Areas urbanas

Click here to load reader

  • date post

    06-Dec-2014
  • Category

    Education

  • view

    6.955
  • download

    1

Embed Size (px)

description

 

Transcript of Areas urbanas

  • 1. 1- INTRODUO A partir do momento em que a espcie humana teve condies para poder optar pela sedentarizao,foi uma questo de tempo at que se iniciasse o aumento da dimenso dos aglomerados populacionais. Onomadismo no era uma opo, mas sim a nica forma de sobrevivncia. Importava encontrar alimento, ondequer que este se encontrasse. O domnio da agricultura tornou-se assim a chave para o crescimento populacional. Os excedentes pro-duzidos deram azo ao desenvolvimento das populaes, e ao mesmo tempo funcionaram como moeda de tro-ca. Estavam assim criadas as condies para a sedentarizao. Assim, ao longo do tempo, as pessoas abando-naram a ocupao dispersa para se concentrarem em aglomerados de pequenas dimenses, na tentativa deusufruir dos efeitos de economia de escala. Com o passar do tempo, a rea e densidade dos aglomeradosaumentava, medida que aumentavam os seus habitantes (Figura 1 Relao tempo/Urbanizao). Figura 1 Relao tempo/Urbanizao
  • 2. Embora em tempos proto-histricos j existissem cidades, algumas de dimenses assinalveis, nomea-damente na regio do Crescente Frtil1 o processo de urbanizao iria adquirir um papel de destaque nassociedades Greco-Romanas. O processo de urbanizao na Europa veio ganhar um maior dinamismo nas reassob domnio do Imprio Romano, contudo, o fim deste imprio marcou um certo declnio no processo deurbanizao. Continuamente o processo de urbanizao fez-se sentir. Contudo, devido ausncia de recursos emeios de transporte, continuavam a no existir condies para as cidades passarem um determinando limiar.Isto porque os transportes so um fator fundamental no que diz respeito concentrao nas cidades, tornan-do possvel a deslocao das pessoas. Sem meios de transportes altura, uma cidade est limitada na exten-so da ocupao do territrio. At ao Sc. XIX a dimenso das cidades era reduzida. O Sc. XIX seria uma poca de profundas transfor-maes nas cidades Europeias cuja rea se expande para acomodar o rpido crescimento populacional eindustrial. O Sc. XIX trouxe uma nova forma de cidade, a cidade industrial. Uma cidade sujeita a um novo con-junto de influncias, principalmente quanto exploso demogrfica, e ao desenvolvimento dos transportes. A cidade Europeia enfrentou assim dois novos problemas: - 1 a necessidade de cada vez mais populao para garantir a procura industrial de mo de obra; - 2 a necessidade de albergar um cada vez maior nmero de habitantes. Neste perodo, as cidades que no conseguiram industrializar-se estagnaram e perderam populao. Ouseja, o Sc. XIX trouxe um novo modelo de organizao econmico e social, mas que afetou diferenciadamenteas cidades. A necessidade de concentrao de populao nas cidades abriu caminho ao processo de urbanizaoperifrica. Este pode ser decomposto em fases. At ao fim do Sc. XIX tivemos uma cidade em que o centroassumia importncia fulcral. Entre os anos 20 e 60 do Sc. XX as fases de suburbanizao foram acompanhadaspelos investimentos em transportes coletivos orientados para as ligaes centro-periferia. A prosperidade do ps-guerra, associada vulgarizao do transporte individual, acompanhado do cres-cente xodo rural, fizeram com que a segunda metade do Sc. XX tenha marcado outro ponto de viragem nasdinmicas que atuam na forma das cidades. A partir dos anos 50 o fenmeno da suburbanizao torna-seexplosivo com a acelerao do xodo rural que traz importantes contingentes demogrficos e mo de obra sreas urbanas O aparecimento dos diferentes meios de transporte, especialmente os pblicos, criou uma maior dife-renciao na ocupao funcional do espao urbano, que seria potenciada pela massificao do automvel. Defacto, s no final do Sc. XX que as migraes pendulares2 ganharam importncia com a generalizao dotransporte individual. Refira-se que, os transportes e a forma urbana, andam sempre na dependncia direta.Historicamente existe uma relao estreita entre as diferentes tecnologias de transporte urbano e a forma decrescimento urbano1 O Crescente Frtil abrangia os atuais pases de Israel, Lbano e partes da Jordnia, Sria, Iraque, Egito e da Turquia.2 - Deslocaes quotidianas da populao entre o seu lugar de residncia e de trabalho.
