Gestão Qualidade

of 137/137
  • date post

    04-Aug-2015
  • Category

    Documents

  • view

    99
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of Gestão Qualidade

Gesto pela Qualidade

Gesto pela qualidade

Curso Tcnico de Automobilstica - Gesto pela Qualidade SENAI-SP, 2003

Trabalho organizado e atualizado a partir de contedos extrados da Intranet por Meios Educacionais da Gerncia de Educao e CFPs 1.01, 1.13, 1.18, 1.22, 2.01, 3.02, 6.02 e 6.03 da Diretoria Tcnica do SENAI-SP.

Equipe responsvel Coordenao Seleo de contedos

Digitalizao Capa

Airton Almeida de Moraes Antnio Benedito Douglas Airoldi Everaldo Costa Queiroz Ivan de Pdua UNICOM - Terceirizao de Servios Ltda Jos Joaquim Pecegueiro

Material para validao Crticas e sugestes: [email protected]

SENAI

Servio Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de So Paulo Av. Paulista, 1313 - Cerqueira Csar So Paulo - SP CEP 01311-923 (0XX11) 3146-7000 (0XX11) 3146-7230 0800-55-1000 [email protected] http://www.sp.senai.br

Telefone Telefax SENAI on-line E-mail Home page

Gesto pela qualidade

Sumrio

Unidade I: Gesto ambiental Fundamentos dos sistemas de Gesto Ambiental O desenvolvimento industrial e o Meio Ambiente Legislao Ambiental na indstria Gerenciamento de resduos slidos Preveno da poluio Unidade II: Gesto da qualidade Evoluo do conceito de qualidade Gerenciamento da qualidade Sistema da qualidade Qualidade total ISO srie 9000 Ciclo P.D.C.A. Implantao do sistema de garantia da qualidade ISO Srie 9000 Resumo de estatstica Controle estatstico do processo Ferramentas da qualidade Referncias bibliogrficas 41 45 49 57 59 63 69 75 85 95 133 5 13 17 25 37

Gesto pela qualidade

Gesto pela qualidade

Fundamentos dos Sistemas de Gesto Ambiental

Nunca se falou tanto neste assunto: meio ambiente. Ser que apenas um assunto da moda? O meio ambiente tornou-se o foco de interesse da sociedade como um todo porque os problemas ambientais tm afetado a qualidade de vida das pessoas, fazendo-as perceber que a preservao ambiental j uma questo de sobrevivncia da prpria espcie humana. Meio ambiente se constitui de uma srie de relaes que envolvem prticas interdisciplinares que permitem defini-lo mais precisamente como uma totalidade dinmica, uma troca permanente na qual se insere toda uma rede de relaes socioeconmicas, ticas, estticas e polticas. Grande parte dos problemas ambientais do planeta provm do desenvolvimento que, ao ser buscado pelo homem, no considera a interdependncia que existe entre o tudo e o todo. Os problemas dos recursos naturais e sociais da Terra, como a pobreza, crescimento acelerado da populao, destruio dos recursos e degradao do meio ambiente so intimamente interdependentes. Um desequilbrio no solo, na gua, no ar, ou nos seres vivos, em um determinado local, pode afetar uma outra regio de maneira complexa e inesperada. Por exemplo, o desmatamento das florestas na ndia e no Nepal desencadeou, como conseqncia, enchentes catastrficas em Bangladesh: a emisso de produtos qumicos industriais destruiu parte da camada de oznio que protege a Terra, e o uso de combustvel fssil que prejudicou florestas em todo o mundo e contribuiu para as mudanas climticas no globo terrestre.

SENAI-SP - INTRANET

5

Gesto pela qualidade

Problemas ambientais globais Entre os vrios problemas ambientais que vm impactando e afligindo toda a humanidade, citaremos alguns exemplos: Chuva cida Nos ltimos anos a emisso de gases provenientes de complexos industriais, de veculos automotores, de metalrgicas e siderrgicas tem lanado um imensurvel volume de xidos de enxofre (SOX) e xidos de nitrognio (NOX), na atmosfera. Esses xidos, ao se combinarem com o vapor dgua, geram cidos sulfrico e ntrico que retornam para a Terra sob a forma de orvalho, neblina, granizo, neve ou chuva, atribuindo o carter cido aos meios atingidos por eles. So vrias as conseqncias as conseqncias provocadas pela chuva cida: a excessiva acidez dos copos dgua pode afetar algumas espcies vivas e lev-las a vegetao pode secar ou adquirir aspecto amarelado, a propenso deteriorao dos materiais utilizados na construo de prdios, casas e monumentos pode ser acelerada; pode tambm ocorrer a intensificao da dissoluo de materiais txicos, contaminando gua utilizada para o abastecimento pblico. Talvez a conseqncia mais grave da chuva cida se contaste na extenso dos efeitos por ele provocados, pois pode afetar um determinado local que sequer possui uma fonte emissora de gases, mas que no consegue equivar-se do problema, j que os poluentes podem ser conduzidos de um local para outro situado a centenas ou milhares de quilmetros, por meio da ao dos ventos. Desta forma, passa a responsabilidade de todos empreender medidas que reduzam a emisso desses poluentes na natureza. Efeito estufa A energia proveniente do sol aquece a Terra e geralmente dissipada mantendo a temperatura agradvel. No entanto, alguns gases oriundos das indstrias, da queimada de florestas e de veculos automotivos podem atuar como uma barreira capaz de impedir a dissipao do calor. Desta forma, a Terra permanece quente, semelhantemente a uma estufa.

6

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Esses gases conhecidos como gases estufa tm como principal componente o dixido de carbono (CO2), que gerado a partir da queima de carvo, de leo e da destruio de florestas. A mudana de temperatura da Terra provoca alteraes climticas que afetam a agricultura e os ecossistemas. O aumento da temperatura do efeito estufa, ocasiona o degelo da calota polar, provocando aumento do nvel de gua dos oceanos: assim, reas costeiras sofrem efeitos dos gases estufa: as terras situadas ao nvel do mar so inundadas. Para contornar esses problemas necessrio limitar a emisso de gases estufa, substituir os combustveis fsseis por energias alternativas que no resultem da emisso desses gases, e promover o reflorestamento de reas.

Destruio da camada de oznio O oxignio, alm de compor o ar que respiramos, tambm existe na forma de oznio (O2) que constitui uma camada situada a cerca de 50Km acima da superfcie da Terra. Essa camada age como um grande guarda-sol, filtrando cerca de 99% dos raios ultravioletas emitidos pelo sol e que podem causar cncer de pele, alm de outros danos s espcies vivas. Nos ltimos tempos, o mundo est alarmado com um grande buraco na camada de oznio, principalmente na regio da Antrtida. Os cientistas atribuem o fato ao uso de CFCs, compostos de Cloro, Flor e Carbono, presentes em aerosis e sistemas de refrigerao. Esses gases, quando lanados no ar, reagem com o oznio destruindolhe as molculas. A proibio do uso desses compostos tem siso adotada por diversos pases e visa proteger a integridade dos sistemas ambientais globais.

SENAI-SP - INTRANET

7

Gesto pela qualidade

Desertificao Desertificao a degradao de uma regio situada em reas ridas, semi-ridas e submidas secas. causada principalmente pelas atividades humanas e variaes climticas e no se refere expanso dos desertos existentes. Ela ocorre porque os ecossistemas de terras secas, que cobrem mais de 1/3 das reas terrestres do mundo, so extremamente vulnerveis superexplorao e ao uso inadequado do solo. Desmatamento, excesso de pastagens, prticas equivocadas de irrigao, bem como pobreza e instabilidade poltica comprometem a fertilidade do solo. Mais de 250 milhes de pessoas so afetadas diretamente pela desertificao e cerca de um bilho de pessoas em mais de cem pases ameaadas. Combater a desertificao essencial para assegurar produtividade, a longo prazo, das terras secas desabitadas. Infelizmente, esforos anteriores falharam, e o problema da degradao do solo ao redor do mundo intensifica-se cada vez mais. Reconhecendo a necessidade de uma noiva proposta, mais de 110 governos assinaram a Conveno das Naes Unidas para o Combate Desertificao. Essa Conveno visa promover uma ao efetiva atravs de programas locais inovadoras e parcerias internacionais de apoio. O tratado reconhece que a luta para proteger terras secas ser longa. Isso porque as causas da desertificao so muitas e, ao mesmo tempo, complexas, abrandendo desde formas de comrcio internacional at prticas de gerenciamento no sustentveis da terra por parte das comunidades locais. Mudanas difceis tero que ser feitas, tanto no mbito internacional quanto local. A Conveno abre uma nova fase na luta contra a desertificao, porm s o incio. Os governos, em especial, necessitaro rever regularmente seus programas de ao; tambm devero dar nfase conscientizao, educao e treinamento, tanto os pases desenvolvidos quanto os em desenvolvimento. A desertificao somente poder ser revertida por meio de mudanas profundas na conduta local e internacional. Etapa por etapa, tais mudanas conduziro ao uso sustentvel da terra e garantia de alimentos para uma populao um mundial em crescimento. O combate desertificao parte dentre os muitos objetivos a se alcanar, tal como o desenvolvimento sustentvel de pases afetados por ela e pela seca.

8

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Estrutura legal, obedincia regulatria e responsabilidade Os governos em todos os nveis esto fortalecendo o controle das atividades industriais e aumentando as penalidades pela violao das regulamentaes e licenas ambientais. Novas e mais srias penalidades civis e criminais tm sido aplicadas no caso de violao das leis e licenas ambientais, particularmente se a violao conduz a riscos para a sade ou a danos de longo prazo aos recursos naturais, tais como guas subterrneas ou qualidade do solo. Isso tem exigido das empresas que elas faam o monitoramento necessrio para provar que esto em conformidade com a devida licena e legislao aplicvel. A responsabilidade civil ou criminal por violao de leis e regulamentos administrativos torna-se cada vez mais severa e cada vez mais ampla, e a base dessa responsabilidade tem sido estendida para muitos pases, a fim de que seja possvel cobrir qualquer dano ambiental e evitar que o erro de um possa ser atribudo a outro. As penas incluem a perda de liberdade para operar ou produzir negcios, e a imposio de penalidades civis e criminais incide diretamente sobre a mais alta gerncia. As autoridades podem aumentar o nvel de controle e esquivar-se negociao e compromisso com empresas que apresentem problemas de transgresso s leis e licenas ambientais e, em contraposio, oferecer plena receptividade ao estabelecimento de compromissos com empresas que apresentem bom registro de atendimento. Independentemente de responsabilidades civis ou criminais por danos provocados por poluio acidental ou outra, empresas em um nmero crescente de pases tambm esto se depurando com notcias de diminuio de situaes de emergncia, nas quais as autoridades mandam-nas interromper a produo at que a emergncia tenha passado. Em muitos casos, indstrias tm sido foradas a mudar ou fazer substanciais investimentos de capital em novos equipamentos de controle de poluio. Em outros casos, as empresas se obrigam a pagar os custos para corrigir o problema.

