Livro logística reversa

of 16/16
  • date post

    13-Aug-2015
  • Category

    Environment

  • view

    103
  • download

    4

Embed Size (px)

Transcript of Livro logística reversa

  1. 1. 3 4 5 6 9 11 13 14 16 ndice Remissivo Sobre o livro Direitos Autorais Prefcio Introduo Surgimento da gesto ambiental Desenvolvimento sustentvel Logstica empresarial Logstica reversa Consideraes finais 2
  2. 2. Sobre o livro De um modo geral, as empresas tm apresentado crescente preocupao com os resduos gerados pelo processo produtivo e com sua imagem corporativa. Para resolver este problema as organizaes buscam mtodos para melhorar a qualidade dos produtos e consequentemente a satisfao dos clientes. Dessa maneira, alm de valorizarem sua imagem elas tambm cumprem a legislao ambiental vigente. Implantar a Logstica Reversa permite que a empresa reintegre os seus produtos no seu ciclo produtivo. 3
  3. 3. Direitos Autorais Autor [Insira seu nome aqui] Editor [Inserir nome editores aqui] Copirraite 2013 [Insira seu nome aqui] Primeira publicao usando Papyrus, 2013 ISBN : [Enter ISBN aqui] Este livro pode ser adquirido por educao, negcios, vendas ou uso promocional. Edio on-line tambm est disponvel para este ttulo. Para mais informaes, contacte o nosso departamento de vendas corporativas / institucionais: [Insira o seu nmero de telefone aqui] ou [Insira seu e-mail aqui] Embora toda precauo tenha sido tomada na preparao deste livro, a editora e os autores no assumem nenhuma responsabilidade por erros ou omisses, ou por danos resultantes da utilizao das informaes aqui contidas. 4
  4. 4. Prefcio Construir pode ser a tarefa lenta e difcil de anos. Destruir pode ser o ato impulsivo de um nico dia. Winston Churchill 5
  5. 5. Introduo A logstica um assunto recente, que ligada ao fenmeno da globalizao tornou-se de extrema importncia e atingiu grandes propores. A logstica a rea da administrao que prove os recursos, equipamentos e informaes que so utilizados para executar as atividades empresariais. Gerencia as informaes, monitora as operaes, enxergando a empresa como um todo. J, logstica reversa, o processo inverso da logstica. A reciclagem a principal caracterstica desse processo. Atualmente, a reciclagem e o reaproveitamento dos materiais utilizados no processo produtivo tem se destacado por inmeros fatores. O respeito ao meio ambiente deixou de ser apenas preocupao da sociedade e do governo, para fazer parte do planejamento das empresas que visam no s atender legislao, que comea a ganhar fora neste aspecto, como tambm gera maior competitividade, pois os consumidores de hoje esto cada vez mais conscientes de que o consumo tem que andar junto com o respeito natureza. Os produtos passaram a ser julgados alm da embalagem e preo, mas sim por todos os fatores que o fizeram chegar at a prateleira para ser vendido, desde a extrao da matria-prima na natureza at a forma como ele ir se decompor quando voltar para ela. A logstica reversa vem auxiliando essas empresas no descarte correto dos resduos gerados em seus processos produtivos, para que atendam s expectativas dos clientes e s exigncias legais e, tambm, reduzam seus custos atravs do reaproveitamento de materiais ou venda no mercado secundrio. Com base nesse contexto insere-se o problema ecolgico nos canais de distribuio reversos e no campo de atuao da logstica reversa. Pode- se constatar um aumento significativo no interesse das empresas modernas, entidades governamentais, partidos polticos verdes e comunidade em geral, nos problemas ecolgicos. (LEITE 2003). Com a legislao ambiental cada vez mais exigente a logstica reversa apresenta-se como uma aliada de grande importncia para ajudar as empresas a cumprirem as leis ambientais e ao mesmo tempo obterem 6
