Pré Projeto TCC - Rascunho

of 47 /47
UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO MAURICIO APOLINÁRIO ELIAS O TRABALHO PEDAGÓGICO DE PROFESSORES DE GINÁSTICA DE ACADEMIA DA CIDADE DE SOMBRIO-SC

Embed Size (px)

Transcript of Pré Projeto TCC - Rascunho

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE EDUCAO FSICA - BACHARELADO

MAURICIO APOLINRIO ELIAS

O TRABALHO PEDAGGICO DE PROFESSORES DE GINSTICA DE ACADEMIA DA CIDADE DE SOMBRIO-SC

CRICIMA

2

2012

MAURICIO APOLINRIO ELIAS

O TRABALHO PEDAGGICO DE PROFESSORES DE GINSTICA DE ACADEMIA DA CIDADE DE SOMBRIO-SC

Trabalho de Concluso de Curso, apresentado para obteno do grau de Bacharel no curso de Educao Fsica da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador (a): Prof. () Msc. Victor Julierme Santos da Conceio

CRICIMA 2012

Este trabalho dedicado a Deus, criador de todo o universo e responsvel pela vida, o bem mais precioso que recebemos.

AGRADECIMENTOS

Muito especialmente, desejo agradecer a Deus por me dar fora e determinao para mais este avano em minha caminhada para a formao profissional. Agradeo tambm ao meu orientador Professor profissionalismo ... minha esposa, Janana, pelo incentivo, compreenso, encorajamento e pacincia, durante todo este perodo. razo de toda minha vida, meus filhos Mauricio Jnior e Arthur Elias pelas vezes que acabei perdendo a pacincia com eles e aos dias que no podemos nos divertir devido ao stress ocasionado pelo projeto.... minha famlia, em particular, aos meus pais que sempre me apoiaram desde o incio da minha vida. Aos meus colegas de faculdade, pelos momentos de alegria, discusses e entusiasmo partilhados em conjunto. Mestre Victor Julierme Santos da Conceio, pela disponibilidade, ateno, pacincia, dedicao e

Se

voc

empregasse

seu

tempo

em

estudar, pensar e planejar todos os dias poderia desenvolver e usar o poder que talvez mudasse todo o curso do seu destino. Autor desconhecido

SUMRIO 1 INTRODUO ........................................................................................................11 2 REVISO DE LITERATURA ..................................................................................13 3 METODOLOGIA......................................................................................................28 ....................................................................................................................................29 REFERNCIAS...........................................................................................................33 APNDICE(S).............................................................................................................35 ANEXO(S)...................................................................................................................37

11

1 INTRODUO Com o aumento da perspectiva de vida do ser humano, v se cada vez mais a preocupao com a sade e a qualidade de vida, fazendo com que a populao venha cada vez mais procurar alguma forma de praticar o exerccio fsico regular e orientado. A atividade fsica vem sendo apresentada diariamente nos meios de comunicao como uma das solues para muitos dos males de sade que vem atingindo as diversas camadas da populao. Porm, percebe-se que muitas pessoas no conseguem manter-se na prtica por longos perodos, no experimentando os reais benefcios de um programa continuado de exerccio fsico, ou seja, a melhora da aptido fsica e qualidade de vida. Assim sendo, a procura por exerccios que venham a favorecer a sade do ser humano, aumenta-se a oferta por este tipo de produto j que a cada dia que passa surgem novos programas e variaes de exerccios para este fim, tanto na musculao quanto na ginstica, sendo nesta segunda o principal enfoque, j que esta ser o objeto do meu estudo. A prtica pedaggica do professor de ginstica de academia no est devidamente estruturada, j que faltam estudos a respeito do tema em questo. Para tentar chegar a um denominador comum, no presente trabalho estarei buscando referncias ligadas a vrias reas da educao para tentar fazer uma ligao entre o professor de sala de aula (escola) e o professor de academia (ginstica), confrontando dados de ambas as profisses e buscando atingir objetivos comuns entre estas duas reas da Educao Fsica. Com o aumento da busca pela oferta e procura, como saber qual melhor mtodo pra passar aos alunos? Como se preparar para dar uma boa aula de ginstica? Como deve ser o trabalho pedaggico do professor de ginstica para que ele consiga atingir seus objetivos? Para tentar sanar estas e outras dvidas a respeito do trabalho do professor de ginstica de academia que estarei apresentando este meu trabalho. Da exposto, me levou a pesquisar o seguinte tema: Trabalho pedaggico dos professores de ginstica de academia da cidade de Sombrio-SC. A partir desta definio, constru o seguinte problema de pesquisa: Como os professores de ginstica de academia da cidade de Sombrio-SC organizam seu trabalho pedaggico? Para responder tal problema de pesquisa, constru o seguinte objetivo

12

geral: Descrever a organizao do trabalho pedaggico de professores de ginstica de academia da cidade de Sombrio-SC, e os seguintes objetivos especficos: 1- Descrever a trajetria percorrida pelos professores de ginstica durante a sua formao inicial e compreender a importncia que as escolhas do processo formativo trouxeram para a compreenso sobre o trabalho pedaggico dos professores de ginstica; 2 - Descrever o processo de formao permanente dos professores de ginstica de academia; 3 Compreender o processo de construo de identidade docente dos professores de ginstica de academia; 4 - Identificar os fatores que determinam a construo do trabalho pedaggico dos professores de ginstica de academia. A escolha do tema em questo se deu pelo fato de que no termos dados concretos quanto a prtica pedaggica do professor de ginstica, pois no existem trabalhos a respeito do mesmo, ficando a uma grande lacuna a ser preenchida para a melhora na qualificao profissional do professor de ginstica. O presente trabalho est organizado em quatro captulos, um tratando do trabalho de forma geral, um captulo falando sobre a origem da academia e suas modalidades, um captulo tratando da formao do profissional de Educao Fsica e o ltimo falando sobre a prtica pedaggica do professor de ginstica. A metodologia ser composta por entrevistas realizadas com os colaboradores como instrumento de coleta dos dados. A partir dos dados coletados, o procedimento da anlise ser efetuado a partir da retirada de indicadores das respostas dos colaboradores com relao ao objetivo do estudo.