SENAI-SP - INTRANET

9

Gesto pela qualidade

Estrutura dos rgos brasileiros de controle ambiental Os rgos ambientais responsveis pela edio e execuo de leis, decretos, portarias e resolues relativas ao meio ambiente compem o SISNAMA - Sistema Nacional de Meio Ambiente, organizado de acordo com a ilustrao abaixo. SISNAMARGO SUPERIORPresidncia da Repblica Conselho de Governo

RGO CONSULTIVO E DELIBERATIVOCONAMA

RGO CENTRALMinistrio do Meio Ambiente e da Amaznia Legal

RGO EXECUTOR

IBAMA

RGOS SECCIONAISEntidades da Administrao Polcia Federal: DNOCS, IBGE, Estados

RGOS LOCAISEntidades Municipais

Dos rgos federais, destacamos: Ministrio do Meio Ambiente: rgo central que edita leis, decretos, portarias e resolues, contemplando os vrios aspectos ambientais envolvidos. Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA): rgo consultivo e deliberativo que estabelece os padres de qualidade de gua, do ar, a classificao das guas doces, salobras e salinas do territrio nacional e critrios bsicos para o Estudo de Impacto Ambiental (EUA) e Relatrio de Impacto Ambiental (RIMA). Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Nacionais Renovveis (IBAMA): tem a finalidade de coordenar, executar e fazer executar, como rgo federal, a polcia nacional e as diretrizes governamentais fixadas para o meio ambiente, a preservao, a conservao e uso nacional, fiscalizao, controle e fomento dos recursos ambientais.

10

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Definio e princpios bsicos O interesse pela proteo ambiental e pelo desenvolvimento sustentvel est crescendo. Uma organizao pode ser desafiada a desmontar seu comprometimento com o meio ambiente, e a implementao de um SGA pode ajudar de vrias maneiras. Um SGA efetivo construdo sobre os conceitos do TQM. Para melhorar a gesto ambiental, uma organizao precisa focalizar no somente a questo do que coisas acontecem, mas tambm o por qu elas acontecem. Essa identificao sistemtica e a correo das deficincias do sistema conduz, em geral, a uma melhoria do desempenho ambiental e dos negcios. Muitos modelos de SGA, incluindo a norma ISO 14001, so construdos sobre o modelo Plan, Do, Check, Act, introduzindo por Shewart e Deming. Esse conceito endossa o conceito da melhoria contnua. Colocar em prtica os princpios do TQM na rea ambiental tarefa da alta administrao da organizao, que, para construir e manter um SGA efetivo, deve comunicar a todos os empregados a importncia de tornar o meio ambiente uma prioridade da organizao, de construir a gesto ambiental em toda parte, alm de visualizar os problemas focando-os como oportunidades. O conceito de melhoria contnua reconhece que problemas ocorrem, porm uma organizao comprometida aprende com os erros e previne a ocorrncia de situaes similares no futuro. Por isso, um SGA efetivo deve ser dinmico, flexvel e simples para permitir organizao possibilidades de adaptao a rpidas mudanas do ambiente do negcio. No processo de construo e implementao de um SGA, obstculos podem ser encontrados. Algumas pessoas podem v-lo como burocrtico ou como uma despesa extra, opor resistncia a mudanas ou deixar-se dominar pelo temor de assumir novas responsabilidades. Para contornar esses obstculos, necessrio que todos os colaboradores entendam por que a organizao precisa de um SGA e como eles podem ajudar a controlar os impactos ambientais. Obter o envolvimento das pessoas no projeto e na implementao de um sistema de gesto ambiental demonstrar o comprometimento da organizao com o meio ambiente e ajudar a assegurar que ele seja realista, prtico e que agregue valor.

SENAI-SP - INTRANET

11

Gesto pela qualidade

Custos e benefcios da implementao de um SGA Certamente, planejamento e implementao de um SGA envolve trabalho. Porm muitas organizaes tm descoberto que o seu desenvolvimento pode ser um veculo positivo para a mudana. Essas organizaes acreditam que os benefcios de um SGA supera de longe os custos potenciais. No contexto da Gesto da Qualidade Total diz-se que qualidade favorvel desde que a organizao esteja disposta a fazer os investimentos que lhe permitiro obter recompensas futuras. Da mesma forma esses conceito pode ser considerado para a gesto ambiental. Custos Tempo da equipe / empregados Possvel assessoria de uma consultoria Treinamento de pessoal Benefcios Melhoria do desempenho ambiental Menores custos para atendimento da conformidade com a legislao Novos consumidores / mercados Aumento da eficincia / reduo de custos Elevao da moral dos empregados Melhoria da imagem perante o pblico Esforos de treinamento reduzidos para novos empregados Melhoria da imagem perante os rgos reguladores Menos desperdcio Se uma organizao j tem ou est considerando a possibilidade de implantar um sistema de gesto da qualidade como a ISO 9001, ela encontrar alguma sinergia significativa entre o que necessrio tanto para a gesto da qualidade quanto para a gesto ambiental.

12

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

O desenvolvimento industrial e o Meio Ambiente

H vinte anos, se perguntssemos a um grande gerente de fbrica da FORD qual era seu trabalho, a resposta dele seria Eu fao carros, na declarao estava implcita a palavra lucratividade. Hoje, quando voc pergunta quele mesmo gerente de fbrica da FORD qual o seu trabalho, a resposta : Eu fao carros de qualidade (lucratividade). Daqui a quinze anos, a resposta pode ser: Eu fao carros de qualidade de uma maneira ambientalmente responsvel (lucratividade). Isto , gerenciar a cultura do meio ambiente, transformando o meio ambiente de uma funo de apoio para uma funo de ocupao. A comunidade de negcios tem percebido que os atuais padres de produo e consumo so insustentveis. Paralelamente, empresas passaram a compreender que, para se manter no negcio, tero que integrar crescentemente as questes ambientais nas suas estratgias de negcio e no planejamento de longo prazo. Isto essencial para se manterem competitivas em relao a outras empresas que j levam em considerao tais questes.

Princpios para a gesto ambiental na indstria e negcios em geral Conforme descrito anteriormente, existe um fundamento racional para a indstria e negcios em geral adotarem prticas voluntrias de gesto ambiental. Muitas dessas iniciativas foram estabelecidas para direcionar: a obrigao de estar em conformidade com as regulamentaes; as questes de responsabilidade; as presses de empregados, consumidores, clientes, investidores e outros grupos; o reconhecimento dos benefcios financeiros dos aspectos gesto ambiental nos negcios.

SENAI-SP - INTRANET

13

Gesto pela qualidade

Existe um nmero de categorias diferentes destas iniciativas voluntrias. As Seis Categorias de Iniciativas Voluntrias so: 1. Medidas voluntrias de controle da poluio realizadas por firmas particulares. Estas podem ser baseadas nos benefcios da reduo de custos ou ganhos de rendimento e tambm podem, igualmente, incluir respostas coletivas, como o caso do complexo industrial integrado dinamarqus em Kalundborg. 2. Desafios de governo para a indstria de reduo da poluio, tais como o Desafio para a Reduo/Eliminao Acelerada de Produtos Txicos. 3. Acordos de desempenho entre indstria e governos. Tais acordos negociados podem funcionar para protelar as obrigaes regulatrias em prol de um compromisso de desempenho. 4. Adeso voluntria aos cdigos de prtica do setor industrial envolvendo auto5. Desafios, incentivos e acordos negcio-a-negcio. Essas iniciativas podem ser conduzidas pelas exigncias do seguro e emprstimo, e motivadas pela reduo de risco e de responsabilidade. Tais programas integram a abordagem do ciclo-de-vida para desempenho do produto, como, por exemplo, o Protocolo Nacional sobre Embalagens, no Canad, que assume a responsabilidade pelo monitoramento do bero ao tmulo. So colocadas exigncias sobre fornecedores e clientes. 6. Acordos entre indstria e grupos no governamentais. Esses acordos envolvem a comunidade e grupos de interesse pblico por meio de negociao direta. Talvez o mais conhecido dentre eles seja o acordo de reduo de resduos entre os restaurantes Mc Donalds e a Environmental Defense Fund (Fundo de Defesa Ambiental) Um dos resultados que, agora, um grande nmero de companhias elabora relatrios ambientais prestando contas de suas atividade e desempenho. A idia de um relatrio corporativo tem sido incorporada como um requisito legal, notadamente o U.S Taxic Release Inventory, que exige relatrio pblico das emisses de produtos perigosos, e o menos abrangente Canadian National Pollution Release Inventory (NPRI). regulamentao por um grupo de indstrias, tal como no Atuao Responsvel .

14

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Muitas das maiores associaes industriais nacionais e internacionais tm agora algum cdigo de prtica, cdigo de conduta, declarao da misso, ou normas similares relacionadas ao meio ambiente (UNCTAD 1996). Alm disso, organizaes internacionais, organismos intergovernamentais e agncias governamentais, como o PNUMA e a Organizao para Cooperao Econmica e Desenvolvimento (OECD - Organization For Economic Corporation and Development), tm promovido poltica ambiental de negcios voluntria e princpios de prtica. Dentre estes, os mais significativos so: Atuao Responsvel . (Responsible Care ); Princpios CERES; Conselho de Administrao das Florestas/ Investigaes do Cumprimento das Leis, da Agncia Nacional de Proteo Ambiental dos Estados Unidos; Rotulagem Ambiental; bem como Outras Cartas e Princpios de Negcios para a Gesto Ambiental.

Cronologia parcial do desenvolvimento das normas Normas de gesto da qualidade 1979 Britsh Standards Institution BS-5750 1987 Organizao Internacional de Normalizao ISO - 9000 Normas de qualidade ambiental 1984 Programa Responsible Care da Associao dos Produtores Qumicos Candenses 1988 Princpios CERES da Coalizo para Economias Ambientalmente Responsveis 1988 Programa do selo ecolgico Environmental Choice do Canad 1991 Carta de Negcios para o Desenvolvimento Sustentvel da Cmara de Comrcio Internacional. 1991 Carta Ambiental Global Keidanren (Federao Japonesa das Organizaes Econmicas) 1991 Nordic Swan Label (Noruega, Sucia, Finlndia e Islndia) primeiro programa multinacional mundial de rotulagem ecolgica. 1992 Britsh Standards Institution BS-7750 1993 Eco-Management Aud Scheme - EMAS 1996 Organizao Internacional de Normalizao - ISO 14000

SENAI-SP - INTRANET

15

Gesto pela qualidade

16

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Legislao ambiental na indstria

De acordo com presidente do comit da ISO que trata de sistema de gesto ambiental, Oswald Dobbs, a ISO 14001 uma aproximao sistmica para o gerenciamento ambiental e no um documento baseado em desempenho. A principal meta desta norma estabelecer a estrutura e a consistncia de um SGA que possa conduzir os procedimentos da organizao proteo ambiental, levando em considerao o impacto ambiental da empresa. A ISO 14001 e a ISSO 14004 formam a base para as organizaes implementarem, manterem e aperfeioarem um sistema de gesto ambiental. Elas diferem nos seguintes aspectos: A ISO 14004 d orientao geral para o gerenciamento interno de um SGA dentro de uma organizao. A ISO 14001 a base para a especificao de sistemas de gesto ambiental que deve ser satisfeita por uma organizao que busca autodeclarao de conformidade, bem como as que buscam registro e certificao dos seus sistemas de gesto ambiental. Ela consiste somente de requisitos que podem ser objetivamente auditados com fins de certificao e/ou autodeclarao. A orientao geral da ISO 14004 est inserida na discusso deste captulo, embora o foco seja a ISO 14001, mas h alguns aspectos especficos da ISO 14004 que so teis. Por esse motivo, vamos iniciar nossas discusses por esta ltima, para depois seguir adiante com a ISO 14001.

