Relacoes ecologicas-exercicios

of 34 /34
01 - (FUVEST SP) Uma semente deixada por um pássaro origina uma planta que se desenvolve em cima de um árvore. Um investigador faz observações freqüentes acerca do desenvolvimento desta planta e da árvore que a suporta. Após um longo período de coleta de dados, ele conclui que se trata de uma planta epífita e não de uma parasita. a) Cite duas características que permitiriam ao investigador distinguir essa planta de uma parasita. b) Qual a vantagem de uma planta epífita se desenvolver sobre uma outra planta? 02 - (ETAPA SP) O gráfico a seguir mostra flutuações nos ciclos populacionais de I e II ao longo de um certo tempo. Observe que os ciclos caminham continuadamente fora de fase um com o outro. As populações I e II correspondem respectivamente a ..... e ..... . A relação ecológica entre as duas populações denomina-se ..... . Escolha a alternativa correta: a) parasita – hospedeiro – comensalismo b) presa – predador – predação c) comensal – hospedeiro – mutualismo d) predador – presa – parasitismo e) mutualista – mutualista – protocooperação 03 - (FEPECS DF) O bacalhau (Gadhus morhua) é um peixe carnívoro predador de pequenos peixes e caranguejos. A figura a seguir mostra a variação na quantidade de bacalhau pescada anualmente em uma região costeira ao longo das décadas de 1980 e 1990. Na mesma figura também são

Embed Size (px)

Transcript of Relacoes ecologicas-exercicios

  • 1. 01 - (FUVEST SP) Uma semente deixada por um pssaro origina uma planta que se desenvolve em cima de um rvore. Um investigador faz observaes freqentes acerca do desenvolvimento desta planta e da rvore que a suporta. Aps um longo perodo de coleta de dados, ele conclui que se trata de uma planta epfita e no de uma parasita. a) Cite duas caractersticas que permitiriam ao investigador distinguir essa planta de uma parasita. b) Qual a vantagem de uma planta epfita se desenvolver sobre uma outra planta? 02 - (ETAPA SP) O grfico a seguir mostra flutuaes nos ciclos populacionais de I e II ao longo de um certo tempo. Observe que os ciclos caminham continuadamente fora de fase um com o outro. As populaes I e II correspondem respectivamente a ..... e ..... . A relao ecolgica entre as duas populaes denomina-se ..... . Escolha a alternativa correta: a) parasita hospedeiro comensalismo b) presa predador predao c) comensal hospedeiro mutualismo d) predador presa parasitismo e) mutualista mutualista protocooperao 03 - (FEPECS DF) O bacalhau (Gadhus morhua) um peixe carnvoro predador de pequenos peixes e caranguejos. A figura a seguir mostra a variao na quantidade de bacalhau pescada anualmente em uma regio costeira ao longo das dcadas de 1980 e 1990. Na mesma figura tambm so

2. mostradas as variaes do nmero aproximado de indivduos das populaes de caranguejo (Chionoecetes opilio) e de um mamfero carnvoro, a foca parda (Halichoerus grypu), na mesma regio ao longo do mesmo perodo. Considere ento as afirmativas a seguir: I. O aumento da populao de focas levou ao decrscimo na populao de bacalhau, porque ambos competiam por presas, os caranguejos. II. O decrscimo da populao de bacalhau permitiu o aumento da populao de caranguejos. III. A pesca crescente e depois constante do bacalhau reduziu a sua populao. IV. O aumento da populao de focas teve como conseqncia o aumento da populao de caranguejos. V. O aumento da populao de caranguejos permitiu o aumento da populao de um de seus predadores, as focas. A seqncia cronolgica de eventos que relaciona de modo adequado os dados mostrados no grfico : a) I II IV; b) I II III V; c) III II V; d) II III V; e) II III IV. 3. 04 - (UEG GO) Os parasitas so companheiros quase inevitveis da existncia animal organizada. Essa forma de vida foi adotada por vrios organismos e apresenta algumas vantagens e desvantagens. Analise as afirmativas abaixo sobre o parasitismo. I. A principal vantagem do parasitismo a reprodutiva, pois a quantidade de energia desprendida para a reproduo muito grande, deixando um nmero elevado de descendentes. II. Os parasitas so organismos pouco evoludos, pois no conseguem completar seu ciclo de vida sem a participao de hospedeiros. III. O parasita tem a vantagem de no estar exposto s intempries do meio ambiente, mas acaba exposto aos mecanismo de defesa do hospedeiro. Escolha a alternativa VERDADEIRA: a) Apenas a I est correta. b) Apenas a II est correta. c) I e III esto corretas. d) II e III esto corretas. e) Todas esto corretas. 05 - (UFF RJ) As interaes dos organismos de um ecossistema podem gerar associaes harmnicas e desarmnicas. Uma associao onde seus membros so morfologicamente idnticos entre si, porm adaptados a tarefas distintas, constitui um exemplo de: a) comensalismo. b) colnia heteroflica. c) sociedade homoflica. d) colnia homoflica. e) sociedade hateroflica. 4. 