  • 3. A este respeito, podem identificar-se quatro ciclos de desenvolvimento urbano aos quais se associa dife-rentes tecnologias de transporte (Figura 2- Forma urbana e tecnologia de transporte). Figura 2 O primeiro perodo origina uma configurao urbana compacta. At introduo de transportes coleti-vos o crescimento em extenso da cidade estava limitado, pelo que o aumento da densidade interior era aprincipal forma de responder ao crescimento demogrfico. No segundo perodo a morfologia da cidade assu-me uma forma radial, em resultado de progredir linearmente ao longo das vias ferrovirias. O terceiro perodopossibilita o preenchimento dos espaos intersticiais entre os eixos radiais configurando uma forma urbanamais concntrica. E o ltimo ciclo associado s vias rpidas que permitem que as formas urbanas se tornemnovamente radiais e se expandam muito para l do centro. O aumento da populao urbana (e da taxa de urbanizao) pode ocorrer de dois modos - ou o nmerode centros urbanos aumenta, ou o nmero mantm-se constante e a populao dos centros existentes queaumenta; o aumento da taxa de urbanizao justificado, por um lado devido ao aumento do saldo fisiolgicoe por outro, devido componente migratria, muito importante para qualquer aglomerado urbano Ainda assim preciso ter em conta que os atuais processos de concentrao urbana diferenciam os pa-ses ricos dos pases pobres ou menos desenvolvidos economicamente, e as grandes dinmicas de crescimentourbano esto hoje instaladas nos pases da Amrica Latina, frica e sia e tm pouca incidncia na Europa.De facto, na viragem do milnio o continente Europeu j apresentava uma taxa de urbanizao mdia prximade 80%, o que representa um elevado nvel de urbanizao quando comparado com outros continentes (Figu-ra 3- Taxa de urbanizao no Mundo). Figura 3
  • 4. Atravs do Quadro 1 possvel verificar a alterao na dimenso do fenmeno da urbanizao. No finaldo sc. XX, Tquio tinha mais habitantes que as 10 maiores megalpoles no incio do mesmo sc. Outro dadorelevante, que o continente Europeu no tinha nenhuma megalpole colocada nas 10 maiores, quando, noinicio do sc. XX, metade das 10 maiores megalpoles eram Europeias.
  • 5. 2 - ESPAO RURAL/ESPAO URBANO Durante muito tempo a cidade pde ser definida como oposio ao campo. As suas muralhas ou a sua cintura de fortificao tornavam diretamente legvel a oposio marcada entre duas maneiras de viver diferentes e dois sistemas eco- nmicos distintos complementares um do outro. J. Paul Lacaze, A cidade e o Urbanismo Ao longo da histria, as populaes tm ocupado a superfcie da Terra com construes necessrias sua habitao e s suas atividades. O modo como estas se distribuem no territrio determina a forma de povoamento existente, distin-guindo-se dois tipos de povoamento dominantes, consoante o espao onde se integram: - Povoamento rural; - Povoamento urbano. Durante muitos anos, o predomnio da populao que habitava no espao rural, relativamente quevivia nos aglomerados urbanos, era to avassalador que retirava todo o sentido distino entre estes doistipos de espaos. O forte desenvolvimento urbano, industrial e agrcola, desencadeado pela Revoluo Industrial, provo-cou alteraes profundas no espao. Assim: - Verificou-se a modernizao dos processos de produo agrcola, que transformaram profun- damente o espao rural, nomeadamente a mecanizao das atividades agrcolas (este facto permitiu libertar grande parte da mo de obra, que se instalou nas cidades); - Assistiu-se ao avano do espao urbano3 sobre o campo, na generalidade das regies do glo- bo, mesmo as menos desenvolvidas de frica e da sia, fazendo a populao urbana4 ultrapassar a populao rural, no ano 2000. Atualmente, a separao entre espao urbano e espao rural cada vez menos ntida, sobretudo nasregies mais desenvolvidas da Europa e do mundo. De facto, o modo de vida da populao rural, sob o impacto de hbitos e tecnologias desenvolvidas parao espao urbano, assemelha-se cada vez mais quele que caracterstico da cidade. A populao rural passou a viver segundo padres de conforto idnticos aos da populao urbana, semque estas tenham perdido a sua antiga funo de gesto do espao rural. Este modo de vida (urbano) caracteriza-se por vrias componentes como: - os elevados padres de conforto dos cidados; - o tipo de atividade profissional; - as caractersticas da habitaes; - a maior concentrao de pessoas. Os centros urbanos so, assim, cada vez mais difceis de individualizar, se consideramos a cidade comoum aglomerado habitacional em que os seus habitantes tm um modo de vida urbano.3 - rea por vezes difcil de delimitar onde existe uma ou vrias cidades que atuam como plo de atrao. Local onde pre-dominam atividades no primrias.4 - Populao que habita em espaos urbanos, dedicando-se a atividades no primrias.