13

2 REVISO DE LITERATURA Os captulos a seguir trataro do referencial terico que estar organizado em quatro divises, sendo elas o trabalho, a origem da academia, a formao do profissional de Educao Fsica e a prtica pedaggica do professor de ginstica nesta mesma ordem. 2.1 O TRABALHO De acordo com Codo (2000) o trabalho, enquanto atividade criativa e de transformao, no modifica apenas o mundo, ou seja, o social ele acaba mudando tambm o homem que o executa, seu intelectual. Assim, podemos definir o trabalho de diversas maneiras, tornando-se interessante entender o trabalho de uma maneira geral. Para Codo et al (1994) o trabalho possui uma relao de dupla transformao, entre homem e natureza, ou seja, o ser humano submete a natureza, atravs do trabalho, colocando-a a seu servio e de seus fins pr-determinados, acarretando-lhe vrias modificaes. Lima (2002), acredita que o homem se produz ao mesmo tempo em que modifica a natureza e, atravs dessa ao, consciente e proposital, realizando sua subjetividade na materialidade objetiva, tornando-se capaz de modificar seus hbitos, gostos, comportamentos e reconhecendo-se atravs do seu trabalho e transformando-se atravs dele. Assim sendo, Codo (1999) nos mostra que possvel analisar o trabalho sob duas esferas: uma objetiva e outra subjetiva, onde na esfera objetiva, o trabalho tem a funo de transformao fsica, citando como exemplo a transformao de uma rvore em cabana para a sua proteo dos acontecimentos naturais, e o homem transformando a natureza para atender s suas necessidades, atribuindo-lhe um significado que agregado ou no de energia afetiva, determina o subjetivo no homem. Analisando Codo (1999), impossvel separar estas duas esferas, j que elas influenciam diretamente na formao da identidade do indivduo, inserindo-se na maneira de como este constri a sua relao com o produto de seu trabalho. Para Silva (2000), se no for por sua atividade profissional, o homem encontra

14

dificuldades em dar sentido vida. Assim sendo, o trabalho torna-se uma necessidade e uma razo para vida, sem ele o indivduo fica sem identidade e acaba no se identificando enquanto sujeito. Segundo Areias e Comandule (2010), o trabalho um agente de mudanas da vida, no somente econmica, cultural, social, psquica e poltica, mas tambm como sendo uma transformao da matria. Acrescentando e pensando de forma mais ampla, Codo (1999), nos diz que o trabalho enriquece o homem no apenas financeiramente, ou seja, dinheiro ou acmulo de bens, mas tambm quanto ao conhecimento, experincias e habilidades adquiridas. Ainda citando Codo e Menezes (2000), os autores destacam que, o trabalho pode ser caracterizado como trabalho completo e trabalho fragmentado e consequentemente, mais ou menos rico em significado. Um mesmo trabalhador pode ser responsvel por planejar e executar determinado trabalho ou, ao contrrio, no participar de uma das partes do processo sendo totalmente excludo, dependendo do modo que o trabalho foi organizado em um determinado momento. Estas formas de se dividir o trabalho em trabalhos diferentes ou em um mesmo trabalho, vo se configurando a cada etapa do percurso histrico da humanidade. Contemplando a atual diversidade da rea, a Psicologia Organizacional e do Trabalho, nos prope que a existem dois grandes eixos de fenmenos que englobam os aspectos psicossociais: as organizaes, que so as ferramentas formadoras de coletivos humanos e o trabalho, considerado a atividade bsica do ser humano que reproduz 2003). Levando em considerao, Codo e Menezes (2000) argumentam que muito se aponta sobre os efeitos para o trabalhador na relao deste com o processo de trabalho, e fundamenta ainda que, quanto mais criativo e completo for o trabalho, mais o homem cria a si mesmo e, quanto mais fragmentado, mais ele acaba se alienando. Nesta mesma linha de raciocnio Malvezzi (2004), nos mostra que alm de outros aspectos, preciso evitar que as pessoas tenham que se adaptar a condies que ultrapassem seu prprio limite. Sob este ponto de vista, Kanaane (1994), defende que o trabalho causa graus de motivao e satisfao distintos, em relao forma e ao meio no qual se realiza a tarefa, ou seja, no momento em que o sua prpria existncia e a da sociedade (BASTOS,

15

indivduo se insere num contexto organizacional, diferentes variveis atuam sobre ele, podendo modificar seu estado pessoal, seu trabalho, sua sade e suas relaes sociais. Para obter respostas sobre esta afirmao, Codo e Menezes (2000) afirmam que vrios fatores esto sendo estudados: o ciclo de trabalho, relao com o produto do trabalho e o controle sobre o trabalho, sendo que todos estes conceitos, esto interligados. 2.1.1 O Ciclo do trabalho Segundo Codo (1999), quanto maior o ciclo de trabalho de uma pessoa, maior ser a possibilidade de um planejamento em que o trabalhador ser o senhor de seu trabalho, tendo uma melhor compreenso das mudanas que se sucedem no produto, menor alienao, maior satisfao e comprometimento, possibilitando gerir seu tempo para o recebimento de um feedback sobre o seu trabalho realizado. Ainda citando Codo (1999), na rea da educao, ou seja, o ciclo de trabalho de um professor, leva um ano e assim permite que seja planejado por ele o seu ciclo. Permite avaliar-se e avaliar sua turma, reformular tarefas que no forem bem assimiladas, resolver os problemas caso apaream, permitindo assim um maior controle sobre o seu trabalho melhorando a sua relao com o produto, diminuindo a alienao e proporcionando um maior envolvimento com seu trabalho. 2.1.2 O Produto do Trabalho Codo (1999), cita que ao nos referirmos sobre o homem que transforma a natureza com suas prprias mos, podemos dizer que ali ele deixa sua marca, impregnada ao meio de sua subjetividade reconhecendo desta forma o fruto de sua transformao. Porm ao vender sua fora de trabalho, no ele quem desfruta do produto de seu trabalho e muito menos reconhece como seu, pois se pensarmos em uma linha de produo onde o trabalho fragmentado, provavelmente ele nunca reconhecer seu produto. Nesta mesma linha de pensamento Codo (1999), se pergunta: Mas e o investimento emocional, aquele que retorna no momento em que apodera-se do

16

produto, que em ltima instncia, o reconhecimento de si mesmo enquanto parte da humanidade?Acontece que, para o ser humano no possvel investir somente a energia fsica quando realiza um trabalho; a relao no nem pode ser meramente objetiva. Ali esto tambm depositadas suas alegrias, suas insatisfaes, suas queixas e sonhos, enfim, a subjetividade que no se pode deixar guardada na gaveta antes de sair de casa toda manh para ir trabalhar, tal e qual fosse seu trabalho uma relao direta com a natureza. (CODO, 1999, p.115).

