Boletim das Bibliotecas Publicas do Concelho de Arganil

of 8 /8
distribuição gratuita / a biblioteca on-line: www.bibliotecas.cm-arganil.pt JANEIRO 2013 ANO XVII NÚMERO 1 B B O O L L E E T T I I M M Biblioteca Municipal de Arganil - Miguel Torga Biblioteca Alberto Martins de Carvalho

Embed Size (px)

description

Boletim de atividades

Transcript of Boletim das Bibliotecas Publicas do Concelho de Arganil

  • distribuio gratuita / a biblioteca on-line: www.bibliotecas.cm-arganil.pt

    JANEIRO 2013 ANO XVII NMERO 1

    BB OO LL EE TT II MM BBiibblliiootteeccaa MMuunniicciippaall ddee AArrggaanniill -- MMiigguueell TToorrggaa

    BBiibblliiootteeccaa AAllbbeerrttoo MMaarrttiinnss ddee CCaarrvvaallhhoo

  • ALBERTO DA VEIGA SIMES

    Veiga Simes, escritor, jornalista, poltico, diplomata, investigador, nasceu em Arganil a 16 de Dezembro de 1888, filho de Antnio Jos Simes e de D. Guilhermina Alves da Veiga Simes. Desde muito cedo deu sinais da sua brilhante inteligncia e de uma grande facilidade na escrita. Em 1905 est em Coimbra a frequentar o Curso de Direito. A toma contacto com a poltica nacional. Numa poca de grande efervescncia poltica, com o sistema monrquico agonizante, Veiga Simes foi desde novo uma figura de destaque na vida acadmica coimbr. A sua produo literria na rea da fico e do ensaio literrio quase toda desta sua passagem por Coimbra.

    De 1906 a 1911 publica: Nitockris, Escola de Coimbra, A Nova Gerao, Sombras, Elegia da Lenda. Contos, teatro, ensaio, so as reas que desenvolve nos seus livros publicados nesta poca. Nesta fase no devemos esquecer um interessante trabalho sobre a histria de Arganil, publicado na revista Ilustrao Portuguesa.

    Terminado o curso vem para Arganil como advogado, mas logo chamado a tarefas de mbito nacional. A poltica uma atividade a que Veiga Simes no pode fugir. Em pouco tempo, os seus dotes de orador, a sua figura impecvel e a facilidade na escrita, levam-no a participar ativamente e aos nveis mais elevados da vida nacional, onde ocupa o lugar de Ministro dos Negcios Estrangeiros, em 1912.

    Outra faceta de Veiga Simes que interessa salientar a de jornalista. De 1913 a 1915, Veiga Simes comentador em trs jornais: O Jornal de Arganil, de que diretor, O Dirio de Coimbra e o Repblica, rgo do Partido Republicano Evolucionista onde milita. Em 1915 surge o Correio de Arganil, tambm sob a orientao de Veiga Simes. Este jornal que veio substituir o Jornal de Arganil, teve tambm vida efmera, terminando a sua publicao em 1916.

    Mas a rea onde Veiga Simes mais se notabilizou, foi a diplomacia. Com uma vertiginosa ascenso na carreira, Veiga Simes entra para o Quadro Diplomtico e Consular do Ministrio dos Negcios Estrangeiros, sendo nomeado cnsul de Portugal em Manaus em 1915. Em 1919, Veiga Simes promovido e colocado em Oslo Noruega. Dois anos mais tarde chefe de misso e colocado como ministro plenipotencirio em Viena de ustria. A partir daqui Veiga Simes percorre toda a Europa como representante de Portugal, em importantes negociaes de carcter poltico, com uma vertente muito forte na rea comercial. Este um perodo extremamente interessante de Veiga Simes. Os lugares que ocupa permitem-lhe estar perto dos centros de deciso. De 1933 a 1940, enviado extraordinrio e ministro plenipotencirio em Berlim, onde acompanha o processo que conduziu Segunda Guerra Mundial. So importantssimos para o estudo desta poca os relatrios enviados por Veiga Simes, no desempenho das suas funes, para o Palcio das Necessidades em Lisboa.

    Veiga Simes no foi um particular simpatizante da poltica do Estado Novo. A sua

    frontalidade e o seu carcter humanista, criaram-lhe vrias incompatibilidades que foram minando a

    sua carreira diplomtica. Em 1946 Veiga Simes colocado como ministro plenipotencirio na China.

