Biblia Amplificada

of 92/92
  • date post

    09-Aug-2015
  • Category

    Documents

  • view

    1.659
  • download

    15

Embed Size (px)

Transcript of Biblia Amplificada

ROMANOS

Captulo 1

1. De Paulo, servo de Jesus Cristo, o Messias, chamado para ser um apstolo (um mensageiro especial) separado para pregar o evangelho (boas novas) de Deus e da parte de Deus, 2. o qual Ele prometeu de antemo h muito tempo atrs, atravs de seus profetas nas sagradas escrituras 3. o evangelho a respeito de Seu Filho, que pela carne, na sua existncia humana, descendeu de Davi, 4. e, pela natureza divina, de acordo com o Esprito de santidade foi abertamente designado o Filho de Deus em poder, Jesus Cristo, nosso Senhor, o Messias, o Ungido, de uma forma notvel, triunfante e miraculosa, por Sua ressurreio da morte. 5. atravs dEle que ns temos recebido graa (favor imerecido de Deus) e nosso apostolado para promover obedincia f e fazer discpulos por causa do Seu nome entre todas as naes, 6. e isso inclui vocs, chamados de Jesus Cristo e , como vocs so, convidados a pertencer a Ele. 7. Para vocs, ento, todos os amados de Deus em Roma, chamados para serem santos e designados para uma vida consagrada: Graa e bno espiritual e paz sejam suas da parte de Deus nosso Pai e de nosso Senhor Jesus Cristo. 8. Primeiro, eu agradeo a meu Deus atravs de Jesus Cristo por todos vocs, porque as informaes sobre a sua f so conhecidas por todo o mundo e ela recomendada em todo lugar. 9. Pois Deus minha testemunha, a quem eu sirvo com todo o meu esprito, rendendo servio sacerdotal e espiritual em pregar o evangelho e falar as boas novas de Seu Filho, como

incessantemente eu sempre menciono vocs nas minhas oraes. 10. Eu permaneo pleiteando que de alguma maneira, pela vontade de Deus, eu possa agora, prosperar e vir at vocs. 11. Pois eu estou ansiando para v-los para que eu possa conceder e compartilhar com vocs algum dom espiritual para fortalecer e estabelecer vocs; 12. ou seja, que ns sejamos mutuamente fortalecidos, encorajados e confortados pela f uns dos outros, tanto a sua quanto a minha. 13. Eu quero que vocs saibam, irmos, que muitas vezes eu tenho planejado e intencionado vir at vocs, de modo que eu possa ter algum fruto (algum resultado de trabalho) entre vocs, como eu tenho entre o resto dos gentios, mas tenho sido impedido. 14. Tanto para gregos e brbaros (cultos e incultos), quanto para os sbios e os tolos, eu tenho uma obrigao a cumprir, um dever a executar e um dbito a pagar. 15. Ento, de minha parte, eu estou desejando e ansiosamente pronto a pregar o Evangelho tambm para vocs que esto em Roma. 16. Pois eu no me envergonho do Evangelho (boas novas) de Cristo, pois esse o poder de Deus operando para a salvao, para a libertao da morte eterna, para todo aquele que cr com uma confiana pessoal, uma rendio confiante e firme confiana, para o judeu primeiro e tambm para o grego. 17. Pois no evangelho, revelada uma justia que Deus atribui, tanto fluindo da f, quanto conduzindo para a f (a descoberta atravs do caminho da f, que levanta ainda mais f). Como est escrito: O homem que atravs da f justo e reto, viver e viver pela f [Hb 2:4] 18. Pois a ira e a indignao santas de Deus so reveladas dos cus contra toda impiedade e injustia dos homens, que em suas maldades reprimem e impedem a verdade e a fazem inoperante. 19. Pois aquilo que conhecido sobre Deus evidente para eles e fica claro em sua conscincia interior, porque Deus, Ele mesmo, tem mostrado isso a eles. 20. Pois mesmo desde a criao do mundo Sua natureza invisvel e Seus atributos, isto , Seu eterno poder e divindade, tm sido feitos inteligveis e claramente discernveis atravs das coisas que foram feitas (Seus trabalhos manuais). Ento, os

homens esto sem desculpas, inteiramente sem nenhuma justificao. [Sl 19:1-4] 21. Porque quando eles O conheceram e O reconheceram como Deus, eles no O honraram e O glorificaram como Deus ou Lhe deram graas. Mas, ao invs, eles tornaram-se fteis e impiedosos em seus pensamentos com vs imaginaes, raciocnios tolos, e especulaes estpidas e suas mentes insensatas foram obscurecidas. 22. Proclamando serem sbios, eles tornaram-se tolos, professando serem espertos, eles tornaram a si mesmos simplrios. 23. E por eles, a glria e a majestade e a excelncia do Deus imortal foi mudada para e representada por imagens, semelhantes a homens mortais e pssaros, bestas e rpteis. 24. Conseqentemente, Deus entregou-os luxria de seus prprios coraes para a impureza sexual, para a desonra de seus prprios corpos entre si mesmos, abandonando-os ao degradante poder do pecado, 25. porque eles mudaram a verdade de Deus por uma mentira e adoraram e serviram criatura em lugar do Criador, que bendito para sempre! Amm, Assim seja. [Jr 2:11] 26. Por essa razo, Deus lhes lanou, abandonou-os aos afetos vis e paixes degradantes. Pois suas mulheres mudaram sua funo natural por uma no natural e uma anormal, 27. E os homens tambm mudaram nos relacionamentos naturais com as mulheres e puseram-se inflamados (queimados, consumidos) em luxria uns pelos outros homens cometendo atos vergonhosos com homens e sofrendo em seus prprios corpos e personalidades a inevitvel conseqncia e penalidade de seus mal-feitos e foram desencaminhados, o que foi a sua justa retribuio. 28. E ento, uma vez que eles no acharam importante conhecer a Deus ou serem aprovados por Ele ou consideraram valoroso conhec-Lo, Deus entregou-os a uma mente baixa e condenada para fazerem coisas que no so prprias ou descentes, mas repugnantes, 29. at que eles fossem preenchidos (permeados e saturados) com toda a espcie de injustia, iniqidade, apego e avidez pela concupiscncia e malcia. Eles foram cheios de inveja e cimes, assassinato, discusso, decepo e deslealdade, m vontade e formas de crueldade. Eles tornaram-se caluniadores secretos e fofoqueiros,

30. difamadores, odiosos para Deus e odiando a Deus, cheios de insolncia, arrogncia e ostentao; inventores de novas formas de males, desobedientes e desobedientes aos pais. 31. Eles ficaram sem compreenso, conscincia e incrdulos, sem corao, sem amor e sem misericrdia. 32. Conhecendo completamente os decretos justos de Deus que aqueles que tais coisas praticam so merecidos de morte, eles no apenas fazem eles mesmos, mas aprovam e aplaudem outros que as praticam. Captulo 2

1. Conseqentemente, voc no tem nenhuma desculpa ou defesa ou justificao, homem, todos os que julgam e condenam os outros. Pois na posio de juiz e passando a sentena para outro, voc condena a si mesmo, porque voc que julga, est habitualmente praticando as mesmas coisas que voc censura e denuncia. 2. Mas, ns sabemos que o julgamento (a sentena adversa, o veredicto) de Deus cai justamente e de acordo com a verdade sobre esses que praticam tais coisas. 3. E voc pensa ou imagina, homem, quando voc julga e condena aqueles que praticam tais coisas e ainda as faz voc mesmo, que voc escapar do julgamento de Deus e iludir sua sentena e o seu veredicto contrrio? 4. Ou voc est to cego que para presumir, desprezar e subestimar a riqueza de Sua bondade e pacincia longnima? Voc est desatento ou realmente ignorante do fato de que a bondade de Deus tem a inteno de levar voc ao arrependimento, de levar a sua mente e o homem interior para aceitar a vontade de Deus? 5. Mas, por sua calosidade de conscincia, teimosia e impenitncia de corao voc est armazenando ira e indignao para si mesmo no dia da ira e da indignao quando o julgamento de justia (s destruio) ser revelado. 6. Pois Ele dar a todos os homens de acordo com suas obras, justamente o que seus feitos merecem: [Sl 62:12] 7. Para aqueles que por pacincia persistente em fazer o bem, fluindo em piedade, seguiram glria e honra e a eterna bem-

aventurana de imortalidade, convictos, mas sem verem, Ele dar a vida eterna. 8. Mas para aqueles que seguem a si mesmos, so egostas e desobedientes verdade, mas responsivos maldade, haver indignao e ira. 9. E haver tribulao, angstia, calamidade e constrangimento para todas as almas dos homens que habitualmente fazem o mal, o judeu primeiro, e tambm o grego (gentio). 10. Mas glria, honra e paz de corao sero premiadas a todo aquele que habitualmente faz o bem, o judeu primeiro e tambm o grego (gentio). 11. Pois Deus no mostra nenhuma parcialidade (indevido favor ou injustia; com Ele, nenhum homem diferente um do outro) [Dt 10:17; 2 Cr 19:7] 12. Todos os que pecaram sem a lei, tambm perecero sem considerao da lei, e todos os que pecaram sob a lei sero julgados e condenados pela lei. 13. Pois no meramente escutar a lei que faz um homem justo diante de Deus, mas so os cumpridores da lei que sero considerados sem culpa e absolvidos e justificados. 14. Quando os gentios que no tm a divina lei, fazem instintivamente o que a lei requer, eles so a lei para si mesmos, uma vez que eles no tm a lei. 15. Eles mostram que as requisies essenciais da lei esto escritas nos seus coraes e esto operando l, com as quais suas conscincias (o sentido de certo e errado) tambm carregam testemunho; e suas decises morais, seus argumentos de razo, seus pensamentos de condenao ou aprovao, acusaro ou talvez os defendam e os desculpem. 16. Naquele dia quando, como meu evangelho proclama, Deus por Jesus Cristo julgar os homens com respeito s coisas s quais eles esconderam (seus pensamentos ocultos). [Ec 12:14] 17. Mas se voc carrega o nome de judeu e descansa sobre a lei e orgulha-se de si mesmo em Deus e em seu relacionamento com Ele, 18. sabe e compreende a Sua vontade e aprova com discernimento as coisas melhores e tm o sentido do que vital, porque voc instrudo pela lei; 19. e se voc confiante em voc mesmo, um guia de cegos, uma luz para aqueles que esto na escurido, e

20. voc um corretor dos tolos, um mestre de infantis, tendo na lei a incorporao do conhecimento e da verdade 21. Bem, ento, voc que ensina aos outros, porque voc no ensina a si mesmo? 22. Voc que diz que no se cometa adultrio, comete adultrio, desonesto nas aes ou nos pensamentos? Voc que odeia e detesta dolos, lhes rouba os templos? Apropria-se para seu prprio uso do que consagrado a Deus, ento, roubando o santurio e fazendo sacrilgio? 23. Voc que se orgulha na lei, desonra a Deus quebrando a lei por secretamente infringi-la ou cuidadosamente negligenci-la ou abertamente romp-la? 24. Pois, como est escrito: O nome de Deus amaldioado e blasfemado entre os gentios por sua causa! As palavras para esse efeito vm de suas prprias escrituras. [Is 52:5; Ez 36:20] 25. A circunciso traz lucros se voc cumpre a lei; mas, se voc habitualmente transgride a lei, sua circunciso tornada incircunciso. 26. Ento, se um homem que incircunciso mantm as requisies da lei, no a sua incircunciso creditada para ele como equivalente circunciso? 27. Ento, aqueles que so fisicamente incircuncisos, mas guardam a lei condenaro vocs que embora tenham o cdigo escrito e tenham a circunciso, quebram a lei. 28. Pois no um judeu verdadeiro o que apenas externamente e publicamente, nem a verdadeira circunciso apenas a externa e fsica. 29. Mas, judeu, aquele que o internamente e a verdadeira circunciso a que est no corao, de uma forma espiritual e no literal. Esse louvor no vem de homens, mas de Deus.