No momento em que no se consegue dar vazo a afetividade e no se consegue o reconhecimento pelo prprio esforo dado ao produto final, acaba-se ameaando a identidade do trabalhador e ele acaba sofrendo. Ento torna-se bvio que o trabalhador s conseguir esta relao com seu produto, se o mesmo no for fragmentado e caso ele tenha autonomia sobre o processo de produo (CODO, 1999, p 115). 2.1.3 O Controle sobre o Trabalho De acordo com Codo (1999) existem tarefas que por sua natureza so permissveis de mais ou menos flexibilidade, mas diretamente ligado ao modo em que o trabalhador se organiza e suas prprias condies frente a sua organizao. Determinada atividade pode ser executada de vrias formas diferentes, porm se a organizao do trabalhador estiver de tal forma estruturada que no permita esta flexibilidade, ele acabar sentindo-se excludo de sua liberdade de ao, podendo causar sofrimento para este trabalhador, pois o mesmo perder sua vontade ao trabalho por no conseguir execut-lo corretamente. Nesta linha de raciocnio do mesmo autor, devemos pensar que h trs esferas de necessidades, interagindo entre si, para determinar o controle sobre o processo de trabalho: a necessidade ou capacidade do trabalhador, da organizao do trabalho e da tarefa em si. Codo (1999), refere-se a primeira esfera como as necessidade de controle do trabalhador, ou seja, so suas caractersticas individuais que administram maior ou menor necessidade do controle sobre o processo produtivo, mediando com as condies das outras duas esferas. Para a segunda esfera, Codo mostra como o trabalho est organizado e se por acaso h a necessidade de mudanas, pois devido ao excesso de gerenciamento centralizado ou o crescimento acelerado, muitas vezes ocorre uma

17

grande distncia entre planejamento e execuo, esta esfera tem a funo de uniformizar as tarefas diminuindo assim este impacto. J na terceira esfera, que trata a tarefa em si, o trabalhador dever realiz-la de acordo com o planejamento previamente estipulado por seu superior, pois qualquer diferena encontrada na realizao da tarefa poder acarretar em srios problemas tanto na segurana, quanto na qualidade do produto final. Concluindo suas ideias, Codo (1999) argumenta que o que se deve enfatizar na realizao de um trabalho no fragmentado e de longos ciclos o controle do trabalhador sobre o processo, pois o trabalhador acaba mantendo uma relao com o produto final, pois suas responsabilidades sobre o mesmo aumentam colaborando para que se conhea bem e o tenha como seu. Naturalmente quando se tem uma boa relao com o produto, dificilmente se tem problemas com o controle sobre o trabalho. J no caso de um trabalho excessivamente fragmentado, o trabalhador no ter um controle total sobre seu trabalho, pois ele ter que conhecer os vrios processos em que o produto passar, tornando-se mais difcil a relao de ser seu o produto final, pois o mesmo passar por vrios setores at a sua finalizao. 2.1.4 O Trabalho do Professor Na formao de um professor nos dias de hoje, Nvoa (1992) considera essencial que se leve em conta trs processos principais: desenvolver a vida do professor, que o seu desenvolvimento pessoal, desenvolver a profisso docente, ou seja, seu desenvolvimento profissional, e por ltimo, desenvolver a escola, o desenvolvimento organizacional. Codo e Menezes (2000), dentro de sua rea de atuao, ressaltam que os professores para realizarem uma srie de atividades levam uma determinada sequncia sem muita rigidez nos detalhes, tornando o intervalo de tempo para se repetir a mesma atividade longo, sendo assim o trabalho no se torna pobre e repetitivo em funo disso, mantm-se estimulante para o trabalhador. De acordo com Esteve (1999), os professores e educadores, em geral, ocupam um lugar especial no processo social e produtivo, ou seja, o produto do seu trabalho facilmente reconhecido por ele mesmo, e por aqueles que esto fora do processo. No se questiona a importncia do ensino, da educao, do aprender e

18

ensinar, sendo assim, o professor sabe que o seu trabalho pea fundamental nestes processos (CODO E MENEZES, 2000). Ainda nesta mesma linha, Codo e Menezes (2000) acrescentam que o produto do trabalho a caracterstica que diferencia o trabalho do professor dos outros trabalhos. O professor participa do incio ao fim do processo, conhecendo e sendo responsvel por todas as suas etapas. J o resultado de seu trabalho no um objeto visvel, mas algo com valor de uso claro e definido. Para definir a flexibilidade do seu trabalho, Codo e Menezes (2000) afirmam que, o professor, tendo em sua responsabilidade a execuo de vrias atividades diferentes, este pode organiz-las do modo que considerar mais conveniente abrindo-se assim um leque de variaes. No levando em conta o que diz a respeito da aula/avaliao e abordagem de temas sequenciais, que no podem ser invertidos na ordem didtica, o professor possui total domnio do que poder ser definido em suas aulas. Deste modo, encontramo-nos diante de um trabalho que exige diariamente a participao ativa do seu executor, permitindo-lhe que imponha sua criatividade para o cumprimento de sua obrigao. Para Codo e Menezes (2000), este, um trabalho onde o trabalhador (professor) possui um papel ativo no processo, sendo que o seu sucesso depende no s de si, mas tambm das ferramentas que dispe para lidar com as diversas situaes do dia-a-dia, ou seja, sua criatividade, empenho, imaginao, garra, empatia e amor pelo que faz. o tipo de trabalho que permite inovao e envolvimento afetivo do trabalhador. De acordo com o objetivo deste estudo, que o trabalho do professor de ginstica de academia, acredito que toda a ao pedaggica que visa uma melhora no processo de ensino aprendizagem, cuja formao do sujeito para uma determinada rea de conhecimento o foco desta ao, esta reconhecida neste estudo como trabalho pedaggico. Na formao de um professor de ginstica, todos os saberes adquiridos desde a sua formao inicial e nas suas experincias na sua rea de atuao acabam por desenvolver nele, (trabalhador/professor), uma necessidade de se organizar pedagogicamente nas suas aes voltadas ao ensino. Assim sendo, o trabalho na rea da ginstica de academia, frente a seu grupo de alunos, deve ser desenvolvido por um professor. Pois ele o responsvel pelo processo de