    A sua sade abalada por vrios problemas impede-o de ocupar o lugar. Salazar aproveita a oportunidade para o afastar definitivamente, demitindo-o da carreira diplomtica. Com o passaporte cativo do Governo Portugus, Veiga Simes acaba por falecer em Paris no dia 1 de Dezembro de 1954, sendo sepultado em Arganil no dia 22 do mesmo ms. O seu funeral, com honras prprias dos filhos ilustres de Arganil, foi fortemente condicionado pela presena de inmeros agentes da polcia militar PIDE, que nem morto o deixaram em paz.

    Veiga Simes foi um dos Arganilenses mais ilustres, seno o mais ilustre, que at hoje nasceu neste concelho. A sua obra est ainda por estudar, at porque muito do que escreveu na ltima fase da sua vida, em Paris, est desaparecida e nunca foi publicada. Os Relatrios enviados nas suas inmeras misses, como diplomata, nos muitos pases onde exerceu funes, so uma fonte importantssima para o conhecimento da poltica internacional, nomeadamente a Segunda Guerra Mundial, no perodo que vai de 1915 a 1940.

    1

  • Concurso de Leitura L melhor quem L maisL melhor quem L maisL melhor quem L maisL melhor quem L mais

    2013

    Vencedores da 6 Edio do Concurso de Leitura L Melhor quem L Mais

    C O N C U R S O L M E L H O R Q U E M L M A I S 7 EDIO

    Norma

    Artigo 1 Entidade promotora O concurso de Leitura L melhor quem L mais uma iniciativa da Cmara Municipal de Arganil atravs da Biblioteca Miguel Torga, em parceria com o Agrupamento de Escolas de Arganil e a Rede de Bibliotecas Escolares e tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento de hbitos de leitura e a prtica da leitura em voz alta nas crianas que frequentam o 4 ano de escolaridade.

    Artigo 2 Condies de participao 1 - Sero admitidas a concurso todas as crianas que frequentem o 4 ano de escolaridade nas Escolas do Concelho de Arganil. 2 As inscries decorrem at 31 de Janeiro de 2013.

    Artigo 3 Critrios de seleo As provas a efetuar pelos concorrentes sero avaliadas segundo os seguintes critrios: - Leitura sem atropelos, em que se nota que a criana conhece e l de forma natural as palavras. - Boa dico, a criana para alm de ler bem, pronuncia bem as palavras, demonstra que conhece perfeitamente os sons. - Tornar a leitura um prazer para quem ouve, a leitura expressiva e h harmonia entre as palavras, os sons e os significados - Grau de dificuldade do texto escolhido, as palavras que constituem o texto so de difcil articulao e o texto complexo - A qualidade do texto escolhido, qualidade literria, as palavras e os sentidos.

    Artigo 4 Eliminatrias e Final 1 O concurso decorre em duas eliminatrias e uma final: a) - Primeira eliminatria ser feita em sala de aula e da responsabilidade dos professores da turma. Passaro eliminatria seguinte os trs melhor classificados de cada turma. b) - Segunda eliminatria ser feita na Biblioteca da Escola. Ser constitudo um jri com trs elementos em que dois so tcnicos das Bibliotecas Pblicas e um nomeado pelo Professor responsvel da Biblioteca da Escola que os candidatos frequentam. Passar final o melhor classificado de cada turma. c) - A Final decorrer no auditrio da Biblioteca Municipal Miguel Torga, no dia 2 de Abril. O Jri ser constitudo por cinco elementos nomeados pelo Senhor Presidente da Cmara ou quem ele designar.

    Artigo 5 Provas de seleo 1 - O concorrente apresentar-se- a concurso com um texto da sua escolha do qual far uma leitura em voz alta. 2 - Em seguida far a leitura, em voz alta, de um texto que lhe ser entregue no momento.

    Artigo 6 Pontuao 1 A pontuao atribuda por cada membro do jri ser feita logo aps cada uma das leituras. 2 A pontuao atribuda ser de 1 a 5 pontos 3 O vencedor ser aquele que obtiver maior nmero de pontos nas duas leituras.

    Artigo 7 Prmios 1 Sero atribudos prmios ao 1, 2 e 3 classificados 2 - Os prmios sero constitudos por livros 3 Os prmios sero entregues no final do concurso.

    Artigo 8 Calendrio 1 - A primeira eliminatria decorre at 15 de fevereiro. 2 - A segunda eliminatria decorre at 15 de maro. 3 - A final realizar-se- no dia 2 de Abril de 2013.