  • 6. Portugal, apesar de acompanhar esta tendncia registada nos pases mais desenvolvidos, manteve umagrande componente rural at mais tarde, pelo que possui, em termos europeus, uma percentagem baixa depopulao urbana. Espao Urbano/Povoamento Urbano (principais caractersticas) - Densidade populacional elevada - Concentrao e grande diversificao de atividades (setores III e II) - Espao densamente ocupado por construes e vias de transporte - Aglomerados de grande dimenso - Edifcios em altura (com vrios andares) - Trfego intenso (veculos e pees) - Ruas que se cruzam em vrias direes - Transportes pblicos - Espaos culturais e acontecimentos culturais diversificados - Manifestaes culturais eruditas Espao Rural/Povoamento rural (principais caractersticas) - Baixa densidade populacional - Atividades pouco diversificadas do setor primrio: agricultura, pecuria, silvicultura - Espao ocupado por terrenos agrcolas e edifcios antigos - Aglomerados de pequena dimenso - Edifcios baixos e construdos em pedra - Ruas estreitas e em reduzido nmero - Trfego muito reduzido - Manifestaes culturais tradicionais e em espaos comuns / pouco especializados - Espaos verdes naturais abundantes
  • 7. 3 - DEFINIO DE CIDADE O conceito de cidade no tem uma definio universal. A definio mais adotada entende a cidadeenquanto um povoamento concentrado cuja populao est envolvida em atividades no agrcolas e onde apopulao ultrapassa um determinado nmero de habitantes e/ou uma densidade populacional estipuladaadministrativamente. assim possvel encontrar escala global aldeias com dezenas de milhar de habitantes ecidades com algumas centenas. Assim o que distingue essencialmente as aglomeraes humanas a dimensourbana. 3.1 - CRITRIOS DE DEFINIO DE CIDADE O que transforma um lugar em urbano? Ou o que permite que esses locais tenham o ttulo de cidade?Os critrios utilizados variam de pas para pas e tm sofrido algumas alteraes ao longo dos tempos. Entre oscritrios utilizados para definir cidade destacam-se o demogrfico, o funcional e o jurdico-administrativo. O critrio mais recorrentemente utilizado o critrio demogrfico, este recorre a noes de tamanho,dimenso, densidade, etc. Assim a populao absoluta o critrio mais utilizado internacionalmente, contudoos limiares para o que considerado urbano variam bastante (ex. 200 hab. na Sucia, 40000 hab. na Coreia doSul), pelo que o estabelecimento de comparaes deve ser feito com cautela visto que a diversidade de valo-res propostos demonstram a insuficincia de um critrio que assente exclusivamente na dimenso populacio-nal. A densidade populacional outro critrio muito utilizado, visto ser tpico na cidade existir um nmero dehabitantes por km2 elevado, contudo este critrio isoladamente no serve de muito, uma vez que, por exem-plo, as cidades Norte Americanas tm valores de densidade populacional relativamente baixos. A soluo para a incoerncia do critrio demogrfico utilizar outros. De entre estes, o mais utilizado o critrio funcional. Este prende-se com as funes ou atividades desempenhadas na cidade. Mas a aplicaodeste critrio tambm levanta algumas dificuldades: - as aglomeraes que surgem junto das grandes cidades (ex. Lisboa, Porto), ocupadas por milhares de pessoas que trabalham nos setores secundrio e tercirio, no podem ser consideradas cidades, pois a maioria desses lugares no tem vida prpria funcionando apenas como dormitrios; - nos pases subdesenvolvidos, onde a maioria da populao se ocupa da agricultura, as cidades alber- gam grandes percentagens de efetivos agrcolas. Perante as dificuldades em uniformizar os critrios para a definio universal de cidade, o melhorser associar dois ou mais critrios dando origem a critrios mistos. isso que acontece em Portugal. A nvel nacional, em Portugal, uma cidade entende-se como um aglomerado populacional que por meiode uma entidade poltico-administrativa foi promovido a esta categoria. Os critrios nacionais na origem daelevao a cidade variaram ao longo dos sculos. Estes podiam dever-se a atrair populao a terras poucopovoadas para as proteger isto ocorreu principalmente nas reas mais prximas da fronteira. Tambm existi-ram motivos religiosos, nomeadamente a presena das ss episcopais enquanto outras elevaes prenderam-se com recompensas a elites locais.