19

ensino /aprendizagem dos conhecimentos, e que s podero ser entendidos como uma ao pedaggica. 2.2 A ORIGEM DA ACADEMIA De acordo com Capinuss & Costa (1989), em 387 a.C., Plato criou uma escola em homenagem a um heri de Atenas chamado Academus, onde eram ensinadas prticas esportivas e ldicas entre outras, a este local, Plato deu o nome de Akademia. As academias, conhecidas tambm como ginsios de esportes, existem desde o sculo passado quando o alemo, professor Attila, montou em 1867, em Bruxelas, uma instituio destinada ao ensino da cultura fsica com aparelhos. A partir da, novos estabelecimentos, para se praticar atividades fsicas foram surgindo progressivamente na Frana e, posteriormente, nos Estados Unidos onde acabaram marcando poca, principalmente com a atividade de halterofilismo. Com o passar dos anos, as academias foram se espalhando por todos os continentes, tornando-se assim, uma presena marcante em toda a sociedade. A primeira academia em moldes comerciais, surgiu no Brasil em 1914, em Belm, com a atividade de jiu-jitsu ensinada por um japons chamado Conde Koma. Em 1925, no Rio de Janeiro, o portugus Enas Campello montou um ginsio onde oferecia aos clientes halterofilismo, com o levantamento de peso e o culturismo e tambm ginstica olmpica. A partir da, as academias foram se espalhando por todo o pas e comeavam a oferecer diversas atividades, entre elas ginstica PALAFOX,1993). Os principais locais onde se praticavam atividades fsicas nesta poca eram nos clubes esportivos e nas escolas, mas foi a partir da dcada de 60 que as academias comearam a ser uma boa opo para a prtica da atividade fsica e ter importncia, tanto nas capitais como nas principais cidades do interior. Alm das atividades tradicionais como halterofilismo e o culturismo, ou seja, musculao, comeam a surgir tambm vrios tipos de ginstica, bal, dana e artes marciais (CAPINUSS & COSTA, 1989). J para Pereira (1996), as academias podem ter se originado devido necessidade de uma maior segurana para a prtica, pois os parques, praas e ruas e musculao ligada ao halterofilismo. (CAPINUSS & COSTA, 1989; COSTA &

20

tornavam-se perigosos, devido ao grande crescimento populacional que acabava impedindo a livre movimentao. Pereira afirma ainda que, a atividade fsica em academias originou-se na calistenia que, posteriormente, passou a usar a msica para acompanhar o movimento e motivar os alunos e com o aumento do interesse por exerccios cardiorespiratrios, desenvolvidos por Cooper, as academias comearam a multiplicar-se no Brasil, que por volta de 1982/1983 os programas aerbios despertaram o interesse da populao e dos profissionais de Educao fsica que atraram empresrios para investir na construo de academias de ginstica e musculao. Com, os campeonatos de aerbica televisionados, paralelamente eram divulgadas aulas de ginstica, incentivando assim a procura pelas academias. Segundo Rezende & Votre, (1994, apud Novaes, 1991),[...]os objetivos da ginstica e musculao de academia nas dcadas de 30 a 90 eram ligados predominantemente a esttica e com direcionamentos sociais, recuperativos, fisiolgicos, corretivos, higiene mental e manuteno da sade. Porm, a ginstica de academia pode ter objetivos de competio, de profilaxia, teraputico, recreao/lazer e preparao fsica alm do esttico-corporal.

Devido aos objetivos acima citados, para enfatizar este meu trabalho, levarei mais afundo o objetivo da ginstica, o que ajudar a compreender um pouco mais sobre a modalidade. 2.2.1 A Histria da Ginstica De acordo com Souza (1998), a histria da Ginstica acaba se confundindo com a histria do prprio homem.A Ginstica entendida por Ramos (1982) como a prtica do exerccio fsico vem da Pr-histria, afirma-se na Antigidade, estaciona na Idade Mdia, fundamenta-se na Idade Moderna e sistematiza-se nos primrdios da Idade Contempornea. No homem pr-histrico a atividade fsica tinha papel relevante para sua sobrevivncia, expressa principalmente na necessidade vital de atacar e defender-se. O exerccio fsico de carter utilitrio e sistematizado de forma rudimentar, era transmitido atravs das geraes e fazia parte dos jogos, rituais e festividades (SOUZA, 1998).

21

Souza (1998),

relata que nos tempos antigos e principalmente no

Oriente, os exerccios fsicos aparecem de vrias formas principalmente para os rituais religiosos e na preparao dos guerreiros de maneira geral. Foi na Grcia que nasceu o ideal da beleza humana, onde a prtica do exerccio fsico era altamente valorizada em Atenas como educao corporal e em Esparta como preparao para a guerra. Para os Romanos, o exerccio fsico tinha como objetivo principal a preparao militar e num segundo plano a prtica de atividades desportivas como as corridas de carros e os combates de gladiadores que estavam sempre ligados s questes blicas. Ramos (1982, apud Souza 1998), explica que na Idade Mdia os exerccios fsicos eram utilizados na base para a preparao militar dos soldados, que lutariam nas Cruzadas empreendidas pela igreja. As artes mais valorizadas entre os nobres eram a esgrima e a equitao que serviam de requisitos para poderem participar nas Justas Medievais e Torneios, que tinham como objetivo enobrecer o homem e faz-lo forte e apto. H ainda registros de outras atividades praticadas neste perodo como o manejo do arco e flecha, a luta, a escalada, a marcha, a corrida, o salto, a caa e a pesca e jogos simples e de pelota, um tipo de futebol e jogos de raqueta (SOUZA, 1998). J na Idade Moderna, Souza (1998) explica que o exerccio fsico, passou a ser altamente valorizado como agente de educao. Onde vrios estudiosos da poca, e entre eles inmeros pedagogos, contriburam para o crescimento do conhecimento da Educao Fsica, publicando vrias obras relacionadas pedagogia, fisiologia e tcnica, surgindo da um grande movimento para a sistematizao da Ginstica.Segundo Langlade e Langlade (1970), at 1800 as formas comuns de exerccio fsico eram os jogos populares, as danas folclricas e regionais e o atletismo. Para estes autores, a origem da atual Ginstica data do incio do sculo XIX, quando surgiram quatro grandes escolas: A Escola Inglesa, a Escola Alem, a Escola Sueca e a Escola Francesa, sendo a primeira mais relacionada aos jogos, atividades atlticas e ao esporte. As demais escolas foram as responsveis pelo surgimento dos principais mtodos ginsticos, que por sua vez determinaram a partir de 1900 o incio dos trs grandes movimentos ginsticos na Europa (SOUZA, 1998 p.).

