Estagiarios sobre KixiCredito - DW Debate 04/06/2014

download Estagiarios sobre KixiCredito - DW Debate 04/06/2014

If you can't read please download the document

Embed Size (px)

description

No dia 4 de Julho foi realizada a apresentação subordinada ao tema experiência de trabalho do estágio realizado no KixiCrédito. Foi presidida pelos estudantes do programa de estágio comunitárioda DW e BP Angola e foi atendida por trabalhadores da DW e alguns visitantes. Os estudantes apresentaram um rescaldo daquilo que foi a sua experiência de estágio, elogiando os frutos que dele tiveram que foram desde a oportunidade que tiveram de conciliarem a teoria, que vêm aprendendo nas suas universidades, à prática que foi o seu estágio. Em acréscimo, os meus apresentaram as dificuldades que encontraram no campo por causa das condições de trabalho como a distância percorrida para chegar até aos clientes, perigos ligados ao sistema de cobrança, dificuldade em perceber alguns clientes por causa da diferença linguística. Não obstante às dificuldades apontadas, eles salientaram que aprenderam muito e no final apresentaram críticas e sugestões muito importantes do ponto de vista sociológico no contexto do trabalho que é feito pela kixicrédito como a troca de focalização ao público alvo, ou seja, eles comungaram a ideia que o KixiCrédito está a mudar o seu objectivo de trabalho, passando de ser um órgão preocupado a melhorar as condições sociais dos povos para um órgão mais preocupado com a comercialização dos seus serviços. As mesmas sugestões podem servir de um grande suporte à KixiCrédito para o melhoramento do seu trabalho.