  6. 6. maior lucro. Dessa forma, abordar o entendimento dos futuros profissionais que atuaro em reas especficas voltadas ao meio ambiente sobre esse assunto de suma importncia, visto que so eles que iro auxiliar as empresas tanto na implantao e manuteno de normas e polticas sustentveis como no atendimento a legislao vigente, visto que j existem ramos de atividades em que a legislao determina o descarte correto dos resduos gerados em seus processos produtivos. Sendo assim este trabalho tem como objetivo geral verificar se os futuros profissionais desta rea esto sendo preparados para auxiliarem adequadamente as empresas na utilizao da logstica reversa. Para tanto, esta pesquisa classificada com relao aos objetivos como exploratria, pois segundo Severino (2011, p.123), a pesquisa exploratria busca apenas levantar informaes sobre um determinado objeto, delimitando assim um campo de trabalho, mapeando as condies de manifestao desse objeto, ou seja, a pesquisa busca fazer um levantamento do tema proposto, proporcionando maior familiaridade com o problema, com vistas a torn-lo mais explcito ou a construir hipteses. (GIL, 2002, p.41). Quanto aos procedimentos tcnicos o trabalho se classifica como uma pesquisa de campo, conforme relata Severino (2011, p.123): Na pesquisa de campo, o objeto/fonte abordado em seu meio ambiente prprio. A coleta de dados feita nas condies naturais em que os fenmenos ocorrem, sendo assim diretamente observados, sem interveno e manuseio por parte do pesquisador. Abrange desde os levantamentos (surveys), que so mais descritivos, at estudos mais analticos. O principal fato dessa pesquisa ser classificada como de campo, o fato dela ser elaborada no ambiente do questionamento, portanto, aborda o entendimento dos alunos sobre Logstica Reversa, num determinado colgio tcnico localizado na cidade e Ponta Grossa, o qual oferece em sua grade curricular contedos pertimentes ao assunto em questo. Trata-se de um curso ofertado para alunos que j tenham completado o ensino mdio, voltado para a formao na rea ambiental, dessa forma dando suporte para a atuao deste futuro profissional na rea da Logstica. A aplicao do questionrio foi realizada em uma nica noite, nas trs sries do curso, com um total de 36 amostras, sendo que o 7
  7. 7. universo da pesquisa contava com 60 alunos regularmente matriculados, porm somente 40 assduos. A coleta de dados foi elaborada atravs da aplicao de um questionrio, contedo cinco questes fechadas de mltipla escolha, baseadas no referencial terico dessa pesquisa. 8
  8. 8. Surgimento da gesto ambiental Com o passar do tempo, verificou-se como a questo ambiental era ignorada e como isto foi prejudicial a tudo e a todos. Nesse sentido as leis ambientais foram gradativamente inserindo-se ao novo contexto industrial procurando corrigir essas falhas que causaram vrios danos ao meio ambiente. Donaire (1999) comenta que at a dcada de 60, as organizaes preocupavam-se apenas com a eficincia do sistema produtivo. Essa foi a maneira de pensar predominante na prtica da administrao refletindo a noo de mercado e recursos ilimitados. Uma das causas de mudana no modo de pensar e agir foi o crescimento da conscincia ecolgica, na sociedade, no governo e nas prprias empresas, que passaram a incorporar essa orientao em suas estratgias. O resultado dessa revoluo pode ser observado na mudana de nfase na teoria da administrao onde os autores passam a preocupar-se com novos conceitos, como os stakeholders, tica e varivel ecolgica, entre outros. Para desacelerar a degradao ambiental ocorrida de forma expressiva nos pases desenvolvidos com o advento da Revoluo Industrial, surgiu a necessidade de estabelecer normas ambientais. Seiffert (2005, p.17) afirma que: A preocupao com o esgotamento dos recursos naturais surgiu com a percepo, aps a Revoluo Industrial, de que a capacidade do ser humano de alterar o meio ambiente aumentou significativamente, levando as consequncias positivas e negativas e evidenciando uma interdependncia entre a economia e o meio ambiente. Segundo Assumpo (2006) os primeiros passos dados rumo s estratgias de controle ambiental aconteceram a partir da primeira conferncia das Naes Unidas realizada em Estocolmo, em 1972. Aps essa reunio, grande parte dos pases industrializados criou ministrios, secretarias e agncias de meio ambiente. As normas ambientais criadas comeam a mudar o rumo do processo produtivo, uma vez que a regulamentao faz com que as empresas, 9
  9. 9. buscando atend-las, comecem a se preocupar tambm com a gesto ambiental. De acordo com Ashley (2005) a partir da dcada de 1990, houve uma evoluo para uma gesto ambiental sistmica, englobando toda a empresa, elevando o nvel estratgico da administrao. O princpio passou a ser o de prevenir aes poluidoras e impactantes do meio ambiente, atravs da seleo de matrias-primas e fornecedores, do desenvolvimento de processos e produtos que no polussem sensivelmente o meio ambiente, da conservao de energia, do reaproveitamento de resduos, da reciclagem e da integrao com as reas vizinhas da empresa. 10