  • 8. Atualmente so as assembleias (da Repblica e Regionais dos Aores e da Madeira) que legislam a cate-goria das povoaes, tendo como referncia o DL 11/82 de 02 de junho. Este enuncia alguns requisitos quedevem presidir elevao das povoaes categoria de vila e cidade. Segundo a lei os requisitos para uma localidade ser elevada categoria de vila so (artigo 12): - ter mais de 3 000 eleitores, em aglomerado populacional contnuo; - ter pelo menos metade dos seguintes equipamentos coletivos (Quadro 2). Quadro 2 - Equipamentos necessrios para uma localidade ser elevada a vila em Portugal Os requisitos para uma localidade ser elevada categoria de cidade so (artigo 13).: - Ter mais de 8 000 eleitores, em aglomerado populacional contnuo; - E ter pelo menos metade dos seguintes equipamentos coletivos (Quadro3). Quadro 3 - Equipamentos necessrios para uma localidade ser elevada a cidade em Portugal A lei reserva contudo o direito a que importantes razes de natureza histrica, cultural e arquitetnicapodero justificar uma ponderao diferente dos requisitos enumerados (artigo 14). Ver manual Doc. 2 Pg. 77
  • 9. 3.2 - OS DIFERENTES TIPOS DE MORFOLOGIA URBANA (para relembrar) Todas as cidades tm uma estrutura que, se exprime pela sua planta e na qual se representam de modoesquemtico os elementos fundamentais da morfologia urbana. -a rede viria -patrimnio imobilirio -cursos de gua Fatores que influenciam a morfologia urbana: - Fsicos - Scio-culturais - Histricos - Tecnolgicos - Econmicos 3.2.1 - Principais tipos de plantas -Planta ortogonal -Inspira-se nas plantas das antigas cidades romanas. Vantagens: -Acomoda-se bem s necessidades dos loteamentos, permitindo um bom aproveitamento dos terrenos -As ruas iguais originam lotes igualmente valiosos Desvantagens: -percursos alongados -aparecimento de corredores de vento -Planta radioconcntrica -Teve a sua origem nas cidades medievais Vantagens: -Facilidade em se chegar ao centro a partir da periferia -Adapta-se bem aos stios com relevo, onde as ruas seguem as cur- vas de nvel Desvantagens: -As distncias so alongadas nas artrias circulares -Os blocos de edifcios tm formas irregulares -Planta irregular -Traado tpico das cidades muulmanas Desvantagens: - Dificulta a circulao rodoviria, principalmente no que se refere aos transportes pblicos As Funes Urbanas Principais funes (atividade principal que leva a considerar esta ou aquela cidade "especializada" nessa mesma atividade) - poltico-administrativa - econmica - cultural e cientfica - residencial - religiosa - militarConsultar http://clientes.netvisao.pt/carlhenr/9ano.htm#AS CIDADES
  • 10. 4 - A DIMENSO URBANA EM PORTUGAL CONTINENTAL O processo de urbanizao em Portugal foi muito tardio e muito acelerado, registando-se grandesacrscimos na populao urbana nos anos 70 e incios dos 80. Atualmente as principais reas metropolitanastendem a estabilizar demograficamente, embora com intensos movimentos no seu interior, particularmenteno caso de Lisboa. Mas a maior parte das cidades de pequena e mdia dimenso, tanto no litoral como nointerior, continuam a crescer embora a um ritmo mais lento do que no ltimo quarto de sculo. 4.1 - BREVE CONTEXTO HISTRICO Em Portugal Continental, o clima e as condies econmicas geradas pela proximidade ao mar, ou a riosnavegveis, foram determinantes para a escolha dos locais iniciais de fixao da populao, a isto se juntaria,posteriormente, no processo de evoluo histrica, as facilidades de comunicao mais desenvolvidas no lito-ral. Facilmente constatamos que a maioria das principais cidades Portuguesas se localizam, quanto ao stio, namargem ou foz de um importante rio, rios estes que eram no passado as autoestradas da informao. Efetivamente, a rede hidrogrfica a principal determinante fsica da rede de assentamentos urbanos,podendo considerar-se trs situaes mais frequentes: os de esturio, em que se destacam Lisboa e Porto,mas so numerosos da foz do Minho foz do Guadiana; os de antefoz que tiveram noutros tempos funesporturias que migraram para a foz, como Coimbra, Santarm, Ponte de Lima, Alccer do Sal ou Silves; e osque se situam no encontro de duas ou mais bacias hidrogrficas, casos de vora, Viseu, Beja, Guarda. Tradicionalmente, em Portugal Continental, o povoamento apresenta-se sob duas formas principais:disperso e concentrado. O primeiro tem caracterizado toda a faixa litoral ocidental, entre os rios Minho e Tejo,a Orla Algarvia e os Vales dos principais rios, ou seja as reas mais propcias ao estabelecimento da atividadehumana. Como rea caracterstica do povoamento concentrado temos a maior parte do interior de Trs-os-Montes ao Alentejo. Entre 1527 e 1532 realizou-se a primeira contagem de fogos, naquela que se constitui na mais importan-te fonte para o estudo da demografia Portuguesa at ao sculo XIX (Medeiros, 2005). A expresso fogos naaltura designava os agregados familiares. Assim, consoante a mdia de habitantes por fogo considerados peloshistoriadores, obtm-se para a primeira metade do sculo XVI uma densidade populacional em torno de 13 a15 hab./km2, referente a 1,1/1,4 milhes de habitantes. Tal como na atualidade a maior parte da populaovivia entre os vales dos rios Douro e Tejo, onde se contavam 47% dos fogos no pas. Ainda