Captulo 3

1. Ento, qual vantagem permanece para o judeu? Como ele favorecido? Ou qual o valor ou benefcio da circunciso?

2. Muito, de todas as formas. Para comear, para os judeus foram confiados os orculos (as breves comunicaes, as intenes, as expresses vocais) de Deus [Sl 147:19] 3. Pois que diremos se alguns no acreditaram e esto sem f? Sua falta de f e sua incredulidade anulam, fazem sem efetividade e revogam a fidelidade de Deus e Sua fidelidade a Essa Palavra? 4. De maneira alguma! Seja Deus encontrado verdadeiro e todo homem sendo falso e um mentiroso, como est escrito: Que Voc possa se justificado e mostrado justo no que Voc diz, e prevalea quando Voc for julgado pelos homens pecadores. [Sl 51:4] 5. Mas se nossa injustia exibe e estabelece a justia de Deus, o que ns diremos? Que Deus injusto e errado para infligir Sua ira sobre os judeus? Eu falo de uma forma puramente humana. 6. De maneira nenhuma! De outra forma, como poderia Deus julgar o mundo? 7. Mas voc diz: Se atravs da minha falsidade a integridade de Deus ampliada, anunciada e abunda para Sua glria, por que eu ainda estou sendo julgado como um pecador? 8. E porque no devemos ns fazer o mal para que o bem possa vir? como alguns nos difamam atacando com ensinos. Tal falso ensino justamente condenado por eles. 9. Bem, ento, ns (judeus) somos superiores ou melhores que eles? No, de nenhum modo. Ns temos realmente demonstrado que todos os homens, tanto judeus quanto gregos (gentios), esto sob o pecado, derrubados pelo pecado e sujeitos ao poder e ao controle do pecado. 10. Como est escrito: No h um justo, correto, digno e consciencioso, nenhum. [Sl 14:3] 11. Nenhum compreende, nenhum discerne inteligentemente; nenhum segue a Deus. [Sl 14:2] 12. Todos tornaram atrs; juntos eles foram no caminho errado, tornaram-se improdutivos e indignos; nenhum faz o que certo, nem mesmo um! 13. Sua garganta um bocejar de sepultura; eles usam suas lnguas para enganar (despistar e negociar traioeiramente). O veneno de spides est sob os seus lbios. [Sl 5:9; 140:3] 14. Sua boca est cheia de maldio e amargura. [Sl 10:7] 15. Seus ps so rpidos para derramar sangue.

16. Destruio (como se partisse em pedaos) e misria marcam seus caminhos. 17. E eles no tm nenhuma experincia no caminho da paz, eles no conhecem nada acerca da paz, eles nem mesmo o reconhecem. [Is 59:7-8] 18. No existe nenhum temor reverencial de Deus diante de seus olhos. [Sl 36:1] 19. Agora ns sabemos que o que quer que a lei diz, ela fala para aqueles sob a lei, para que a murmurao e as escusas de toda a boca possa ser silenciada e todo o mundo possa ser seguramente responsvel para com Deus. 20. Pois nenhuma pessoa ser justificada (feita justa, absolvida e julgada aceitvel) Sua vista por observar as obras prescritas na lei. Pois a funo real da lei fazer os homens reconhecerem e estarem conscientes de pecado [no a mera percepo, mas o conhecimento do pecado operando em direo ao arrependimento, f e um carter santo]. 21. Mas, agora, a justia de Deus foi revelada independentemente e inteiramente parte da lei, embora realmente ela seja atestada pela lei e pelos profetas, 22. isto , a justia de Deus que vem por crer com confiana pessoal e confiante segurana em Jesus Cristo, o Messias. E isso para todos os que crem. Pois no h distino, 23. uma vez que todos pecaram e esto cados da honra e glria a qual Deus outorga e recebe. 24. Todos so justificados e feitos justos e colocados na posio reta para com Deus, livremente e gratuitamente por Sua graa, (Seu imerecido favor e misericrdia), atravs da redeno que provida em Cristo Jesus, 25. Aquele que Deus colocou frente [diante os olhos de todos] como um lugar de misericrdias e propiciao por Seu sangue, o sacrifcio de purificao e doao de vida de compensao e reconciliao, para ser recebido atravs da f. Isso foi para mostrar a justia de Deus, porque em sua divina bondade Ele passou sobre e ignorou os antigos pecados sem punio. 26. Isso para demonstrar e provar no presente tempo, na atual estao, que Ele mesmo justo e Ele justifica e aceita como justo aquele que tem verdadeira f em Jesus. 27. Ento, em que se tornou o seu orgulho e sua ostentao? Ela excluda (banida, mandada embora inteiramente). Sob que

princpio? No princpio de fazer boas obras? No, mas pelo princpio da f. 28. Pois ns asseguramos que o homem justificado e feito justo pela f independentemente de e distintivamente parte das boas obras (obras da lei). A observncia da lei no tem nada a operar na justificao. 29. Ou Deus meramente o Deus dos judeus? Ele no o Deus dos gentios tambm? Sim, Ele tambm Deus dos gentios. 30. Uma vez que um e o mesmo Deus que justificar os circuncisos pela f, os descendentes de Abrao, e os incircuncisos atravs da sua recm adquirida f. Pois, a mesma f confiante em ambos os casos, uma confiana firme em Jesus Cristo. 31. Ns ento por essa f fazemos a lei sem efeito, subvertemos a lei ou a fazemos dela uma letra morta? Certamente que no! Ao contrrio, ns confirmamos e estabelecemos e apoiamos a lei.

Captulo 4

1. Mas, se ento o que diramos de Abrao, nosso antepassado, humanamente falando o que descobriu ele? Como isso afeta a sua posio e o que foi conquistado por ele? 2. Pois se Abrao foi justificado, estabelecido como justo por e absolvido de pecado por boas obras que ele fez, ento ele tem bases para ostentao. Mas no diante de Deus! 3. Pois o que diz a escritura? Abrao creu em Deus, e isso foi creditado em sua conta como justia (vida justa e permanncia na posio de justo diante de Deus). [Gn 15:6] 4. Ora, para um trabalhador, seu salrio no contado como um favor ou um presente, mas como uma obrigao (algo que devido a ele). 5. Mas para os que no trabalhando (pela lei), crem (acreditam totalmente) nEle que justifica o mpio, sua f creditada para eles como justia (a posio aceitvel a Deus).

6. Ento, Davi congratula o homem e pronuncia uma bno sobre aquele a quem Deus credita justia parte das obras que ele faz: 7. Abenoado, feliz e digno de inveja so aqueles cujas iniqidades so perdoadas e cujos pecados so cobertos e completamente sepultados; 8. Abenoada, feliz e digna de inveja a pessoa de cujo pecado o Senhor no levar em conta nem considerar isso contra ela. [Sl 32:1-2] 9. Essa bno (felicidade) ento tem significado somente para os circuncisos ou tambm para os incircuncisos? Ns dizemos que a f foi creditada para Abrao como justia. 10. Como ento ela foi creditada para ele? Foi antes ou depois de ter sido circuncidado? No foi depois, mas antes que ele fosse circuncidado. 11. Ele recebeu a marca da circunciso como um smbolo ou uma evidncia e um selo da justia que ele tinha pela f enquanto ele ainda no era circuncidado f para que ele fosse feito o pai de todos os que verdadeiramente crem, achados sem circunciso e que ento tm justia (posio reta diante de Deus) imputada a eles e creditada em sua conta, 12. tanto quanto ele feito o pai das pessoas circuncidadas que no so meramente circuncisas, mas tambm caminham da forma daquela f que nosso pai Abrao tinha antes de ser circuncidado. 13. Pois a promessa para Abrao e sua posteridade, a promessa de que ele deve herdar o mundo, no veio atravs de observar os mandamentos da lei, mas atravs da justia da f. [Gn 17;4-6; 22:16-18] 14. Se so os partidrios da lei que so para serem os herdeiros, ento a f tornada ftil e vazia de todo o significado e a promessa de Deus revogada ( anulada e no tem nenhum poder). 15. Pois a lei resulta na ira divina, mas onde no h lei no h qualquer transgresso. 16. Conseqentemente, herdar a promessa o resultado da f e depende inteiramente da f, de modo que isso possa ser dado como um ato de graa (favor imerecido), para fazer isso estvel , vlido e garantido para todos os seus descendentes no apenas para os devotados e partidrios da lei, mas tambm aqueles que compartilham a f de Abrao, que ento o pai de todos ns.

17. Como est escrito: Eu tenho feito voc o Pai de muitas naes. Ele foi indicado como nosso pai diante de Deus em quem ele creu, que d vida aos mortos e fala das coisas que no existem,mas que ele tem predito e prometido, como se elas realmente j existissem. [Gn 17:5]. 18. Pois Abrao, que tinha humanamente razo para perder a esperana, esperou em f que ele se tornaria o pai de muitas naes, como lhe havia sido prometido: Ento seus descendentes sero inumerveis. [Gn 15:5] 19. Ele no desfaleceu na f quando considerou a expressa impotncia de seu prprio corpo, o qual estava to bom quanto um corpo morto, porque ele tinha cerca de 100 anos de idade, ou quando ele considerou a esterilidade do ventre mortificado de Sara. [Gn 17;17-18:11] 20. Nenhuma incredulidade ou desconfiana o fez oscilar (questionar duvidosamente) a respeito da promessa de Deus; mas ele cresceu forte e foi fortalecido pela f, medida que deu glria a Deus, 21. plenamente satisfeito e seguro de que Deus era capaz e poderoso para manter Sua palavra e fazer o que Ele havia prometido. 22. por isso que a sua f foi creditada para ele como justia (permanecer na posio reta para com Deus). 23. Mas as palavras, que foram creditadas para ele, no foram escritas apenas por causa dele, 24. mas elas foram escritas por nossa causa tambm. Retido, posio reta aceitvel para com Deus sero garantidas e creditadas tambm a ns que tambm cremos, confiamos, aderimos a e descansamos em Deus, que ressuscitou Jesus nosso Senhor da morte, 25. que foi trado e posto morte por causa de nossos mal feitos e foi levantado para assegurar nossa justificao (nossa absolvio), fazendo a quitao de nossas contas e nos absolvendo de culpa diante de Deus.

Captulo 5

1. Conseqentemente, uma vez que vocs foram justificados (absolvidos, declarados justos e receberam uma posio reta

diante de Deus) atravs da f, vamos nos apegar ao fato que ns temos a paz da reconciliao para abraar e para desfrutar paz com Deus atravs de nosso Senhor Jesus Cristo, o Messias, o Ungido. 2. Atravs dEle tambm ns temos o nosso acesso (entrada, introduo) pela f dentro dessa graa (estado do favor de Deus), na qual ns firme e seguramente permanecemos. Vamos regozijar e exultar em nossa esperana de experimentar e desfrutar da glria de Deus. 3. Alm disso, vamos tambm estar cheios de alegria agora! Vamos exultar e triunfar em nossos problemas e alegrar-nos nos nossos sofrimentos, sabendo que presses, aflies e sofrimentos produzem pacincia e inabalvel perseverana. 4. E a perseverana (fortaleza) desenvolve maturidade de carter (f aprovada e experimentada integridade). E carter desse tipo produz o hbito de ter esperana alegre e confiante da salvao eterna. 5. Tal esperana nunca nos desaponta ou ilude ou envergonha, pois o amor de Deus foi derramado em nossos coraes atravs do Esprito Santo que nos foi dado. 6. Enquanto ns estvamos ainda na fraqueza, na incapacidade de ajudarmos a ns mesmos, no tempo certo, Cristo morreu em benefcio dos mpios. 7. Ora, uma coisa extraordinria para algum dar sua vida por outro, mesmo por um homem justo, acha-se que talvez por um benfeitor nobre, louvvel e generoso algum pudesse mesmo ousar morrer. 8. Mas Deus mostra e prova claramente Seu prprio amor por ns pelo fato que enquanto ns ramos ainda pecadores, Cristo, o Messias, o Ungido, morreu por ns. 9. Conseqentemente, uma vez que ns somos agora justificados (absolvidos, feito justos, e trazidos a um relacionamento correto com Deus) pelo sangue de Cristo, quanto mais agora, certamente ns seremos salvos por Ele da ira e da indignao de Deus. 10. Pois se enquanto ns fomos inimigos, ns fomos reconciliados com Deus atravs da morte de Seu Filho, muito mais certo, agora que ns estamos reconciliados, que ns seremos salvos (diariamente libertos do domnio dos pecados) atravs de Sua vida ressurreta. 11. No apenas isso, mas ns tambm alegramos e exultamos em Deus, em seu amor e perfeio atravs de nosso Senhor

