Tse 2011 quarta aula

Click here to load reader

  • date post

    23-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    1.079
  • download

    4

Embed Size (px)

Transcript of Tse 2011 quarta aula

  • 1. Prof. Cesar A. Ceneme
    • [email_address]

2. TSE 2011: Quarta Aula

  • Dissertao em prosa, suas caractersticas e a questo argumentativa.

3. Como funciona a maldita?

  • Para uma boa dissertao em prosa, voc deve considerar os seguintes passos (obrigatrios!):
  • A dissertao deve ser impessoal,
  • A dissertao deve exprimir uma reflexo do tema,
  • No pode ser escrita no sentido figurado, com rimas ou conotaes,
  • As opinies no podem ser seguidas ou antecedidas por achismos,
  • Voc SEMPRE dever argumentar a respeito de um ponto de vista. SEMPRE.

4. A arte da retrica

  • A argumentao um recurso que tem como propsito convencer algum, para que esse tenha a opinio ou o comportamento alterado.Sempre que argumentamos, temos o intuito de convencer algum a pensar como ns.No momento da construo textual, os argumentos so essenciais, esses sero as provas que apresentaremos, com o propsito de defender nossa idia e convencer o leitor de que essa a correta.

5. Considere alguns pontos para tornar sua argumentao mais clara e convincente:

  • Argumentao por citaoSempre que queremos defender uma idia, procuramos pessoas consagradas, que pensam como ns acerca do tema em evidncia.Apresentamos no corpo de nosso texto a meno de uma informao extrada de outra fonte.A citao pode ser apresentada assim:Assim parece ser porque, para Piaget, toda moral consiste numsistemade regras e a essncia de toda moralidade deve ser procurada norespeitoque o indivduo adquire por essas regras (Piaget, 1994, p.11). A essncia da moral orespeitos regras. A capacidade intelectual de compreender que a regra expressa uma racionalidade em si mesma equilibrada.O trecho citado deve estar de acordo com as idias do texto, assim tal estratgia poder funcionar bem.

6.

  • Argumentao por comprovaoA sustentao da argumentao se dar a partir das informaes apresentadas (dados, estatsticas, percentuais) que o acompanham.Esse recurso explorado quando o objetivo contestar um ponto de vista equivocado.Veja:O ministro da Educao, Cristovam Buarque, lana hoje o Mapa da Excluso Educacional. O estudo do Inep, feito a partir de dados do IBGE e do Censo Educacional do Ministrio da Educao, mostra o nmero de crianas de sete a catorze anos que esto fora das escolas em cada Estado.Segundo o mapa, no Brasil, 1,4 milho de crianas, ou 5,5 % da populao nessa faixa etria (sete a catorze anos), para a qual o ensino obrigatrio, no freqentam as salas de aula.O pior ndice do Amazonas: 16,8% das crianas do estado, ou 92,8 mil, esto fora da escola. O melhor, o Distrito Federal, com apenas 2,3% (7 200) de crianas excludas, seguido por Rio Grande do Sul, com 2,7% (39 mil) e So Paulo, com 3,2% (168,7 mil).(Mnica Bergamo. Folha de S. Paulo, 3.12.2003)

7.

  • Argumentao por raciocnio lgicoA criao de relaes de causa e efeito um recurso utilizado para demonstrar que uma concluso (afirmada no texto) necessria, e no fruto de uma interpretao pessoal que pode ser contestada.Para a construo de um bom texto argumentativo se faz necessrio o conhecimento sobre a questo proposta, fundamentao para serem realizados com sucesso.

8. Exemplos

  • Anncio de jornal:
  • Mulher loira, de 23 aninhos, solteira e muito bem trabalhada procura homem tambm solteiro, disposto a ter um relacionamento rpido, ardente e picante. Entrar em contato por msn[email_address] .

9.

  • Voc tem escolha...
  • Mui, separada treis vez, de 48 ano e uma vigor pra viv procura homi forte, sar(f)ado para relacionamento sriu. Cansei de viv des iluso na vida, queru casa e t filhos com o homi da minha vida. Vamo vive em casa cum minha me e sete irmo.

10. Na propaganda: 11. Percebe como um bom argumento transforma a nossa maneira de enxergar o mundo a nossa volta? 12. Sendo assim, vos despeo, ansiados alunos, com o patrimnio das plagas longnquas nas Terras do Rio Grande do Sul.

  • Tina (Anjo) Flores