HEMATOLOGIA / HEMATOTERAPIA - w3.ufsm.brw3.ufsm.br/biblioteca/images/provasmedicina/Mdico -...

download HEMATOLOGIA / HEMATOTERAPIA - w3.ufsm.brw3.ufsm.br/biblioteca/images/provasmedicina/Mdico - Hematologia... ·…

of 21

  • date post

    15-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    213
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of HEMATOLOGIA / HEMATOTERAPIA - w3.ufsm.brw3.ufsm.br/biblioteca/images/provasmedicina/Mdico -...

  • HEMATOLOGIA / HEMATOTERAPIA

  • 2

    Para responder s questes de nmeros 01 a 05, leia o texto destacado a seguir.

    TEXTO 01

    STENDHAL E NS Luiz Antnio de Assis Brasil

    conhecida a histria do jovem protagonista de A Cartuxa de Parma, romance publicado em 1839, de

    Stendhal. Fabrizio del Dongo, inexperiente, admirador de Napoleo, v-se inscrito no exrcito do Grande Corso

    e, depois de peripcias romnticas, v-se envolvido num tremendo episdio blico sob o comando do General

    Ney, assiste a mortes cruis e ferido na coxa por uma lana, do que se cura sem problemas.

    A partir da, como diz seu criador literrio, Fabrizio se tornou outro homem, "...tanto que fez reflexes profundas

    sobre as coisas que lhe aconteceram. Deixara de ser uma criana, exceto por uma coisa: o que ele assistira foi

    uma batalha? e em segundo lugar, essa batalha foi Waterloo?". Quer dizer: ele estivera no maior combate do

    sculo 19, aquele que causou a derrota final de Napoleo, aquele que abriu caminho para o redesenho

    geopoltico da Europa e, no entanto, s bem depois que Fabrizio ficou sabendo disso.

    Ante tudo o que acontece em nosso pas e nosso Estado e no mundo, alis os cidados, embaraados e

    muitas vezes sufocados pela culpa e duvidando de sua prpria inteligncia, sentem que esto perante um

    momento histrico, do qual no haver volta e que poder transformar o mundo, mas cujas aes, mtodos e

    finalidades ainda no esto claras. Talvez seja da essncia das manifestaes de rua justamente essa no

    clareza imediata. Sem sucesso, tentamos aplicar paradigmas cartesianos para entend-las. Do governo

    espera-se a agilidade e a lucidez para estabelecer pontes de dilogo, pois somente o dilogo permanente e

    aberto pode traar aes para responder s perguntas volteis das ruas; volteis, mas nem por isso menos

    idneas. Talvez esteja na errncia propositiva a principal marca do movimento, mas essa uma explicao

    pela rama.

    S daqui a algum tempo saberemos, de maneira completa, o que nos ocorre hoje. Tal como Fabrizio del

    Dongo, estamos em meio a uma batalha e, em alguns momentos, batalha literal da qual sairemos, todos,

    com algumas leses, mas seguramente mais sbios. E no precisaremos pensar em Waterloo.

    Disponvel em: . Acesso em 16 de julho de 2013. (adaptado)

    1

    5

    10

    15

    20

  • 3

    01

    Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) em cada afirmativa sobre o texto lido.

    ( ) Nos pargrafos iniciais (l. 1 a 9), usa-se o passado para o relato do envolvimento de Fabrizio na guerra e o presente para o comentrio sobre a influncia dela na transformao de um jovem em homem adulto.

    ( ) O estabelecimento de canais de dilogo permanente condio necessria para atender s demandas das ruas em funo de estas serem volteis.

    ( ) Se Waterloo permitiu redesenhar geopoliticamente a Europa, os movimentos de rua possibilitam transformaes no cenrio mundial e brasileiro.

    A sequncia correta

    a) F - V - V.

    b) V - F - V.

    c) V - F - F.

    d) F - V - F.

    e) V - V - V.

    02

    Para responder questo, considere as construes destacadas a seguir e as afirmativas sobre sua organizao lingustica.

    I. Com a escolha de Talvez, o autor se mostra convicto sobre o que declara a respeito dos movimentos das

    ruas.

    II. Remetendo ao mesmo referente, os segmentos manifestaes de rua e movimento se distinguem por este ter um sentido mais especfico e aquele, mais genrico.

    III. Os verbos seja e esteja denotam a escolha do subjuntivo como o modo verbal para se expressar o carter hipottico das explicaes acerca dos protestos.

    Est(o) correta(s)

    a) apenas II.

    b) apenas III.

    c) apenas I e II.

    d) apenas I e III.

    e) I, II e III.

    Talvezsejadaessnciadasmanifestaesderuajustamenteessanoclarezaimediata.(l.13e14)

    Talvezestejanaerrnciapropositivaaprincipalmarcadomovimento,masessaumaexplicaopelarama.(l.17e18)

  • 4

    03

    Complete as lacunas, tendo como referncia as relaes estabelecidas entre o que se afirma no ltimo pargrafo e partes anteriores do texto.

    A expresso Tal como (l. 19) evidencia que, como j sugerido no ttulo, o autor utiliza-se das ________________ entre uma obra de cunho _________________ e as manifestaes de rua como ponto de partida para analisar esse fato recente no cenrio brasileiro.