SENAI-SP - INTRANET

17

Gesto pela qualidade

A ISO 14004 est projetada para auxiliar uma organizao a implementar ou aperfeioar um SGA. Suas bases de implementao e projeto em uma organizao esto descritas a seguir: a. Colocar a gesto ambiental como principal prioridade da corporao; b. Comunicar-se com a partes interessadas internas e externas; c. Determinar os requisitos legais e regulatrios da organizao relacionados com o meio ambiente. d. Estabelecer comprometimento com a gesto ambiental; e. Instituir obrigaes e responsabilidades; f. Considerar os impactos ambientais de todas as fases do ciclo de vida do produto; atingi-las; h. Fornecer os recursos necessrios, inclusive treinamento; i. j. Rever o SGA com o objetivo de melhoria; Incentivar fornecedores e empreiteiros a adotarem uma abordagem do SGA. g. Estabelecer as metas ambientais da organizao e disponibilizar os meios pata

Alm disso, a norma ISO 14004 contm: a. Informao acerca dos princpios de gesto ambiental aceitos e como tais princpios podem ser integrados ao projeto e desenvolvimento de um SGA. b. Exemplos prticos das questes que uma organizao ter que assegurar que estejam referenciados no projeto de um SGA. c. Sees que oferecem ajuda prtica na orientao das vrias fases de planejamento, desenvolvimento, implementao e manuteno de um SGA. A ISO 14004 no foi planejada para ser usada para fins de certificao. Pelo contrrio um documento orientador. Apesar de no direcionada pela ISO 14404, uma boa reviso das questes gerais e as implicaes da implementao de um SGA podem ser obtidas da experincia da Nortel com o registro de nove dos seus sites, ou da experincia da empresa grfica Printech International. Os proponentes da ISO 14001 vem na sua implementao vrias caractersticas benficas: a. Fornece um meio sistemtico para as empresas procurarem alcanar objetivos ambientais especficos e incentiva aes dirigidas para a implementao de programas, prtica e tecnologia que podem contribuir para a melhoria ambiental. b. Focaliza a integrao do monitoramento e da manuteno de registros para todos os aspectos das atividades de uma organizao relacionadas ao meio ambiente. A integrao tambm requer a harmonizao da conformidade legislativa e18SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

reguladora com outros programas, tal como o programa Responsible Care da indstria qumica canadense. c. Incentiva a mudana das solues de fim-de-tubo para preveno da poluio. d. Pode ser estabelecida dentro da estrutura de sistemas de gerenciamento existentes em uma empresa, como, por exemplo, da ISO 9000. Assim, a norma aplicvel a qualquer organizao que deseje implementar, manter e aperfeioar um SGA; assegurar-se de sua conformidade com a poltica ambiental estabelecida; demonstrar tal conformidade a terceiros; obter registro/certificao de seu SGA atravs de uma organizao externa; e fazer uma autodeterminao e autodeclarao de conformidade com a norma. Todos os requisitos na norma so planejados para serem incorporados em um SGA. Contedo da norma NBR ISO 14001 1. 2. 3. 4. Objetivo e campo de aplicao Referncias normativas Definies Requisitos dos sistemas de gesto ambiental 4.1 4.2 4.3 Requisitos gerais Poltica ambiental Planejamento 4.3.1 4.3.2 4.3.3 4.3.4 4.4 4.4.1 4.4.2 4.4.3 4.4.4 4.4.5 4.4.6 4.4.7 4.5 4.5.1 4.5.2 4.5.3 4.5.4 4.6 Aspectos ambientais Requisitos legais e outros requisitos Objetivos e metas Programa (s) de gesto ambiental Estrutura e responsabilidade Treinamento, conscientizao e competncia Comunicao Documentao do sistema de gesto ambiental Controle de documentos Controle operacional Preparao e atendimento a emergncias Monitoramento e medio No-conformidade e aes corretivas e preventiva Registros Auditoria do sistema de gesto ambientalSENAI-SP - INTRANET

Implementao e operao

Verificao e ao corretiva

Anlise crtica pela administrao19

Gesto pela qualidade

Anexos A. Diretrizes para uso da especificao B. Correspondncias pela NBR ISO 14001 e NBR ISO 9001 C. Bibliografia

Condies gerais A ISO 14001 aplicvel em diversas condies e circunstncias, tais como: Em empresas de qualquer porte; Em qualquer tipo de organizao: comercial, industrial, sem fins lucrativos, governamental; Em qualquer definio de escala dentro da organizao: a totalidade das operaes internacionais, uma diviso particular dentro da companhia, uma unidade de negcios especfica, um local particular, culturais e sociais (ISO 1996); Em todos os meios, tais como gua, solo, resduos slidos, incentivando as organizaes a terem uma abordagem ampla, ao invs de especfica para um nico meio. A ISO 14001 aplica-se a larga faixa de organizaes. No entanto, sua relevncia de particular interesse para pequenas e mdias empresas (PMEs). A certa altura, foi proposta uma norma distinta (ISO 14002) para fornecer orientaes sobre a ISO 14001 para PMEs, mas esta iniciativa no progrediu. Um estudo interessante avaliando a implementao da ISO 14001 em PMEs foi conduzido pela agncia ambiental mexicana El Secretaria de Medio Ambient, Recursos Naturales y Pesca (SEMARNAP) por intermdio do Banco Mundial. O relatrio do Banco Mundia (1998) oferece uma viso introspectiva sobre a eficcia do SGA em pequenas empresas. A ISO 14001 tambm se aplica a outras organizaes que no apenas indstrias. Por exemplo, algumas das questes especficas para um municpio que adote a norma ISO 14001 podem ser encontradas em um artigo que descreve a experincia de HamiltonEwntworth, Ontrio. A ISO 14001 no inclui obrigaes especficas quanto ao desempenho ambiental, exceto o compromisso de atender aos requisitos legais existentes e a melhoria contnua. Em sentido prtico, no interessa, em termos de atendimento norma ISO 14001, quanto de poluente gerado, contanto que a organizao saiba que isso est ocorrendo.20SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

A ISO 14001 complementa, ao invs de substituir, a conformidade legal. O resultado que duas empresas com desempenhos ambientais bem diferentes podem atender aos requisitos da ISO 14001. A ISO 14001, isoladamente, no garante o melhor desempenho ambiental. Uma empresa pode falhar no atendimento s suas obrigaes regulatrias e estar envolvida em conflito e litgio acerca do seu desempenho ambiental, mas, ainda assim, pode estar em comflito e litgio acerca do seu desempenho ambiental, mas, ainda assim, pode estar em conformidade com os requisitos da ISO 14001, desde que a administrao tenha no local um mecanismo que chame a ateno para as deficincias regulatrias mediante reviso pela administrao ou outros processos. O sistema de gesto ambiental deve incentivar o uso da melhor tecnologia disponvel, onde for apropriado e economicamente vivel, e no est vinculada a qualquer implicao relacionada com o desempenho ambiental. O anexo A da Norma ISO 14001 declara que uma organizao pode levar em considerao o uso das melhores tecnologias disponveis, quando economicamente vivel, rentvel e julgado apropriado. A ISO 14001 se aplica somente queles aspectos ambientais que a organizao pode controlar e sobre os quais se espera que tenha influncia. Alguns autores, com Bell, por exemplo, sugeriram que a falha para incluir quaisquer requisitos de desempenho na ISO 14001 deveu-se suscetibilidade dos pases em desenvolvimento a padres inferiores para regulamentao ambiental.

Contedo da ISO 14001 O contedo da norma ISS 14001 est descrito conforme o quadro abaixo. O processo ISO 14001 Ao iniciar o processo da ISO 14001, o melhor ponto de partida o mesmo que o de qualquer SGA: comece por aqueles elementos que garantam benefcios bvios para a organizao - assegurando conformidade regulatria, promovendo a melhoria da eficincia energtica ou de materiais, ou reduzindo custos de disposio de resduos. A seguir, estabelea os programas, processos e procedimentos, e induza as mudanas tecnolgicas que possam melhorar o desempenho ambiental. Finalmente, integre todas as consideraes ambientais em todas as decises.

SENAI-SP - INTRANET

21

Gesto pela qualidade

As quatro questes referenciadas pela ISO 14001 que requerem ao so: Poltica ambiental associada Planejamento Implementao e operao Reviso e melhoria

Poltica ambiental associada A organizao define sua poltica ambiental e assegura o comprometimento com ela. Os detalhes do contedo e o desenvolvimento das polticas ambientais vo ser discutidos mais adiante, no captulo 4. Planejamento Desenvolve-se um plano para o preenchimento de sua poltica ambiental. A organizao rev tanto os aspectos ambientais significativos das atividades, produtos e servios da organizao, quando os requisitos legais e outros. Baseada nesses parmetros, a organizao estabelece objetivos e metas e assegura as ferramentas apropriadas estejam alocadas para alcan-los. Este assunto ser abordado no captulo 5. Implementao e operao O plano colocada em ao atravs do desenvolvimento de um sistema de gesto ambiental. A organizao define as responsabilidades e funes de todos os envolvidos e estabelece procedimentos de treinamento e procedimentos para comunicao interna e externa. O sistema de gesto ambiental deve envolver documentao apropriada e controle de documentos, controle operacional adequado, e referir-se a questes relacionadas com a preparao e resposta emergncia. No captulo 6 trataremos da implementao e operao do SGA. Reviso e melhoria So necessrios procedimentos para rever e melhorar continuamente os sistemas de gesto ambiental. O desempenho real comparado com os objetivos e metas por meio de auditorias que possam levar a uma certificao formal da organizao. As deficincias so tratadas com o objetivo de assegurar a melhoria contnua no desempenho ambiental. Esses assuntos sero objetivos de discusso dos captulos 7 a 10.

22

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

O que necessrio para se ter sucesso na implementao da ISO 14001? Num estudo envolvendo 18 organizaes, repercutindo, at certo ponto, na prpria norma, Diamond (1996) encontrou os pontos-chave: Certifique-se do comprometimento da alta administrao no incio do processo. Tenha um entendimento completo da norma ISO 14001. Realize uma auto-avaliao completa. Envolva muitos nveis funcionais e hierrquicos no processo de planejamento. Inicialmente, estabelea um pequeno nmero de objetivos ambientais factveis. Baseia-se em prticas comerciais existentes.