Transcript of Estagiarios sobre KixiCredito - DW Debate 04/06/2014

  • 1. FEITO NA: KIXICRDITO PARCEIRO DOS NEGCIO 1. Alzira Carlos- Ag.-Viana e K. Kiaxi 2. Amlia Mendona Ag. - Morro Bento 3. Andreza Quiuma- Ag. Morro Bento e E. Central 4. Ernesto Isidro Ag. Viana e Mabor 5. Ester dos Santos E . Central e Mabor 6. Galdino Capembe Ag.Mabor e Viana 7. Jandira da Silva Escritrio Central 8. Jovita Piassa- Ag.- Mabor e Hoji-ya-Henda 9. Luzia Zamba E. Central e K. Kiaxi 10. Wagner Feij - Escritrio Central 11. Yolanda Paulo - Ag. K. Kiaxi e Morro Bento
  • 2. SELECO E AAPROVAO COMO FOMOS SELECIONADOS? TOMAMOS CONHECIMENTO DO PROGRAMAAPARTIR DAS NOSSAS UNIVERSIDADES; ANTES DO INCIO DA ESTGIO FOMOS SUBMETIDOS A UM TESTE DE ADMISSO; APS SERMOS SUBMETIDOS AO TESTE FOMOS SELECIONADOS PARA ESTAGIAMOS NA INSTITUIO KIXICRDITO; O GRUPO ERA CONSTITUDO POR 12 ESTUDANTES VINDO DE DIFERENTES UNIVERSIDADES; O ESTGIO TEVE INICIO NO DIA 17 DE FEVEREIRO E SEU TERMINO OCORREU NO DIA 17 DE MAIO;
  • 3. KIXICRDITO SURGIMENTO DA EMPRESA E SUAS POLTICAS DE CRDITO A KIXICRDITO (ANGOLA) S.A UMA INSTITUIO FINANCEIRA NO BANCARIA QUE ACTUA NO SECTOR DE MICROFINANAS E EST PRESENTE EM MAIS DE 10 PROVNCIAS DO PAIS. TM COMO MISSO PROVIDENCIAR SERVIOS MICRO FINANCEIROS SUSTENTAVEIS, SIMPLES, FACEIS E RPIDOS, UMA INSTITUIO ENGAJADA NO ALVIO E NA REDUO DA POBREZA. EM 2006 A KIXICRDITO GANHAAUTONOMIA FINANCEIRA E TORNOU-SE OPERACIONALMENTE SUSTENTVEL; O QUE NOS REMETE A SEGUINTE QUESTO: SER ELA AINDA UMA INSTITUIO DE CARCTER SOCIAL ONDE SUA LGICA DE FUNCIONALIDADE NO APENAS ECONMICA, VIRADAAO LUCRO? TENDO EM CONTA A EXPERINCIA OBTIDA DURANTE O ESTGIO NO SERIA TAREFA FCIL RESPONDER A PERGUNTA A CIMA, MAS EST BEM DOCUMENTADO QUE A KIXICRDITO UMA EMPRESA DE PENDOR SOCIAL, OU SEJA, NO MERAMENTE ECONMICA, VISANDO ALCANAR EFECTIVAMENTE [...] A SUSTENTABILIDADE E O MAIOR NMERO POSSVEL DE FAMLIAS ANGOLANAS NA LINHA DE POBREZA FICA CLARO, EM TERMOS TERICO, QUE A INSTITUIO NO DESCARTOU O SEU LADO SOCIAL QUE ERA BEM EVIDENTE NO SLP E HOJE MUITO MAIS EVIDENTE NOS GRUPOS SOLIDRIOS.
  • 4. ACTIVIDADES REALIZADAS FINANAS: RECONCILIAO BANCRIA E CONTABILIDADE. RECURSOS HUMANOS: ELABORAO DE CERTIFICADOS DE TRABALHO; CRIAO DE CAPAS; ELABORAO DO RENT, CRIAO DO MAPA DE ADESO AO FUNDO DE PENSO. ADMINISTRAO: TRABALHO DIRIO NO PETTY CASH; RECEPO OU SECRETARIDO. INFORMTICA: INSTALAO E MANUTENO DE PC; CONTROLO DO TRAFIGO DE REDE HARDWARE; SUPORTE SOFTWARE; CONTROLE DOS EQUIPAMENTOS DA REA TCNICA. IDENTIFICAO DE CLIENTES; FORMAO DOS CLIENTES; ENCONTROS DOS REEMBOLSOS E DESEMBOLSOS; SEMANA DE RISCOS, MONITORIA, AVALIAO FINANCEIRA, TESTE DE SADE; REAVALIAO; LEITURA DE CONTRATOS, COMIT; AUXLIO AASSISTENTE DAAGNCIA
  • 5. LIMITIES E CONSTRANGIMENTOS COMUNICAO COM OS CLIENTES QUE MUITOS VEZES NO COMPARTILHAM OS MESMOS CODIGOS LINGUISTICOS; RECONHECIMENTO DO LOCAL DE VENDA DOS CLIENTES VISTO QUE MUITOS DELES DESEMPENHAM AS SUAS ACTIVIDADE NOS MERCADOS MUITO MOVIMENTADOS; LONGAS DISTNCIAS PERCORRIDAS NO TERRENO; CORRESPONDER AOS NIVEIS DE EXIGENCIAS E PRESSO QUE CARACTEIRISTICOS AO TRABALHO DE UM OFICIAL DE CRDITO; ACESSO DAS VIAS LIMITADAS DEVIDO AS CHUVAS E ENGARRAFAMENTO; A SENSIBILIDADE AS CONDIES PRECRIA QUE OS CLIENTE VIVEM;
  • 6. LIES APRENDIDAS APRENDEMOS A TRABALHAR EM EQUIPA, E ISTO ERA MAIS EVIDENTE DURANTE AS SEMANAS DE RISCO E NOS DIAS DE IDENTIFICAO; MELHOR CONHECIMENTO DA REALIDADE SOCIOECONOMICA DAS COMUNIDADES EM LUANDA; ESPIRITO DE AJUDA E SENTIMENTO DE PARTILHA ENTRES AS POBRES; A FORMA RESPONSALVEL COM QUE OS CLIENTES POSICIONAVAM-SE DIANTE DO CRDITO; ESTRATEGIAS DE SOBREVIVENCIAS UTILIZADAS PELOS POPULAO EM SITUAO DE POBREZA; SOLIDIFICAO DE CONHECIMENTOS TERICOS POR MEIO DA PRTICA PROPOCIONADA PELO ESTGIO;