Que foram eles: o Movimento do Oeste na Frana, o Movimento do Centro na Alemanha, ustria e Sua e o Movimento do Norte englobando os pases da Escandinvia. Estes movimentos foram at o ano de 1939, ano em que foi

22

realizada em Estocolmo a primeira Lingiada, que era um festival internacional de Ginstica onde foi comemorado o centenrio de morte de Per Henrik Ling, o maior nome da Ginstica Sueca, iniciando-se a o perodo que se estende at os dias de hoje, denominado Influncias recprocas e universalizao dos conceitos ginsticos, segundo Langlade e Langlade (1970, apud SOUZA, 1998). No incio , a palavra Ginstica, era utilizada para referenciar todo tipo de atividade fsica sistematizada, onde os contedos variavam desde as atividades necessrias sobrevivncia, aos jogos, ao atletismo, s lutas e at preparao de soldados. Mas foi a partir de 1800 com o surgimento das escolas e movimentos ginsticos que foram descritos acima, que a Ginstica adquiriu uma conotao mais ligada prtica do exerccio fsico. De acordo com Soares (1994, apud SOUZA, 1998), foi a partir desta poca, que a Ginstica passou a desempenhar importantes funes na sociedade industrial, pois acabou se apresentando como soluo para corrigir vcios posturais oriundos das atitudes adotadas no trabalho, demonstrando assim, um grande vnculo com a medicina e, assim sendo, conquistando status. Souza (1998), ainda explica que inmeros mtodos ginsticos foram sendo desenvolvidos principalmente nos pases europeus, os quais influenciaram e at os dias de hoje influenciam, a Ginstica mundial e em particular a brasileira. Sendo que dentre aqueles que tiveram maior penetrao no Brasil destacam-se as escolas alem, sueca e francesa.

2.2.2. Conceituando a Ginstica Para dar continuidade em meu trabalho, o seguinte captulo vem tentar esclarecer e conceituar a ginstica de academia levando em considerao vrios autores que discutem este assunto a vrios anos.De acordo com o Novo Dicionrio Aurlio da Lngua Portuguesa, a palavra Ginstica vem do grego Gymnastik e significa a Arte ou ato de exercitar o corpo para fortific-lo e dar-lhe agilidade. o conjunto de exerccios corporais sistematizados, para este fim, realizados no solo ou com auxlio de aparelhos e aplicados com objetivos educativos, competitivos, teraputicos, etc.. Na Encyclopedia Britannica, a palavra Ginstica definida como: a system of physical exercices practised either to promote physical development or a sport. De acordo com a Grande Enciclopdia Portuguesa e Brasileira, a Ginstica caracterizada como: Uma forma ou modalidade de educao fsica, isto , uma maneira de formar fisicamente o

23 corpo humano, sendo as restantes, alm dela, os jogos e os desportos. A definio cientfica diz-nos que a ginstica a exercitao metdica dos rgos no seu conjunto (relacionada ao movimento e atitude), por intermdio de exerccios corporais, de forma precisamente determinada e ordenados sistematicamente, de modo a solicitar no s todas as partes do corpo, como as grandes funes orgnicas vitais e sistemas anatmicos, nomeadamente: o respiratrio, o crdio-circulatrio, o de nutrio (assimilao e desassimilao), o nervoso, os rgos de secreo interna, etc(SOUZA, 1998).

Segundo NANNI (1998, apud SOUZA, 1998), a ginstica uma forma particular de exerccio, no qual, usando ou no aparelhos, tem-se possibilidade de fazer atividades que provoquem valiosas experincias corporais, enriquecedoras da cultura corporal das crianas em particular, e do homem, em geral. A ginstica-educao compreende diferentes atividades fsicas orientadas para o lazer e a sade, fundamentadas nas atividades gmnicas, assim como em manifestaes corporais com particular interesse no contexto cultural nacional (SOUZA, 1998). Atualmente temos vrios tipos de ginsticas, sendo elas a Ginstica Olmpica, que um esporte individual que compreende as modalidades de ginstica de solo e de aparelhos, a Ginstica de solo que compreende de rolamentos simples para frente e para trs, parada de trs apoios, roda ou estrela entre outros. A Ginstica Rtmica Desportiva um esporte individual e tem como caracterstica as sries a mos livre e com aparelhos, sendo os aparelhos oficiais o arco, a corda, a fita, a bola e as maas. A especialidade de ginstica que pretendo estudar em meu trabalho so as ginsticas de academia onde dependendo de cada academia possuem suas nomenclaturas como: Ginstica Aerbica - tem como atividades, rotinas de movimentos de vrios tipos de danas combinadas com outros movimentos rtmicos, tais como: corridas, saltitos, saltos, chutes, alongamentos, entre outros;

24

Ginstica Postural - que so atividades que trabalham exerccios para alongamento, fortalecimento, flexibilidade e relaxamento muscular;

Aerojazz - utiliza coreografias, mesclando movimentos de ginstica aerbica e movimentos de jazz; Aerofight - utiliza tcnica de vrias lutas, como capoeira, karat, jud, combinadas com outros movimentos rtmicos. O Gap uma atividade que trabalha exclusivamente a musculatura das regies dos glteos, do abdmen e das pernas, sendo a preferida das mulheres;

Spinning uma aula altamente aerbica onde professor e alunos simulam uma corrida de bicicleta, obtendo uma grande queima calrica;

Hatha Yoga - uma atividade esttica que implica movimentos lentos. Consegue-se o melhor efeito psicossomtico com a perfeio desses movimentos e com o maior tempo que algum se mantiver numa determinada pose.

As modalidades mais trabalhadas em nossa regio so o Step, o Jump e a ginstica local ou GAP. O Step uma aula com exerccios aerbicos contnuos e de baixo impacto, que simulam o subir e descer de um degrau de escada, cada aluno possui uma plataforma individual de treinamento, que trabalha simultaneamente membros superiores e inferiores, melhorando o condicionamento cardiovascular, auxiliando na queima de gordura corporal e tonificando todo o corpo de forma intensa e motivante (Vidal, 1989). O Jump uma aula realizada sobre um minitrampolim onde o aluno trabalha o flexionamento de quadril seguindo uma coreografia pr-estabelecida pelo professor. J a ginstica local ou GAP, uma aula de musculao com msica onde o aluno far todos os movimentos da musculao seguindo rotinas pr-coreografadas de velocidade de execuo e intensidade. Estes so somente alguns dos inmeros tipos e programas de ginstica de academia que encontramos no universo do fitness, ou seja, uma pequena amostra do quo grande esta rea de atuao, necessitando-se cada vez mais de que o professor tenha total domnio do contedo a se passar para seus alunos.