Alm da ISO 14001 Tambm conveniente considerar que os requisitos para conformidade baseada no desempenho, alm daqueles pela ISO 14001, podem ser impostos. Este seria o caso, particularmente em: Indstria que adotaram normas especficas, como o Responsible Care e a norma CIQC 0014 da indstria de computadores, que requer a conformidade do fornecedor; Grandes empresas que adotaram outras formas de normas voluntrias, tais como os Princpios CERES; Mercados em rea tais como a Europa com as clusulas do EMAS.

Uma empresa comprometida com um conjunto de princpios ambientais mais rgidos no limitaria suas exigncias para com os fornecedores somente s que esto indicadas na ISO 14001 pode vir, tambm, dos rgos regulamentadores. Por exemplo, o Estado de Michigan introduziu um programa voluntrio, Clean Corporate Citizen, que, embora seja baseado na ISO 14001, requer um programa eficaz de preveno da poluio, conformidade com a regulamentao e um processo pblico de reviso. Os participantes recebem benefcios da regulamentao tal como num processo de licenciamento mais rpido. Semelhantemente, a Agncia de Proteo Ambiental dos Estados Unidos editou uma declarao sobre o SGA, estabelecendo que a EPA incentiva o emprego de SGAs que enfoquem a melhoria do desempenho e da conformidade ambiental assim como a reduo na fonte (preveno da poluio) e desempenho do sistema (Federal Register 1998). A ISO 14001 enfoca somente o ltimo ponto: o desempenho do sistema.

SENAI-SP - INTRANET

23

Gesto pela qualidade

24

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Gerenciamento de resduos slidos

Em geral o resduo slido consiste em resduos slido municipal (incluindo resduo domstico perigoso) e resduo slidos industrial (incluindo resduos especiais e perigosos). O resduo slido municipal, comumente conhecido como lixo ou refugo, consiste de itens da vida diria, tais como materiais de embalagem, aparas de grama, roupas, garrafas, restos de comida, jornais, utenslios, tintas e baterias. A caracterizao do resduo slido municipal nos Estados Unidos pode ser encontrada na Franklin Associates (1998). O resduo slido industrial gerado por um amplo espectro de indstrias, tais como fbricas e hospitais. Para impedir ou desviar materiais da corrente de resduos, pode ser aplicado o gerenciamento de resduos mediante prticas, como reduo na fonte, reutilizao e reciclagem (Escritrio de Resduos Slidos, 1999), conforme veremos a seguir.

Tratamento do lixo O Brasil produz cerca de 90 mil toneladas de lixo por dia, o que corresponde a 30 mil caminhes cheios de lixo. A grande quantidade de embalagens e produtos descartveis agrava mais o problema. Boa parte desse lixo constituda de materiais que podem ser reciclados; outra parte constituda de material orgnico que pode ser decomposto por microrganismos. No Brasil, quase todo o lixo jogado em lixes. O quadro abaixo mostra os principais destinos do lixo no Brasil. Destinos Lixes Aterros sanitrios Usinas de tratamento Em toneladas 79.200 9.000 1.800 Em caminhes 26.400 3.000 600 Porcentagem 88% 10% 2

Vamos ver agora o que acontece com o lixo nesses lugares.

SENAI-SP - INTRANET

25

Gesto pela qualidade

Lixes So aterros comuns, onde o lixo depositado diariamente a cu aberto, o que provoca contaminao da gua, do solo e do ar. A decomposio do lixo produz um lquido negro, altamente poluente chamado chorume, que penetra no solo e atinge as guas subterrneas, contaminando as minas e fontes. A decomposio tambm provoca a proliferao de animais transmissores de inmeras doenas, como ratos, baratas, moscas e mosquitos. O solo contaminado torna-se improdutivo, alm de ser um desperdcio a ocupao de grandes terrenos com lixo. Aterros sanitrios So reas escolhidas com critrio, geralmente terrenos no produtivos e que no esto localizados em reas de preservao ambiental. O fundo do aterro deve ser preparado com camadas plastificadas resistentes, prevendo o escoamento do chorume e o seu tratamento. uma obra de engenharia complexa, executada com todos os critrios tcnicos, de acordo com a legislao antipoluio vigente. Nos aterros sanitrios, o lixo disposto em camadas, cobertas com terra ou argila e compactadas por tratores de esteiras. Aps algum tempo, esse lixo parcialmente decomposto pelos microorganismos que se alimentam dele. Os resduos de lixo vo se acumulando, at lotar a capacidade do terreno. Em So Paulo existem, atualmente, cinco aterros sanitrios. Um deles s para entulho da construo civil. dos outro quatro, dois j esto esgotados. Usinas de tratamento Nessas usinas, o lixo no acumulado. Ao chegar, o lixo espalhado em esteiras mveis, para que os materiais reciclveis possam ser separados, com vidros, papis, metais, plsticos, etc., e vendidos s indstrias de reciclagem. O lixo restante colocado em grandes reatores chamados biodigestores. Por meio da ao dos microorganismos, o lixo se transforma em um composto orgnico que pode ser usado como adubo ou como componente de raes para animais. O lixo residual que porventura sobrar levado para um aterro sanitrio. Incinerao O lixo incinerado proveniente de hospitais, clnicas veterinrias, materiais txicos etc. os gases contidos na fumaa do lixo queimado podem ser poluentes, se no forem corretamente tratados.26SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Reduo Reduo na fonte significa consumir e desperdiar menos. Alguns exemplos de iniciativas de reduo incluem no apenas a compra de produtos durveis , compra de mercadorias que sejam, tanto quanto possvel, livres de produtos txicos, mas tambm a reestruturao do projeto de um produto para que seja possvel utilizar menos matria-prima e dispor de uma vida mais longa. A reduo na fonte previne a gerao de resduos e o mtodo preferido de gerenciamento de resduos.

Reutilizao Reutilizar significa utilizar um produto mais de uma vez, quer para o mesmo objetivo, quer para um propsito diferente. Alguns exemplos de reutilizao incluem: Artigos de restaurao; Garrafas para reenchimento; Artigos de doao para grupos de caridade e da comunidade; Reutilizao de caixas; Participao em programa de coleta e reutilizao de tintas.

Devido ao fato de os itens no necessitarem de um reprocessamento antes que possam ser usados novamente, prefervel a reutilizao reciclagem.

Reciclagem A reciclagem processa materiais que, de outra forma, seriam transformadas em resduos quando ainda se apresentam como recursos valiosos. Materiais reciclveis, tais como vidro, metal, plsticos e papel, so coletados, separados e ento enviados para instalaes que podem transform-los em novos materiais ou produtos.

A compostagem uma outra forma de reciclagem. Pelo processo de decomposio biolgica controlada, ela transforma resduos orgnicos, tais como restos de alimentos, em humus, que um material semelhante terra e pode ser usado em hortas e jardins, paisagismo, alm de oferecer muitas outras aplicaes.

SENAI-SP - INTRANET

27

Gesto pela qualidade

A reciclagem gera uma gama de benefcios sociais, financeiros e ambientais, tais como a conservao de recursos para o futuro, economia de energia, fortalecimento de matrias-primas valiosas para a indstria, reduo da necessidade de novos aterros incineradores, estmulo ao desenvolvimento de tecnologias verdes e criao de empregos. A fim de tornar a reciclagem economicamente vivel, devem ser estabelecidos mercados para produtos e embalagens reciclados. Alguns exemplos de reciclagem sero apresentados a seguir. Papel Inventado na China, por volta de 200 anos antes de Cristo, o papel chegou Europa somente no sculo XI da nossa era. O papel fabricado, basicamente, a partir de uma pasta de celulose, obtida pelo cozimento da mistura de cavacos de madeira e gua. Os dejetos desse processo de cozimento poluem a gua e o ar. Para fabricar uma tonelada de papel virgem, so utilizadas 10 a 20 rvores adultas e 100 mil litros de gua. Quando o papel reciclado, a quantidade de gua empregada no processo diminui para 2 mil litros, e evita-se o corte de tantas rvores. A energia gasta 71% menor do que para a produo de papel virgem, e o processo n]ao to poluidor. O processo de reciclagem simples. O papel usado (jornais velhos, restos de produo de grficas, aparas, papis de embrulho, cadernos usados etc) vai para uma mquina semelhante a um grande liqidificador. O papel desfibrado, formando uma pasta. Essa pasta passa por uma mquina que retira as impurezas. Depois de limpa, a pasta imersa em gua e colocada em uma superfcie plana, sobre uma tela, que dar forma ao papel. O excesso de gua escoa e um sistema de rolos compressores d consistncia s folhas, que so postas para secar. No Brasil, cerca de 30% do papel produzido vai para a reciclagem. O papel reciclado utilizado, principalmente, na fabricao de caixas de papelo. Atualmente, o Brasil importa milhares de toneladas de aparas por ano. Se o volume de papel reciclado fosse menor, o Brasil no precisaria comprar restos de papel para dar conta de sua produo.

28

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Vidro O vidro foi criado h cerca de 4000 anos antes de Cristo. feito de matrias-primas naturais, como areia, barrilha, feldspato, alumina etc. algumas dessas jazidas j esto se esgotando. Na produo de vidro, so gastos 1.200kg de matria-prima para cada 1.000kg de vidro. A extrao desse material agride a natureza e o meio ambiente. O vidro no degradvel, mas 100% reciclvel. Com 1.000kg de vidro triturado so produzidos praticamente 1.000kg de vidro novo. Na reciclagem, o vidro passa por um processo de lavagem e so retirados objetos estranhos, como rtulos, anis metlicos etc. depois, separado pela cor e triturado. A seguir, entra no processo de fabricao normal: o vidro fundido para a produo de novos objetos. Alguns tipos de vidro, como os planos, usados em janelas e portas, necessitam de tratamento especial na reciclagem. Esses vidros podem ser reutilizados na fabricao de telhas e l de vidro, ou ainda, convertidos em pequenos gros, que so misturados tinta para pintura de asfalto. Um objeto de vidro pode ser usado infinitamente desde que no se quebre. Por isso, as indstrias alimentcias e de refrigerantes reutilizam vidros, de pois de lavados e desinfetados. Uma tonelada de vidro reutilizado economiza cerca de 290kg de petrleo e 1.200 kg de matria prima que seriam gastos em sua fundio. Metal Os metais tm sido utilizados pelo homem desde a Idade do Ferro, na confeco de armas e ferramentas. A partir do final do sculo XIX, iniciou-se a fabricao de embalagens para conservar alimentos, feitas de ligas metlicas como folhas-deflandres, ao e alumnio. O ao uma liga de ferro com teor de carbono que varia entre 0,06% e 1,7%. Ele obtido do beneficiamento siderrgico do ferro-gusa com adio de metais diversos para a produo de ligas especiais. Atualmente, no Brasil, so consumidas 650 mil toneladas de ao laminado, por ano, e 25% delas so destinadas fabricao de latas para a indstria alimentcia.