    2

  • FESTA DE NATAL DAS BIBLIOTECAS PBLICAS DO CONCELHO DE ARGANIL

    Realizou-se no dia 19 de Dezembro a Festa de Natal na Biblioteca Municipal. Participaram muitos meninos e adolescentes que ora foram espectadores, ora fizeram de atores. Uma tarde muito animada com msica teatro e como no podia deixar de ser, com histrias e lembranas que foram entregues pela

    Senhora Vereadora da Cultura, Paula Dinis e pela Prof. Graa Moniz.

    A festa comeou com a atuao do grupo de meninos do ATL que veio com a Liliana e a Paula que fizeram uma coreografia muito bonita ao som de msica de natal.

    Em seguida o Francisco contou uma histria, muito bonita, escolhida por ele para este momento e que leu muito bem. Como no podia deixar de ser, foi uma histria de natal: "Mistrios de Natal" do livro 2 Histrias de Natal de Alice Vieira.

    O momento musical foi um espetculo. A Beatriz Pimentel e Maria Rita tocaram violino e duas amigas cantaram canes de natal. Muito bom!

    A Beatriz Loureiro leu uma histria escolhida por ela para esta Festa: " O Pai Natal guloso" do livro Natal! Natal! Cinco histrias e uma pea de Teatro de Ana Maria Magalhes e Isabel Alada. Foi muito bom ouvi-la.

    A Professora Graa Moniz contou uma histria de natal escrita por ela. Como sempre muito

    interessante e que todos ouvimos com muita ateno

    e que gostaramos de publicar no Boletim.

    Teatro sobre o nascimento do Menino Jesus com imagens vivas numa encenao de urea Vila Nova com voluntrios do pblico que com grande vontade envergaram os trajes das personagens e deram vida ao guio.

    A festa acabou com nova coreografia do grupo do ATL da Santa Casa da Misericrdia de Arganil, no sem antes se terem

    distribudo as lembranas carinhosamente feitas, a partir de materiais muito simples, por algumas tcnicas da Biblioteca.

    O auditrio da Biblioteca foi decorado com motivos alusivos ao Natal e apresentou-se como um espao acolhedor e belo onde nos sentimos bem. Importante dizer que esta foi uma Festa de Natal realmente vivida pela Biblioteca. Todos os que aqui trabalham se empenharam para que a festa fosse um sucesso. E assim aconteceu.

    Por todo o lado cada um deu asas sua imaginao e a Biblioteca Municipal foi aquilo que j , mas que se

    reforou: um espao onde apetece estar e onde se cresce intelectual e culturalmente.

    3

  • FESTA DE NATAL DAS BIBLIOTECAS PBLICAS DO CONCELHO DE ARGANIL

    No dia 19 de Dezembro, a Biblioteca Alberto Martins de Carvalho realizou a Festa de Natal, dedicada s crianas que frequentam a Biblioteca. Foi uma festa muito animada com vrias atividades, onde o cinema, os livros e o Natal, foram os temas principais.

    Como no podia deixar de ser a passagem do filme foi acompanhada de pipocas para grande alegria das crianas que j se imaginavam num verdadeiro cinema.

    Houve distribuio de presentes a todas as crianas envolvidas nas atividades. Os presentes foram elaborados pelas Tcnicas da Biblioteca com material reciclado como forma de chamar a ateno das crianas para prticas de proteo do ambiente na reutilizao de materiais usados.

    A Senhora Vereadora da Cultura, Paula Dinis, que entregou os presentes falou, em breves palavras, da quadra que se estava a viver e chamou a ateno das crianas, para a importncia da reciclagem.

    E porque se estava na Biblioteca, s 16H00 foi a vez das crianas irem PROCURA DO PAI NATAL, participando num Peddy-paper, onde os livros e o tema NATAL

    tiveram o papel principal. Para terminar a tarde e a Festa, houve um Lanche de Natal partilhado, onde os pais e as crianas participaram, vivendo-se desta forma, o verdadeiro esprito de Natal.

    NASCER A LER

    E porque Natal, o Nascer a Ler tambm teve uma sesso especial. A hora do conto vestiu-se de modo especial para receber os bebs que vieram com os seus paps e mams Biblioteca Municipal.