06 - (UFF RJ) Numere a coluna superior, relacionando-a com a inferior e marque a alternativa que contm a numerao na ordem correta. ( 1 ) relao harmnica ( 2 ) relao desarmnica ( ) sociedade ( ) parasitismo ( ) antibiose ( ) competio ( ) simbiose ( ) predatismo ( ) forsia a) 1, 2, 2, 1, 1, 1, 1 b) 2, 1, 2, 1, 2, 1, 2 c) 1, 2, 1, 2, 1, 2, 2 d) 1, 2, 2, 2, 1, 2, 1 e) 2, 2, 2, 1, 2, 2, 1 07 - (UFOP MG) Cip-chumbo o nome vulgar dado a diversas espcies do gnero Cuscuta. So vegetais de cor amarelada, desprovidos de clorofila, que se desenvolvem sobre outras plantas. A respeito dessas espcies podemos dizer que: a) So plantas que no respiram nem realizam a fotossntese, porque utilizam para sobreviverem todos os processos metablicos da planta a qual esto parasitando. 5. b) So espcies parasitas, cujas razes sugadoras retiram a seiva que circula no xilema da planta parasitada. c) So espcies parasitas, cujas razes sugadoras retiram a seiva que circula no floema da planta parasitada. d) So plantas epfitas, como as orqudeas e as bromlias. e) So espcies no parasitadas que, vivendo sobre outras plantas, conseguem melhores condies luminosas, necessrias para a fotossntese atravs da xantofila. 08 - (UFOP MG) Uma das medidas profilticas contra a malria a utilizao de peixes larvfagos (que se alimentam de larvas) para combate s larvas dos anofeldeos que se desenvolvem em rios e lagoas. A ao dos peixes em relao ao transmissor da malria constitui um exemplo de: a) parasitose b) simbiose c) comensalismo d) predatismo e) amensalismo 09 - (FEPECS DF) O fenmeno da excluso competitiva pode determinar que uma de duas espcies que vivem em simpatria seja eliminada. A melhor explicao para o desaparecimento de uma das espcies que entram em competio a seguinte: a) a superposio dos nichos das duas espcies total; b) as duas espcies se reproduzem, no mesmo local, ao mesmo tempo; c) as duas espcies tm nichos diferentes; d) uma das espcies tem cinco vezes mais indivduos que a outra espcie; e) uma das espcies tem o dobro do tamanho da outra. 10 - (UFOP MG) Atualmente, no cultivo da soja, a agricultura biolgica substitui os fertilizantes minerais por bactrias que se localizam nas razes das 6. plantas e, em troca de acares fornecidos pelas plantas, absorvemos o nitrognio atmosfrico, transformandoo em nitratos que so usados pelas plantas na produo de aminocidos e protenas. Essa associao um exemplo de: a) Mutualismo b) Comensalismo c) Parasitismo d) Inquilinismo e) Predatismo 11 - (UFPA) Os pulges so conhecidos insetos parasitas de determinadas plantas, de onde extraem a seiva elaborada que lhes serve de alimento. O excesso da seiva sugada eliminada atravs de poros anais, sendo utilizado por determinadas formigas como fonte de alimento. Esse tipo de relao conhecida como a) comensalismo b) parasitismo c) simbiose d) mutualismo e) predatismo 12 - (UFPA) O tipo de adaptao em que um ser vivo imita a forma e at a prpria cor de elementos do meio ambiente, confundindo-se com o meio em que vivem, causando dificuldades ao predador para encontr-los, denomina- se a) competio b) mutualismo c) predatismo d) parasitismo e) mimetismo 7. 13 - (UFPA) A cadeia alimentar abaixo encontrada em um determinado lago: ALGAS MICROCUSTCEO BESOUROS AQUTICOS Supondo que o lago seja utilizado como criadouro de peixes e que esses se alimentem dos besouros, a populao de algas pode ser prejudicada? Justifique sua resposta. 14 - (EFEI MG) Um dos exemplos mais clssicos de relaes interespecficas envolve formigas que, em troca de alimentos e abrigo, fornecidos por certas plantas, defendem-nas contra ataque de animais herbvoros. Mas estudos conduzidos na Amaznia Central revelaram que nem todas as formigas, de fato, retribuem altura os favores recebidos de suas plantas hospedeiras. Das alternativas abaixo, assinale a correta: a) Entre outras relaes semelhantes descrita acima, pode-se citar: bactrias no interior do intestino humano, beija-flores que polinizam plantas, bactrias fixadoras de N2 com plantas leguminosas e orqudeas e bromlias que vivem sobre troncos de rvores. b) As relaes interespecficas harmnicas recebem a denominao de simbiose. c) As relaes interespecficas harmnicas, ao contrrio da competio e predao, no contribuem para a evoluo dos organismos. d) Nas relaes interespecficas pode haver uma sutil gradao entre mutualismo, comensalismo e parasitismo, como na relao entre formigas e plantas. 15 - (UFRJ) 8. Duas espcies A e B de protozorios foram colocadas em um nico recipiente. Nesse recipiente, prprio para seus crescimentos, colocou-se, a cada dia, uma quantidade constante de alimento. As contagens dirias do nmero de indivduos esto expressas no grfico a seguir: 1 0 0 2 0 0 3 0 0 4 0 0 2 4 6 8 1 0 1 2 1 41 6 t e m p o ( d i a s ) n d e i n d i v d u o s A B a) Diga o que aconteceu a cada espcie. b) Interprete esses resultados a partir do conceito de nicho ecolgico. 