assim os contrastesregionais eram menos acentuados do que atualmente. No sculo XVI as cidades e vilas eram pequenas: Lisboa tinha entre 50 a 65 mil habitantes e, como cida-de, era na altura uma das maiores do mundo. No restante da hierarquia urbana, Porto e vora no atingiam os15 mil habitantes e as restantes cidades com mais de 5000 habitantes concentravam-se na sua maioria no Suldo pas. A norte do Tejo os povoados eram todos de reduzidas dimenses. Em termos gerais, o povoamentodisperso do Norte opunha-se ao povoamento concentrado no Sul. E j ento se notava um desequilbrio darede urbana. Em 1732, uma nova contagem permite avaliar a populao em 2,14 milhes de habitantes, correspon-dente a uma densidade mdia de 24 hab./km2. Em 1801 a populao do territrio Continental aproximava-se
  • 11. dos 3 milhes de habitantes a que corresponde uma densidade de 32,8 hab./km2. Sendo que a partir de 1864passaram a se realizar os recenseamentos da populao realizar os recenseamentos da populao (Quadro 4). Ao longo do Sc. XIX, enquanto a Europa estava a viver um processo acelerado de urbanizao, Portugalmanteve uma taxa de urbanizao relativamente baixa (note-se que Portugal s muito tardiamente se indus-trializou). O Sc. XIX ficaria marcado pelo incio de um processo de emigrao muito intensivo que se prolongou segunda metade do Sc. XX. Desde meados do Sc. XIX que Portugal se caracterizou pela incapacidade deabsorver o saldo fisiolgico originando uma grande corrente de emigrao. At meados da dcada de 50 doSc. XX, os destinos privilegiavam o continente Americano, passando na dcada de 60 a privilegiar a Europa. Sintetizando, a disparidade na ocupao do pas manteve-se ao longo do tempo as regies tradicio-nalmente povoadas viam a sua ocupao densificar-se enquanto as restantes perdiam populao. A esteexemplo Medeiros (2005) refere a proporo da densidade populacional. No Sc. XVI as regies mais povoadasregistavam uma densidade 8 vezes superior s menos povoadas. Em 1864 a relao era de 14 vezes, em 1950,16 vezes e em 1981, 40 vezes. De um modo geral, as densidades foram sempre mais elevadas no Noroeste emoposio ao Sul do pas. A segunda metade do sculo XX trouxe, para Portugal Continental, alteraes drsticas na ocupao doterritrio. At meados da dcada de 50 do Sc. XX, Portugal caracterizava-se por uma ocupao rural do terri-trio. Passados os anos 60 aumentou a tendncia de litoralizao da populao em alguns centros, tendo-seiniciado um perodo marcado pelo xodo rural. Esta fase trouxe lugar concentrao urbana e novas formasde povoamento rural.
  • 12. HIERARQUIA DAS CIDADES PORTUGUESAS: Cidades Grandes ou Metrpoles:- Lisboa - 560 000 hab.- Porto 260 000 hab. Cidades Regionais (capitais de distrito ou regio e acima dos 100 000 hab.):- Coimbra; Braga; Funchal- Cidades Regionais de menor dimenso (cerca de 45 000 hab.):- Ponta Delgada; Faro; voraltimas cidades promovidas em 2009: Borba 4.500 hab. Samora Correia 12 800 hab (concelho de Benavente vila); So Pedro do Sul 4 000 hab.; Senhora da Hora 28 000 hab. (freguesia do concelho de Matosinhos) Valena 3 500 hab.
  • 13. 5 - A DIFERENCIAO FUNCIONALO espao urbano oferece uma grande diversidade de funes (comrcio, servios administrativos, indstrias,habitaes, etc.) que, geralmente, se encontram organizadas no espao, formando as chamadas reas funcio-nais reas mais ou menos homogneas, com caractersticas prprias (dadas pela funo dominante). Um dos fatores que condiciona a organizao das reas funcionais a renda locativa custo do solo.Por sua vez, a renda locativa influenciada pela acessibilidade e pela distncia ao centro. De um modo geral, ocusto do solo diminui medida que nos afastamos do centro da cidade, que a rea mais central e de maioracessibilidade e, consequentemente, a mais cara. No centro da cidade, assiste-se, frequentemente, a processos de especulao fundiria sobrevaloriza-o do custo do solo por haver uma procura de terrenos superior oferta, o que torna a renda locativa mui-to elevada. A variao da renda locativa com a distncia ao centro nem sempre uniforme. Por vezes, surgem reasda periferia que, pela sua aptido para determinadas funes (centros comerciais, hotis, comrcio especiali-zado, interfaces de transportes metro: comboios: autocarros, etc.), apresentam custos de solo elevados.Nas reas melhor servidas por transportes e vias de comunicao, o custo do solo tambm mais alto, o quepermite concluir que a acessibilidade tem grande influncia na renda locativa. O preo do solo ainda influenciado por outros fatores como: - condies ambientais relevo, poluio, zonas verdes, paisagem, etc.; - aspetos sociais as caractersticas socioeconmicas da populao residente; - planos de urbanizao as atividades projetadas para uma determinada rea condicionam o custo dosolo, sendo os terrenos mais caros ocupados, geralmente, pelas do setor tercirio e os mais baratos pelaindstria. Renda locativa uma teoria econmica, base de modelos geogrficos, que determina que as rendas ouos valores do solo diminuem com a distncia ao centro, ou seja, revelam uma diminuio com o aumento dadistncia ao centro. O afastamento ao centro promove uma diminuio da procura de terrenos, o que leva aum aumento dos disponveis e a uma consequente diminuio da renda locativa.
