o VÔO DAS PALAVRAS. As asas se multiplicam. Na extensão ... narrativa do olhar -08- O vôo...

o VÔO DAS PALAVRAS. As asas se multiplicam. Na extensão ... narrativa do olhar -08- O vôo das... ·… page 1
o VÔO DAS PALAVRAS. As asas se multiplicam. Na extensão ... narrativa do olhar -08- O vôo das... ·… page 2
download o VÔO DAS PALAVRAS. As asas se multiplicam. Na extensão ... narrativa do olhar -08- O vôo das... ·…

of 2

  • date post

    04-Jan-2019
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of o VÔO DAS PALAVRAS. As asas se multiplicam. Na extensão ... narrativa do olhar -08- O vôo...

"Vi~eu

"ELi:.,

-o

~ >~ x

2: .

"~-" .v,'Q;""..:

~"iij.,; Q;

~~

o VO DAS PALAVRAS. As asas se multiplicam. Na extenso horizontal as superficies

se sobrepem. Signos sobre signos. Materiais sobre materiais. Imagens, palavras,

paredes, janelas, grades, pinturas, papis, placas, anncios. Matemtica, qumica, fsica.Em ingls. Letras, letras, letras. Incompreensveis. Distantes do nosso saber. Um ritmo

de asas e de ondas. Como se a manifestao das coisas ocorresse numa cadncia

sucessiva, ondulada. Na base de tudo o retngulo, os quadrados, os losangos. As bases

fIXas. Que se quebram no contato com o curvilneo. Que instala um sentido de mutao.

Um processo perptuo de movimento. Mas uma linha reta que divide os mundos. O

dentro e o fora. O menino est fora. As meninas esto dentro. O menino tem braos

como asas. Fechadas. As meninas olham pelas frestas da janela. Como numa gaiola de

pssaros. Suas cabeas acompanham o tringulo das barras de metal. O menino e as

meninas esto presos a uma estrutura externa. A parede e grade. Mas tambm a umapotencialidade. De sair. De voar. De despregar-se de uma situao. Os que aprenderem

a linguagem dos pssaros tero tudo o que querem. Diz o

Alcoro. Uma poesia persa do sculo XII confirma. Em A

Conferncia dos Pssaros a ave da inspirao chama todos

os pssaros do mundo. Prope que busquem por todas as

partes o Simurgh. O mais fantstico e raro pssaro da

criao. O rouxinol, o pato, a guia se recusam a partir.

Porque esto muito presos matria. As flores, gua, ao

alimento. Aqueles que querem ir mais longe, superar a

prpria realidade, concordam e voam. E no fim da jornada descobrem que o Simurgh

estivera com eles todo o tempo. Entre os perigos e os demnios. Guiando interiormente

cada um. Porque a finalidade dessa viagem era a de encontrar a si mesmo. A prpria

identidade e a liberdade. Para os muulmanos a realidade exterior existe. Mas

intermediria entre duas formas. Entre a forma de si prprio e a forma do mundo.

Numa viso do eu refletida em outra forma. Porque atravs de smbolos que uma

pessoa desperta. Se transforma. Aqui o ganso empresta asas ao menino. Ele no as v.

E quer chamar as meninas para o mundo. Mas seu bico est colado. Calado.

3.23

1\ Campo de Nahr el-Bared,

regio de Trpoli, norte do

Lbano, 1998

Temas transversais ..'!!

. A histria do alfabeto e da escrita emdiversas civilizaes.

. Ornitologia. O canto dos pssaros.f"l-

Proposta de atividades

De frente para a imagem, o fotgrafo

preocupou-se em fazer um plano que

captasse vrios temas interligados,

criando uma imagem de nico plano.

Mltipla. O enquadramento buscou os

limites nas linhas horizontais, pssaro

e janela. O contraste ficou por conta

do alto-relevo do menino e do baixo-

relevo das meninas na janela.

. Propor montagem de um cenrio.O tema poder ser escolhido pelo

grupo ou pelo professor. Estimular

a transformao de informaes

escritas, por exemplo, em imagens

cenogrficas.

. Pesquisar sobre a histria daQuesto Palestina, suas origens e

desdobramentos.