25

2.3 A FORMAO DO PROFISSIONAL DE EDUCAO FSICA Foi em 1987, com a promulgao do parecer CFE n. 215/87 e da resoluo CFE n. 03/87, que foi estabelecida a criao do bacharelado em Educao Fsica. Desse modo, os saberes que antes eram divididos entre as matrias bsicas e profissionalizantes assumem uma nova configurao, tendo como fundamentao a distribuio dos saberes na estrutura curricular das duas grandes reas: Formao Geral humanstica e tcnica e Aprofundamento de Conhecimentos. (SOUZA NETO, et al. 2004). A partir desta nova proposta ir se conferir aos currculos a flexibilidade reclamada durante a vigncia da resoluo CFE n. 69/69 (currculo mnimo) e transferir a responsabilidade do CFE para as Instituies de Ensino Superior (IES) na elaborao da estrutura curricular. (SOUZA NETO, et al 2004). Foi atravs desta mesma resoluo que tambm alterou-se, de forma significativa, a carga horria do curso que era de 1.800 horas-aula para 2.880 horas-aula, que deveriam ser cumpridas em um prazo mnimo de quatro anos, tanto para o bacharel quanto para a licenciatura, estabelecendo, assim, uma nova referncia para a formao profissional (SOUZA NETO, et al 2004. p.121). A profisso de Educao Fsica foi regulamenta e efetivada por meio da Lei 9.696 de 1998, de 1 de setembro de 1998, definindo um novo paradigma para essa rea de conhecimento, foi ampliada a visibilidade social e acadmica da profisso que acabou consagrando profissional Federal de e delegou os vrios de campos de Fsica, interveno que foram aos profissionais Fsica Educao e

graduados em Instituies de Ensino Superior (IES), e registrados no Conselho Educao (CONFEF) seus respectivos Conselhos Regionais de Educao Fsica (CREFs), o privilgio de ministrar aulas e ou orientar atividades fsicas e esportivas. Regulamentando a profisso de Educao Fsica detectou-se uma necessidade de identificar, caracterizar e delimitar seus diferentes campos de atuao de seus profissionais, favorecendo assim a qualidade do exerccio profissional e o respeito as competncias e os campos de interveno de outras profisses regulamentadas. (MARTINS, CAMARGO e TESSARI 2005). 2.3.1 Campo de atuao do profissional de Educao Fsica

26

Com a diviso curricular ocorrida em 2004, a Educao Fsica atravs da Resoluo CNE/CES n 7/2004 fundamentada pelo parecer CNE/CES n 58/2004 foi dividida em dois diferentes campos, a licenciatura e o bacharelado, cada qual com seu campo de atuao. A Licenciatura que ficou com a formao de professores que atuaro nas diferentes etapas e modalidades da educao bsica, ou seja, somente para a docncia, portanto, para atuao especfica e especializada em escolas pblicas ou privadas . (STEINHILBER, 2006, p. 20). Desse modo o acadmico formado em Bacharel em Educao Fsica estar[...]qualificado para analisar criticamente a realidade social, para nela intervir por meio das diferentes manifestaes da atividade fsica e esportiva, tendo por finalidade aumentar as possibilidades de adoo de um estilo de vida fisicamente ativo e saudvel estando impedido de atuar na educao bsica. (STEINHILBER, 2006, apud ROSA, 2009 pg 13).

Assim sendo, fica claro que, para a interveno profissional em Educao Fsica no Brasil, a atual legislao possibilita que o profissional de educao conhecimento e fsica escolha uma ou at mesmo as duas vertentes de formao: Licenciatura e Bacharelado, sabendo-se que ambas formaes oferecem habilidades distintas, ensejam intervenes profissionais distintas e especficas e por conseguinte habilitaes diferenciadas e impeditivas uma em relao outra. (STEINHILBER, 2006, pg 19).

2.4 A PRTICA PEDAGGICA DO PROFESSOR DE GINSTICA O presente captulo vem para tentar responder questes oriundas da prtica pedaggica do professor de Educao Fsica em geral, mas principalmente do professor de ginstica de academia que o objeto do meu estudo. 2.4.1 Componentes de instruo no ensino da Educao Fsica

Para Shigunov e Pereira (1993), o ato pedaggico pode sofrer dicotomias temporais e ser rotulado com diferentes nomes para efeitos didticos, mas

27

prosseguir sendo uma unidade no continuum de uma aula. Cada objetivo especfico inserido na ao possui uma conotao pedaggica importante no contexto da aula. Sendo assim, seguindo ainda a mesma linha de raciocnio, Shigunov e Pereira explicam que para se atingir os objetivos traados em uma dimenso instrucional, deve se levar em conta principalmente trs variveis: o feedback, as perguntas e a organizao.

O Feedback De acordo com Shigunov e Pereira (1993, apud Walberg, 1996) o feedback um componente de valor altamente positivo, pois levando-se em conta a oportunidade do aluno poder dar significantes da aula. Shigunov e Pereira (1993), entendem por feedback como sendo uma informao que se deve prestar ao executante, sendo ela verbal ou no, logo aps uma prestao motora, cognitiva ou afetiva. So trs os conceitos bsicos ligados ao feedback: o reforo ou reforamento, feedback ou realimentao e conhecimento do resultado ou retroalimentao. Davidoff (1983) e Singer (1975, apud Shigunov e Pereira, 1996) referemse ao reforo ou reforamento como que tendo suas razes na teoria behaviorista da aprendizagem e seus conceitos so entendidos como todas as ocorrncias determinado ato ou comportamento. Feedback ou realimentao tem a ver com reforo, no sentido de ser uma informao sensorial acerca da resposta de qualquer manifestao que o sujeito recebe, ou seja, um mecanismo de processamento de informao. J o conhecimento de resultado ou retroalimentao segundo Shigunov e Pereira (1996), muito utilizado por autores como Knapp (1981), Emagill e Wood (1986), como sendo a informao sobre uma determinada resposta que se obtm somente de uma fonte externa, ou seja, professor, treinador, pesquisador ou at mesmo de um sistema de vdeo. Sendo assim, o conhecimento do resultado uma forma de especfica de feedback, ligado aos dados que o prprio executante dispe. de qualquer evento que aumenta ou mantm a probabilidade de acontecer um e receber, torna-se um dos pontos mais

28

Finalizando suas ideias sobre feedback, Shigunov e Pereira (1993), explicam que a traduo mais comumente usada seria a de retroalimentao, realimentao, reforo, reforamento ou ainda conhecimento do resultado. No pretendendo discutir os diferentes conceitos, mas deixando pairar dvidas sobre seus diferentes usos e possibilidades de designao, ou seja, trs possveis funes: informar, analisar ou reforar.