16 - (UFRJ) Uma rea foi ocupada por trs espcies A, B, C. Nos grficos a seguir o eixo horizontal indica o tamanho das sementes utilizadas pelas trs espcies como alimento. Cada espcie utiliza uma certa quantidade desses recursos, indicada pelo comprimento do segmento de reta do eixo das abcissas delimitado pela curva de cada espcie. Alguns anos mais tarde as trs espcies continuam na mesma rea mas existem diferenas em relao utilizao dos recursos. A B C I N C I O p e q u e n a s g r a n d e s t a m a n h o d a s e m e n t e s A B C A n o s m a i s t a r d e a) Pela observao dos grficos, quais as espcies que inicialmente tm nichos ecolgicos mais diferentes? Justifique sua resposta. 9. b) Entre quais espcies deve ter havido mais competio pelos recursos do ambiente? Justifique sua resposta. 17 - (FGV) Na aula em que se discutia o assunto relaes interespecficas, a professora apresentou aos alunos, em DVD, as cenas iniciais do filme Procurando Nemo (Walt Disney Pictures e Pixar Animation Studios, 2003). Nessas cenas, um casal de peixes-palhao (Amphiprion ocellaris) protege seus ovos em uma cavidade na rocha, sobre a qual h inmeras anmonas (classe Anthozoa). Contudo, uma barracuda (Sphyraena barracuda) ataca o casal, devorando a fmea e seus ovos. Apenas um ovo sobrevive, que o pai batiza de Nemo. Nemo e seu pai, Marlin, vivem protegidos por entre os tentculos da anmona que, segundo a explicao da professora, se beneficia dessa relao aproveitando os restos alimentares de pai e filho. Em ecologia, as relaes interespecficas entre o peixe-palhao e a anmona, e entre a barracuda e o peixe-palhao so chamadas, respectivamente, de a) mutualismo e parasitismo. b) protocooperao e predao. c) comensalismo e predao. d) inquilinismo e parasitismo. e) parasitismo e predao. 18 - (UFRJ) O bilogo russo GF.Gause realizou uma srie de experimentos em laboratrio com duas espcies de protozorios, P caudatam e P bursara. Esses protozorios podem alimentar-se de bactrias e leveduras, mas um no come o outro. No primeiro experimento, as duas espcies de protozorios foram postas num meio lquido e apenas bactrias foram oferecidas como alimento. Os resultados desse experimento esto apresentados no grfico A. 10. No segundo experimento receberam como alimento bactrias e leveduras. Os resultados so mostrados no grfico B. a) Que conceito ecolgico pode ser deduzido do primeiro experimento? b)Como podem ser interpretados os resultados do segundo experimento? 19 - (PUC PR) Os itens enumerados a seguir so exemplos de diferentes relaes entre os seres vivos: I. A caravela vive flutuando nas guas do mar. formada por um conjunto de indivduos da mesma espcie que vivem fisicamente juntos, dividindo o trabalho. Uns so responsveis pela captura de alimentos, outros pela defesa. II. As orqudeas, para conseguirem luz, prendem-se com suas razes aos troncos e aos ramos altos das rvores. III. O leo mata e devora o antlope, para se alimentar. IV. O fungo fornece gua e sais minerais retirados do meio para a alga; esta, por sua vez, fornece ao fungo as substncias orgnicas que produz. As relaes descritas nestes itens so classificadas, respectivamente, como: a) mutualismo parasitismo predatismo simbiose. b) colnia inquilinismo predatismo mutualismo. 11. d) populao inquilinismo canibalismo mutualismo. d) comunidade inquilinismo canibalismo simbiose. e) comunidade parasitismo canibalismo comensalismo. 20 - (UNESP SP) Observe a tabela. E S P C I E S E M I N T E R A OT I P O D E I N T E R A O 1 . c u p i n s x p r o t o z o r i o s 2 . b o i x o v e l h a 3 . s a p o x m o s c a 4 . r m o r a x t u b a r o I . P r e d a t i s m o I I . M u t u a l i s m o I I I . C o m e n s a l i s m o I V . C o m p e t i o Indique a alternativa que associa os tipos de interao com as interaes descritas. a) 1 I, 2 II, 3 IV e 4 III. b) 1 I, 2 III, 3 IV e 4 II. c) 1 II, 2 IV, 3 III e 4 I. d) 1 II, 2 IV, 3 I e 4 III. e) 1 III, 2 II, 3 I e 4 IV. 21 - (UNESP SP) Qual das afirmativas melhor explica o aumento da competio entre os membros de uma populao de ratos selvagens numa determinada rea? a) Aumento na taxa de reproduo dos ratos selvagens. b) Aumento de falces predadores. c) Epidemia de raiva. d) Aumento da temperatura. e) Aumento da alimentao. 12. 22 - (UFG) A Ecologia o estudo dos seres nas suas relaes recprocas e com o meio em que vivem. Essas relaes podem ser harmnicas e desarmnicas. A seguir esto figuras que exemplificam alguns tipos de relaes entre os animais. Sobre estas relaes, correto afirmar que: 01.a figura a indica a relao do tipo sociedade; 02.a figura b indica a relao do tipo protocooperao; 04.a figura c indica a relao do tipo mutualismo; 08.as figuras b e c mostram relaes harmnicas intraespecficas; 16.a figura a exemplo de relao harmnica interespecfica. 