Jesus Cristo, atravs de quem ns recebemos a reconciliao e atravs de quem a desfrutamos agora. [Jr 9:24:1] 12. Por isso, como o pecado veio para o mundo atravs de um homem e a morte como resultado do pecado, ento a morte se estendeu a todos os homens, nenhum ser estava capacitado a parar isso ou a escapar do seu poder, porque todos pecaram. 13. Estejam certos que o pecado estava no mundo antes mesmo que a lei fosse dada, mas os pecados no eram imputados na conta dos homens onde no existia lei para transgredir. 14. Contudo, houve um resultado de ajuste de contas de morte de Ado a Moiss (o Legislador), mesmo sobre aqueles que no se fizeram transgressores a si mesmos tendo dado um comando positivo para transgredir como Ado fez. Ado foi um tipo, uma prefigurao daquele que estava para vir reverter o quadro (o antigo destruindo e o Posterior salvando). (Gn 5:5; Dt 34:5) 15. Mas, o dom gratuito de Deus no de maneira nenhuma comparvel transgresso (Sua graa est acima de qualquer proporo comparando-se com a queda do homem). Pois se muitos morreram atravs da queda de um homem (seu lapso, sua ofensa), muito mais profusamente fez a graa de Deus e o dom gratuito que vem atravs do imerecido favor de um Homem, Jesus Cristo, abundou e transbordou para o benefcio de muitos. 16. O dom gratuito nem pode ser comparado ao efeito do pecado do homem. Pois a sentena que seguiu-se transgresso de um homem, trouxe condenao, enquanto que o dom gratuito, seguindo muitas transgresses, traz justificao, um s ato de justia. 17. Por isso, se por causa da transgresso (lapso, ofensa) de um homem, a morte reinou atravs dele, muito mais certamente aqueles que recebem a graa (o favor imerecido) transbordante de Deus e o livre dom da justia (colocando-os numa posio reta diante de Deus) reinaro como reis na vida atravs de um homem, Jesus Cristo, o Messias, o Ungido. 18. Bem, ento, como um homem transgrediu, deu um passo em falso e caiu, conduzindo para a condenao todos os homens, ento um ato de justia de um Homem conduziu absolvio e ao posicionamento reto diante de Deus e vida para todos os homens.

19. Pois tanto pela desobedincia de um homem muitos foram constitudos pecadores, quanto pela obedincia de um Homem, muitos sero constitudos justos (feitos aceitveis a Deus, trazidos a uma posio reta para com Ele). 20. Mas, ento a lei veio apenas para expandir e incrementar a transgresso, fazendo-a mais aparente e excitando a oposio. Mas onde o pecado aumentou e abundou, a graa (o favor imerecido de Deus) tem sobrepujado, aumentado o mximo e superabundado, 21. para que, tanto quanto atravs do pecado reinou a morte, assim a graa (Seu imerecido favor) possa reinar tambm atravs da justia (reta posio com Deus), a qual emite a vida eterna atravs de Jesus Cristo, o Messias, o Ungido, nosso Senhor. 22. Captulo 6

1. O que ns diremos de tudo isso? Permaneceremos no pecado para que a graa (favor e misericrdia) de Deus possa ser multiplicada e transbordar? 2. Certamente que no! Como poderemos ns que morremos para o pecado vivermos nele de novo? 3. Vocs ignoram o fato que todos ns que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados em sua morte? 4. Ns fomos sepultados, ento, com Ele pelo batismo dentro da morte, para que tanto quanto Cristo foi ressuscitado da morte pelo glorioso poder do Pai, ento ns tambm possamos habitualmente viver e nos comportar em novidade de vida. 5. Pois se ns nos tornamos um com Ele por compartilhar uma morte como a Sua, ns tambm seremos um com Ele compartilhando Sua ressurreio para uma nova vida vivida para Deus. 6. Ns sabemos que nosso velho eu no renovado foi pregado na cruz com Ele, de modo que nosso corpo que instrumento de pecado possa ser feito sem efeito e inativo para o mal, para que ns possamos no ser mais escravos do pecado. 7. Pois quando um homem morre, ele est livre (solto, liberto) do poder do pecado entre os homens.

8. Ora, se ns morremos com Cristo, ns cremos que ns tambm viveremos com Ele. 9. Porque ns sabemos que Cristo, o Ungido, sendo uma vez levantado da morte, nunca morrer de novo; a morte no tem mais poder sobre Ele. 10. Pois pela morte que Ele morreu, Ele morreu para o pecado, finalizando a sua relao com ele de uma vez por todas; e a vida que Ele vive, Ele vive para Deus, numa amizade indestrutvel com Ele. 11. Assim, considerem a Si mesmos tambm mortos para o pecado e sua relao com ele destruda, mas vivos para Deus, vivendo em uma amizade indestrutvel com Ele, em Cristo Jesus. 12. No deixe o pecado, ento, governar como um rei em seus corpos mortais (temporais, perecveis), para fazer vocs se renderem a seus apetites e estarem sujeitos a suas luxrias e ms paixes. 13. No continuem oferecendo ou rendendo seus corpos mortais e faculdades ao pecado como instrumentos (equipamentos) de maldade. Mas ofeream e rendam a si mesmos a Deus como vocs entendem que foram ressuscitados da morte para a vida perptua, e seus membros do corpo e faculdades, a Deus, apresentando-os como instrumentos de justia. 14. Pois o pecado de maneira nenhuma exercer domnio sobre vocs, uma vez que agora vocs no esto debaixo da Lei como escravos, mas sob a graa como sujeitos ao favor e a misericrdia de Deus. 15. O que ento ns devemos concluir? Ns pecaremos porque ns no vivemos sob a Lei, mas sob o favor e a misericrdia de Deus? Certamente que no? 16. No sabem que se vocs continuamente renderem a si mesmos a qualquer um para fazer a sua vontade vocs so escravos daquele que quem vocs obedecem, quer seja do pecado, que leva morte ou da obedincia que leva justia (agir corretamente e estar na posio correta diante de Deus)? 17. Mas agradeo a Deus, ainda que vocs foram escravos do pecado, vocs tornaram-se obedientes de todo o corao ao padro de ensino pelo qual vocs foram instrudos e ao qual vocs foram encomendados.

18. E tendo sido colocados em liberdade dos pecados, vocs se tornaram servos da justia (de conformidade com a divina vontade em pensamento, propsito e ao). 19. Eu estou falando em termos humanos por causa de suas limitaes naturais. Pois como vocs renderam seus membros corporais e faculdades como servos da impureza e mesmo das crescentes transgresses, ento, agora rendam seus membros corporais e faculdades de uma vez por todas como servos da justia (serem corretos e fazerem o bem) que conduz santificao. 20. Pois quando vocs eram escravos do pecado, vocs eram livres com respeito justia. 21. Mas ento, que benefcio (retorno) vocs tiveram das coisas as quais vocs esto agora envergonhados? Nenhum, pois o fim de todas as coisas a morte. 22. Mas agora, desde que vocs foram libertos do pecado vocs se tornaram escravos de Deus, vocs tm a sua presente recompensa em santidade e no final a vida eterna. 23. Pois o salrio que o pecado paga, a morte, mas o abundante dom gratuito de Deus a vida eterna atravs da unio com Jesus Cristo, nosso Senhor.

Captulo 7

1. Vocs sabem irmos pois eu estou falando para os homens que esto familiarizados com a Lei que a proclamao legal tem poder sobre uma pessoa apenas enquanto ele est vivo? 2. Por exemplo, uma mulher casada est ligada pela Lei ao seu marido enquanto ele vive; mas se seu marido morre, ela est livre e desencarregada do contrato da lei a respeito do seu marido. 3. Portanto, ela teria adulterado se ela se unisse a outro homem enquanto seu marido vivesse. Mas se seu marido morrer, a lei de casamento no est mais atada sobre ela, ela est livre daquela lei; e se ela se une a outro homem, ela no est em adultrio.

4. Da mesma forma, meus irmos, vocs experimentaram a morte para a Lei atravs do corpo crucificado de Cristo, para que agora vocs possam pertencer a Outro, a Ele que foi levantado da morte para que ns possamos carregar frutos para Deus. 5. Quando ns estvamos vivendo na carne, meras vidas fsicas, as paixes pecaminosas que eram acordadas e levantadas pela Lei faziam-nos pecar, estavam constantemente operando nos nossas foras naturais (em nossos corpos orgnicos, e nos apetites sensitivos e vontades da carne), para que ns frutificssemos para a morte. 6. Mas agora, ns estamos desencarregados da Lei e terminamos o intercurso com ela, tendo morrido para o que uma vez nos conteve e nos manteve cativos. Ento agora, ns no servimos sob obedincia ao velho cdigo de regulamentos escritos, mas sob a obedincia aos impulsos do Esprito em novidade de vida. 7. O que ento ns conclumos? a Lei idntica ao pecado? Certamente que no! Contudo, se no tivesse sido pela Lei, eu no reconheceria o pecado ou no teria sabido o seu significado. Por exemplo, eu no teria sabido sobre a cobia (eu no teria nenhuma conscincia de pecado ou senso de culpa) se a Lei no houvesse repetidamente dito: Vocs no cobiaro e nem tero um desejo mau por uma coisa de outros . [Ex 20:17; Dt 5:21] 8. Mas o pecado, encontrando oportunidade no mandamento para expressar a si mesmo, teve uma influncia sobre mim, levantou-se e estimulou todas as espcies de desejos proibidos (luxria, cobia). Pois sem a Lei o pecado estava morto (o senso de que esta uma coisa inativa e sem vida). 9. Uma vez, eu estava vivo, mas bastante separado da Lei, mas quando o mandamento veio, o pecado viveu novamente e eu morri (fui sentenciado pela lei morte). [Sl 73:22] 10. E a mesma ordenana legal, a qual foi designada e pretendida para trazer vida, realmente promoveu, proveu, significou para mim, morte. [Lv 18:5] 11. Pois o pecado, agarrando-se oportunidade e tomando uma influncia sobre mim por tomar esse incentivo do mandamento, iludiu-me, enlaou-me, fraudou-me e usando isso como uma arma, matou-me. 12. A Lei, ento santa e cada mandamento santo e justo e bom.

13. O que bom ento provou ser fatal e trazer a morte para mim? Certamente, que no! Isso foi o pecado operando a morte em mim usando essa coisa boa como uma arma, de modo que, atravs do mandamento, o pecado possa aparecer claramente como pecado, para que a extrema malignidade e imensurvel pecaminosidade do pecado possa claramente ser mostrada. 14. Ns sabemos que a Lei espiritual; mas eu sou uma criatura de carne (carnal, material), vendido em escravido sob o controle do pecado. 15. Pois eu no compreendo minhas prprias aes, eu estou confuso, desnorteado. Eu no pratico ou cumpro o que eu quero, mas eu fao muitas coisas que eu detesto, o que meu instinto moral condena. 16. Ora, se eu fao habitualmente o que contrrio ao meu desejo, que significa que eu conheo e concordo que a Lei boa, moralmente excelente e que eu tomo partido com ela. 17. Contudo, no sou mais eu quem fao os feitos, mas o princpio do pecado o qual est em casa em mim e tem posse de mim. 18. Pois eu sei que nada de bom reside dentro de mim, isto , em minha carne. Eu poderei desejar o que reto, mas eu no poderei executa-lo. Eu tenho a inteno e o desejo de fazer o que reto, mas nenhum poder de leva-lo a cabo. 19. Pois eu falho em praticar as boas obras que eu desejo fazer, mas as ms obras que eu no quero fazer, so as que eu sempre fao. 20. Ora, se eu fao o que eu no desejo, no sou mais eu que as estou fazendo, no sou eu mesmo quem ajo, mas o princpio do pecado que reside em mim, fixado e operando em minha alma. 21. Ento, eu encontro isso como uma lei (regra de ao do meu ser) que quando eu quero fazer o que certo e bom, o mau est sempre presente comigo e eu lhe estou sujeito. 22. Pois eu endosso e me agrado na Lei de Deus em meu eu interior [Ps 1:2] 23. Mas eu discirno em meus membros corporais (nos apetites sensitivos e vontades da carne), uma lei (regra de ao) diferente que guerreia contra a lei de minha mente (minha razo) e faz-me prisioneiro da lei do pecado que mora em meus rgos fsicos (nos apetites sensitivos e vontades da carne).