SENAI-SP - INTRANET

29

Gesto pela qualidade

O Brasil o segundo maior produtor mundial de minrio de ferro, e o sexto maior produtor de ao, mas essa produo no suficiente para suprir nossas necessidades internas. Por isso, o Brasil gasta muito dinheiro com importao de sucata de ferro. E as reservas de minrio de ferro do planeta podem suprir o consumo s por pouco mais de um sculo. O alumnio obtido da bauxita. So necessrias cinco toneladas de bauxita para se produzir uma tonelada de alumnio, e a extrao da bauxita extremamente agressora ao meio ambiente. Nos ltimos anos, tem aumentado muito o emprego das embalagens de alumnio. So de alumnio as embalagens para pasta de dente, creme de barbear, refrigerante, cerveja e muitas outras. O Brasil consegue reciclar 27% do ao produzido e 50% das latas de alumnio. A reciclagem simples. A sucata separada conforme o material predominante, lavada, prensada e fundida novamente. A reciclagem do ao possibilita 74% de economia de energia, e a do alumnio possibilita 95%. Uma latinha de alumnio reciclada poupa meia latinha de gasolina. Plstico O plstico um produto relativamente novo, pois foi desenvolvido no incio deste sculo e popularizado. elaborado a partir de derivados do petrleo. Alm do fato de que o petrleo um recurso natural dificilmente renovvel, calcula-se que certos tipos de plsticos podem levar mais de cinqenta anos para degradar. Cada cidado brasileiro joga no lixo, anualmente, uma mdia de 10 quilos de plstico. S na cidade de So Paulo so reconhecidas 670 toneladas de plstico diariamente. O plstico pode ser reciclado na prpria indstria que o fabrica. As peas defeituosas ou nas aparas so trituradas, derretidas e novamente colocadas na linha de produo. Embalagens e outros plsticos usados tambm podem ser reciclados. Na reciclagem do plstico a economia de energia chega a 90%. Para aumentar a produtividade na reciclagem, os plsticos so codificados com nmeros de 1 a 7, de acordo coma resina de que foram feitos. Isso facilita a classificao na hora da reciclagem, pois plsticos feitos da mesma resina fornecem um produto final de melhor qualidade.

30

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Veja no quadro a seguir alguns tipos de resina, seus usos principais e os produtos obtidos de sua reciclagem. Resina Polietileno terftalato Polietileno de alta densidade Vinil ou polivinil Uso principal Garrafas de refrigerante Produtos de reciclagem Tapetes, penugem das bolas de tnis.

Polietileno de baixa densidade Polipropileno Poliestireno

Garrafas de gua, recipientes para detergentes Esteiras de cho, canos Recipientes para leo, e mangueiras. embalagem de alimentos, vlvulas e juntas. Embalagens de biscoitos e Saquinhos de massas supermercado Recipientes de alimentos domsticos, isolantes Recipientes para tinta Copos descartveis, utenslios Canos, latas de lixo

Alguns pases reutilizam o plstico como combustvel. Ele queimado em grandes incineradores, gerando uma energia superior do carvo. Porm, necessrio o uso de um sistema de filtros para diminuir a poluio do ar. A emisso desses gases na atmosfera deve seguir as normas de segurana e a legislao aplicada poluio do ar. leo Os leos lubrificantes esto entre os pouco derivados de petrleo que no so totalmente consumidos durante o seu uso. Fabricantes de aditivos e formuladores de leos lubrificantes vm trabalhando no desenvolvimento de produtos com maior vida til com isso, crescem as dificuldades no processo de regenerao aps o uso. A questo da reciclagem de leos lubrificantes usados ganha cada vez mais espao no contexto da conservao ambiental. Nos pases desenvolvidos, a coleta de leos usados geralmente tratada como uma necessidade de proteo ambiental. Na Frana e na Itlia, um imposto sobre os leos lubrificantes custeia a coleta dos mesmos. Em outros pases, esse suporte vem de impostos para tratamento de resduos em geral. Nos Estados Unidos e Canad, ao contrrio do que ocorre no Brasil, normalmente o gerador do leo usado quem paga no coletor pela retirada do mesmo.

SENAI-SP - INTRANET

31

Gesto pela qualidade

Quando os leos lubrificantes usados esto contaminados, fora da faixa de viscosidade ou com outros pequenos problemas, o certo envi-los para um servio de reaproveitamento do leo bsico e de todos os seus subprodutos. Os leos usados de base mineral no so biodegradveis e podem ocasionar srios problemas ambientais quando no adequadamente dispostos. O uso de produtos lubrificantes de origem vegetal biodegradveis ainda se encontra em estgio pouco avanado de desenvolvimento para a maior parte das aplicaes. A poluio gerada pelo descarte de 1t/dia de leo usado para o solo ou cursos dgua eqivale ao esgoto domstico de 40 mil habitantes. A queima indiscriminada do leo lubrificante usado, sem tratamento prvio de desmetalizao, gera emisses significativas de xidos metlicos, alm de outros gases txicos, como a dioxina e xidos de enxofre. A origem dos leos lubrificantes usados bastante diversificada e suas caractersticas podem apresentar grandes variaes, e nesse ponto interessante que se faa uma distino entre os leos usados de aplicaes industriais e os de uso automotivo. leos usados industriais Os leos industriais possuem, em geral, um baixo nvel de aditivao. Nas aplicaes de maior consumo, como em turbinas, sistemas hidrulicos e engrenagens, os perodos de troca so definidos por limites de degradao ou contaminao bem mais baixos do que no uso automotivo. leos usados automotivos Nas aplicaes automotivas, tanto os nveis de aditivao quanto os nveis de contaminantes e de degradao do leo bsico so bem mais elevados do que nas aplicaes industriais. A maior parte do leo usado coletado para re-refino proveniente do uso automotivo. Dentro desse uso esto os leos usados de motores gasolina (carros de passeio) e motores diesel (principalmente frotas). As fontes geradoras (postos de combustveis, super trocas, transportadoras, etc.) so numerosas e dispersas, o que, aliado ao fator das longas distncias, acarreta grandes dificuldades para a coleta dos leos lubrificantes usados.

32

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Um processo de re-refino deve compreender em etapas com as seguintes finalidades: Remoo de gua e contaminantes leves; Remoo de aditivos polimricos, produtos de degradao termo-oxidativa do leo de alto molecular e elementos metlicos oriundos do desgaste das mquinas lubrificadas (desasfaltamento) Fracionamento do leo desasfaltado nos cortes requeridos pelo mercado. Acabamento, visando a retirada dos compostos que conferem cor, odor e instabilidade aos produtos, principalmente produtos de oxidao, distribudos em toda faixa de destilao do leo bsico. A gua removida do processo deve passar por tratamento complexo, em funo de contaminao com fenol e hidrocarbonetos leves. Os produtos pesados da destilao e desasfaltamento tm aplicao potencial na formulao de asfaltos. As propriedades do leo destilado, ainda carentes de ajuste, so a estabilidade de cor, odor e ndice de acidez do leo, principalmente. Alm da remoo de metais e produtos de oxidao, a etapa desasfaltamento aumenta a uniformidade da carga da etapa de acabamento, em termos de contedo de metais e nvel de oxidao. Pneus O surgimento dos pneus de borracha fez com que fossem substitudas as rodas de madeira e ferro, usadas em carroas e carruagens desde os primrdios da Histria. Esse grande avano foi possvel quando o norte-americano Charles Goodyear inventou o pneu ao descobrir, o processo de vulcanizao da borracha quando deixou o produto, misturado com enxofre, cair no cho. Mal sabia ele que sua inveno revolucionaria o mundo. Entre as outras potencialidades industriais, alm de ser mais resistente e durvel, a borracha absorve melhor o impacto das rodas com o solo, o que tornou o transporte mais prtico e confortvel. Porm, juntamente com a revoluo no setor dos transportes, a utilizao dos pneus de borracha trouxe consigo a problemtica do impacto ambiental, uma vez que a maior

SENAI-SP - INTRANET

33

Gesto pela qualidade

parte dos pneus descartados est abandonado em locais inadequados, causando grandes transtornos para a sade e a qualidade de vidas humanas. Os pneus so constitudos por uma estrutura complexa, tendo na sua composio diversos tipos de materiais, como borracha, ao, tecido de nilon, o poliester, estes componentes conferem as caractersticas necessrias ao seu desempenho e segurana. Segundo organizaes internacionais, a produo de pneus novos est estimada em cerca de 2 milhes por dia em todo o mundo. J o descarte de pneus velhos chega a atingir, anualmente, a marca de quase 800 milhes de unidades. S no Brasil so produzidos cerca de 40 milhes de pneus por ano e quase metade dessa produo descartada nesse perodo. A reciclagem dos pneus muito dispendiosa, pois devido a ser um material que foi vulcanizado. O processo de separao desses materiais constitui-se por em uma primeira fase de triturao em pedaos de uma granulometria elevada, posteriormente o material resultante da primeira fase do processo triturado novamente, o que resultar em um material com um granulometria inferior, e assim sucessivamente at que se obtenha p borracha. O ao retirado do processo atravs de eletro m e os tecidos ficam depositados nas peneiras. Os pneus tambm podem ter uma outra utilizao, como combustveis em caldeiras, porm existe um grande inconveniente na queima da borracha, so exalados gases txicos com grandes concentraes de enxofre e de amnia. Este tipo de utilizao no o mais indicado, pois os filtros tm um elevado custo tanto na implantao como na manuteno, tornando-se assim um processo danoso ao meio ambiente, o que pode levar a precipitao de chuvas cidas. O p de borracha tem vrias utilizaes, pode substituir os polmeros que fazem parte da composio do asfalto, tapetes, pisos, amortecedores, mantas, etc. Apesar de ter um vasto campo o de utilizao o p de borracha, ainda invivel economicamente, pois o processo de separao muito caro.

34

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Voc viu como simples diminuir o volume de lixo de uma cidade, tornando nosso ambiente mais saudvel. O Programa das Naes Unidas para o Meio Ambiente apresenta as seguintes solues para o problema de acmulo de lixo. Reduzir: usar menos material, evitar desperdcios. Reutilizar: no jogar fora produtos usados, mas sim empreg-los de outras maneiras ou encaminh-los para fbricas de reciclagem. Reciclar: reprocessar a matria-prima dos produtos usados, para a fabricao de novos produtos. Incinerar: para aproveitar, pelo menos, parte da energia que foi gasta na confeco dos produtos Dispor em aterros: em ltimo caso, acumular os resduos em reas especialmente preparadas, para evitar a contaminao do solo e de lenis de gua subterrnea.