23 - (UNIRIO RJ) Lquens so muitas vezes os colonizadores de nuas reas rochosas. Por absorverem rapidamente substncias dissolvidas na gua, so tambm particularmente sensveis a substncias txicas presentes no ar, o que os recomenda como importantes marcadores de poluio ambiental. Lquens so um conjunto: a) desarmnico entre bactria e algas cianofceas. b) "climax" de algas ou de algas cianofceas. c) simbitico entre bactrias e algas cianofceas. d) simbitico entre algas e fungos. e) simbitico entre fungos e protozorios. 24 - (UNESP SP) 13. Numa determinada regio, onde a malria ocorre em nveis crescentes, certos peixes comem larvas de mosquito anofelneos, que sugam o sangue humano, onde se reproduz o plasmdio, causador da malria. a) Quais so as relaes ecolgicas entre os peixes e as larvas de anofelneos e entre o plasmdio e o homem? b) Se nos rios desta regio, onde proliferam larvas do mosquito, tambm houvesse sapos e as cobras fossem exterminadas, o que deveria ocorrer com o ndice de casos de malria nesta regio? Justifique. 25 - (PUC RJ) Lquens so considerados colonizadores de superfcies inspitas porque so basicamente auto-suficientes em termos nutricionais. Isso se deve, entre outros, ao fato de os lquens serem compostos por uma associao entre: a) cianobactrias fotossintetizantes e fungos com grande capacidade de absoro de gua e sais minerais. b) bactrias anaerbias e fungos filamentosos com grande atividade fotossintetizante. c) vegetais fotossintetizantes e fungos com grande capacidade de absoro de gua e sais minerais. d) bactrias anaerbias heterotrficas e cianobactrias que fazem fotossntese. e) protistas heterotrficos por absoro e protistas autotrficos por fotossntese. 26 - (UFG) Os seres vivos de uma comunidade estabelecem constantes relaes entre si e com o meio em que vivem. As interaes podem ocorrer com indivduos de mesma espcie ou entre indivduos de populaes diferentes. Ao longo do processo evolutivo, tanto os animais como os vegetais, desenvolveram mecanismos adaptativos especiais para a manuteno das espcies. So exemplos desses mecanismos: 14. 01.em determinadas pocas do ano no Rio Araguaia ocorre a formao de cardumes que sobem o rio, na poca da reproduo um exemplo de piracema; 02.no Parque Nacional das Emas ocorre um fenmeno muito interessante e de grande beleza, logo aps as primeiras chuvas: larvas bioluminescentes de certos colepteros (besouros) so encontrados em cmaras dos termiteiros (cupinzeiros) que ali ocorrem em grande quantidade e insetos de hbitos noturnos so atrados por esta bioluminescncia, servindo de alimento para estas larvas a relao existente larva/inseto um exemplo de predatismo; 04.vrias plantas ornamentais no centro de Goinia, como a Bela-Emlia e a Coroa de Cristo, esto cobertas por uma plantinha de cor amarela, dotadas de haustrios que retiram a seiva elaborada destas plantas para a sua sobrevivncia a relao existente entre estas e as duas plantas um exemplo de parasitismo; 08.as emas fazem buracos no cho onde depositam seus ovos (que so chocados pelos machos), enquanto que raposas e gambs podem se alimentar desses ovos um exemplo de competio interespecfica; 16.o lobo-guar, animal do cerrado, que se encontra preservado no Parque Nacional das Emas, atua tanto como regulador da populao de roedores como disseminador de sementes de plantas silvestres a relao lobo x plantas silvestres um exemplo de mutualismo; 32.insetos semelhantes s folhas secas so encontrados em material coletado nos cerrados trata-se de um exemplo de inquilinismo; 64.artrpodos coletados na regio do Parque Nacional das Emas e identificados inicialmente como aracndeos, aps uma anlise minuciosa, verificou-se tratar de formigas, pois apresentavam trs pares de patas e no quatro como nas aranhas tal fenmeno um exemplo de mimetismo. 27 - (UFG) Duas espcies de seres vivos apresentam comportamento de desenvolvimento similar quando colocadas nas mesmas condies e recipientes diferentes. (A) e desenvolvimento diferente, quando colocadas nas mesmas condies e no mesmo recipiente (B). Examine o grfico e faa o que se pede: 15. % A Y Z d i a s % B Y Z d i a s a) Cite e explique 3 caractersticas destas duas espcies; b) Relacione o desenvolvimento das espcies e seus nichos ecolgicos. 28 - (UEG GO) O funcionamento de uma comunidade depende das diversas interaes entre os organismos que a compem, entre as quais: I. As anmonas-do-mar so beneficiadas por sua associao com o caranguejo-paguro, que, ao se deslocar, possibilita anmona uma melhor explorao do espao em busca do alimento. II. Alguns protozorios que vivem no tubo digestrio de cupins possibilitam a esses insetos o aproveitamento da celulose presente na madeira, como fonte de carbono. III. O eucalipto libera de suas razes substncias que impedem a germinao de sementes de outras espcies ao seu redor. Quais os tipos de interao que ocorrem em cada uma das situaes exemplificadas anteriormente? 