24. infeliz, digno de pena e miservel homem que eu sou! Quem me libertar e me livrar das algemas desse corpo de morte? 25. , graas a Deus! Ele o far! Atravs de Jesus Cristo, o Ungido, nosso Senhor! Ento, de fato eu, de mim mesmo com mente e o corao, sirvo Lei de Deus, mas com a carne, lei do pecado.

Captulo 8 1. Contudo, agora no h nenhuma condenao (nenhum veredicto de culpa) para aqueles que esto em Cristo Jesus, os que vivem e caminham no aps os ditames da carne, mas aps os ditames do Esprito. [Jo 3:18] 2. Pois a Lei do Esprito de Vida que est em Cristo Jesus, a Lei do nosso novo ser libertou-me da lei do pecado e da morte. 3. Pois Deus fez o que a Lei no podia fazer, tendo o seu poder sendo enfraquecido pela carne, a natureza inteira do homem sem o Esprito Santo. Enviando Seu prprio Filho no disfarce da carne pecaminosa e como oferta pelo pecado. Deus condenou o pecado na carne, o subjugou, o venceu, o despojou de seu poder sobre todo aquele que aceita o Seu sacrifcio. [lv 7:37] 4. Para que o justo e certo mandamento da Lei pudesse ser completamente encontrado em ns que no vivemos e nos movemos nos padres da carne, mas nos padres do Esprito (nossas vidas governadas no pelos padres e de acordo com os ditames da carne, mas controladas pelo Santo Esprito). 5. Pois aqueles que esto de acordo com a carne e so controlados pelos seus desejos profanos colocam suas mentes em e possuem aquelas coisas que gratificam carne, mas aqueles que so de controlados pelo Esprito colocam suas mentes sobre e seguem aquelas coisas que gratificam o Esprito. 6. Ora, a mente da carne, que o senso e a razo sem o Santo Esprito, morte, morte que cumpre todas as misrias levantadas pelo pecado, tanto aqui quanto futuramente. Mas a mente do Santo Esprito vida e paz na alma, tanto agora como para sempre.

7. Isto porque a mente da carne, que so os pensamentos e propsitos carnais, hostil a Deus, pois ela no se submete Lei de Deus; e realmente no pode se submeter. 8. Ento, aqueles que esto vivendo a vida da carne, alimentando os impulsos e apetites de sua natureza carnal, no podem agradar e satisfazer a Deus ou serem aceitveis a Ele. 9. Mas vocs no esto vivendo a vida da carne, vocs esto vivendo a vida do Esprito, se o Santo Esprito de Deus realmente reside dentro de vocs, dirige e controla vocs. 10. Mas, se Cristo vive em vocs, ento, embora o seu corpo natural esteja morto por causa do pecado e da culpa, o esprito est vivo por causa da justia que Ele lhes imputa. 11. E se o Esprito daquele que ressuscitou Jesus da morte reside em vocs, ento Aquele que ressuscitou Cristo Jesus da morte tambm restaurar a vida seus corpos mortais, temporais, perecveis atravs de Seu Esprito que mora em vocs. 12. Ento, irmos, ns somos devedores, mas no carne, ns no estamos subordinados nossa natureza carnal, para viver uma vida governada pelos padres estabelecidos pelos ditames da carne. 13. Pois se vocs vivem de acordo com os ditames da carne, vocs vo certamente morrer. Mas se atravs do poder do Esprito Santo vocs esto habitualmente colocando para a morte (fazendo extinto, enfraquecendo) as obras ms incitadas pelo corpo, vocs realmente e genuinamente vivero para sempre. 14. Pois todos os que so guiados pelo Esprito de Deus so filhos de Deus. 15. Pois o Esprito que vocs receberam agora no um esprito de escravido para colocar-lhes mais uma vez em servido para temer, mas vocs receberam o Esprito de Adoo, o Esprito que produz filiao, felicidade pela qual ns clamamos: Aba, Pai! Pai! 16. O prprio Esprito, ento, testifica junto com o nosso prprio esprito, assegurando-nos que ns somos filhos de Deus. 17. E se ns somos Seus filhos, ento ns somos Seus herdeiros tambm: herdeiros de Deus e companheiros de herana com Cristo, compartilhando sua herana com Ele; apenas ns devemos compartilhar Seu sofrimento se ns quisermos compartilhar Sua glria.

18. Mas o que isso quer dizer? Pois eu considero que os sofrimentos desse presente tempo, essa presente vida, no tm valor, comparados com a glria acerca da qual est para ser revelada para ns, em ns e conferida sobre ns! 19. Pois mesmo toda a criao, toda a natureza, espera ansiosamente e anseia honestamente que os filhos de Deus sejam feitos conhecidos, esperam pela revelao, o desvendar de sua filiao. 20. Pois a criao (natureza) foi sujeita fragilidade ( futilidade, condenada frustrao), no por causa de alguma falta intencional de sua parte, mas pela vontade daquele que a sujeitou ainda que com esperana [Ec 1:2] 21. Esta natureza (criao), ela mesma ser livre de sua servido decadncia e corrupo e ganhar entrada dentro da gloriosa liberdade dos filhos de Deus. 22. Ns sabemos que toda a criao das criaturas irracionais geme junta nas dores de parto at agora. [Jr 12:4,11] 23. E no apenas a criao, mas ns mesmos tambm, que temos e desfrutamos das primcias do Santo Esprito, antegosto das coisas felizes para vir, gemendo interiormente, esperando pela redeno dos nossos corpos da sensualidade e da sepultura, o que revelar nossa adoo, nossa manifestao como filhos de Deus. 24. Pois nessa esperana ns fomos salvos. Mas se a esperana, o objeto da esperana, visto, no esperana. Pois como pode algum esperar o que ele j v? 25. Mas se ns esperamos pelo que ainda invisvel para ns, ns esperamos por isso com pacincia e calma. 26. Ento, tambm o Esprito Santo vem em nosso socorro e levanta-nos em nossa fraqueza; pois ns no sabemos que orao oferecer nem, como oferecer-la adequadamente como ns devemos, mas o Esprito, Ele mesmo vai suprir a nossa splica e pleitear em nosso benefcio com inefvel anseio e gemidos muito profundos para expressarmos em palavras. 27. e Aquele que sonda os coraes dos homens sabe o que est na mente do Santo Esprito, o que Ele intenciona, porque o Esprito intercede e pleiteia diante de Deus em benefcio dos santos de acordo com a vontade de Deus e em harmonia com ela. [Sl 139:1-2] 28. Ns estamos seguros e sabemos que Deus sendo um parceiro no seu trabalho, todas as coisas operam juntas e esto ajustadas dentro de um plano para o bem e para

aqueles que amam a Deus e so chamados de acordo com o seu desgnio e propsito. 29. Pois aqueles que Ele conheceu de antemo, de quem Ele estava alerta e amou de antemo, Ele tambm destinou desde o incio, os preordenou, para serem moldados dentro da imagem de Seu Filho e compartilhar interiormente Sua semelhana, para que Ele possa tornar-se o primognito entre muitos irmos. 30. E aqueles os quais Ele ento preordenou, Ele tambm chamou; e aqueles a quem Ele chamou, Ele tambm justificou (absolveu, fez justos, colocou-os em um posio reta diante de Si mesmo). E aqueles a quem Ele justificou, Ele tambm glorificou, ressuscitando-os para uma dignidade e condio ou estado de ser divinos. 31. O que ento ns diremos de tudo isso? Se Deus por ns, quem ser contra ns? Quem pode ser nosso inimigo, se Deus est do nosso lado? [Sl 118:6] 32. Aquele que no negou ou poupou mesmo Seu prprio Filho, mas O deu por ns todos, no nos dar com Ele tambm gratuita e graciosamente todas as outras coisas? 33. Quem trar algum ataque contra os eleitos de Deus quando Deus quem os justifica, isto , que os coloca em uma relao justa para consigo mesmo? Quem vir adiante e os acusar ou impedir aqueles que Deus escolheu? Deus, Aquele que nos absolveu, o far? 34. Quem h para nos condenar? Ser Cristo Jesus, o Messias, que morreu ou em lugar de quem foi levantado da morte, que est mo direita de Deus realmente pleiteando como Ele est, intercedendo por ns? 35. Quem vai jamais nos separar do Amor de Cristo? Ser sofrimento e aflio e tribulao? Ou calamidade e angstia? Ou perseguio ou fome ou destruio ou perigo ou espada? 36. Assim est escrito: Pois por Sua causa ns fomos colocados para morrer todos os dias; ns somos considerados e contados como ovelhas para o matador. [Sl 44:22] 37. Ainda no meio de todas essas coisas ns somos mais que conquistadores e ganhamos uma excedente vitria atravs dEle que nos amou. 38. Pois eu estou persuadido sem dvidas (eu estou certo) que nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas iminentes e ameaadoras nem coisas para vir, nem poderes,

39. nem altura nem profundidade, nem nada assim em toda a criao ser capaz de separar-nos do amor de Deus que est em Jesus Cristo, nosso Senhor.

Captulo 9

1. Eu estou falando a verdade em Cristo, no estou mentindo; e minha conscincia iluminada e incitada pelo Esprito Santo carrega testemunho comigo 2. que eu tenho amarga aflio e incessante angstia em meu corao. 3. Pois eu poderia desejar que eu mesmo fosse amaldioado, cortado e banido de Cristo por causa de meus irmos e no lugar dos meus compatriotas e naturais da mesma raa. [Ex 32:32] 4. Pois eles so israelitas e a eles pertence a adoo de Deus como uma nao e a gloriosa Presena (Shekinah). Com eles foram feitos os pactos especiais, para eles a Lei foi dada. Para eles a adorao no templo foi revelada e as prprias promessas de Deus anunciadas. [Ex 4:22; Os 11:1] 5. A eles pertencem os patriarcas e tanto quanto so seus descendentes naturais foi concernido, deles o Cristo, que exaltado e supremo sobre todos; Deus seja bendito para sempre! Amm (ento, assim seja). 6. Porm, no como pensam, que a Palavra de Deus tenha falhado, vindo para nada. Pois no so todos que so descendentes de Jac (Israel) que pertencem ao verdadeiro Israel. 7. E eles no so filhos de Abrao porque eles so descendentes pelo sangue dele. No, a promessa era que Seus descendentes sero chamados e contados atravs da linhagem de Isaque, Abrao tinha um filho mais velho. [Gn 21:9-12:1] 8. Isto quer dizer, no so os filhos do corpo de Abrao que so feitos filhos de Deus, mas essa a descendncia para quem a promessa se aplica que ser contada como os verdadeiros descendentes de Abrao.

