por R$ 0,50, vendendo por R$ 2,00, paga-se a comisso de R$ 0,30 e se ganha por coco R$ 1,20.

Qual o destino destes R$ 1,20 ganhos em cada coco? Pagar o aluguel semanal da barraca e gerar lucro.O Pedro tem muitas perguntas sobre o seu negcio: Quantos cocos dinheiro? devem ser vendidos para no perder

Como calcular o lucro por coco vendido? Caso aparea descontos? um concorrente, possvel oferecer

Como calcular o lucro total? Afinal, este negcio vivel? Como elaborar a projeo de resultados da barraca de cocos gua Doce?

Vamos elaborar a projeo de resultados da gua Doce, seguindo seis etapas:

9

EMPREENDEDORISMO

1. Encontrando o faturamento 2. Encontrando os custos variveis 3. Encontrando a margem de contribuio 4. Encontrando os custos fixos 5. Encontrando os resultados 6. Juntando tudo...

ETAPA 1 - ENCONTRANDO O FATURAMENTO

Qual o preo de venda unitrio do coco? Preo de Venda R$ 2,00 Se vendermos apenas um coco nosso faturamento ser de R$ 2,00.

ETAPA 2 - ENCONTRANDO OS CUSTOS VARIVEIS

O custo dos cocos vendidos e a comisso do ajudante, na barraca de coco, so tipicamente custos variveis. Quais os custos variveis unitrios?

Custo do Coco R$ 0,50 Comisses R$ 0,30 Custo Varivel (0,50 + 0,30) = R$ 0,80 por coco vendido.

10

EMPREENDEDORISMO

ETAPA 3 - ENCONTRANDO A MARGEM DE CONTRIBUIO A Margem de Contribuio um conceito muito til para os empreendedores. Atravs dele, pode-se calcular realmente qual o ganho que um produto traz para o negcio. Para tornar o conceito mais acessvel, vamos exemplificar com outro tipo de empreendimento: uma loja de roupas. Uma loja de roupas pode oferecer dois produtos: uma camisa por R$ 15,00 e uma cala por R$ 20,00. primeira vista pode parecer mais interessante vender a cala. Mas se soubermos que o dono da loja compra a camisa por R$ 5,00 e a cala por R$ 15,00, poderemos enxergar que a camisa deixa R$ 10,00 no caixa da empresa, depois que vendida e paga ao fornecedor (R$ 15,00 R$ 5,00). J a cala deixa apenas R$ 5,00 depois que vendida ao consumidor e paga ao fornecedor (R$ 20,00 R$ 15,00). Assim, vemos que a camisa contribui mais para o resultado da loja do que a cala.

Os produtos mais importantes para o seu negcio podem no ser necessariamente os mais caros, mas sero sempre os que tiverem maior margem de contribuio. Qual a Margem de Contribuio Unitria na barraca de cocos gua Doce?

Preo de Venda R$ 2,00 Custo Varivel R$ 0,80 Margem de Contribuio (2,00 - 0,80) = R$ 1,20

ETAPA 4 - ENCONTRANDO OS CUSTOS FIXOS Custos fixos so aqueles que no dependem das quantidades produzidas ou vendidas.

11

EMPREENDEDORISMO

No caso da barraca de coco, a despesa com o aluguel da barraca um custo fixo. Qual o custo fixo semanal?

Custo fixo = R$ 18,00

ETAPA 5 - ENCONTRANDO O RESULTADO A PARTIR DE UMA QUANTIDADE VENDIDA Quando estimamos uma quantidade vendida temos condies de prever (projetar) um resultado. O resultado (lucro ou prejuzo) pode ser calculado atravs de frmulas. Vamos relembrar: Margem de Contribuio a diferena entre o preo de venda e a soma de todas as despesas (custos) variveis (MC = PV-CV).

EXEMPLO Na frmula a seguir, temos o fator R que representa o resultado que pode ser o lucro ou o prejuzo.

R = (quantidade vendida contribuio) custos fixos

x

margem

de

Para calcular, voc precisar das seguintes informaes: Quantos cocos foram vendidos? Qual o valor que representa a margem de contribuio? Qual o custo fixo? Qual ser o resultado se o Pedro vender 20 cocos por semana? 1. Quantidade Vendida: 20 2. Margem de Contribuio: R$ 1,20 3. Quantidade x MC = (20 x R$ 1,20) = R$ 24,00 4. Custo Fixo Total = R$ 18,00 5. Resultado = (R$ 24,00 R$ 18,00) = R$ 6,00 JUNTANDO TUDO... Vamos analisar atentamente a tabela abaixo para entender melhor como o resultado dos nossos negcios se altera em funo das vendas.

12

EMPREENDEDORISMO

Tabela dos Custos, Receita e Resultado:N m ro d u e e cc o os v n id e d os Cs d u to o c o oc C is om s o pg aa Cs u to v ri e a vl C s fix u to o C s tota F tu m n u to l a ra e to R s lta o eu d

0 5 10 15 20 25 30

R $ R 2,50 $ R 5,00 $ R 7,50 $ R 10,00 $ R 12,50 $ R 15,00 $

R $ R 1,50 $ R 3,00 $ R 4,50 $ R 6,00 $ R 7,50 $ R 9,00 $

R $ R 4,00 $ R 8,00 $ R 12,00 $ R 16,00 $ R 20,00 $ R 24,00 $

R 18,00 $ R 18,00 $ R 18,00 $ R 18,00 $ R 18,00 $ R 18,00 $ R 18,00 $

R 18,00 $ R 22,00 $ R 26,00 $ R 30,00 $ R 34,00 $ R 38,00 $ R 42,00 $

R $ - -R 18,00 $ R 10,00 -R 12,00 $ $ R 20,00 -R 6,00 $ $ R 30,00 R $ $ R 40,00 R 6,00 $ $ R 50,00 R 12,00 $ $ R 60,00 R 18,00 $ $

Tab. 2.1 Simulao de resultado para diversos volumes de venda.

1) Por que o resultado negativo (prejuzo) quando o volume de vendas zero? No h custo do coco e nem comisso de venda, j que no h venda, mas existe o custo fixo que a empresa tem que assumir, mesmo sem venda. 2) Por que o resultado zero quando h venda de 15 cocos? O resultado zero quando os custos totais (custo de coco, comisso de venda e custo fixo) atingem o mesmo valor do faturamento = R$ 30,00. Neste ponto, chamado de Ponto de Equilbrio, no h lucro nem prejuzo.

13