29 - (UFTM MG) Duas espcies, E1 e E2, foram observadas no seu habitat natural por um perodo de 1 ano. Aps esse perodo, uma terceira espcie foi introduzida naquele habitat. As variaes nas populaes de E1 e E2 encontram-se demonstradas no grfico a seguir: 16. Sobre o ocorrido foram levantadas as seguintes hipteses: I. a espcie introduzida pode ser predadora de E1 que, por sua vez, competia com E2; II. a espcie introduzida estabeleceu uma relao de protocooperao com E2; III. a espcie introduzida comensal em relao a E1; IV. a espcie introduzida estabeleceu uma relao mutualstica com E2. Podemos considerar possveis as hipteses: a) I e II, apenas. b) II e III, apenas. c) III e IV, apenas. d) II, III e IV, apenas. e) I, II, III e IV. 30 - (FMTM MG) Uma alternativa para o enriquecimento do solo a chamada adubao verde, que usa a interao entre uma bactria e as razes das plantas leguminosas para que o nitrognio atmosfrico seja fixado. Outra alternativa a adubao qumica, em que a fonte de nitrognio so os nitratos. Aponte a alternativa que: 17. I. define a relao biolgica entre a bactria e a planta; II. apresenta o principal produto das bactrias na adubao verde com suas conseqncias para as demais plantas. a) I. Inquilinismo; II. nitritos e, para que o nitrognio se torne mais assimilvel pelos vegetais, necessria a ao de mais dois tipos diferentes de bactrias. b) I. Inquilinismo; II. amnia e, para que o nitrognio se torne mais assimilvel pelos vegetais, necessria a ao de mais um tipo diferente de bactria. c) I. Mutualismo; II. nitritos e, para que o nitrognio se torne mais assimilvel pelos vegetais, necessria a ao de mais um tipo diferente de bactria. d) I. Mutualismo; II. amnia e, para que o nitrognio se torne mais assimilvel pelos vegetais, necessria a ao de mais dois tipos diferentes de bactrias. e) I. Mutualismo; II. nitratos e, dessa maneira, o nitrognio j se encontra sob uma forma mais assimilvel pelos vegetais. 31 - (FUVEST SP) O tipo de relao ecolgica que se estabelece entre as flores e as abelhas que nelas coletam plen e nctar : a) comensalismo. b) competio. c) herbivorismo. d) mutualismo. e) parasitismo. 32 - (FUVEST SP) Considere o seguinte grfico obtido a partir de experimento com duas espcies (X e Y) de angiospermas flutuantes que habitam lagos e lagos. 18. pesoseco(mg) t e m p o ( s e m a n a s ) 2 4 6 8 0 I I I I I I I V 2 0 0 4 0 0 6 0 0 I espcie X isolada. II espcie Y isolada. III espcie Y na presena de X. IV espcie X na presena de Y. Pela anlise do grfico possvel constatar que entre as espcies X e Y existe uma relao de a) simbiose b) mutualismo c) parasitismo d) competio e) antibiose 33 - (UERJ) Duas espcies de plantas fanergamas, X e Y, de porte semelhante, foram cultivadas em duas situaes experimentais: I. independentemente cada planta em um vaso; II. em conjunto as duas plantas em um mesmo vaso. Em ambas as situaes, todas as demais condies ambientais foram mantidas idnticas. Ao final de algum tempo de cultivo, mediu-se o comprimento da parte area desses vegetais. Os resultados esto apresentados no grfico abaixo. 19. a) Identifique a provvel relao ecolgica presente na situao experimental II e justifique a diferena de comprimento da parte area dos vegetais verificada nesta situao. b) Cite duas caractersticas exclusivas das fanergamas e os dois principais grupos em que esses vegetais so divididos. 34 - (FUVEST SP) A Biotecnologia Vegetal ainda est engatinhando, se considerarmos as promessas para o ano 2000. Veja bem o que j feito: atravs de processos biotecnolgicos, insere-se em determinadas plantas um microorganismo benfico, o rizbio, que ajuda a nitrogenizao das prprias plantas, ou seja, diminui a necessidade de adubos nitrogenados. JORNAL DA TARDE 27887 O texto aponta uma das muitas possibilidades de emprego da Biotecnologia. Em condies naturais, bactrias do gnero Rhizobium j vivem h milnios em estreita relao ecolgica com plantas leguminosas. Essa relao do tipo a) competio b) inquilinismo c) mutualismo d) parasitismo e) comensalismo 35 - (UERJ) Um ecossistema pode ser drasticamente alterado pelo surgimento ou pelo desaparecimento de espcies de seres vivos. 20. a) Um ambiente em equilbrio habitado por indivduos pertencentes a trs diferentes grupos: produtores, consumidores de 1 ordem e consumidores de 2 ordem. Em um determinado momento, ocorreu uma sbita extino dos consumidores secundrios. O grfico abaixo representa a variao, em funo do tempo, do nmero de produtores e de consumidores de 1 ordem nesse ecossistema e o momento da extino dos consumidores de 2 ordem. Indique as curvas do grfico que correspondem, respectivamente, aos produtores e aos consumidores de 1 ordem e justifique sua resposta. b) O molusco bivalve Isognomon bicolor, um bioinvasor trazido ao Brasil por plataformas de petrleo, cascos ou guas de lastro de navios, vem rapidamente ocupando o nicho ecolgico de bivalves nativos. Explique como a rpida expanso populacional dos organismos bioinvasores pode alterar a diversidade biolgica. 