9. Pois isso o que a promessa disse: Acerca desse tempo, no prximo ano, eu retornarei e Sara ter um filho. [Gn 18:10] 10. E no apenas aquilo, mas tambm isto: Rebeca concebeu dois filhos exatamente nas mesmas circunstncias por nosso antepassado Isaque, 11. e as crianas ainda no eram nascidas e no tinham feito nada de bom ou de mau. Assim ento, de acordo com o executar do propsito de Deus de seleo (eleio, escolha), o qual depende no das obras ou o que os homens podem fazer, mas dEle que os chamou. 12. Foi dito para ela que o filho mais velho serviria o mais novo. [Gn 25:21-23:1] 13. Como est escrito: Jac eu amei, mas Esa eu odiei (possui em relativa desconsiderao em comparao com meu sentimento por Jac). [Ml 1:2-3] 14. O que ns concluiremos ento? H injustia da parte de Deus? Certamente que no! 15. Pois Ele disse a Moiss: Eu terei misericrdia de quem Eu tiver misericrdia e terei compaixo (piedade) de quem Eu tiver compaixo. [Ex 33:19] 16. Ento o dom de Deus no como uma questo de vontade humana e esforo humano, mas da misericrdia de Deus. No depende de uma vontade nem de seu estenoso esforo, como correndo uma corrida, mas de Deus ter misericrdia dele. 17. Pois a Escritura diz a Fara: Eu levantei voc para esse propsito de mostrar Meu poder em lidar com voc, para que meu nome possa ser proclamado sobre todo o mundo. 18. Ento, Ele tem misericrdia de quem Ele deseja (escolhe) e Ele endurece (faz teimoso e no rendido o corao de) quem Ele deseja. 19. Voc me dir: Por qu Ele ainda encontra falta e nos culpa por pecado? Pois quem pode resistir e ir contra Sua vontade? 20. Mas, quem so vocs, meros humanos, para criticar e contradizer e responder de volta a Deus? O que formado dizer ao que o formou: Por qu voc me fez? [Is 29:16; 45:9] 21. Ou no tem o oleiro direito sobre o barro para fazer da mesma massa (pedao) um recipiente para beleza e distino e uso honorvel e outro para uso domstico e desonroso? 22. O que dizer se Deus, embora pretendendo mostrar completamente a terribilidade de Sua ira e para fazer conhecido Seu poder e autoridade, tem tolerado com muita

pacincia os recipientes (objetos) de Sua ira, os quais so amadurecidos para a destruio? [Pv 16:4] 23. E o que dizer se Ele ento props fazer conhecido e mostrar a riqueza da sua glria em lidar com os vasos (objetos) de Sua misericrdia, os quais Ele tem preparado de antemo para glria, 24. assim incluindo a ns mesmos, a quem Ele chamou, no apenas de entre os judeus, mas tambm ente os gentios (pagos)? 25. Tanto quanto Ele diz em Osias: Aqueles que no eram meu povo Eu chamarei Meu povo e ela que no era amada eu chamarei Minha Amada [Os 2:23] 26. E ser que no mesmo lugar onde eu havia dito a eles: Vocs no so meu povo, eles sero chamados filhos do Deus vivente. [Os 1:10] 27. E Isaas invoca (solenemente clama em voz alta) sobre Israel: Ainda que o nmero de filhos de Israel seja como a areia do mar, apenas o remanescente (uma pequena parte deles) ser salva da perdio, condenao, julgamento! 28. Pois o Senhor executar essa sentena sobre a terra [Ele concluir e fechar Essa conta com os homens completamente e sem demora], rigorosamente cortando isso rapidamente em Sua justia. [Is 10:23]. 29. Isso como Isaas predisse: Se o Senhor dos Exrcitos no nos deixasse uma semente da qual propagssemos descendentes, ns, Israel, teramos perecido como Sodoma e teramos sido feitos como Gomorra. [Is 1:9] 30. O que ns diremos ento? Que os gentios que no seguiram a justia, que no seguiram a salvao por um relacionamento reto para com Deus, mas tm se ligado a ela pela f, uma justia baseada em e produzida por f, 31. enquanto que Israel, entretanto mesmo em posse da Lei para a segurana da justia, posio correta para com Deus, realmente no tem sucesso em cumprir a lei. [Is 51:1] 32. Por que razo? Porque eles a possuram no atravs da f, descansando ao invs, no mrito de suas obras, eles no dependem de f, mas do que eles podem fazer. Eles tm tropeado na Pedra de Tropeo [Is 8:14; 28:16] 33. Como est escrito: Observem, Eu estou colocando em Sio uma Pedra que vai fazer os homens tropearem, uma Rocha que vai faze-los carem; mas aquele que crer nEle, que adere a, confia em e descansa nEle no ser colocado em situaes

onde passem vergonha, nem sero desapontados em suas expectativas. [Is 28:16]

Captulo 10 1. Irmos, com todo o desejo do meu corao e boa vontade para Israel, eu anseio e oro a Deus para que eles possam ser salvos. 2. Eu tenho o testemunho que eles tm um zelo correto e entusiasmo por Deus, mas esse no o conhecimento iluminado e de acordo com o correto e vital conhecimento. 3. Pois sendo ignorantes da justia que Deus designa, a qual nos faz aceitveis a Ele em palavra, pensamentos e obras; e buscando estabelecer uma justia (um significado de salvao) deles prprios, eles no obedecem ou submetem a si mesmos justia de Deus. 4. Pois Cristo o fim da Lei, o limite no qual ela cessa de ser, pois a Lei conduz a Ele que o cumprimento de seus tipos e nEle o propsito para o qual foi designada para cumprirmos completado. Isto , o propsito da lei cumprido nEle como o sentido de justia (relacionamento correto com Deus) para todo aquele que cr nEle e adere a Ele e descansa nEle. 5. Pois Moiss escreveu que o homem que puder praticar a justia, a perfeita conformidade com a vontade de Deus, a qual baseada na Lei, com todos os seus intricados mandamentos, viver por ela. [Lv 18:5] 6. Mas a justia baseada na f imputada por Deus e trazendo um relacionamento reto para com Ele, diz: No diga em seu corao: Quem ascender aos cus, - isto , para trazer Cristo para baixo; 7. Ou, quem descer dentro do abismo? Isto , para trazer Cristo levantado da morte, como se ns pudssemos ser salvos por nossos esforos. [Dt 30:12-13] 8. Mas o que isso diz? A Palavra (a mensagem de Deus em Cristo) est perto de voc, em seus lbios e em seu corao; que , a Palavra (a mensagem, a base e o objeto) da f a qual ns pregamos. [Dt 30:14] 9. Porque se voc conhecer e confessar com Seus lbios que Jesus o Senhor e em seu corao crer (aderir a Ele, confiar

nEle e descansar) na verdade que Deus O ressuscitou dos mortos, voc ser salvo. 10. Pois com o corao, uma pessoa cr (adere a Ele, confia nEle e descansa sobre) Cristo e ento justificado (declarado justo, aceitvel a Deus), e com a boca ele confessa (declara abertamente e proclama livremente sua f e confirma) a sua salvao. 11. A Escritura diz: Nenhum homem que cr nEle, que adere a Ele, confia nEle, descansa nEle no ser nunca envergonhado ou desapontado. [Sl 34:22; Is 28:16; 49:23; Jr 17:7] 12. Nenhuma distino h entre o judeu e o grego. O mesmo Senhor Senhor sobre todos ns e Ele generosamente outorga Suas riquezas em todos que o invocam. 13. Pois todos que invocam o Nome do Senhor, invocando-o como Senhor, sero salvos. [Joel 2:32] 14. Mas como as pessoas invocaro Aquele em quem no creram, em Quem no tm f, sobre quem elas no tm confiana? E como elas crero nEle, aderiro a Ele, confiaro nEle e descansaro nEle de Quem nunca ouviram falar? E como elas escutaro sem um pregador? 15. E como podem esperar que homens preguem, a menos que eles sejam enviados? Como est escrito: Quo formosos so os ps daqueles que trazem alegres novas! Quo bem-vinda a vinda daqueles que pregam as boas novas de Suas coisas boas! [Is 52:7] 16. Mas eles no tm atendido ao evangelho; pois Isaas diz: Senhor, que creu (teve f) no que ele escutou de ns? [Is 53:1] 17. Ento, a f vem pelo ouvir o que falado. E o que falado vem pela pregao da mensagem que vem dos lbios de Cristo, o prprio Messias. 18. Mas, eu pergunto: Eles no escutaram? De fato eles escutaram; Pois a Escritura diz: Sua voz, aquela que carrega a natureza da mensagem de Deus, veio sobre a terra e suas palavras para os confins do mundo. [Sl 19:4] 19. Novamente eu pergunto: Israel no compreendeu? Os judeus no foram admoestados que o Evangelho iria adiante para os gentios, para toda a terra? Primeiro, h Moiss que diz: Eu farei vocs ciumentos daqueles que no eram uma nao; com uma nao tola eu farei vocs irados. [Dt 32:21]

20. Ento Isaas to ousado quando diz: Eu fui encontrado por aqueles que no me buscavam; Eu Me mostrei (revelei) a mim mesmo para aqueles que no perguntaram conscientemente por mim. [Is 65:1] 21. Mas sobre Israel ele diz: Todos os dias eu tenho estendido minhas mos a um povo que no se rende e desobediente e s segue a si mesmo, para um povo contrrio, contradizente [Is 65:2]

Captulo 11 1. Eu pergunto ento: Deus rejeitou totalmente e renegou seu povo? claro que no! Por qu, eu mesmo sou um israelita, um descendente de Abrao, um membro da tribo de Benjamin! [1 Sm 12:22; Jr 31:37; 33:24-26; Fp 3:5] 2. No, Deus no rejeitou e renegou o povo dele cujo destino Ele tinha firmado e tinha designado e conhecido de antemo desde o incio. Vocs no sabem o que a Escritura diz de Elias, como ele pleiteou com Deus contra Israel? [Sl 94:14; 1 Rs 19:1] 3. Senhor, eles mataram Seus profetas; eles demoliram Seus altares e sou deixado s e eles buscam a minha vida. 4. Mas o que Deus responde a ele? Eu guardei para mim mesmo sete mil homens que no se curvaram os joelhos a Baal! [1 Rs 19:18] 5. Ento, tambm no presente tempo existe um remanescente, uma pequena minoria, crendo, selecionada, escolhida pela graa (pelo imerecido favor e graciosidade). 6. Mas se por graa, Seu imerecido favor e graciosidade, no mais condicionado pelas obras ou qualquer coisa que um homem tenha feito. De outro modo, a graa no seria graa, seria sem sentido. 7. O que ento devemos ns concluir? Israel falhou para obter o que ela buscou, o favor de Deus por obedincia Lei. Apenas os eleitos, aqueles poucos escolhidos obtiveram isso, enquanto o resto tornou-se endurecido indiferente (cegos, endurecidos e feitos insensveis a isto).

8. Como est escrito, Deus deu-lhes um esprito (uma atitude) de estupor, olhos para que no pudessem ver e ouvidos que no podiam escutar, que tem continuado cados para este prprio dia. [Dt 29:4; Is 29:10] 9. E Davi diz: Sua mesa, seu banquete, sua festa, torne-se uma armadilha e um lao e uma justa retribuio, repercutindo como um bumerangue sobre eles; [Sl 69:22] 10. Seus olhos sejam escurecidos, obscurecidos para que eles no possam ver, e faa-os dobrar suas costas, parados sob seus fardos, para sempre [Sl 69:23] 11. Ento, eu pergunto: Eles tropearam para cair runa espiritual absoluta deles, irreparavelmente? De modo algum! Mas atravs de seu passo em falso e transgresso veio salvao para os gentios, para despertar Israel para ver o que eles perderam e ento faz-los ciumentos. 12. Agora, se seu tropeo, seu lapso, sua transgresso enriqueceu tanto o mundo e se a falha de Israel significou tais riquezas para os gentios, penso que um enriquecimento e maior vantagem seguir seu pleno restabelecimento! 13. Mas agora, eu estou falando para vocs que so gentios, j que ento eu sou apstolo para os gentios. Eu estendo grande nfase no meu ministrio e amplio o meu ofcio, 14. na esperana de fazer meus companheiros judeus invejosos de modo a revolve-los para imitarem, copiarem e se apropriarem e ento conseguir salvar alguns deles. 15. Pois se essa rejeio e excluso dos benefcios da salvao foram predominantes para a reconciliao do mundo para Deus, o que ser sua aceitao e o que significar a sua admisso? Isto ser a vida dentre os mortos! 16. Ora, se o primeiro punhado de massa oferecida como os primeiros frutos [Abrao e os patriarcas] so consagrados, santos, ento a massa inteira, a nao de Israel] consagrado; e se a raiz [Abrao] consagrada, santa, ento os ramos so santos. [Nm 15:19-21] 17. Mas se algum dos ramos foram cortados, enquanto vocs, um broto de oliveira selvagem, foram enxertados entre eles para compartilhar as riquezas da raiz e da seiva da rvore da oliveira, 18. no se orgulhem sobre os ramos e ensoberbeam-se a si mesmos s suas custas. Se voc se orgulhar se sentir superior, lembre-se que no voc quem suporta a raiz, mas a raiz que suporta voc.