As Perguntas Segundo Shigunov e Pereira (1986), por ser a arte de perguntar, to antiga como o prprio homem, de suma importncia para todas as disciplinas, mas porm, no sendo muito utilizada na rea das atividades fsicas em geral e nas aulas de Educao Fsica em particular. Tal afirmativa baseia-se em estudos realizados e mesmo pelo esteretipo do professor de Educao Fsica ou da prpria disciplina serem entendidos como de cunho prtico, dispensando tal ao pedaggica. Organizao da Aula Shigunov e Pereira (1986), relatam que a organizao de uma aula uma dimenso complementar de grande importncia pelo fato de fornecer subsdios ao professor para se alcanar determinados objetivos. A utilizao dos equipamentos materiais deve ser planejada para uma utilizao maximizada com critrios de dificuldade, variao, empenho motor e aspectos cognitivos. A escolha dos exerccios para alcanar os objetivos traados, podem seguir vrios critrios, porm devem ser minimamente interessantes , motivadores e ricos de exigncias motoras. Para Shigunov e Pereira (1986, p.78), um grande erro da maioria dos professores no planejar esta dimenso, o que no final causa srios prejuzos para outras aes das intervenes bem planejadas e com objetivos muito bonitos. 3 METODOLOGIA Os seguintes captulos trataro da metodologia usada na realizao desta pesquisa, ou seja, sua caracterizao, colaboradores, critrios de incluso e

29

excluso, instrumento de coleta de dados, procedimento da coleta dos dados, procedimento de anlise das informaes e cronograma da pesquisa. 3.1 CARACTERIZAO DA PESQUISA O presente estudo caracterizar-se- como sendo uma pesquisa do tipo descritiva que definida por Cervo e Bervian (1996), Thomas e Nelson (2002), como sendo aquela que observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenmenos (variveis) sem manipul-los. Alm disso, segundo os autores acima citados , como uma pesquisa exploratria, onde procura realizar descries precisas das situaes e quer descobrir as relaes existentes entre os elementos componentes da mesma. As pesquisas exploratrias tem como objetivo, aprofundar o conhecimento do pesquisador sobre o assunto estudado, ela pode ser usada, para facilitar a elaborao de um questionrio/entrevista, ou mesmo para servir de base para uma futura pesquisa, auxiliando a formular hipteses, ou simplesmente na articulao mais precisa dos problemas de pesquisa (MATTAR, 1996) 3.2. COLABORADORES Para a realizao de minha pesquisa, tratarei os sujeitos nela includos de colaboradores, pois sero responsveis tambm pela realizao do mesmo. Segundo o dicionrio da lngua portuguesa, colaborador a pessoa que trabalha com uma ou mais pessoas para a realizao de uma obra comum, aquele que colabora ou ajuda outro em suas funes; cooperador (MICHAELLIS, 2012). Os colaboradores sero Sombrio-SC. 3.2.1 Critrios de incluso e excluso Para fazerem parte da pesquisa, os colaboradores devero seguir os seguintes critrios de incluso : Estar cursando ou ser formado em bacharel; Educao Fsica com habilitao caracterizados como profissionais de Educao Fsica que atuam ou atuaram como professores de ginstica em Academias da cidade de

30

Estar trabalhando ou j ter trabalhado com ginstica de academia na cidade de Sombrio-SC por um perodo mnimo de seis meses; Consentir a entrevista de maneira espontnea; Aos critrios de excluso ficam todos os que no atingirem os critrios de incluso.

3.3 INSTRUMENTOS DE COLETAS DE DADOS O instrumento de pesquisa a ser usado ser uma entrevista semi-estruturada, que segundo Negrine (2004), [...] quando o instrumento de coleta est pensado para obter informaes de questes concretas, previamente definidas pelo pesquisador, e, ao mesmo tempo, permite que se realizem exploraes no-previstas, oferecendo liberdade ao entrevistado para dissertar sobre o tema ou abordar aspectos que sejam relevantes sobre o que pensa (p.74).

Que ser aplicada aos colaboradores que cumpriram os critrios de incluso, esta entrevista conter questes abertas e fechadas sobre o objetivo do estudo, desenvolvido a partir de uma matriz analtica conforme Anexo 1. Segundo Morgan, (1988 apud BOGDAN, 1994, pg 134), a entrevista consiste em uma conversa intencional, geralmente entre duas pessoas, podendo as vezes envolver mais pessoas, dirigida por uma das pessoas, objetivando obter informaes sobre a outra. Se usa a entrevista para recolher dados descritos na linguagem do prprio sujeito, a qual permite ao entrevistador/investigador desenvolver intuitivamente uma idia sobre a maneira como os sujeitos interpretam aspectos do mundo.[...] Podemos faz-la de duas formas, a primeira constituir a estratgia dominante para a escolha dos dados ou podem ser utilizadas em conjunto com a observao participante, analise de documentos e outras tcnicas. (BOGDAN, 1994 apud ROSA, 2009 p.22).

A entrevista ser semi-estruturada, ficando a certeza de se obter

dados

compatveis entre os sujeitos entrevistados, embora se perca a oportunidade de compreender como que os prprios sujeitos estruturam o tpico em questo, o entrevistador deve encorajar o sujeito a falar sobre a rea de interesse e, em seguida, podendo explor-la com maior profundidade. (BOGDAN, 1994 apud ROSA 2009 p.23).

31

A grande vantagem da entrevista sobre outras tcnicas que ela permite a captao imediata e corrente da informao desejada, praticamente com qualquer tipo de informante e sobre os mais variados tpicos. (LDKE; ANDR, 1986, p.3334). 3.4 PROCEDIMENTO DE COLETA DOS DADOS A coleta de dados ser realizada da seguinte maneira: Contato com os sujeitos da pesquisa; Agendamento do dia e horrio para aplicao do instrumento; Aplicao do instrumento de pesquisa e assinatura do termo de consentimento livre esclarecido. 3.5 PROCEDIMENTO DE NALISE DAS INFORMAES O procedimento da anlise dos dados coletados pela entrevista ser efetuado a partir da retirada de indicadores das respostas dos colaboradores com relao ao objetivo do estudo. Os dados sero estudados a partir da anlise dos discursos feitos pelos colaboradores, buscando atravs de suas falas identificar os objetivos traados pelos questionamentos elaborados atravs da investigao.