  • 14. Assim podemos considerar que o valor do solo decresce com a distncia ao centro dos aglomerados(Figura a), contudo numa cidade com vrias centralidades, o decrscimo no ser constante com a distncia,sofrendo, isso sim, variaes com a presenas dos centros secundrios da cidade (Figura b). Nos aglomerados mais pequenos apenas existe um centro onde quase todas as funes tercirias seencontram e ao qual se dirige a populao, tanto do aglomerado, como dos arredores. Mas na maior parte dascidades existem dois nveis de centros, um de proximidade que fornece os bens de uso corrente e o centroprincipal que oferece os outros. Ou seja, a composio funcional e a importncia da rea central variam com adimenso do aglomerado.5.1 - As caractersticas das diferentes reas funcionais 5.1.1 - O CBD (Central Business District) O Central Business District (CBD) o termo geogrfico que designa a rea central de uma aglomeraourbana de maior dimenso e importncia, caracterizadapela forte concentrao terciria. Em Portugal, esta reada cidade designa-se por Baixa; nos Estados Unidospor Downtown; em Frana por Cit e em Inglaterrapor City. Ao analisarmos a diferenciao funcional numacidade, constatamos que, independentemente da suadimenso, a rea central se individualiza sempre dasrestantes pela forte concentrao das atividades terci-rias, pela grande intensidade de usos do solo, pelo fraconmero de alojamentos, pelo volume de empregos quefornece e, obviamente, pela forte atrao que exercesobre a populao: tratar negcios, ver montras, fazer compras, etc. O centro revela, assim, um dinamismoque no se encontra em nenhuma outra rea da cidade. para o CBD que convergem as principais artrias de circulao, onde se localizam as atividades maissensveis centralidade, no s pela grande acessibilidade, mas tambm pelos contactos e informao que eleproporciona.
  • 15. No CBD concentram-se atividades do setor tercirio que vo desde o comrcio especializado at aosmais altos nveis de deciso da Administrao Pblica (ministrios, tribunais superiores, etc.) e da atividadeprivada (sedes de bancos, companhias de seguro, etc.). Alguns autores defendem que, alm das atividades queintegram o setor tercirio, o CDB integra, ainda, atividades que podem ser integradas num outro setor o ter-cirio superior ou quaternrio. tambm no CBD que tendem a realizar-se atividades de animao ldica e cultural de qualidade.No centro da cidade, o trfego quase sempre muito intenso, tanto de veculos como de pees, devido con-centrao de uma grande diversidade de funes raras - funes que s se encontram disponveis em deter-minados lugares, as nicas que tm capacidade para suportar os elevados custos do solo e que, por isso,atraem diariamente um grande nmero de pessoas. Demograficamente, o CBD caracteriza-se por uma enorme concentrao de populao flutuante - pre-sente apenas durante o dia. Os residentes so, essencialmente, pessoas idosas, como poucos recursos, eoutras mais jovens e de maiores rendimentos que ocupam os edifcios renovados. 5.1.1.1 - A diferenciao espacial no CBD No CBD, apesar da concentrao de uma grande variedade de atividades, existe a tendncia para aespecializao espacial, quer em altura quer no que respeita s ruas. A esta especializao espacial horizontale vertical pode ainda ser dado o nome de zonamento horizontal e zonamento vertical, respetivamente. Nozonamento horizontal, e um modo geral, as funes menos nobres, ou que requerem menos contacto com opblico, ocupam os andares mais altos (armazns, oficinas, habitao, etc.), enquanto que o comrcio ocupa ors do cho e os servios os primeiro e segundo andares. A diferenciao espacial horizontal evidencia-se, tambm, pela existncia de reas especializadas. Emquase todas as cidades, possvel distinguir o centro financeiro (sedes de bancos, de empresas, etc.) docomercial e do de lazer, onde se encontram hotis, teatros, bares, discotecas, etc. Na atividade comercial, tambm se individualizam reas com predomnio do comrcio grossista tran-sao de bens entre o produtor e o retalhista, geralmente nas margens do centro, e reas onde predomina ocomrcio retalhista - venda de bens diretamente ao consumidor e em quantidades limitadas - nas ruas cen-trais. No comrcio retalhista, distinguem-se ainda as reas de comrcio mais popular das de comrcio demaior prestgio.
  • 16. 5.1.1.2 - Alteraes mais recentes no CBD: A expanso do CBD O CBD caracteriza-se por ser uma rea da cidade onde se regista uma forte concentrao das atividades(devido sua maior acessibilidade). para esta rea que convergem as principais vias de trnsito, o que origi-na uma forte concentrao de veculos e pees. Em resultado de problemas como: - congestionamento do centro (rea mais antiga, de ruas estreitas); - dificuldades de estacionamento; - escassez de espao para a expanso das atividades; - especulao fundiria; - diminuio geral da acessibilidade acesso ao centro mais difcil e demorado Verifica-se a tendncia para a descentralizao de algumas atividades para outras reas da cidade. Sur-gem, assim, novas centralidades noutros pontos da cidade, onde o espao disponvel e as melhores acessibili-dades permitem ofertas mais inovadoras. Alguns centros comerciais, como o Colombo, em Lisboa, o Arrbida Shopping, em Vila Nova de Gaia, ouo Norte Shopping, em Matosinhos, oferecem comrcio especializado, produtos de grandes marcas, hipermer-cados, servios pessoais e de lazer, etc., com a comodidade acrescida do parqueamento e da variedade de res-taurao. Assiste-se, de igual modo, deslocalizao das sedes de empresas e de servios de Administrao Pbli-ca. Em Lisboa, este tipo de servios expandiu-se, primeiro, para as chamadas Avenidas Novas e, atualmente,para a rea oriental da cidade. 5.1.1.3 - Alteraes mais recentes no CBD: A desertificao demogrfica do CBDSe no passado as reas centrais da cidade eram um local de grande prestgio e extremamente procuradas pelapopulao para a residir, o mesmo no se passa no presente. Estas tm sido alvo de uma diminuio da popu-lao residente, que tem procurado noutros bairros, mais recentes e funcionais, localizados noutras reas dacidade e/ou na sua periferia, a qualidade de vida que o centro j no lhes oferece.