19. Voc dir ento: Ramos foram quebrados, podados, para que eu pudesse ser enxertado! 20. Isto verdade. Mas eles foram cortados, podados, por causa de sua incredulidade (sua falta de f real) e voc est estabelecido atravs da f, porque voc cr. Ento no se torne orgulhoso e convencido, mas ao invs permanea em temor e seja reverentemente temeroso. 21. Pois se, Deus no poupou os ramos naturais por causa da incredulidade, nem Ele poupar voc, se voc for culpado da mesma ofensa. 22. Ento observe e aprecie a graciosa bondade e severidade de Deus: severidade a respeito daqueles que caram, mas graciosa bondade de Deus para vocs provendo para que vocs continuem na Sua graa e se conformem em Sua bondade; de outra forma vocs tambm sero cortados fora (podados). 23. E mesmo aqueles outros, os ramos cados, judeus, se eles no persistirem em se agarrarem a sua incredulidade, sero enxertados, pois Deus tem o poder para enxerta-los de novo. 24. Pois se vocs foram cortados do que era por natureza uma oliveira selvagem e contra a natureza, enxertados em uma rvore de oliveira cultivada, quo mais fcil ser enxertar esses ramos naturais de volta na sua prpria rvore de oliveira da qual saram. 25. Para que vocs no sejam sbios em seus prprios conceitos, eu no quero que vocs percam esta verdade oculta e mistrio, irmos: um endurecimento (insensibilidade) temporariamente aconteceu com uma parte de Israel e dura at que o nmero completo de gentios tenha vindo. 26. E ento todo Israel ser salvo. Como est escrito: O Libertador vir de Sio, Ele banir a impiedade de Jac [Is 59:20-21] 27. e este ser Meu concerto (Meu acordo) com eles quando eu lanar fora os seus pecados. [Is 27:9; Jr 31:33] 28. Do ponto de vista do Evangelho (boas novas), eles, os judeus, no presente so inimigos de Deus, o que para sua vantagem e benefcio. Mas do ponto de vista da escolha de Deus (da eleio, da divina seleo), eles so ainda os amados, queridos para Ele por causa dos seus antepassados. 29. Pois os dons de Deus e Seu chamado so irrevogveis. Ele nunca retirou deles quando uma vez lhes foi dada e Ele no

muda sua mente acerca daqueles os quais Ele d sua graa, a quem Ele envia o seu chamado. 30. Ento como vocs foram uma vez desobedientes e rebeldes a respeito de Deus, mas agora tm obtido Sua misericrdia, atravs de sua desobedincia, 31. tambm eles agora esto sendo desobedientes, quando vocs esto recebendo misericrdia, para que eles de volta possam um dia, atravs da misericrdia que vocs esto desfrutando, tambm receber misericrdia, para que eles possam compartilhar a misericrdia a qual foi mostrada a vocs atravs de voc, como mensageiros do Evangelho dEle. 32. Pois Deus consignou todos os homens desobedincia, apenas para que Ele possa ter misericrdia de todos eles semelhantemente. 33. , a profundidade das riquezas e sabedoria e conhecimento de Deus! Quo insondveis (inescrutveis) so Seus julgamentos (Suas decises)! E quo sem pista (misteriosos, impenetrveis) so Seus meios (Seus mtodos, Seus caminhos)! 34. Pois quem conheceu a mente do Senhor e quem compreendeu Seus pensamentos ou quem foi mesmo o Seu conselheiro? [Is 40:13-14] 35. Ou o que quem deu primeiro a Deus qualquer coisa para que Ele pudesse pagar de volta ou para que pudesse lhe reclamar a recompensa? 36. Pois dEle, atravs dEle e para Ele so todas as coisas. Pois todas as coisas se originam com Ele e vm dEle; todas as coisas vivem atravs dEle, todas as coisas centram-se nEle, tendem para se consumarem nEle e terminam nEle. Para Ele seja a glria para sempre! Amm, assim seja.

Captulo 12 1. Eu apelo a vocs ento, irmos e imploro em face de todas as misericrdias de Deus, para fazerem uma dedicao decisiva de seus corpos, apresentando todos os seus membros e faculdades como sacrifcio vivo, santo, devotado, consagrado e agradvel a Deus, o que o seu razovel (racional, inteligente) servio e adorao espiritual.

2. No estejam conformados a este mundo (esta poca), formados aps ela e adaptados a seus costumes externos e superficiais, mas sejam transformados (modificados) pela inteira renovao de sua mente, por seus novos ideais e suas novas atitudes, para que vocs possam provar para si mesmos o que a boa e aceitvel e perfeita vontade de Deus, assim as coisas as quais so boas, agradveis e perfeitas do ponto de vista de Deus para vocs. 3. Pois pela graa (imerecido favor de Deus) dada a mim, eu admoesto todos entre vocs a no estimarem e pensarem de si mesmo mais do que devem, no terem uma opinio exagerada de sua prpria importncia, mas avaliem sua habilidade com sbrio julgamento, cada um de acordo com o grau de f dada por Deus em poro para ele. 4. Pois como em um corpo fsico ns temos muitas partes (rgos, membros) e todas essas partes no tm a mesma funo ou uso, 5. ento, ns, numerosos como ns somos, somos o corpo de Cristo, o Messias, e individualmente ns somos partes uns dos outros, mutuamente dependentes uns dos outros. 6. Tendo dons (faculdades, talentos, qualidades) que diferem de acordo com a graa dada a ns, vamos usa-las: Aquele cujo dom profecia, profetize de acordo com a proporo da f; 7. Aquele cujo dom servio prtico, d-se a si mesmo para servir; aquele que ensina, d-se para o seu ensino; 8. Aquele que exorta (encoraja), para sua exortao; aquele que contribui, faa isso em simplicidade e liberalidade; aquele que d ajuda e superintende, com zelo e singeleza de mente; aquele que faz atos de misericrdia, com genuna alegria e jubiloso nimo. 9. Seja seu amor sincero, uma coisa real; odeiem o que mal, detestem toda impiedade, voltem-se com horror da maldade, mas abracem rpido o que bom. 10. Amem uns aos outros com afeio fraternal, como membros de uma famlia, dando precedncia e mostrando honra uns aos outros. 11. Nunca atrasem no zelo e no honesto empenho; sejam incandescentes e queimem com o Esprito, servindo ao Senhor. 12. Alegrem-se e exultem na esperana; sejam firmes e pacientes no sofrimento e na tribulao; sejam constantes na orao.

13. Contribuam para com as necessidades do povo de Deus, compartilhando com as necessidades dos santos; possuam a prtica da hospitalidade. 14. Abenoem aqueles que os perseguem, que so cruis em sua atitude acerca de vocs; abenoem e no os amaldioem. 15. Alegrem-se com aqueles que se alegram, compartilhando da alegria dos outros e lamentem com aqueles que lamentam, compartilhando das aflies dos outros. 16. Vivam em harmonia uns com os outros; no sejam arrogantes (esnobes, exclusivos, altivos), mas prontamente ajustem a si mesmo s pessoas, s coisas e dem a si mesmos nas tarefas humildes. Nunca superestimem a si mesmos em seus prprios conceitos. [Pv 3:7] 17. No pague a ningum mal por mal, mas leve o pensamento para o que honesto e prprio e nobre, visando estar sob reprovao de cima s vistas de todos. [Pv 20:22] 18. Se possvel, tanto quanto isso dependa de voc, viva em paz com todos. 19. Amados, nunca se vinguem a si mesmos, mas deixem o caminho aberto para a ira de Deus; por isso est escrito: A vingana Minha, Eu pagarei (quitarei), diz o Senhor. [Dt 32:35] 20. Mas, se seu inimigo est faminto, alimente-o; se ele est sedento, d-lhe de beber; pois fazendo isso voc amontoar brasas de carvo acesas sobre sua cabea. [Pv 25:21-22] 21. No deixe a si mesmo ser vencido pelo mal, mas vena; domine, o mal com o bem.

Captulo 13 1. Seja toda pessoa lealmente sujeita s autoridades civis. Pois no existe autoridade, exceto vinda de Deus, por Sua permisso, Sua sano e aquelas que existem o so por indicao de Deus. [Pv 8:15] 2. Conseqentemente, aquele que resiste e se coloca a si mesmo contra a autoridade, resiste ao que Deus indicou e ordenou em ordem divina. E aqueles que resistem traro julgamento sobre eles mesmos, recebendo a penalidade devida a eles.

3. Pois as autoridades civis no so um terror para as pessoas de boa conduta, mas para aqueles de mau comportamento. Vocs no querem ter medo daquele que autoridade? Ento faam o que certo e voc recebero sua aprovao e recomendao. 4. Pois ele servo de Deus para seu bem. Mas se voc pratica o erro, voc deve tem-lo e estar temeroso, pois ele no carrega e usa a espada por nada. Ele servo de Deus para executar sua ira (punio, vingana) no malfeitor. 5. Ento, devemos estar sujeitos, no apenas para evitar a ira de Deus e escapar da punio, mas tambm como uma questo de princpios e por causa de conscincia. 6. Por esta mesma razo vocs pagam taxas, pois as autoridades civis so servos oficiais, abaixo de Deus, devotando a si mesmos a atender a seu prprio servio. 7. Rendam a todos os homens suas obrigaes. Paguem taxas a quem as taxas so devidas, rendimentos a quem rendimentos so devidos, respeito a quem respeito devido e honra a quem honra devida. 8. Mantenham-se fora de dbitos e no devam a homem algum coisa alguma, exceto o amor uns aos outros; pois aquele que ama seu prximo, que pratica o amor ao prximo, cumpriu a lei relativa raa humana, cumprindo todos os seus requisitos. 9. Os mandamentos: No adulterars, no matars, no roubars, no cobiars (ters um mal desejo) e todos os outros mandamentos, so resumidos no simples mandamento: Ame ao seu prximo como voc ama a si mesmo. [Ex 20:13-17; Lv 19:18] 10. O amor no faz o mal para o seu prximo, ele nunca magoa ningum. Ento, o amor cumpre todas as requisies e o cumprimento da Lei. 11. Junto a isto, vocs sabem que esta uma hora crtica, como este agora o momento mais importante para vocs estarem alertas de seu sono (acordarem para a realidade). Pois, a salvao (o livramento final) est mais prximo de ns agora do que quando ns cremos primeiro (aderimos a, confiamos em e descansamos em Cristo, o Messias). 12. A noite est se distanciando e o dia est quase aqui. Vamos ento derrubar (lanar por terra) as obras e os feitos da escurido e colocar a armadura completa da luz.

13. Vamos viver e conduzir a ns mesmos honrosamente e propriamente como na luz clara do dia, no em orgias (se divertindo no mundo) e embriaguez, nem em imoralidade e deboche (sensualidade e licenciosidade), nem em brigas e cimes. 14. Mas vistam a si mesmos com o Senhor Jesus Cristo, o Messias, e no faam nenhuma proviso para indulgenciar a carne; coloquem um freio em pensar nos maus apetites de sua natureza fsica para gratificar seus desejos e luxrias.

Captulo 14 1. Como para o homem que fraco como crente, receba-o bem em sua companhia, mas no critique suas opinies ou faa julgamentos de seus escrpulos ou o deixem perplexo com suas discusses. 2. A f de um homem permite que ele possa comer qualquer coisa, enquanto um fraco se limita a comer vegetais. 3. Aquele que come no olhe de cima para baixo ou despreze ao que se abstm e nem aquele que se abstm critique e julgue aquele que come; pois Deus aceitou-o e deu-lhe as boas vindas. 4. Quem voc para julgar e censurar o servo de outro senhor? diante de seu prprio mestre que ele permanece ou cai. E ele permanecer em p e ser apoiado pelo Mestre (o Senhor) que poderoso para mant-lo e faze-lo permanecer. 5. Um homem estima um dia como melhor que outro, enquanto outro homem estima todos os dias semelhantes, sagrados. Todos estejam completamente convencidos (satisfeitos) em sua prpria mente. 6. Aquele que observa o dia, o observa em honra do Senhor. Aquele que tambm come, come em honra do Senhor, uma vez que ele d graas a Deus; enquanto aquele que se abstm, se abstm em honra do Senhor e d graas a Deus. 7. Nenhum de ns vive para si mesmo, mas para o Senhor, e nenhum de ns morre para si mesmo, mas para o Senhor. 8. Se ns vivemos, ns vivemos para o Senhor e se ns morremos, morremos para o Senhor. Ento, quer ns vivamos ou ns morramos, ns pertencemos ao Senhor.