  10. 10. Desenvolvimento sustentvel Com o surgimento do conceito de desenvolvimento sustentvel, passou a existir um discurso mais articulado baseado em uma noo de modelo de desenvolvimento junto noo de conservao do meio ambiente. Gilbert (1995, p.2) comenta que: O conceito de desenvolvimento sustentvel definido pela Comisso Mundial de Meio Ambiente e Desenvolvimento foi aceito por polticos e lderes de setores como uma filosofia de orientao. Garante que o uso de recursos ambientais para atender as necessidades atuais seja gerenciado de modo a no danificar esses recursos para o uso futuro. Gilbert (1995) tambm relata que o conceito de desenvolvimento sustentvel difcil de ser aplicado, pois ele estabelece algumas exigncias de desempenho ambiental para a sociedade e para a indstria que ocasiona muitas formas de mudanas. Silva (2003, p. 31) observa que: Os conceitos de segurana ambiental global e de desenvolvimento sustentvel so centrais para o estabelecimento da ordem ambiental internacional. O primeiro deles nos faz refletir sobre a necessidade de manter as condies da reproduo da vida humana na Terra, posto que ainda no se tenha notcia da existncia de outro planeta com condies naturais semelhantes ao que habitamos o que no deixa alternativa seno vivermos aqui. Em outras palavras, a Terra ainda a morada da espcie humana, ao menos por enquanto. J o segundo, procura regular o uso dos recursos naturais atravs do emprego de tcnicas de manejo ambiental, de combate ao desperdcio e poluio. Partindo da anlise em questo, Leite (2003) ressalta que como reao aos impactos dos produtos sobre o meio ambiente, surge uma srie de leis ambientais e novos conceitos de responsabilidade empresarial elaborados pela sociedade com a finalidade de unir o crescimento econmico s variveis ambientais. O conceito de desenvolvimento sustentvel, o qual tem como objetivo o crescimento econmico reduzindo os impactos ambientais, tem sido recorrente nos dias de hoje, buscando deste modo atender s necessidades do presente sem 11
  11. 11. prejudicar as geraes futuras no atendimento de suas necessidades. Com base no conceito do desenvolvimento sustentvel surge a preocupao da sociedade e das organizaes em preservar o meio ambiente. As empresas devem adotar uma postura de preveno e conservao em relao natureza, possibilitando assim um melhor gerenciamento ambiental. 12
  12. 12. Logstica empresarial A logstica empresarial tem concentrado seu objetivo de estudo principalmente no exame dos fluxos da cadeia produtiva direta, ou seja, aquelas que vo desde a matria-prima at o cliente final desenvolvendo-se em mercados com crescente volume de trocas internacionais de mercadorias, com caractersticas crescentes de volatilidade e de exigncias, em ambientes altamente competitivos fazendo com que as empresas utilizem novas concepes de suas estratgias em todos os setores da organizao. (LEITE, 2003). Guarnieri et al. (2005) afirmam que o desenvolvimento da logstica empresarial est crescendo nos ltimos anos devido a grande importncia para a competitividade das empresas. Vrios so os fatores que fazem com que este desenvolvimento avance: presso por maior giro e reduo de estoques, atendimento a mercados distantes, novas tecnologias, pequeno ciclo de vida dos produtos, entre outros. Leite (2003) destaca que a logstica tornou-se um dos maiores diferenciais competitivos do mercado, pois fez com que o transporte e a entrega dos produtos e servios sejam feitos com maior agilidade e qualidade atendendo assim s necessidades e solicitaes cada vez mais especficas dos clientes. Guarnieri et al. (2006) observam que nesse ambiente de crescentes exigncias em relao produtividade e qualidade do servio oferecido aos clientes, as organizaes passaram a se preocupar mais com a qualidade do fluxo de bens dentro do processo produtivo, com a finalidade de atender bem o cliente e desse modo fideliz-lo, mas para isso houve a necessidade de mudarem suas estratgias. Uma das solues encontradas para amparar estas mudanas foi a logstica reversa. 13