36 - (UFMG) Muitas plantas que possuem nectrios florais so bravamente defendidas por formigas que vivem nos seus galhos, alimentando-se do nctar. Essas formigas impedem, por exemplo, que cupins subam nas rvores e se alimentem das folhas. As relaes ecolgicas estabelecidas por rvore-formigas e formigas- cupins podem ser denominadas, respectivamente: a) comensalismo e mutualismo. b) competio e inquilinismo. 21. c) inquilinismo e comensalismo. d) parasitismo e predatismo. e) protocooperao e competio. 37 - (UFPE/UFRPE) Com relao a associaes de bactrias e fungos com razes de plantas correto afirmar que: a) As bactrias formadoras de ndulos em razes leguminosas favorecem a entrada de CO2 pelas razes, acelerando o processo fotossinttico. b) As bactrias associadas a razes de leguminosas realizam processos bioqumicos que resultam na produo de acares, que so cedidos planta. c) Certos fungos se associam a razes de plantas, formando micorrizas; ambos se beneficiam com a associao (mutualismo). d) Os lquens, resultantes da associao do tipo amensalismo entre fungos e bactrias, so capazes de transformar nitrognio (N2) em amnia (NH3) e enriquecer o solo. e) Rhizobium uma espcie de bactria que parasita as razes das gimnospermas e promove a fixao de nitrognio do ar, to importante nas lavouras. 38 - (UFRN) Prosseguindo-se a caminhada, Ribossomildo esclarece que as espcies da floresta apresentam outros tipos de adaptaes. Um desses tipos, diz ele, o mimetismo. Esse fenmeno exemplificado pela a) capacidade da erva-de-passarinho de sugar a seiva bruta de plantas nas quais se fixa. b) associao entre algas e fungos, a qual d origem aos lquens. c) semelhana entre gafanhotos e folhas, quanto ao formato e colorao. d) variao da cor dos caracis, o que nos permite distingui-los dentro do seu habitat natural. 22. 39 - (UDESC SC) Os ndulos encontrados nas razes das leguminosas, como feijo e soja, devem sua formao ao de: a) bactrias no-simbiontes fixadoras de nitrognio. b) bactrias simbiontes fixadoras de nitrognio. c) fungos imperfeitos. d) fungos perfeitos. e) bactrias que eliminam nitrognio puro. 40 - (FURG RS) Indique com (V) se forem VERDADEIRAS ou com (F) se forem FALSAS as afirmativas a seguir, referentes s relaes evidenciadas no grfico abaixo. Utilizaodorecurso E s p c i e J E s p c i e K S o b r e p o s i o d e n i c h o D i m e n s o d o n i c h o ( ) A rea sobreposta indica coexistncia das duas espcies com ausncia de competio. ( ) As reas no sobrepostas podem indicar especializao, o que tende a reduzir a competio. ( ) As espcies J e K no competem por recursos, pois ocupam nichos desiguais. ( ) As espcies J e K competem parcialmente por recursos. 23. ( ) Para o recurso em questo, as espcies tm amplitudes distintas de aproveitamento. Assinale a alternativa que contempla a seqncia correta quando lida de cima para baixo. a) F, F, V, F, V b) F, V, F, V, V c) V, F, F, V, V d) F, V, F, V, F e) V, F, V, F, F 41 - (UDESC SC) Sobre o mutualismo, podemos afirmar: I tratar-se de uma relao ecolgica desarmnica. II ser um tipo de relao intraespecfica. III envolver a participao de predadores e presas que competem pelos mesmos recursos. Assinale a alternativa CORRETA. a) Somente as afirmativas I e II so verdadeiras. b) Todas as afirmativas so falsas. c) Somente as afirmativas II e III so verdadeiras. d) Somente as afirmativas I e III so verdadeiras. e) Somente a afirmativa I verdadeira. 42 - (FUVEST SP) Que tipo de interao biolgica pode ser representada pelo grfico? 24. t e m p o milharesdeindivduos 1 4 0 1 2 0 1 0 0 8 0 6 0 4 0 2 0 0 1 9 2 01 9 3 01 9 4 01 9 5 01 9 6 01 9 7 01 9 8 01 9 9 02 0 0 0 e s p c i e A e s p c i e B a) predao b) protocooperao c) inquilinismo d) mutualismo e) comensalismo 43 - (GAMA FILHO RJ) Bactrias e Leguminosas: uma associao eficiente. As leguminosas produtoras de gros, como o feijo, a soja e o gro-de- bico, representam parcela considervel dos alimentos consumidos pela humanidade. Sabe-se que a infeco de suas razes por bactrias do gnero Rizobium propicia uma associao favorvel. (Cincia Hoje: Maio/1997) Essa associao confere s leguminosas maior eficincia, geralmente expressa no aumento da produo de gros, j que essas bactrias possibilitam a utilizao de: a) nitrognio do ar. b) nitratos do ar. c) aminocidos do ar. d) gua do solo. e) cadeias carbnicas do solo. 44 - (FGV) 25. Duas espcies, A e B, fazem parte de uma mesma cadeia alimentar. O esquema representa a oscilao no tamanho das populaes dessas espcies ao longo do tempo. Pode-se dizer que, mais provavelmente, a espcie A a) carnvora e a espcie B herbvora. b) presa e a espcie B predadora. c) predadora e a espcie B presa. d) ocupa o mesmo nicho ecolgico da espcie B. e) no tem relao ecolgica com a espcie B. 45 - (MACK SP) Considerando-se os organismos e os relacionamentos das colunas abaixo, a associao correta : 1 - lquen ( A ) epifitismo 2 - cip-chumbo ( B ) hemiparasitismo 3 - erva-de-passarinho ( C ) holoparasitismo 4 - orqudea ( D ) mutualismo a) 1 - A , 2 - B , 3 - C e 4 - D . b) 1 - A , 2 - C , 3 - B e 4 - D . c) 1 - D , 2 - B , 3 - A e 4 - C . d) 1 - C , 2 - B , 3 - A e 4 - D . 