SENAI-SP - INTRANET

35

Gesto pela qualidade

36

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Preveno da poluio

A preveno da poluio definida como reduo na fonte, prevenindo ou reduzindo a gerao de resduos onde ele se origina: na fonte. Isso melhor que remov-lo aps terem sido gerados. A preveno da poluio ou reduo na fonte significa qualquer prtica que: a. Reduza a quantidade de qualquer substncia perigosa, poluente ou contaminante que entre em qualquer corrente de resduos, o que seja liberada para o meio ambiente antes da reciclagem, tratamento ou disposio; b. Reduza os perigos sade pblica e ao meio ambiente associados liberao de tais substncias, poluentes ou contaminantes; c. Conserve os recursos naturais pela reduo ou eliminao de poluentes com o aumento da eficincia no uso das matrias-primas, energia, gua e solo. Nos Estados Unidos, o Ato de Preveno da Poluio (Pollution Prevention Act) de 1990 estabeleceu uma poltica nacional que dizia: A poluio deve ser prevenida ou reduzida na fonte sempre que exeqvel; A poluio que no puder ser prevenida deve ser reciclada de uma maneira ambientalmente segura sempre que exeqvel; A poluio que no puder ser prevenida ou reciclada deve ser tratada de uma maneira ambientalmente segura sempre que exeqvel; A disposio ou outra forma liberao de poluentes para o meio ambiente dever ocorrer apenas como ltimo recurso e conduzida de uma maneira ambientalmente segura. Portanto, estabelecida uma hierarquia de gesto ambiental que inclui preveno, reciclagem, tratamento e disposio ou liberao. A abordagem da preveno para reduo da poluio busca eliminar a poluio na fonte por meio da reformulao ou reprojeto de produtos, modificao de processos ou procedimentos, modificao ou reprojeto de equipamentos, substituio de matrias-primas e melhoria no housekkeping , manuteno, treinamento ou controle de inventrio. Assim, uma nova mentalidade ambiental proativa estar consolidada.SENAI-SP - INTRANET

37

Gesto pela qualidade

Exemplos de prticas de preveno da poluio A inovao desempenha uma funo central na preveno da poluio. Alguns exemplos so resumidamente descritos: a. A instalao da Dow Chemical na Califrnia usa gs clordrico com soda custica para fabricar uma srie de produtos qumicos. Em 1987, a Dow Chemical modificou seu processo de produo. O uso de soda custica foi reduzido, diminuindo os resduos corrosivos em cerca de 6000 toneladas por ano e os resduos de cido clordrico em cerca de 80 toneladas por ano. b. Para atingir a meta de reduo de emisso de solventes em 90%, a 3M desenvolveu uma forma de eliminar completamente o seu uso mediante o revestimento de produtos com solues mais seguras, base de gua. Tal procedimento contribuiu para a reduo do tempo para comercializar seu produto base de gua, j que o processo de aprovao de revestimento base de solventes foi eliminado. c. Para reduzir o custo da disposio de resduos, a Du Pont instalou equipamentos de monitoramento de alta qualidade, que reduziram material de sucata associada com partidas da produo. d. O protocolo de Montreal exigiu que a indstria eletrnica eliminasse os clorofluorcarbonos (CFCs) destruidores do oznio. Os CFCs so usados como agentes de limpeza para remover resduos associados com a fabricao de cartes de circuito impresso. A Raytheon desenvolveu um agente de limpeza alternativo que pode ser reutilizado em um sistema de circuito fechado. Tecnologias de soldagem sem limpeza tambm foram desenvolvidas. e. A fim de facilitar a reciclagem dos produtos, a Hitachi reprojetou seus produtos para reduzir o tempo de desmontagem. O nmero de peas em uma mquina de lavar foi reduzido em 16%. Muitas companhias dispem de programas de preveno de poluio. Por exemplo, o programa Pollution Prvention Pays (3P) da 3M iniciou-se em 1975. De 1975 a 1996 o programa 3P da 3M evitou a gerao de 246.000 toneladas de poluentes atmosfricos, 31.000 toneladas de poluentes da gua, 494.000 toneladas de resduos slidos / Iodo e 3,7 bilhes de gales de efluentes, e economizou U$810 milhes.

Abordagens de sistemas para as interaes entre indstria e meio ambiente Uma srie de abordagens de sistemas para estudar as interaes indstria - meio ambiente foi desenvolvida. Trs metodologias: ecologia industrial, projeto para o meio ambiente e avaliao do ciclo de vida.38SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Ecologia industrial A ecologia industrial surge da percepo de que a atividade econmica est provocando modificaes inaceitveis nos sistemas bsicos de suporte ambiental. Ela estuda todas as interaes entre os sistemas industriais e o meio ambiente natural. O ciclo completo dos materiais industriais, da matria prima ao material processado, ao componente, ao produto, ao produto obsoleto e disposio final considerado pela ecologia industrial como um sistema de otimizao. Fatores considerados para a otimizao incluem recursos, energia e capital. Os impactos ambientais humanos so evidentes em uma variedade de perturbaes: Aumento da difuso global de produtos txicos orgnicos e inorgnicos; Perda de solo arvel; Perda e degradao das fontes de gua doce; Aumento de acidez da precipitao pluvial; Depleo do oznio; Mudana forada do clima global; Perda da biodiversidade.

As influncias fundamentais sobre o sistema global podem ser entendidas considerando a equao mestre.

SENAI-SP - INTRANET

39

Gesto pela qualidade

40

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Evoluo do conceito de qualidade

Iniciamos nossa viagem pela Histria, no Mundo Antigo, h muitos sculos atrs. Nessa poca, a qualidade se confunde com a prpria figura do arteso: alfaiate, sapateiro, ferreiro, etc. E por que isso acontece? que o trabalho de cada arteso traz sua marca registrada, como ainda acontece com os grandes artistas da atualidade. O arteso confere a tudo que faz sua marca nica, exclusiva.

O arteso O arteso do mundo antigo escolhe a matria prima, especialmente para o produto que vai elaborar. Sua tcnica, muitas vezes, um segredo que s ele conhece, resultado de muitos anos de trabalho e experimentao. Seu trabalho totalmente manual e lento. Por isso, seus produtos so caros e s esto ao alcance de uma minoria privilegiada. Nessa poca, portanto, a qualidade garantida pelo prprio arteso, pois ele est em contato direto com seus clientes e conhece as suas necessidades. A manufatura O domnio do arteso continuou praticamente absoluto at o sculo XVIII. Nesse ponto entram em cena a manufatura e a diviso capital-trabalho: vrios artesos passam a trabalhar em conjunto, para um capitalista - proprietrio das ferramentas, da matriaprima e... dos clientes.

SENAI-SP - INTRANET

41

Gesto pela qualidade

O capitalista produziu um afastamento entre o arteso e seus clientes. Na manufatura, o arteso conhece e domina totalmente sua tcnica. Na manufatura, o arteso conhece e domina totalmente sua tcnica. Mas, o arteso no tem mais contato direto com seus clientes: a qualidade de seu produto passa a ser tanto da sua responsabilidade como do dono da manufatura. A Revoluo Industrial Na manufatura a produo ainda era baixa e destinada a poucos. Com a Revoluo Industrial comea a mecanizao que tem como conseqncias diretas: o aumento da produo e barateamento dos produtos. Herry Ford cria a primeira linha de montagem para produzir em larga escala o automvel Ford modelo T. Taylor e Fayol realizam estudos de tempos, mtodos e movimentos para aumentar o fluxo da produo. O processo produtivo passa, ento, a ser dividido em operaes elementares que podem ser executadas por operrios que no precisam ter uma grande qualificao profissional. A qualidade dos produtos cai e torna-se necessrio criar a inspeo em cada fim de etapa. Essa inspeo permite separar os produtos defeituosos, para evitar que eles cheguem ao consumidor. Portanto, na produo em srie que utiliza linha de montagem, quem produz no domina todo o processo de fabricao, no tem mais contato com os clientes (consumidores) e a responsabilidade da qualidade fica a cargo de inspetores. Intercambialidade Nas linhas de montagem os produtos deixam de ser produzidos de forma individualizada: os componentes n]ao so fabricados e ajustados para compor cada produto. Produzidas em grande quantidade, as peas perdem sua individualidade. Devem, entretanto, ser equivalentes para permitir sua montagem. Dizemos, ento, que as peas so intercambiveis - podem ser trocadas entre si.

42

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

A intercambialidade das peas cria um outro conceito de qualidade: as peas no precisam mais ter dimenses exatas. Elas sero consideradas adequadas e intercambiveis se suas dimenses estiverem dentro de limites de tolerncia previamente estabelecidos. Assim, a partir de 1840, surgem os calibres simples para verificar e controlar as dimenses das peas. So os calibres tipo passa que selecionam as peas que esto dentro do limite de tolerncia fixado. Em 1870 os calibres j so do tipo passa no passa, ou seja, estabelecem as dimenses mnima e mxima que as peas podem apresentar para serem aceitas. Da inspeo ao controle de qualidade A partir de 1900, vrias tcnicas foram desenvolvidas para combater os defeitos de fabricao e reduzir os prejuzos produo. Essas tcnicas podem ser agrupadas sob o nome de controle de qualidade. Algumas das principais mudanas que ocorreram na passagem da simples inspeo para o controle de qualidade so apresentadas abaixo: At 1840 - inspeo simples; De 1840 a 1900 - limites de tolerncia - controle com calibres; 1900 - normalizao com especificao de fabricao; 1920 - conceitos de tolerncia da partida especificaes de aceitao; 1924 - controle da fabricao por meio de grficos 1940 - aprimoramento das tcnicas de controle estatstico do processo.

O controle de qualidade um avano significativo em relao simples inspeo: seu objetivo no simplesmente separar as peas defeituosas. Com o controle de qualidade procura-se evitar a produo de peas de qualidade insatisfatria. Passa-se a trabalhar com especificaes de fabricao. A qualidade dos produtos torna-se, ento, o atendimento dessas especificaes. A partir de 1920 a estatstica introduzida no controle de qualidade. que a grande produo de peas tornou demorada e cara a inspeo completa, pea por pea. Com a estatstica a inspeo passa a ser feita por amostragem.

SENAI-SP - INTRANET

43

Gesto pela qualidade

O controle estatstico do processo (CEP) representa o ponto mximo no desenvolvimento do controle de qualidade. que ele vai agir sobre todas as fases da produo: comea no prprio estudo do projeto; prossegue com a verificao da matria-prima; continua no prprio processo de fabricao e termina no produto acabado.

44

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Gerenciamento da qualidade

O entendimento do Controle de Qualidade total (Roteiro geral para a implantao do CQT) necessita do entendimento de dois conceito muito importantes: Qualidade e Controle. A palavra controle deve ser interpretada como administrao, gerenciamento. Gerenciar uma empresa significa implementar aes de rotina e de melhorias (Conceito de controle). Rotina Significa manter-se no rumo atual, evitando mudanas a fim de evitar-se que problemas ou situaes j surgidas, voltem a reaparecer. Fazer as coisas de forma previsvel por um lado interessante, pois nada muda, ou seja, pode-se produzir os mesmos produtos na mesma qualidade, com o mesmo custo e na mesma quantidade. Em contrapartida, o lado perigoso e comprometedor de se trabalhar dentro de rotinas no aperceber-se que o concorrente apresenta uma performance melhor, Uma vez que no est fixa apenas em manter as metas, mas sim em desafi-las. a que surge a outra parte do gerenciamento, ou seja, as melhorias. Melhorias Significa mudanas, buscar atingir nveis de desempenho nunca antes alcanados, requer aes desafiadoras e criadoras, introduzindo novos produtos, processos e mercados, alm de reduzir custos, acidentes, desperdcios, aumentando a produo, a qualidade e consequentemente, os lucros. Neste campo, cabe gerncia a implantao das mudanas, atravs da intensificao de melhorias.