  13. 13. Logstica reversa Para Leite (2003) a logstica reversa o estudo dos canais de distribuio reversos, uma rea recente da logstica empresarial, concentrando-se principalmente no exame dos fluxos reversos, ou seja, aqueles que fluem no sentido inverso da cadeia direta, a partir dos produtos descartados como ps-consumo ou ps-venda, para que os mesmos sejam reintegrados parcial ou totalmente ao ciclo produtivo e de negcios. Ou seja, a logstica reversa o processo contrrio da logstica, onde o produto aps ser utilizado pelo consumidor final retorna ao seu canal de origem. Conforme Benck e Duarte (2007) no mbito empresarial de hoje verificam-se mudanas de estratgias e uma concorrncia muito acirrada, pequenos detalhes podem fazer a diferena entre as empresas que conseguem se destacar e alcanar os seus objetivos. Existem ainda poucas iniciativas de trabalhos, pesquisas e projetos referentes mensurao de gastos, receitas e ganhos com a logstica reversa, sendo um dos principais motivos de seu conhecimento ser restrito nas organizaes. J, para Guarnieri et al. (2005), a preocupao ecolgica dos consumidores que tem se tornado cada vez mais significativa, as leis ambientais atuais, a competitividade entre as empresas e a preocupao com a imagem corporativa, vem incentivando a criao de canais reversos de distribuio que resolvam o problema da quantidade de produtos descartados no meio ambiente. O ciclo da logstica direta finalizado com a entrega do produto ao cliente. J, o ciclo da logstica reversa, inicia-se com a reintegrao dos materiais de ps-consumo e ps venda ao canal de origem. Nesse sentido, Gomes e Ribeiro (2004), consideram que a logstica reversa tem como objetivo a eficiente recuperao de produtos, bem como reduzir, disponibilizar e gerenciar os resduos txicos e no- txicos. Gonalves e Marins apud Benck e Duarte (2007, p. 21) relatam: Do ponto de vista logstico, o ciclo de vida de um produto no se encerra 14
  14. 14. com a sua entrega ao cliente. Produtos que se tornam obsoletos, danificados, ou no funcionam devem retornar ao seu ponto de origem para serem adequadamente descartados, reparados ou reaproveitados. Do ponto de vista financeiro, existe o custo relacionado ao gerenciamento do fluxo reverso, que se soma aos custos de compra de matria-prima, de armazenagem, transporte e estocagem e de produo, j tradicionalmente considerados na Logstica. Do ponto de vista ambiental devem ser considerados, e avaliados, os impactos do produto sobre o meio ambiente durante toda a sua vida. Analisando o ponto de vista desses autores constata-se que o ciclo de vida do produto continua mesmo aps a sua utilizao pelo cliente, ou seja, o produto chega ao consumo final e novamente inserido na cadeia produtiva atravs dos canais reversos. 15
  15. 15. Consideraes finais A logstica reversa pode auxiliar as empresas a diminurem os impactos ambientais por elas causados em seus processos produtivos, ajudando no descarte de seus resduos de forma correta, e tambm dando condies para a criao de canais reversos para seus produtos atravs da logstica reversa de ps-consumo, onde um produto no final de sua vida til poder voltar ao seu prprio ciclo produtivo ou ao ciclo produtivo de outro produto, diminuindo assim o acmulo de dejetos, problema que preocupa a sociedade, e tem sido um assunto relevante em um cenrio cada vez mais inserido em Sustentabilidade. Sua implantao pode trazer ainda benefcios como reduo de custos e a satisfao de clientes, que atravs da logstica reversa de ps-venda consumiro produtos que podem ser facilmente substitudos, caso apresentem problemas. A Contabilidade Ambiental uma importante aliada quando da implantao da logstica reversa, pois pode mensurar seus valores de forma especfica, porm a contabilidade, mesmo no sendo a ambiental pode auxiliar as empresas no levantamento desses valores, tornando assim possvel que as empresas de pequeno porte tambm possam implantar esse processo. A acirrada competitividade do mercado cria um cenrio onde empresas que no se preocupam em produzir com qualidade, respeitando o Meio Ambiente, no sobrevivem, pois os consumidores esto cada vez mais informados e devido a isso mais exigentes com relao aos produtos consumidos. A conscincia ecolgica cresce a cada dia e com ela a necessidade de criao e readaptao dos processos produtivos das empresas. Nesse sentido a logstica reversa, quando implantada adequadamente nas organizaes transforma-se em uma poderosa ferramenta, que ajudar os gestores tanto na tomada de decises quanto no respeito s legislaes ambientais que esto evoluindo juntamente com a conscincia ecolgica. 16