  • 7. PERFIL SOCIODEMOGRFICO DOS GRUPOS SOLIDARIOS (GS) E NIVEL DE SATISFAO DO OFICIAS DE CRDITO DURANTE OS MESES DE FEVEREIRO AABRIL 2014 METODOLOGIA IDENTIFICAMOS TODOS OS GS DESENBOLSADOS DURANTE O MS DE ABRIL A NIVEL DAS AG. VIANA E AG. MABOR; SELECIONAMOS QUATRO GRUPOS DE CADA AGNCIA E DESTES SISTEMATICAMENTE SELECIONAMOS 58 CLINETES, TOTALIZANDO 116 CLIENTES; USANDO OS TESTES DE SADE NAS AGENCIAS, EXTRAIMOS DADOS COMO SEXO, IDADE, NATURALIDADE, TIPO DE NEGOCIO,LOCAL DE NEGCIO, N DE DEPENDENTES EM CASA, N DE REFEIES POR DIA E NIVEL DE ESCOLARIDADE. O NQUERITO/QUESTINRIO FOI APLICADO AOS 19 OC PRESENTES DURANTE A ULTIMA SEMANA DO ESTGIO E TINHA COMO OBJECTIVO AVALIAR AS PERCEPES QUE OS MESMOS TM SOBRE AS METAS ESTABLECIDAS, OS SEUS ALVOS, SUAS CARTEIRAS DE PRODUO E SATISFAO OS DADOS FORAM INTRODUZIDOS NUMA BASE DE DADOS E TRABALHADOS ESTATISTICAMENTE NO SSP. CARACTERISTICAS DOS GRUPOS SOLIDARIO (MABOR E VIANA) 68% DOS CLIENTES SO DO SEXO FEMENINO; EM MEDIA TM 5 A 6 DEPENDENTES EM CASA E TM 2 REFEIES POR DIA QUASE A METADE (43%) NO POSUEM BI E 43,1% VIVEM EM CASA DE RENDA.
  • 8. a)Destribuio dos clientes segundo o local de nascimento. . NATURALIDADE DOS CLIENTES frenquncias % %acumuladas PROVINCIA DO UIGE 33 28,4 28,4 PROVINCIA DO ZAIRE 20 17,2 45,7 PROVINCIA DE LUANDA 8 6,9 52,6 OUTRAS PROVINCIAS DE ANGOLA 55 47,4 100,0 TOTAL 116 100,0
  • 9. DESTRIBUIO DOS CLIENTES SEGUNDO O LOCAL DE NASCIMENTO POR AGNCIA Diferentemente de Viana, onde h maior diversificao quanto a naturlidade, Os GS na Mabor 80% dos clientes so do grupo etnolinguistico Bacongo (Uige e Zaire) Estes no falam o portugues nos seus encontros de grupo e a maioria desses desenvolvem os seus negcios na zunga (MAS POSSUEM UM BANCADA FIXA EM CASA OU NO MERCADO)
  • 10. QUALIDADE DA CARTEIRA DURANTE O MS DE ABRIL A carteira constitui o melhor indicador para medir a produtividade do oficial Dos 19 Oficiais de Crditos a nivel das agencias de Viana e Mabor, 42 % (8 OC) atribuem uma classificao negativa na sua carteira ao passo que 47% (9 OC) o consideram positiva durante o ms de Abril
  • 11. AVALIAO DAS METAS As metas significam valores que cada oficial deve desembolsar por ms e ela varia de 2 mil usd a 3 mil para o KS e 3 mil a 4 mil para o KN. Dos 19 Oficiais de Crditos a nivel das agencias de Viana e Mabor, 84 % (16 OC) consideram as metas como no razoveis, ao ao passo que 16% (3 OC) o consideram razoveis
  • 12. No preciso ser suficientemente erudito em polticas de micro finanas para percebemos que a atual meta de productividade mensal incompatvel com o trabalho de controle do risco que envolve a presena constante do oficial nos encontros de reembolsos; ou seja, no possvel obter sucesso absoluto quando tens de desembolsar 3000 000 KZ por ms, controlar os grupos em risco para recuperar os valores e assistir os outros grupos para no carem no risco; Com tais exigncia a kixicrdito ter de financiar pesquisas marte para encontrar super heris ou enviar os seus oficiais de crdito para o EUA para uma formao de tropa elite para misses impossveis! .
  • 13. b) que alvo pretende alcanar a longo e medio prazo dentro da Kixicrdito? Quadro 1. Alvos a almejados pelos oficiais de crdito Frenqn cia % % acumula da Continuar como Oficial de Crdito 3 15,8 15,8 Ser o oficial do ano 5 26,3 42,1 Ganhar uma viagem 1 5,3 47,4 Ser transferido para o Escritorio central 4 21,1 21,1 Ser contabilista da agencia 2 10,5 31,6 Ser assistente da agencia 3 15,8 47,8 Demitir-se da Kixicrdito 1 5,3 5,3 Total 19 100,0 100,0 Ao nosso ver os oficiais de crdito constituem o corao da Kixicrdito, o maior e talvez o mais significante trabalho feito no terreno pelos mesmo; Logo, preocupante constactar que 53,1% (10 OC) dos inqueridos, almejam deixar essa actividade nos proximos tempos; Razes: 31,6% apontaram o salrio e 57,9% apontaram a falta de segurana e garantia.
  • 14. GRAU DE SATISFAO CONSTACTOU-SE PARA O MS DE MAIO: 58% SENTEM-SE SATISFEITO COM O TRABALHO DE OFICIAL DE CRDITO 21% NO ESTO SATISFEITO COM O TRABALHO. UM MS ANTES (ABRIL): 82% SENTIAM-SE SATISFEITO 3,3% SENTIAM-SE INSATISFEITO POSSIVEIS CAUSAS: OS EFEITOS DA CHUVA (A FALTA DE ACESSO) S SE MANIFESTARAM NO RELTORIO SAIDO NO MS DE MAIO; DUAS SEMANA ANTES DO INQUERITO BAIXOU-SE UMA ORDEM : AS METAS MENSAIS DEVERIAM SER CONVERTIDAS EM METAS SEMANAIS E CADA OFICIAL DEVERIA ENVIAR TODAS AS SEXTAS FEIRAS