26. e) 1 - D , 2 - C , 3 - B e 4 - A . 46 - (UFAM) Mutualismo associao na qual duas espcies envolvidas so beneficiadas, porm, cada espcie s consegue viver na presena da outra, associao permanente e obrigatria entre dois seres vivos de espcies diferentes. So exemplos: a) associaes entre algas unicelulares e certos fungos; Cupins e protozorios; Bactrias e razes de leguminosas. b) associaes entre algas unicelulares e todos os fungos; Cupins e protozorios; Bactrias e razes de leguminosas. c) associaes entre algas unicelulares e certos fungos; Cupins e vrus; Bactrias e razes de leguminosas. d) associaes entre algas unicelulares e certos fungos; Cupins e protozorios; Drosophila melanogaster e razes de leguminosas. e) associaes entre algas pluricelulares e todas as flores; Cupins e protozorios; Bactrias e razes de leguminosas. 47 - (PUC RS) Em condies naturais, bactrias do gnero Rhizobium vivem h milnios em estreita relao ecolgica com plantas leguminosas. Podemos afirmar que as duas espcies se beneficiam numa relao obrigatria, em que a sobrevi-vncia de uma depende da outra. Este tipo de relao interespecfica conhecida como a) comensalismo. b) protocooperao. c) inquilinismo. d) mutualismo. e) amensalismo. 48 - (PUC SP) Determinadas bactrias so capazes de fixar nitrognio gasoso (N2). Essas bactrias encontram-se associadas a plantas leguminosas, formando ndulos nas razes. Nesses ndulos, as bactrias se nutrem de 27. substncias produzidas pelas leguminosas e suprem as plantas de nitrognio. O tipo de relao descrita : a) mutualismo b) inquilinismo c) comensalismo d) competio e) parasitismo 49 - (UERJ) Em 1859, 24 casais de coelhos foram transportados da Europa para a Austrlia, onde no existiam estes animais. Na Austrlia, ao contrrio da Europa, no havia predadores e parasitas que controlassem a populao de coelhos. Em pouco tempo havia um nmero incalculvel de coelhos que passaram a devastar as pastagens, deixando as ovelhas pra- ticamente sem alimento. Somente em 1950, depois de muitos estudos, resolveu-se introduzir na Austrlia um vrus que causava uma doena mortal aos coelhos, diminuindo consideravelmente sua populao, sem entretanto provocar a extino da espcie. Com base no texto acima: a) Classifique esta relao desarmnica entre coelhos e ovelhas. b) Explique por que no houve extino dos coelhos apesar da introduo do vrus. TEXTO: 1 - Comum questo: 50 Exrcito Cururu Importado para exterminar besouros que atacavam canaviais, sapo brasileiro vira praga na Austrlia. 28. Sapos, milhes de sapos asquerosos e venenosos, em saltos pelo sol at onde a vista alcana. No se trata de uma das famosas sete pragas do Egito. A invaso real e acontece na costa leste australiana. Esse exrcito coaxante formado por centenas de milhes de sapos amaznicos da espcie Bufo marinus. ou, para o brasileiro leigo, o folclrico sapo-cururu. O bicho foi introduzido na Austrlia em 1935 para o controle biolgico de um besouro que atacava os canaviais, estratgia utilizada com sucesso nos Estados Unidos e na Amrica Central. Mas na terra dos cangurus o cururu no funcionou. Pior: transformou-se rapidamente em praga. Peter Moon. (ISTO , no 1302, 14.09.94, p.50) 50 - (UFG) A multiplicao da desenfreada do sapo vem comprovar os perigos da introduo de espcies vivas em outros ecossistemas. ISTO , 1302, 14.09.94, P. 50 Considerando a Biosfera, apresente dois argumentos contrrios e dois argumentos favorveis afirmao: GABARITO: 1) Gab: a) Presena de estruturas que captam gua e nutrientes do ambiente areo. - Ausncia de haustrios (razes sugadoras de seiva). - Presena de clorofila. b) Obteno de maior luminosidade. 2) Gab: B 3) Gab: D 29. 4) Gab: C 5) Gab: E 6) Gab: D 7) Gab: C 8) Gab: D 9) Gab: A 10) Gab: A 11) Gab: A 12) Gab: E 13) Gab: Sim. Com o criadouro de peixes que se alimentam de besouros, a populao de microcrustceos iria aumentar devido a diminuio do seu predador, com isso a populao de algas tende a diminuir por causa do aumento dos seus predadores que so os microcrustceos. 14) Gab: D 15) Gab.: a) A curva da espcie A indica um rpido crescimento do nmero de indivduos at o dcimo dia e um valor constante a partir desse dia. Esse ponto seria o ponto de equilbrio dado pela quantidade de alimento, que constante. A curva B nos indica que a segunda 30. espcie aumenta levemente o nmero de indivduos at o 8 dia; a partir da passa a diminuir, sendo eliminada no 14 dia. b) Esse resultado indica a existncia de competio entre as espcies A e B, justificando o conceito de nicho, cuja essncia a impossibilidade de que duas espcies diferentes ocupem o mesmo nicho; esse conceito tambm conhecido como princpio da excluso competitiva. 