  • 17. Os fatores responsveis pelo abandono do centro e, consequentemente, pela diminuio da funoresidencial passam: - pela crescente ocupao do centro pelas atividades tercirias; - pelo desenvolvimento dos transportes urbanos e suburbanos (que aumenta a mobilidade da popula- o e a sua fixao em reas afastadas do local de trabalho); - pelo aumento do congestionamento de trnsito e dificuldades de estacionamento (o veculo particular continua a ter uma utilizao crescente, o que agrava no s a circulao do trnsito, como os locais de estacionamento vo sendo mais exguos); - pelo aumento da poluio sonora e atmosfrica; - pela degradao das habitaes antigas, que cada vez mais apresentam condies de habitabilidade precrias, constituindo mesmo um risco para a sade e a vida dos seus habitantes. Perante as alteraes provocadas pela dinmica funcional do CBD e do aparecimento de novas centrali-dades, os centros das cidades podem perder parte da sua influncia e da sua capacidade de atrair populao.Devido a esta tendncia, as polticas urbansticas tm procurado promover o centro das cidades, implemen-tando medidas como: - a organizao do trnsito; - limitao entrada de veculos na cidade; - a criao de espaos de estacionamento; - o aumento da qualidade e eficcia dos transportes pblicos; - o encerramento ao trnsito de determinadas ruas ou reas, permitindo circular mais vontade, usu- fruir de uma esplanada ou, simplesmente, apreciar a animao ldica e cultural que surge nestes espaos; - a implementao de programas e iniciativas que incentivam e do apoio financeiro a projetos de revi- talizao urbana. 5.1.2 - AS REAS RESIDENCIAIS As reas residenciais predominam no espao urbano. A diversidade de formas e aspetos acabam porrefletir o nvel socioeconmico dos seus residentes. Ao analisarmos a sua distribuio, apercebemo-nos, dosprofundos contrastes existentes ao nvel da construo e localizao dos edifcios, da acessibilidade e da quali-dade e existncia, ou no, dos equipamentos. Esta diversidade , na sua essncia, o reflexo do nvel econmi-co e social dos seus habitantes. Podemos, assim, constatar a existncia de uma profunda segregao espacial,onde se evidencia uma organizao em reas com alguma homogeneidade interna (os bairros), registando-se,contudo, profundas desigualdades de rea para rea. A variao do preo do solo urbano o fator que maiscontribui para esta segregao espacial. As reas residenciais dividem-se, assim, em: - reas residenciais para classes com rendimentos elevados; - reas residenciais para classes com rendimentos mdios; - reas residenciais para classes com rendimentos baixos.
  • 18. 5.1.2.1 - reas residenciais para classes com rendimentos elevados A elevada acessibilidade, o ambiente aprazvel, a existncia de jardins e espaos verdes, o estar afastadade unidades industriais, os baixos ndices de poluio ou simplesmente a qualidade da construo e o prestgiosocial da rea so fatores que contribuem para o aumento do valor do solo e, consequentemente, do preo dahabitao, o que a torna acessvel a um estrato social restrito, as classes mdia alta e alta. So reas onde predomina a habitao de luxo. Nestas reas possvel encontrar bairros de edifcios devrios andares (plurifamiliares), modernos e funcionais, ou bairros de vivendas (unifamiliares). Em qualquerdos bairros, a arquitetura aprazvel, de qualidade, com espaos verdes e jardins, podendo mesmo ter piscina.Verifica-se cada vez mais a tendncia para a existncia de condomnios fechados, onde a qualidade, a funcio-nalidade e a modernidade da habitao coexistem com a segurana, com uma envolvncia paisagstica apraz-vel e com a existncia de servios e equipamentos de apoio, de forma a proporcionar populao residente aqualidade de vida e o bem-estar desejados. Alm das caractersticas j referidas, estes bairros beneficiam ainda de uma baixa densidade populacio-nal e de uma fraca intensidade de trnsito. A Quinta da Marinha, em Cascais, o Restelo, em Lisboa, a Boavista,no Porto, so testemunhos de bairros caractersticos destas reas residenciais. 5.1.2.2 - reas residenciais para classes com rendimentos mdios So os bairros da classe mdia que ocupam a maior parte do solo urbano. Estes bairros surgem em reasperifricas e assumem a forma de autnticos blocos de cimento, ou seja, edifcios plurifamiliares, com um ele-vado nmero de pisos e de andares por piso, onde a densidade de construo elevadssima e a harmonia e aqualidade ficam aqum das reas de habitao de luxo. O aumento da distncia ao centro da cidade, e, consequentemente, a diminuio do preo do solo, odesenvolvimento dos transportes e o desejo de aquisio de casa prpria tm contribudo para o crescimentodestes bairros nas periferias da cidade. 