SENAI-SP - INTRANET

45

Gesto pela qualidade

Princpios do Gerenciamento por rotinas e melhorias. Abaixo esto listados alguns princpios do Gerenciamento por rotinas e melhorias: A rotina a manuteno de padres e a melhoria corresponde a um novo padro ou modificao dos j existentes (Conceito de controle). A rotina pode resultar em melhorias uma vez que a obedincia aos padres poder resultar numa melhoria atravs da rotina, porm, se algum sugere um procedimento diferente que aumenta em 20% o rendimento de um equipamento, esta uma melhoria atravs das Melhorias; A implantao da rotina deve preceder a implantao da melhoria. A prtica simultnea da rotina e de melhorias implicam em resultados positivos para a organizao; O gerenciamento por rotinas e Melhoria deve ser conduzido por aes sistemticas para que os resultados sejam obtidos mais rapidamente; Em geral, as rotinas e as melhorias so administradas por pessoas diferentes, nas empresas.

Roteiro geral para a implantao do CQT

46

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Embora administrar possa parecer uma coisa simples e compreenda atitude, organizao e metodologia, existe diferenas entre administrar por rotinas e administrar por melhorias, como possvel verificar-se na tabela seguinte. Administrando-se por rotina a nfase dada em prevenir mudanas e na administrao por melhorias a nfase dada criao. A verdade que nem num caso nem no outro o controle pode ser baseado em "comandos" ou "Cobrana" desordenadas. comum, nesse caso, as culpas serem atribuda aos operrio, quando sabido que 85% de todos os problemas que ocorrem numa empresa so de responsabilidade direta dos administradores. Na verdade, o gerenciamento a alma de qualquer processo e nada mais funcional que atribu-lo a quem comanda o corpo da empresa, ou seja todos os seus funcionrios. Gerenciar papel de cada um, pois se executando de forma metdica e metodologicamente, s pode dar certo e o ciclo PDCA uma ferramenta gerencial imprescindvel para gerenciar processos

SENAI-SP - INTRANET

47

Gesto pela qualidade

EventoA atitude gerencial a de acreditar que:

RotinaO atual nvel de desempenho suficiente, ou, se no no pode ser melhorando, isto uma sina, no um problema Perpetuar o desenvolvimento no atual nvel atravs dos procedimentos de rotina Identificar e eliminar desvios espordicos do desempenho atual

MelhoriasO atual nvel de desempenho no suficiente e de algo deve ser feito isto , um problema, no uma sina Alcanar melhor desempenho atravs dos procedimentos de Melhorias Identificar e eliminar obstculos crnicos ao melhor desempenho

O objetivo gerencial visa:

O plano gerencial para:

Processo Processo um conjunto de causas. Uma empresa pode ser considerada um processo e dentro dela encontra-se vrios outros processos. O controle se d dentro do relacionamento do binmio causa-efeito aplicado por todos dentro da empresa. Um efeito pode ter uma srie de causas diferentes, da porque o processo ser o conjunto dessas causas. Pode-se imaginar uma fbrica de latas onde o efeito principal a lata e as causas so os equipamentos, a matria prima, a mo de obra treinada, o mtodo de fabricao, etc. Ento, fica fcil concluir que enquanto houver causas e efeitos haver processos, assim como, se cada processo for subdividido em outros processos ser cada vez mais fcil identificar e trabalhar os problemas, atacando prontamente suas causas. Um processo pode ter vrios efeitos, porm, dois ou trs so os mais importantes, caracterizando-se como itens de verificao.

Controle de processo Controlar um processo significa manter estvel ou melhorar um conjunto de causas que afetam os itens de controle da rea a ser gerenciada. O controle por rotinas deve estabelecer e melhorar continuamente o sistema de padres, ao passo que o controle por melhorias visa estabelecer planos e metas trabalhando para que as metas sejam atingidas de forma a tornar o processo cada vez mais competitivo. Vale salientar que no controle do processo o gerenciamento desenvolvido por quem tem autoridade sobre suas causas.

48

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Sistema da qualidade

O conceito de qualidade total ampliou o controle de qualidade levando-o a todas as fases do processo produtivo. A competitividade e sobrevivncia das empresas vo depender, ento, da qualidade de seus produtos. Mas, dentro da qualidade total, tornou-se necessrio controlar a qualidade do processo de produo para garantir a qualidade dos produtos. Assim, o processo deve apresentar: Custo competitivo; Produtividade; Estabilidade; Flexibilidade.

O custo e a produtividade constituem caractersticas que as empresas j perseguiam, antes da era da qualidade. A estabilidade de um processo significa garantir que seus produtos tenham sempre as mesmas caractersticas. A flexibilidade um avano em relao organizao taylorista das linhas de produo, dedicadas a um nico produto. A flexibilidade vai possibilitar a fcil adaptao dos equipamentos da empresa para a fabricao de diferentes produtos. Percebe-se, ento, que a qualidade do processo vai exigir a qualidade da organizao. A empresa precisa obter o comprometimento de todos e harmonizar seus processos produtivos e administrativos. De fato, qualidade total s possvel a partir de uma poltica da qualidade: conjunto de decises que devem ser tomadas pela empresa com relao qualidade.

SENAI-SP - INTRANET

49

Gesto pela qualidade

Poltica da qualidade Qualidade total exige a participao de todos que trabalham na empresa: de alta direo ao cho da fbrica. Todos devem se comprometer com a qualidade, e esse comprometimento comea com um documento assinado pelo nvel mais alto da administrao, divulgado a todos funcionrios/colaboradores da empresa. Esse documento recebe o nome de poltica da qualidade. Poltica da qualidade portanto: o conjunto de intenes e diretrizes de uma organizao com relao qualidade, sendo formalmente expressa pelo mais alto nvel da administrao (ISO 9000). A poltica da qualidade sempre considera algumas premissas bsicas, que devero orientar as decises e aes de uma empresa. As premissas costumam ser do seguinte tipo: Buscar a satisfao do cliente; Produzir conforme especificaes; Fornecer a preos competitivos; Atender imposies contratuais, ambientais e legais; Respeitar prazos de entrega; Perseguir contnua reduo de preos; Promover melhoria contnua de processos e produtos.

Gesto da qualidade A poltica da qualidade vai ser perseguida, na prtica, atravs do gerenciamento das aes que levem qualidade (gesto da qualidade). A gesto da qualidade a parte da funo gerencial global da empresa que determina, e pe em prtica, a poltica da qualidade. A gesto da qualidade vai harmonizar os recursos administrativos e produtivos para possibilitar: O controle da qualidade do processo produtivo; A garantia da qualidade para o cliente.

50

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

O controle da qualidade (CQ) a reunio de todas as tcnicas operacionais e atividades para atender aos requisitos da qualidade. O controle da qualidade pode incluir, por exemplo, ensaios de recebimento de matria-prima, inspeo por amostragem, aferio de instrumentos, treinamentos, etc. A garantia da qualidade compreende todas a aes planejadas e procedimentos necessrios para prover confiana adequada de um produto ou servio, que atenda aos requisitos da qualidade. Mas, a gesto da qualidade s possvel se a empresa possuir um sistema de qualidade. O sistema da qualidade um conjunto estruturado dos recursos (materiais e humanos) e procedimentos visando ao atendimento das necessidades e expectativas dos clientes e a proteo dos interesses da empresa. De acordo com a ISO 9004, o sistema da qualidade a estrutura organizacional, responsabilidades, processos e recursos voltados para a implementao da gesto da qualidade , a fim de que possam ser cumpridas as polticas e os objetivos estabelecidos. Essa definio pode ser visualizada com uma pirmide em que a base representada pelo sistema de qualidade; a poro mdia constituda pela gesto da qualidade com suas duas vertentes (garantia da qualidade e controle da qualidade) e o cume ocupado pela poltica da qualidade.

SENAI-SP - INTRANET

51

Gesto pela qualidade

Controle de qualidade convencional e sistema da qualidade Uma organizao que adota o controle de qualidade convencional possui as seguintes caractersticas: Sua poltica de vendas; Manifesta preocupao com a qualidade do produto; O controle da qualidade enfatiza a deteco de falhas do produto; a meta da empresa est na produo; a empresa precisa vender o que produz. Com a implantao do sistema da qualidade, muda o perfil da organizao: Sua poltica passa a ser a poltica da qualidade; Sua preocupao passa do produto para o processo e para o sistema; O controle de qualidade vai enfatizar a preveno de falhas nos projetos e nos processos; A meta passa a ser a produtividade; A empresa vai atender a uma demanda, isto , vai produzir o que l vendeu.

Abrangncia do sistema da qualidade A extenso do sistema da qualidade de uma organizao vai depender das caractersticas de seus produtos e/ou servios. A empresa, ao produzir segundo especificaes fornecidas pelo cliente, pode precisar de um sistema de qualidade que envolva todas as etapas do processo: da concepo do produto at seu acompanhamento na forma de servios ps-venda. Nesse caso, o sistema da qualidade deve compreender: Qualidade de projeto; Qualidade de fabricao; Qualidade de fornecimento; Qualidade de continuidade de uso.

Entretanto, uma empresa poder trabalhar apenas com produtos de prateleira, produtos que no necessitam atender especificao de clientes. Ento, nesse caso, seu sistema da qualidade no abranger a qualidade do projeto. Em outros casos, ainda, o sistema da qualidade pode incluir apenas ensaios e inspeo final.

52

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

A figura seguinte mostra, de forma esquemtica, um sistema da qualidade bem amplo, que envolve toda a estrutura organizacional da empresa.

Operao e documentao nas empresas A implantao de um sistema da qualidade produz grandes modificaes nas empresas. O controle de qualidade tradicional compe-se de medidas corretivas, tais como: Inspeo de recebimento; Inspeo de fabricao; Inspeo final; testes e ensaios, anlise de reclamaes e substituio de produtos devolvidos que esto na garantia.

SENAI-SP - INTRANET

53

Gesto pela qualidade

Com o sistema da qualidade, as aes se dirigem principalmente para a preveno da ocorrncia de falhas. Por isso so desenvolvidos programas e medidas preventivas tais como: Capacitao de processos e de equipamentos de medio e ensaios; Treinamento, qualificao e motivao de pessoal; Seleo e qualificao de fornecedores; Consideraes sobre custos da qualidade; Oferecimento de assistncia tcnica; Realizao de auditorias da qualidade; Anlise crtica e avaliao do sistema da qualidade.