16) Gab: a) As espcies A e C. A alimentao um dos parmetros que definem o nicho ecolgico; inicialmente, as espcies A e C utilizam alimentos diferentes. b) A e B, pois no incio havia grande superposio dos recursos utilizados; depois de algum tempo, cada espcie explorava recursos diferentes ou nichos diferentes. 17) Gab: B 18) Gab: a) O experimento demonstra o conceito de excluso competitiva. As duas espcies de protozorios competem por uma nica fonte de alimento, as bactrias. Nessas condies P. caudatum competitivamente superior e eliminou P. bursaria b) No segundo experimento h duas fontes de alimento; provavelmente, cada espcie explora com mais eficincia uma das fontes de alimento, e as duas espcies podem viver juntas, pois no exploram o mesmo nicho. 19) Gab: B 20) Gab: D 21) Gab: A 31. 22) Gab:VVFFF 23) Gab: D 24) Gab: a) A relao entre os peixes e as larvas de anofelinos o predatismo. Entre o plasmdio e o homem, parasitismo., b) Nessa regio, o ndice de casos de malria deveria diminuir. Se as cobras fossem exterminadas, o nmero de sapos aumentaria. Como os sapos se alimentam de larvas e mosquitos adultos (entre outros tipos de alimentos), o nmero de anofelinos diminuiria e, conseqentemente, o ndice de casos de malria tambm. 25) Gab: A 26) Gab: VVVFVFV 27) Gab: a) A alimentao e a reproduo so duas variveis biolgicas altamente importantes na perpetuao de uma espcie. O grfico A mostra que a espcie Z menos adaptada ao nicho ecolgico. Isso pode indicar uma maior competio intra-especfica da espcie Z em relao espcie Y. Esta bem mais verstil na explorao de alimentos ou locais de reproduo. O grfico B mostra que h uma competio inter-especfica, o que fica evidenciado pela manuteno do nmero de indivduos Y, quando ocorre a extino de Z. Caso houvesse um predatismo, teramos uma queda acentuada e concomitante na freqncia de Y, visto que uma de suas fontes de alimento foi reduzida a zero. Aqui se aplica o princpio da excluso competitiva de Gause, considerando-se que h extino de uma das espcies envolvidas. b) As duas espcies no conseguem sobreviver no mesmo nicho ecolgico, pois h uma competio inter-especfica, sendo que a espcie Y tem um melhor conjunto gentico adaptado s condies ambientais, ao passo que a espcie Z tem um conjunto gentico menos adaptado s condies ambientais. Assim, a espcie Z 32. conseguiria sobreviver desde que no houvesse competio com outra espcie. 28) Gab: I. Comessalismo II. Simbiose III. Amensalismo 29) Gab: A 30) Gab: D 31) Gab: D 32) Gab: D 33) Gab: a) Competio interespecfica. Quando colocadas em um mesmo vaso, as duas espcies competem por nutrientes limitados, sendo que a espcie X mais eficiente na captao desses recursos, conseguindo um melhor desenvolvimento. b) Apresentar sementes e rgos reprodutivos evidentes. Gimnospermas e angiospermas. 34) Gab: C 35) Gab: a) Produtores curva Y Consumidores de 1 ordem curva X 33. Haver, inicialmente, um aumento dos consumidores de 1 ordem, ocasionado pela extino de seus predadores, que so os consumidores de 2 ordem. Em conseqncia, ao longo do tempo, ocorrer um declnio da populao de produtores. A falta de alimento levar, em seguida, a uma diminuio da populao de consumidores primrios. b) Os organismos invasores, ganhando a competio por nichos ecolgicos de espcies nativas, vo aumentar sua populao de maneira desordenada, diminuindo a diversidade biolgica. 36) Gab: E 37) Gab: C 38) Gab: C 39) Gab: B 40) Gab: B 41) Gab: B 42) Gab: A 43) Gab: A 44) Gab: B 45) Gab: E 46) Gab: A 47) Gab: D 34. 48) Gab: A 49) Gab: a) Competio. b) Porque alguns coelhos eram resistentes a este vrus. 50) Gab: Contrrios: Devem ser levados em considerao alguns fatores que podem diminuir ou impedir que ocorram tais perigos. O fato de introduzir espcies novas em um ecossistema no quer dizer, necessariamente, que a espcie introduzida encontre alimento adequado sua sobrevivncia, ou que se adapte a novos hbitos alimentares; ou ainda que as condies do meio sejam satisfatrias para a sua reproduo e desenvolvimento. Pode ser que no habitat ocorram predadores da espcie introduzida, que viriam regular ou diminuir a capacidade de crescimento da populao. Favorveis: A introduo de uma espcie numa comunidade pode causar verdadeiros desastres ecolgicos. No exemplo em questo, a populao de sapos pode aumentar sobremaneira e no s diminuir, mas levar extino a espcie que se queria controlar (besouros), o que seria prejudicial, j que a cadeia alimentar do bioma seria alterada. Se as presas forem dizimadas, pode ser que os sapos passem a atacar outras espcies de outras cadeias, alterando tambm o ecossistema. Alm disso, um nmero exagerado de determinadas espcies pode favorecer a multiplicao dos seus predadores naturais, como, por exemplo, o aumento do nmero de sapos pode facilitar o aumento do nmero de cobras.