    O autor alude a dois empregos de uma mesma palavra (l. 20). Batalha, em sentido __________________, remete a um "episdio blico" (l. 3), como aquele de que Fabrizio participou sob o comando do General Ney.

    A sequncia correta

    a) peculiaridades - ficcional - figurado.

    b) peculiaridades - ficcional - denotativo.

    c) similitudes - histrico - figurado.

    d) peculiaridades - histrico - denotativo.

    e) similitudes - ficcional - denotativo.

    04

    Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) nas afirmaes sobre o seguinte fragmento:

    ( ) Em num tremendo episdio blico, o emprego do artigo indefinido introduz no texto a primeira referncia a um

    conhecido fato histrico.

    ( ) Em assiste a mortes cruis, o emprego da preposio decorre de o verbo assumir o sentido de presenciar.

    ( ) Em ferido na coxa por uma lana, o emprego da voz passiva auxilia a coeso por manter Fabrizio como o mesmo sujeito gramatical que o das outras oraes do fragmento.

    A sequncia correta

    a) F - F - F.

    b) V - F - V.

    c) F - V - V.

    d) V - F - F.

    e) V - V - V.

    e,depoisdeperipciasromnticas,vseenvolvidonumtremendoepisdioblicosobocomandodoGeneralNey,assisteamortescruiseferidonacoxaporumalana,doquesecurasemproblemas.(l.3e4)

  • 5

    05

    Um dos procedimentos para construir a coeso textual consiste em, antes de se apresentar o nome prprio que identifica o referente, usar uma expresso que antecipa essa referncia. No texto, tal possibilidade est exemplificada no segmento

    a) do jovem protagonista de A Cartuxa de Parma (l. 1)

    b) A Cartuxa de Parma (l. 1)

    c) do Grande Corso (l. 2)

    d) seu criador literrio (l. 5)

    e) no maior combate do sculo 19 (l. 7 e 8)

    Para responder s questes de nmeros 06 a 10, leia os pargrafos introdutrios de um artigo de Charles

    Kirschbaum, professor e pesquisador do Instituto Ensino e Pesquisa (Insper), nas reas de teoria organizacional,

    redes sociais e estratgia.

    TEXTO 02

    PROTESTOS NO SO PLANOS

    Uma das ideias mais centrais nos protestos atuais nas cidades

    brasileiras a constituio em rede. Por trs dessa ideia, vem de

    carona um pacote de significados. A primeira ideia que surge a de

    horizontalidade em uma rede, predominam as conexes

    horizontais, os contatos informais, a influncia e a persuaso. Em

    contraste, nas estruturas hierrquicas, onde as relaes so verticais e

    predomina o comando, existe a formalidade. A segunda ideia que vem

    mente a fluidez das informaes. Em uma rede, entende-se que as informaes fluam de forma livre,

    sem barreiras. J em estruturas hierrquicas, como as organizaes burocrticas, as informaes so

    cuidadosamente filtradas, bloqueadas e resguardadas. Finalmente, em uma organizao hierrquica,

    observam-se fronteiras rgidas. sempre possvel identificar quem pertence a ela e quem est fora. Em

    uma rede, a incluso entendida como universal.

    Para muitos, um dos maiores atrativos dos movimentos atuais justamente a caracterstica de rede. (...)

    Atravs das mdias sociais, ambiciona-se a formao espontnea de uma rede que articule os cidados,

    sem discriminaes por origem social, geogrfica ou partidria e em torno de um bem comum: a reforma

    de antigas estruturas a comear pela caixa preta dos transportes pblicos.

    Disponvel em . Acesso em 02 de agosto de 2013.

    (adaptado)

    1

    5

    10

    15

  • 6

    06 Levando em considerao a contribuio das linguagens verbal e no verbal para o sentido global do fragmento, analise o que se declara a seguir.

    I. A imagem ilustra uma configurao dos protestos atuais nas cidades brasileiras (l. 1 e 2) compatvel com a que est caracterizada no ttulo.

    II. A expresso um pacote de significados (l. 3) especificada, ao longo do pargrafo inicial, com a apresentao de trs ideias principais sobre a constituio em rede dos protestos.

    III. A expresso Finalmente (l. 10) contribui para a coeso introduzindo a concluso do raciocnio sobre as formas de tratamento e disseminao das informaes.

    Est(o) correta(s)

    a) apenas I.

    b) apenas III.

    c) apenas I e II.

    d) apenas II e III.

    e) I, II e III.

    07

    Assinale a afirmativa que vai de encontro s ideias apresentadas nos dois pargrafos.

    a) So inerentes constituio em rede tanto a horizontalidade quanto a circulao livre das informaes.

    b) A informalidade das redes e a verticalidade das estruturas hierrquicas so caractersticas antagnicas entre si.

    c) Se os protestos sociais esto configurados como rede, no h organizao hierrquica.

    d) O ponto de convergncia entre uma estrutura hierrquica e uma configurao em rede a impossibilidade de excluso.

    e) A constituio espontnea de uma rede pelas mdias sociais permite uma articulao democrtica e focada na reforma de antigas estruturas.

  • 7

    08

    Para responder questo, considere a orao destacada a seguir.

    A organizao lingustica da orao evidencia que

    a) o travesso usado para demarcar uma citao sem referncia fonte de onde foi retirada.

    b) as aspas