Outra caracterstica importante no sistema da qualidade a documentao. A documentao deve estar disponvel, para acompanhar e verificar o atendimento da qualidade requerida para o produto e a operao eficaz do sistema. No controle de qualidade tradicional a documentao se limita ao arquivo de instrues de trabalho, de registros de produo, tabelas e grficos. Com o sistema da qualidade, a documentao ganha uma funo dinmica; deve permitir que todos entendam as polticas e procedimentos da qualidade da empresa. Dessa forma, a documentao no pode estar simplesmente arquivada. necessrio que ela fique disponvel, para demonstrar se a qualidade requerida para os produtos est sendo atingida e se o sistema da qualidade est funcionando de forma eficaz. Para melhor cumprir esses objetivos, recomenda-se que o sistema da qualidade tenha, de preferncia, os seguintes documentos: Manual da qualidade; Procedimentos e instrues de trabalho; Planos de produes e de controle; Certificados de testes e ensaios; Rastreabilidade do sistema de documentao; Planos de investimento de curto e longo prazo.

A documentao do sistema da qualidade estruturada de maneira a reunir as informaes em documentos de diferentes nveis de detalhamento. O mais geral o manual da qualidade, pois ele contm, preserva e divulga a poltica e as diretrizes da empresa.54SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Os procedimentos da qualidade so documentos ligados ao manual da qualidade, mas so de natureza mais operacional. Sua funo descrever, de forma clara e detalhada, cada atividade que integra o sistema da qualidade. Complementam os procedimentos da qualidade, um conjunto de documentos que apresentam de forma mais detalhada o como fazer. Essa documentao formada pelas: Folhas de processos; Instrues de trabalho; Folhas de operao.

Finalmente, no nvel de maior detalhamento, temos: Desenhos e especificaes; Registros da qualidade; Listagens efolow uo; Formulrios; Tabelas; Grficos, etc.

Normalizao A documentao do sistema da qualidade rene procedimentos que devem estar de acordo com normas tcnicas. Uma norma um acordo adotado pelos interessados, em busca de um objetivo comum. O processo de elaborao e aplicao de normas recebe o nome de normalizao: com ele as informaes chegam a todos interessados de forma organizada, uniforme e simplificada.

Normalizao interna O conjunto das normas adotadas por uma empresa corresponde sua normalizao interna e funciona como uma importante ferramenta de gerenciamento. Essa ferramenta s eficaz se existir um acordo entre todos que trabalham na organizao, da administrao at o nvel operacional.SENAI-SP - INTRANET

55

Gesto pela qualidade

A normalizao na empresa vai possibilitar a criao de regras assumidas em consenso, que iro regular e tornar mais transparentes as relaes internas. Assim, toda a empresa trabalha com economia, funcionalidade e segurana; A normalizao interna tambm vai se refletir nas relaes externas da empresa, ligando entre si; fornecedores, fabricantes, comerciantes, consumidores, prestadores de servio e atingindo a sociedade, o governo e os agentes fiscalizadores. Por isso, pode-se dizer que a normalizao interna bsica para a empresa alcanar nveis superiores de normalizao, que obedecem a organismos de normalizao nacionais, regionais e internacionais. Entretanto, as normas internas no devem estar em desacordo com os outros nveis de normalizao. A normalizao expressa acordos assumidos entre produtores, consumidores e entidades governamentais. Assim, quanto mais alto o nvel de normalizao adotado por uma empresa, maior o mercado que ela pode atender, por estar de acordo com suas exigncias e padres. A normalizao internacional, atualmente, est se tornando indispensvel para as empresas que quiserem colocar seus produtos e servios nos mercados formados pelos grandes bloco econmicos: Comunidade Econmica Europia, NAFTA, Tigres asiticos, MERCOSUL.

56

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Qualidade total

O CEP j havia sido abandonado nos Estados Unidos quando foi introduzido no Japo, na dcada de 50. E, atualmente, impossvel falar de qualidade sem mencionar a experincia do Japo aps a Segunda Guerra Mundial. A virada da economia japonesa est muito ligada ao seminrio desenvolvido no Japo, em 1950, pelo especialista americano Dr. Deming, que atendeu ao convite da JUSE (Unio Japonesa de Jovens Engenheiros e Cientistas). Foi um seminrio de 8 dias sobre Controle Estatstico da Qualidade, destinado a gerentes, chefes e engenheiros. Segundo Ishikawa, especialista em controle de qualidade no Japo, o Dr. Deming colaborou intensamente na introduo do CQ naquele pas. Entretanto, como assinala Ishikawa (1986), esse controle de qualidade - consistia numa atividade somente implementada pelos engenheiros e tcnicos da produo, no envolvendo os diretores, gerentes e mesmo a cpula dirigente. Assim, lembra Ishikawa, foi necessria a vinda do Dr Juran ao Japo, em 1954. Juran desenvolveu um seminrio cujo enfoque central o papel dos dirigentes e das chefias nas atividades de CQ. Esse seminrio produziu uma mudana fundamental do CQ no Japo: O CQ deixou de ser centralizado em tecnologia para se alicerar na administrao global. Juran fez os empresrios japoneses perceberem que o CQ um instrumento de gesto. Ele deve estar em toda a empresa, com a participao de todos: da chefia aos operadores. Foi assim que nasceu, no Japo, o conceito de qualidade total (TQC: total quality control).SENAI-SP - INTRANET

57

Gesto pela qualidade

O Japo j havia mudado, em 1949, o enfoque do controle de qualidade da inspeo para o controle de processo, dentro do princpio de que mais barato prevenir defeitos do que remedi-los. Com o TQC, o Japo estendeu o controle de qualidade ao estgio de desenvolvimento de novos produtos. Os novos produtos deveriam prever, no momento de sua criao, as caractersticas procuradas pelos seus futuros consumidores. O TQC representa um estgio importante na evoluo das empresas. A empresa capitalista depois de ter passado pelas fases de produo em massa e da concorrncia atravs do menor custo, chegou ao estgio da competio pelo atendimento do cliente: a era da qualidade. Na era da qualidade, a empresa abandona o enfoque centrado no lucro imediato percebendo que, a longo prazo, corre o risco de perder na competitividade internacional. De outro lado, centralizando sua ao na qualidade, as empresas garantem um aumento contnuo da confiana dos consumidores. O resultado desse enfoque o aumento das vendas e um lucro maior a longo prazo. Essas condies iro permitir empresa expandir seu mercado a todas as partes do Planeta. Nessa etapa, qualidade definida como satisfao do usurio e deve abranger as seguintes caractersticas: desempenho do produto, preo competitivo, cumprimento do prazo de entrega e atendimento ao cliente (servios ps-venda). A qualidade total deve superar a expectativa do cliente. Entretanto, no basta conquistar novos mercados, as empresas precisam garantir sua sobrevivncia atravs dos lucros. E assim, as empresas entram na atual era da competitividade das empresas. Na era da competitividade, a empresa retoma o valor tradicional de ganhar dinheiro e combina-se com a conquista de mercado. A era da competitividade acumula os avanos das fases anteriores do desenvolvimento das empresas: capacidade de produzir em massa, preos competitivos e qualidade como satisfao do cliente. A essas caractersticas, as empresas vo adicionar a capacidade de ganhar dinheiro, como mais um requisito essencial para garantir sua sobrevivncia.58SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

ISO Srie 9000

As Normas ISO Srie 9000 foram elaboradas pela ISO (International Organization for Standardization), para tratar exclusivamente de questes ligadas qualidade. Essa srie se originou de normas militares e de segurana nuclear adotadas nos EUA e pela OTAN (Organizao do Tratado do Atlntico Norte). O BSI (British Standard Institute) da Inglaterra adaptou as normas militares da OTAN criando a srie BS 5750. Em 1987 a ISO realizou pequenas modificaes na srie BS 5750 para elaborar a ISO Srie 9000. A ISO Srie 9000 rapidamente foi se transformando em elemento bsico para a harmonizao tecnolgica dos pases que atualmente foram a Comunidade Econmica Europia (CEE). E a CEE, desde 1993, somente admite o ingresso de uma srie de produtos mediante a prova de que foram produzidos por empresas com sistema da qualidade ISO 9000. Atualmente a CEE conhecida por Unio Europia (EU). J so mais de 50 os pases que adotam a ISO Srie 9000. A Inglaterra destaca-se entre esses pases, pois j apresenta mais de 15000 empresas com certificao ISO 9000. No Brasil a ISO Srie 9000 foi traduzida pela ABNT em 1990, passando a ser denominada NB 9000 e registrada no INMETRO como NBR 19000. O que a ISO srie 9000? A ISO Srie 9000 um conjunto de normas que permite organizar um sistema da qualidade. Essas normas podem ser utilizada para: Gesto da qualidade interna (NBR ISO 9004); Garantia da qualidade nos contatos entre fornecedores e clientes (garantia da qualidade externa: NB 9001, N13 9002 e NB 9003).SENAI-SP - INTRANET

59

Gesto pela qualidade

Apesar de existirem outras normas que permitem organizar um sistema da qualidade, a ISO Srie 9000 tem sido preferida porque: Resulta da racionalizao das principais normas nacionais: JIS do Japo, DIN da Alemanha, ANSI dos Estados Unidos, etc. Facilita as relaes comerciais entre clientes e fornecedores inclusive entre pases com sistema distintos; a principal base de exigncia para sistemas da qualidade da CEE para fornecedores de bens e servios; Serve para a implantao da qualidade total.

A ISO Srie 9000 compe-se de 6 documentos bsicos: ISO 8402 Vocabulrio da qualidade. ISO 9000 Diretrizes para seleo e uso das normas. ISO 9001 Modelo para garantia da qualidade em projeto, desenvolvimento, produo, instalao e assistncia tcnica (possui 20 elementos) ISO 9002 Modelo para garantia da qualidade em produo instalao (possui 18 elementos); ISO 9003 Modelo para garantia da qualidade em inspeo e ensaios finais (possui 12 elementos); ISO 9004 Estabelece como deve ser a gesto da qualidade na empresa; um guia geral para todas as organizaes (possui 20 elementos) ISO 9004-2 Estabelece como deve ser a gesto da qualidade para empresas prestadoras de servios

60

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Assim, percebe-se que a ISO 9001 a norma de maior abrangncia, pois fornece garantia em todas as etapas do processo desde o projeto at o servio ps-venda. A ISO 9002 tem uma abrangncia menor - sua garantia atinge apenas a produo e a instalao do produto. A ISO 9003 tem pouca aplicao, devendo em sua verso revista ficar mais prxima da ISO 9001. A ISO 9004 muito detalhada e fornece melhor orientao na implantao do sistema da qualidade do que as normas ISO 9001/002/003.

SENAI-SP - INTRANET

61

Gesto pela qualidade

62

SENAI-SP - INTRANET

Gesto pela qualidade

Ciclo P.D.C.A.

um mtodo de gesto que prope abordagem organizada para soluo de problemas ou acompanhamento de um processo. Tem como objetivo orientar de forma simples e segura as etapas de preparao e execuo de atividades predeterminadas, para atingir o sucesso no aprimoramento ou implantao de um processo qualquer. O ciclo de aperfeioamento contnuo do processo pressupe quatro etapas cclicas e contnuas. A sigla P.D.C.A vem do ingls: Plan (P) - Planejar Do (D) - Executar Check (C) - Verificar / Controlar Action (A) - Ao - Agir / Aprimorar