3.6 CRONOGRAMA ATIVIDADES Tema/Problema e Objetivos Reviso de Literatura Metodologia Coleta dos dados Anlise dos Resultados Concluso Apresentao e entrega do TCCMar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

X X

X X

X X

X X

X X

X X X

X X X X

X X X

X

X X

32

33

REFERNCIAS

AREIAS, M. E. Q.; COMANDULE, A. Q. Qualidade de Vida, Estresse no trabalho e Sndrome de Burnout. Disponvel em: Acesso em: 19/05/2012. CAPINUSS, J.M., COSTA, L.P. Administrao e marketing nas academias de ginstica e musculao. So Paulo, Ibrasa, 1989. 78p. CODO, W. VASQUES-MENEZES, I. O que burnout? In: CODO, W. (Org.) Educao: Carinho e Trabalho. Petrpolis: Vozes, 1999 CODO, W. Educao: carinho e trabalho: Burnout, a sndrome da desistncia do educador, que pode levar falncia da educao. Editora Vozes, PetrpolisRJ, 1999. CODO, W. O que alienao. 5 edio. So Paulo: Editora Brasiliense S.A, 1988. 98p. COSTA, S.B., PALAFOX, G.H.M.Caractersticas especiais da ginstica de academia no seu processo evolutivo no Brasil.Revista da Educao Fsica/UEM, Maring, v.4, n.1, p.54-60, 1993. ESTEVE, J. M. Mal-estar docente: a sala de aula e a sade dos professores. So Paulo: Edusc, 1999.GORZ, A. Metamorfoses do trabalho: crtica da razo econmica. 2 edio. So Paulo: Annablume,2007. 248 p. LDKE, Menga; ANDR, Marli. Pesquisa em educao: abordagens qualitativas. So Paulo: EPU, 1986, 99 p. MALVEZZI, S. Prefcio. Psicologia, Organizaes e Trabalho no Brasil. Organizadores: Zanelli, J,C,; Boges-Andrade, J.B. e Bastos, AA.V.B. Porto Alegre, Artmed, 2004. MARTINS, M.; CAMARGO, J; TESSARI, M. Formao Superior em Educao Fsica Consideraes luz das Diretrizes Curriculares Nacionais e do Documento de Interveno do CONFEF. Revista CONFEF, ano V, n 15, maro 2005. MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: edio compacta. So Paulo: Atlas, 1996. NOVAES, E.V. Qualidade de vida, atividade fsica, sade e doena. In: VOTRE, S.J. (Org.) Cultura, atividade corporal e esporte. Rio de Janeiro: Ed. Central da Universidade Gama Filho, 1996.p.175-186. NOVAES, J.S.Ginstica em academia no Rio de Janeiro: uma pesquisa histricodescritiva. Rio de Janeiro: Sprint, 1991. 100p.

34

NVOA, A. (Coord.). Os Professores e a sua Formao. Lisboa (Portugal): Dom Quixote, 1992. PEREIRA, M.M.F. Academia: estrutura tcnica e administrativa. Rio de Janeiro: Sprint, 1996. 200p ROSA, T. D.da .Trajetria profissional de professores de Educao fsica que atuam na rea de Ginstica de Academia na cidade de Cricima-SC. 2009. 45 f. Trabalho de Concluso de Curso (Graduao em Educao Fsica) Universidade do Extremo Sul Catarinense, Cricima. SHIGUNOV, V., SHIGUNOV NETO, A. A formao profissional e a prtica pedaggica: nfase nos professores de Educao Fsica. 1 edio. Londrina: Editora Midiograf, 2001. 145p. SHIGUNOV,V.; PEREIRA, V. R. Pedagogia da Educao Fsica:o desporto coletivo na escola os componentes afetivos. So Paulo: IBRASA, 1993. 134 p. SOUZA NETO, S de et al . A formao do profissional de educao fsica no brasil: Uma histria sob a perspectiva da legislao federal no sculo XX. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 25, n. 2, p. 113-128, jan. 2004 SOUZA, E. P. M. O Universo da Ginstica: Evoluo e Abrangncia In: Anais do V Encontro de Histria do Esporte, Lazer e Educao Fsica - ETFA/UNICAMP Macei - Al - 22 a 29 de Novembro de 1998. STEINHILBER, J. Licenciatura e ou Bacharelado Opes de graduao para interveno profissional. Revista CONFEF, ano VI n19 maro de 2006. TRIVIOS, A. N. S., et al. A pesquisa qualitativa na Educao Fsica: Alternativas Metodolgicas. 2 edio. Porto Alegre. Editora UFRGS/Sulina, 2004. p. 141. VIDAL, A.; Step. Bira fitness, Rio de Janeiro, Disponvel em: < http://www.birafitness.com/step.htm.>. Acesso em: 01 de Jun. 2012.

35

APNDICE(S)

36

APNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO

Termo de Consentimento Livre e EsclarecidoEstamos realizando um projeto para o trabalho de Concluso de Curso em Educao Fsica Bacharelado: O TRABALHO PEDAGGICO DE PROFESSORES DE GINSTICA DE ACADEMIA DA CIDADE DE SOMBRIO-SC. O Sr (a), foi plenamente esclarecido(a) de que participando deste projeto, estar participando de um estudo de cunho acadmico que tem como um dos objetivos DESCREVER A TRAJETRIA PERCORRIDA PELOS PROFESSORES DE GINSTICA DURANTE A SUA FORMAO INICIAL E COMPREENDER A IMPORTNCIA QUE AS ESCOLHAS DO PROCESSO FORMATIVO TROUXERAM PARA A COMPREENSO SOBRE O TRABALHO PEDAGGICO DOS PROFESSORES DE GINSTICA. Embora o Sr (a) venha aceitar a participao neste projeto, estar garantido que o Sr (a) poder desistir a qualquer momento bastante para isso informar sua deciso. Foi esclarecido ainda que, por ser uma participao voluntria e sem interesse financeiro a Sr (a) no ter direito a nenhuma remunerao. Desconhecemos qualquer risco ou prejuzos por participar dela. Os dados referentes Sr (a) sero sigilosos e privados, preceitos este assegurados pela Resoluo n 196/96 do Conselho Nacional de Sade, sendo que a Sr (a) poder solicitar informaes durante todas as fases do projeto, inclusive aps a publicao dos dados obtidos a partir desta data. A coleta de dados ser realizada pelo pesquisador Mauricio Apolinrio Elias (99554837) da 8 fase do curso de Educao Fsica Bacharelado da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC e orientado pelo professor Msc. Victor Julierme Santos da Conceio (99249600).

37

Cricima (SC) agosto de 2012.

----------------------------------------------Assinatura do participante

ANEXO(S)

38

ANEXO 1 MATRIZ ANALTICA PARA CONSTRUO DO ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMI-ESTRUTURADA. OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECFICOS QUESTES