9. Pois Cristo morreu e viveu novamente por esse mesmo propsito, para que Ele possa ser Senhor dos mortos e dos vivos. 10. Por qu vocs criticam e julgam seu irmo? Ou vocs, por qu vocs olham de cima para baixo ou desprezam seu irmo? Pois ns devemos todos permanecer diante do julgamento assentado por Deus. 11. Por isso est escrito: Como eu vivo, diz o Senhor, todo joelho se dobrar diante de Mim, e toda a lngua confessar a Deus, (o reconhecimento dEle para a Sua honra e Seu Louvor). [Is 45:23] 12. e ento cada um de ns dar contas de si mesmo, dar uma resposta em referncia ao julgamento de Deus. 13. Ento no vamos mais criticarmos, culparmos e julgarmos uns aos outros, mas ao invs disso decidir e empenharmo-nos em nunca colocar uma pedra de tropeo ou um obstculo ou um estorvo no caminho do irmo. 14. Eu sei e eu estou convencido, persuadido como um no Senhor Jesus, que nada proibido como essencialmente impuro (sujo e profano em si mesmo). Mas apenas impuro (sujo e profano) para algum que pensa que aquilo impuro. 15. Mas se seu irmo est sentindo dor ou seus sentimentos sofrem ou se ele est sendo injuriado pelo que voc come, ento voc no est mais andando em amor. Voc cessou de estar vivendo e conduzindo a si mesmo pelo padro de amor a respeito dele. No deixe o que voc come magoar ou causar a runa de algum por quem Cristo morreu! 16. Conseqentemente no deixem o que parece bom para voc ser considerado uma coisa m por algum. Em outras palavras, no dem ocasio para os outros criticarem aquilo que justificvel para voc. 17. Depois de tudo, o reino de Deus no um assunto de tomar a comida e bebida ou coisas semelhantes, mas, pelo contrrio, sua justia, que o estado o qual faz uma pessoa aceitvel a Deus, e paz no corao e alegria no Esprito Santo. 18. Aquele que serve Cristo desta forma aceitvel e agradvel a Deus e aprovado pelos homens. 19. Ento vamos definitivamente objetivar e ardentemente possuir o que opera para a harmonia e para a mtua edificao e desenvolvimento uns dos outros. 20. Vocs no devem, por causa de comida, desfazer ou derrubar e destruir a obra de Deus! Tudo de fato cerimonialmente

limpo e puro, mas errado para qualquer um magoar a conscincia dos outros ou faze-los cair pelo que ele come. 21. O certo no comer carne ou no beber nenhum vinho de modo algum, ou no fazer qualquer outra coisa se isso faz seu irmo tropear ou magoar sua conscincia ou ofend-lo ou enfraquec-lo. 22. Suas convices pessoais em tais assuntos exercite-as como na presena de Deus, mantendo-as para si mesmo, esforando-se apenas para saber a verdade e obedecer Sua vontade. Bendito, feliz e digno de inveja aquele que no tem razo para julgar a si mesmo pelo que ele aprova, o que no se condena a si mesmo pelas escolhas que ele faz. 23. Mas o homem que duvida (tem a conscincia intranquila) sobre comer e ento come, talvez por causa de vocs, permanece condenado diante de Deus, porque ele no verdadeiro para com as suas convices e ele no age a partir da f. Pois qualquer obra que no se origina e procede de f pecado, qualquer obra sem uma convico de sua aprovao por Deus pecaminosa.

Captulo 15

1. Aquele que forte em nossas convices de f robusta, deve suportar as falhas e as fragilidades e os escrpulos tenros do fraco; ns devemos ajudar a levar as dvidas e escrpulos dos outros e no agradar a ns mesmos. 2. Cada um de ns faa disso uma prtica agradar (fazer feliz ao seu prximo) para o seu bem e para o seu bem-estar, para edifica-lo, fortalece-lo e levanta-lo espiritualmente. 3. Pois Cristo no agradou a Si mesmo, no deu nenhuma ateno para os seus prprios interesses; mas como estava escrito: A reprovao e os abusos daqueles que reprovaram e abusaram, voc derramou sobre Mim. Sl 69:9 4. Pois o que quer que tenha sido ento escrito nos dias antigos, foi escrito para nossa instruo, que por nossa firmeza e pacincia, persistncia e encorajamento desembainhado das Escrituras ns possamos abraar rpido e apreciar a esperana.

5. Ora, o Deus que d o poder de perseverana e paciente (firmeza) e que supre encorajamento, pode garantir-lhes viver em tal mtua harmonia e tal completa simpatia um com os outros de acordo com Cristo Jesus. 6. Para que juntos vocs possam unanimemente com coraes unidos e a uma voz, louvar e glorificar o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Messias. 7. Recebam bem e sejam hospitaleiros em seus coraes uns aos outros, assim, da mesma forma como Cristo tem sido hospitaleiro e tem recebido vocs, para a glria de Deus. 8. Pois eu lhes digo que Cristo, o Messias, tornou-se um servo e um ministro para os circuncisos, os judeus, de modo a mostrar a veracidade e honestidade de Deus por confirmar, verificar, as promessas dadas a nossos pais. 9. E tambm de modo que as naes gentias possam glorificar Deus por sua misericrdia, no pactuada para eles. Como est escrito: Ento, eu O louvarei entre os gentios e cantarei louvores ao Seu nome. [Sl 18:49] 10. Novamente dito: Alegrem-se, exultem gentios, junto com Seu prprio povo; [Dt 32:43] 11. E novamente: Louvem ao Senhor, todos os gentios e todos os povos o louvem! [Sl 117:1] 12. E mais adiante Isaas diz: Haver um Broto da Raiz de Jess. Aquele levantar o governo sobre os gentios; nEle os gentios esperaro [Isaas 11:1, 10; Ap 5:5; 22:16] 13. Possa o Deus de sua esperana completar vocs com toda a alegria e paz em confiana atravs da experincia de sua f que pelo poder do Santo Esprito voc possa abundar e estar transbordando (borbulhando para fora) de esperana. 14. Pessoalmente, eu estou satisfeito sobre vocs, meus irmos, que vocs mesmos so ricos em bondade, amplamente cheios com todo conhecimento espiritual, competentes para admoestar e aconselhar e instruir uns aos outros tambm. 15. Ainda sobre alguns pontos eu tenho escrito para vocs mais ousadamente e sem reservas por meio de lembrar-lhes. Eu o tenho feito ento por causa da graa, o imerecido favor, derramado sobre mim por Deus. 16. Em me fazer um ministro de Cristo Jesus para os gentios. Eu ajo no servio sacerdotal do evangelho de Deus, as boas novas, de modo que a oferta sacrificial dos gentios possa ser aceitvel a Deus, consagrada e feita santa pelo Esprito Santo.

17. Em Cristo Jesus, ento, eu tenho legtima razo para gloriar, exultar em meu trabalho para Deus, no que atravs de Cristo Jesus eu tenho completado a respeito das coisas de Deus. 18. Pois claro, eu no me arrisco, presumo no falar ento de nenhum trabalho, exceto o que Cristo tm realmente feito atravs de mim como um instrumento em suas mos para ganhar obedincia de entre os gentios, por palavras e obras. 19. Assim como minha pregao tem sido acompanhada com o poder de sinais e maravilhas, e todas elas pelo poder do Santo Esprito. O resultado que partindo de Jerusalm e circundando o Ilrico eu tenho pregado completamente o evangelho, fielmente executando, completando, levando a cabo a plenitude das boas novas de Cristo, o Messias, em sua integridade. 20. Ento, minha ambio foi pregar o Evangelho no onde o nome de Cristo j foi conhecido, para que no construa sobre a fundao de outro homem; 21. Mas, ao invs, eu possa agir sobre o princpio como est escrito: Ento, vero a quem nunca tinha sido falado sobre Ele e eles entendero aquele de Quem nunca haviam escutado [Is 52:15] 22. Esta ambio a razo porque eu tenho to freqentemente sido impedido de ir visitar-lhes. 23. Mas agora uma vez que eu no tenho nenhuma oportunidade mais adiante para trabalhar nessas regies e uma vez que eu tenho adiado por vrios anos vir at vocs, 24. Eu espero v-los quando passar atravs de Roma como eu vou, na viagem que pretendo fazer Espanha, e ser ajudado em minha jornada l por vocs, depois que eu tiver desfrutado de sua companhia por um pouco de tempo. 25. Pois no presente, contudo, eu estou indo para Jerusalm para trazer ajuda (alvio) para os santos, o povo de Deus l. 26. Por isso, foi a boa vontade da Macednia e da Acaia fazer alguma contribuio para os pobres entre os santos de Jerusalm. 27. Eles estavam contentes em fazer isso; e certamente eles esto em dbito para eles, pois se os gentios vieram a compartilhar em suas bnos espirituais, ento eles devem tambm servir a eles em bnos materiais. 28. Quando conseqentemente eu houver completado essa misso e tiver liberado para eles em Jerusalm o que foi levantado, eu irei pelo caminho de vocs para a Espanha.

29. E eu sei que quando eu fizer ir at vocs, eu virei na bno abundante do evangelho de Cristo. 30. Eu apelo a vocs, eu imploro a vocs, irmos, por causa de nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor dado pelo Santo Esprito, unam-se a mim em honesta luta em orao a Deus em meu benefcio. 31. Orem para que eu possa ser libertado (guardado) dos incrdulos na Judia e que minha misso de alvio para Jerusalm possa ser aceitvel e graciosamente recebida pelos santos, pelo povo de Deus l. 32. Para que pela vontade de Deus eu possa subseqentemente vir at vocs com alegria (com um corao alegre) e ser reanimado pelo intervalo de descanso em sua companhia. 33. E o Deus da Paz seja com vocs todos! Amm, assim seja. Captulo 16

1. Ora, eu introduzo e recomendo a vocs a sua irm Febe, uma diaconisa da igreja de Cencria, 2. que vocs possam receb-la no Senhor com a hospitalidade crist, como santos, povo de Deus, devem receberem-se uns aos outros. E ajud-la em qualquer assunto em que ela requisitar assistncia de vocs, pois ela foi uma ajudadora para muitos, inclusive eu mesmo, protegendo-nos de sofrimento. 3. D meus cumprimentos a Prisca e quila, meus companheiros obreiros em Cristo Jesus, 4. os quais arriscaram suas vidas, arriscando seus prprios pescoos, por minha vida. Por causa deles no apenas eu, mas tambm todas as igrejas entre os gentios do graas. 5. Lembro-me tambm da igreja que se rene em sua casa. Cumprimento meu amado Epeneto, que foi uma primcia (primeiro convertido) a Cristo na sia. 6. Cumprimento Maria, que trabalhou duro entre vocs. 7. Lembro-me de Andrnico e Jnias, da minha tribo e uma vez meu companheiros de priso. Eles so homens tidos em alta estima entre os apstolos, que tambm foram em Cristo antes de mim. 8. Lembrem de mim a Amplato, meu amado no Senhor.

9. Sadem a Urbano, nosso companheiro na obra em Cristo, e meu querido Estquis. 10. Cumprimentem Apolo, que um testado e aprovado em Cristo, o Messias. Lembrem de mim para aqueles que pertencem casa de Aristbulo. 11. Cumprimentem Herodio da minha tribo e aqueles nos Senhor que pertencem famliade Narciso. 12. Sadem aquelas obreiras no Senhor: Trifena e Trifosa. Cumprimentem meu querido Prsis, que tem trabalhado duro no Senhor. 13. Lembrem-me a Rufo, eminente no Senhor, e tambm sua me, que tem sido uma me para mim tambm. 14. Cumprimentem Asncrito, Plegon, Hermes, Ptrobas, Hermas, e os irmos que esto com eles. 15. Cumprimentem Fillogo, Jlia, Nereu e sua irm e Olimpas e todos os santos que esto com eles. 16. Cumprimentem uns aos outros com um beijo santo, consagrado. Todas as igrejas de Cristo, o Messias, desejam ser lembradas para vocs. 17. Eu apelo a vocs, irmos, para estarem em guarda a respeito daqueles que criam dissenses e dificuldades e causam divises em oposio doutrina, o ensino, o qual lhes tm sido ensinado. Eu alerto a vocs a se colocarem parte deles, evita-los. 18. Pois tais pessoas no servem a nosso Senhor Jesus Cristo mas a seus prprios apetites e desejos baixos e por falar bajulador e lisonjeiro, eles enganam os coraes das pessoas que no desconfiam e simplrias. 19. Pois a sua lealdade e obedincia conhecida de todos, que eu me regozijo sobre vocs, eu quero vocs bem versados e sbios com o que bom e inocentes e sinceros com o que mau. 20. E o Deus da Paz rapidamente esmagar Satans debaixo dos seus ps. A graa de nosso Senhor Jesus Cristo, o Messias, seja com vocs. 21. Timteo, meu companheiro obreiro, deseja ser lembrado para vocs, como tambm Lcio e Jason e Sospatro da minha tribo. 22. Eu, Trcio, o escritor desta carta, cumprimento vocs no Senhor.