5.1.2.3 - reas residenciais para classes com rendimentos baixos As reas residenciais tidas como das classes mais baixas podem ocupar reas distintas do espao urbano(centro ou periferia). O CBD, como j foi referido, uma rea que tem vindo a perder a sua funo residencial,no entanto, esta ainda existe. As habitaes antigas e degradadas so, ainda, o teto de uma populao caren-ciada, de fracos recursos econmicos, ou seja, dos idosos e dos imigrantes. Nas reas afastadas do centro, pouco aprazveis, com elevados ndices de poluio, o valor do solo mais baixo. A construo precria, de fraca qualidade e montona, mas a nica que uma populao de bai-xos recursos consegue adquirir. A habitao social tambm, grosso modo, uma constante das cidades. Esta destinada a pessoas commenos recursos e construda pelas autarquias, como, por exemplo, Lisboa, Cascais, Porto e Almada. Asautarquias visam aumentar este tipo de construo de forma a realojar as pessoas que habitam em bairrosdegradados ou que foram desalojadas por catstrofes naturais. Estes bairros, dispersos no espao urbano, tendem a localizar-se nas periferias. Esto associados aextensos, montonos e idnticos edifcios, onde a construo de fraca qualidade, o que se traduz na rpidadegradao interna e externa. Alm disso, os apartamentos so de pequenas dimenses, para que se consigaalbergar um maior nmero de famlias.
  • 19. Contudo, o realojamento de famlias nestes bairros tem sido acompanhado de problemas, que passampela recusa, por parte de algumas famlias, em aceitarem facilmente a mudana de residncia (muitos prefe-rem voltar para as barracas). Alm disso, ao concentrar um elevado nmero de famlias de baixos recursosfinanceiros, o espao palco de vastos problemas sociais, designadamente a pobreza e a excluso social, queno tm conseguido ser totalmente colmatados. Alm da habitao social, num patamar inferior surgem os bairros clandestinos, os vulgarmente conhe-cidos como bairros de lata. Na cidade de Lisboa, estes remontam dcada de 50, aquando do processo deindustrializao do pas, uma vez que o surgimento de unidades industriais desencadeou intensos movimentosinternos (xodo rural). Contudo, os fracos recursos econmicos desta populao, associados escassez dehabitao, levaram construo de bairros clandestinos, de barracas. Estes bairros so desprovidos de condies mnimas de habitabilidade, a maioria no tem gua canali-zada, eletricidade e esgotos. Alm disso, a dimenso do alojamento muito reduzida, o que agravado pelonmero mdio de elementos por famlia. Esto normalmente localizados nos subrbios, em reas insalubres,poludas e mal servidas de transportes. A misria, a promiscuidade, a droga e a criminalidade so uma cons-tante do dia-a-dia de uma populao, na sua maioria analfabeta, carenciada, de fracos recursos, onde a pre-sena de imigrantes predominante e crescente. 5.1.3 - AS REAS INDUSTRIAIS Depois de, durante muitos anos, a indstria ter sido uma atividade predominante nas cidades, nos lti-mos anos, ela perdeu, em larga medida, esse protagonismo. Na realidade, com a Revoluo Industrial, as cidades iniciaram um movimento de forte atrao sobre asindstrias. No entanto, a localizao das indstrias nas cidades comeou a suscitar alguns problemas: - as indstrias so grandes consumidoras de espao; - o trfego de veculos pesados muito intenso; - a poluio atmosfrica e sonora extraordinariamente acentuada. Estes fatores negativos refletem-se de forma repulsiva na distribuio de outras funes, nomeadamen-te a residencial e a comercial. Todos os aspetos anteriormente referidos esto na origem do abandono da cidade pelas indstrias e nasua desconcentrao para outras reas, normalmente as periurbanas. Alm disso, comearam a ser levantadosvrios obstculos permanncia das indstrias no interior das cidades, nomeadamente a interdio de circu-lao de veculos pesados no interior da cidade e os constantes congestionamentos de trfego dificultam adeslocao das matrias-primas e dos produtos. A constante falta de espao e os elevados preos por m 2foram outros dos problemas que contriburam para o abandono das reas mais centrais por parte da indstria.Esta tendncia particularmente significativa nas reas metropolitanas (AML e AMP). O prprio planeamentourbano j contempla reas especificamente destinadas indstria, favorecendo a sua deslocao, quer para aperiferia das grandes cidades quer mesmo para o espao rural. A criao de parques industriais surge comouma resposta necessidade de relocalizao das atividades industriais. Contudo, no caso de algumas cidades,como o do Barreiro e da Covilh, a funo industrial , ainda, a funo principal.