23. Gaio, que me hospeda e toda igreja aqui cumprimenta vocs. Tambm Erasto, o procurador da cidade e nosso irmo Quarto. 24. A graa de nosso Senhor Jesus Cristo, o Messias, seja com vocs todos. Amm, assim seja. 25. Ora, para Aquele que capaz de fortalecer vocs na f a qual est de acordo com meu evangelho e a pregao de Jesus Cristo, o Messias, de acordo com a revelao, o desvendar do mistrio do plano de redeno o qual estava guardado em silncio e em segredo por longas pocas, 26. Mas agora est descoberto e atravs das Escrituras profticas feito conhecido para todas as naes, de acordo com o comando do Deus eterno, para venc-los para a obedincia da f. 27. Para o nico Deus sbio seja a glria para sempre atravs de Jesus Cristo, o Ungido! Amm, assim seja.

EFSIOSCaptulo 1 1. Paulo, um apstolo (mensageiro especial) de Jesus Cristo (o Messias) pela divina vontade (o propsito e a escolha de Deus) para os santos (os consagrados, separados) em Efso que so tambm fiis e leais e firmes em Cristo Jesus: 2. Possa a graa (o favor imerecido de Deus) e paz espiritual (a qual significa paz com Deus e harmonia, unidade e tranqilidade) sejam suas da parte de Deus nosso e do Senhor Jesus Cristo. 3. Possa a bno (louvor, cumprimento e elogio) ser para o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo (o Messias) que nos tem abenoado em Cristo com toda as bnos espirituais (dadas pelo Santo Esprito) no reino celestial.4

Assim como [em seu amor] Ele nos escolheu [nos tomou para si como seus prprios] em Cristo, antes da fundao do mundo, para que ns pudssemos ser santos (consagrados e colocados parte para Ele) e sem manchas a partir do seu ponto de vista, acima de reprovao, perante Ele em amor. 5 Pois Ele preordenou-nos (destinou-nos, planejou em amor para ns) para sermos adotados (revelados) como Seus prprios filhos atravs de Jesus Cristo, de acordo com o propsito de sua vontade [porque isso agradou a Ele e foi o seu terno intento] ?6 [Para que ns possamos ser] para o louvor e a recomendao de sua gloriosa graa (favor e misericrdia), a qual Ele to gratuitamente outorgou a ns no Amado. 7 Nele, ns temos redeno (libertao e salvao) atravs de Seu sangue, a remisso (perdo) de nossas ofensas (desvios e transgresses), de acordo com as riquezas e a generosidade de Seu favor gracioso, 8 o qual Ele esbanjou sobre ns em toda a espcie de sabedoria e compreenso (revelao prtica e prudncia). ?9 Fazendo-nos conhecer o mistrio (segredo) de Sua vontade (de Seu plano, de Seu propsito), [E isto:] De acordo com Seu bom

agrado (Sua misericordiosa inteno) que Ele havia previamente proposto e decidido nEle, 10 [Ele planejou] para a maturidade dos tempos e o clmax das eras unificar todas as coisas e encabea-las e consuma-las em Cristo. 11 Nele, ns tambm fomos feitos (poro de) herana (de Deus) e ns obtivemos uma herana; pois ns fomos predestinados (escolhidos e apontados de antemo) de acordo com o seu propsito, que opera em tudo de acordo com o conselho e desgnio de Sua [prpria vontade], 12 para que ns que primeiro esperamos em Cristo [que primeiro colocamos nossa confiana nEle, fomos destinados e apontados para] viver para o louvor de sua glria! 13 NEle vocs tambm tm escutado a Palavra da Verdade, as alegres notcias (evangelho) de sua salvao, e tm crido e aderido a e descansado nEle, e foram selados com o selo do, h muito prometido, Santo Esprito. 14 Esse [Esprito] a garantia de nossa herana [os primeiros frutos, o penhor e o pagamento de entrada da nossa herana], em antecipao de sua total redeno e nossa possesso [completa] adquirida dela (da nossa herana) para o louvor da sua glria! 15 Por esta razo, porque eu tenho escutado de sua f no Senhor Jesus e seu amor com respeito a todos os santos (o povo de Deus), 16 Eu no cesso de dar graas por vocs, fazendo meno de vocs em minhas oraes. 17 [Pois eu sempre oro para] o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glria, para que Ele possa conceder a vocs um esprito de sabedoria e revelao [de percepo em segredos e mistrios] no [profundo e ntimo] conhecimento dEle, 18 tendo os olhos de seu corao transbordando de luz, para que vocs possam saber e compreender a esperana a qual Ele lhes chamou, e quo rica Sua gloriosa herana nos santos (seus separados), 19 e, [para que vocs possam saber e compreender] qual a imensurvel e ilimitada e transbordante grandeza de Seu poder em e para ns que cremos, como demonstrou na operao de sua fora poderosa, 20 a qual Ele exerceu em Cristo quando o levantou da morte e colocou-o a Sua [prpria] mo direita nos [lugares] celestiais,

21

Muito acima de todas a lei e autoridade e poder e domnio e todo nome que nomeado [acima de todo ttulo que possa ser conferido], no apenas nesta poca e neste mundo, mas tambm na poca e no mundo que h de vir. ?22 e Ele colocou todas as coisas sob seus ps e o apontou como o Cabea universal e supremo da Igreja [uma liderana exercida atravs da igreja]. [Sl 8:6] 23 a qual o seu corpo, a plenitude dEle que preenche tudo em todos [em que o corpo vive a plena medida dEle que faz tudo completo, e que preenche tudo em todo lugar com Ele mesmo].

Captulo 2Vocs [os tornados vivos], quando vocs estavam mortos (destrudos) por [seus] desvios e pecados, 2 nos quais naquele tempo vocs andavam [habitualmente]. Vocs estavam seguindo o curso e a moda deste mundo [estavam sob domnio da tendncia desta presente era], seguindo o prncipe do poder do ar. [Vocs eram obedientes a e estavam sob o controle d]o [demnio] esprito que ainda constantemente opera nos filhos da desobedincia [os imprudentes, rebeldes e os descrentes, que vo contra os propsitos de Deus]. 3 Entre esses, ns, tanto quanto vocs, uma vez vivemos e conduzimos ns mesmos nas paixes de nossa carne [nosso comportamento governado por nossa natureza corrupta e sensual], obedecendo aos impulsos de nossa carne e os pensamentos da mente [nossos apetites, ditados por nossos sentidos e nossas imaginaes obscurecidas]. Ns ramos, ento, por natureza, filhos da ira [de Deus] e herdeiros de [Sua] indignao, como o resto da humanidade. 4 Mas Deus to rico em Sua misericrdia! Por causa de e de modo a satisfazer o grande e maravilhoso e intenso amor com o qual Ele nos amou, 5 mesmo quando ns estvamos mortos (destrudos) por [nossos prprios] desvios e transgresses, Ele nos fez viver juntos em companheirismo e unio com Cristo; [Ele nos deu a verdadeira vida de Cristo Ele prprio, a mesma nova vida com a qual Ele O vivificou, pois] por graa (Seu favor e misericrdia, a qual vocs no merecem) que vocs so salvos (livrados de julgamento e feitos participantes da salvao de Cristo).

?6

E Ele nos ressuscitou juntos com Ele e nos fez sentarmos juntos [dando-nos assento junto a Ele] na esfera espiritual [em virtude de ns estarmos] em Cristo Jesus (o Messias, o Ungido). 7 Ele fez isto para que Ele possa claramente demonstrar atravs das eras por vir as imensurveis (ilimitadas, transbordantes) riquezas da sua graa gratuita (Seu imerecido favor) em [Sua] bondade e benignidade de corao a nosso respeito em Cristo Jesus. 8 Pois por graa gratuita (o favor imerecido de Deus) que vocs so salvos (livrados de julgamentos e feitos participantes da salvao de Cristo) atravs da [sua] f. E esta [salvao] no de vocs [de seus prprios feitos, no veio atravs de esforo prprio], mas presente de Deus. 9 No por causa de feitos [no pelo cumprimento dos mandamentos da Lei], para que nenhum homem se orgulhe. [Isso no o resultado do que ningum tenha possibilidade de fazer, ento ningum pode orgulhar-se de si mesmo nisso e tomar a glria para si mesmo]. ?10 Pois ns somos o trabalho manual de Deus (Sua obra de arte), recreados em Cristo Jesus, [nascidos de novo] para que ns possamos fazer boas obras as quais Deus predestinou (planejou de antemo) para ns [tomando caminhos os quais Ele preparou antes do tempo], para que ns possamos caminhar nelas [vivendo a boa vida que Ele preordenou e aprontou para ns vivermos]. 11 No entanto, se lembrem que naquele tempo, vocs eram gentios (odiveis) na carne; chamados incircunciso por aqueles que chamam a si mesmo de circunciso, [que uma mera marca] na carne feita por mos humanas. 12 [Lembrem-se] que vocs eram, naquele tempo, separados (viviam parte) de Cristo [excludos de toda a participao nEle], completamente estranhos e renegados dos direitos de Israel como nao, e estrangeiros sem nenhum compartilhamento nos pactos sagrados da promessa [Messinica] sem nenhum conhecimento ou direitos nos pactos de Deus, Suas alianas]. E vocs no tinham nenhuma esperana (nenhuma promessa) e vocs estavam no mundo sem Deus. 13 Mas agora, em Cristo Jesus, vocs que uma vez estiveram [to] distanciados, atravs de (por, em) o sangue de cristo, tm sido trazidos para perto. ?14 Pois Ele [Ele mesmo] nossa paz (nosso lao de unidade e harmonia). Ele fez-nos ambos [judeus e gentios] um [corpo],

derrubou (destruiu, aboliu) o muro de hostilidade que fazia a diviso entre ns, 15 Por abolir em Sua prpria carne [crucificada] a inimizade [causada pela] Lei com seus decretos e ordenanas [os quais Ele anulou]; para que Ele, a partir dos dois, possa criar nEle mesmo um novo homem [uma nova qualidade de humanidade alm dos dois], fazendo a a paz. 16 E [Ele designou] para reconciliar com Deus, ambos [judeus e gentios, unidos] num nico corpo pelo significado da sua cruz, por causa disso matando a inimizade mtua e trazendo a rixa entre raas ao fim. 17 E Ele veio e pregou as boas novas de paz para vocs que estavam longe e [paz] para aqueles que estavam perto. [Is 57:19] 18 Pois atravs dEle que ns ambos [tanto distantes, quanto prximos] agora temos uma introduo (acesso) por um [Santo] Esprito ao Pai [ns somos capacitados a nos aproximarmos dEle]. 19 Por isso, vocs no so estranhos distantes (exilados, emigrantes, e estrangeiros, excludos dos direitos de cidados), mas vocs agora compartilham a cidadania com os santos (povo de propriedade de Deus, consagrados e colocados parte por Ele mesmo): e vocs pertencem famlia de Deus. 20 Vocs esto construdos sobre o alicerce dos apstolos e profetas com Cristo Jesus, Ele mesmo sendo a Pedra fundamental. 21 NEle, a estrutura completa unida (ligada, soldada) junta harmoniosamente, e continua a crescer (desenvolver-se, incrementar) den