    A encontraram muitos livros que folhearam e brinquedos. Depois de muita brincadeira e da escolha dos livros para levar para casa, sempre difcil, os bebs receberam um presente de natal: a estrela de Belm com um chapu de Pai Natal.

    Os que se estrearam nesse dia no Nascer a Ler levaram o saco dos livros, para assim voltarem biblioteca encontrarem-se com os seus amigos e levarem livros, para eles e paras os seus paps e mams.

    4

  • TEMPO PARA A POESIA:

    Matemtica

    s folhas tantas do livro matemtico um Quociente apaixonou-se um dia doidamente por uma Incgnita. Olhou-a com seu olhar inumervel e viu-a do pice base uma figura mpar; olhos rombides, boca trapezide, corpo retangular, seios esferides. Fez de sua uma vida paralela dela at que se encontraram no infinito. "Quem s tu?", indagou ele em nsia radical. "Sou a soma do quadrado dos catetos. Mas pode me chamar de Hipotenusa." E de falarem descobriram que eram (o que em aritmtica corresponde a almas irms) primos entre si. E assim se amaram ao quadrado da velocidade da luz numa sexta potenciao traando ao sabor do momento e da paixo retas, curvas, crculos e linhas sinoidais nos jardins da quarta dimenso.

    Excerto do poema Matemtica do poeta brasileiro Millr Fernandes

    SUGESTES DE LEITURA:

    FRABETTI, Carlo - Terrveis matemticas : Alice no pas dos nmeros. 1 ed. Lisboa : Dom Quixote, 2001. ISBN 972-20-2074-9

    STEWART, Ian - Os problemas da matemtica. 2 ed. Lisboa : Gradiva, 1996. ISBN 972-662-404-5

    ENZENSBERGER, Hans Magnus - O diabo dos nmeros : Um livro de cabeceira para todos os que tem medo da matemtica. 3 ed. Lisboa : Asa, 1999. 265 p.. ISBN 972-41-2000-7

    COMENTRIOS E SUGESTES: Sempre que quiseres participar com a tua opinio ou critica, ou ainda colaborar com textos literrios da tua autoria, podes faz-lo enviando um e-mail para [email protected]

    TEMA EM DESTAQUE:

    22001133

    ANO INTERNACIONAL DA MATEMTICA DO PLANETA TERRA

    O nosso planeta o cenrio para todo o tipo de processos dinmicos, incluindo os processos geofsicos no manto, nos continentes e nos oceanos, os processos atmosfricos que determinam o nosso tempo e clima, os processos biolgicos que envolvem espcies vivas e as suas interaes, e os processos humanos. Os desafios colocados pelo nosso planeta e pela nossa civilizao so multidisciplinares e multifacetados, e as cincias matemticas desempenham um papel central no esforo cientfico para compreender estes desafios e saber lidar com eles.

    ANO INTERNACIONAL DAS NAES UNIDAS PARA A COOPERAO PELA GUA

    Em dezembro de 2010, a Assembleia das Naes Unidas declarou o ano de 2013 como o Ano Internacional das Naes Unidas para a Cooperao pela gua. o objetivo deste ano internacional aumentar a consciencializao para uma maior cooperao e para os desafios da gesto da gua em funo do aumento da procura de acesso gua, distribuio e servios.

    Para saber mais sobre os temas em destaque acede ao nosso portal: www.bibliotecas-cm.arganil.pt

    5

    De acordo com o Manifesto da Unesco para as Bibliotecas Pblicas, a biblioteca pblica deve fornecer as condies bsicas

    para uma aprendizagem contnua, para uma tomada de deciso independente e para o desenvolvimento cultural dos indivduos e

    dos grupos sociais.

    Atravs da troca de opinies e experincias tenta-se como objectivo ltimo incutir nos adolescentes o gosto pela leitura

    voluntria! Ler e aprender por prazer!

    Um espao dedicado a jovens dos 12 aos 25 anos!

  • E S P A O I N F A N T I L Um espao para ti na Biblioteca Municipal Miguel Torga e Biblioteca Alberto Martins de Carvalho

    SUGESTES DE LEITURA Joo Miguel Tavares autor do livro A Crise explicada s crianase Nuno Saraiva, ilustrador. Um livro infantil editado pela Esfera dos livros em 2012, que explica a

    crise em duas vertentes: para midos de direita e midos de esquerda. Uma histria interessante para ser lida em famlia!

    Numa altura em que s se fala em crise, crise e mais crise, quem explica s crianas o que essa coisa que a todos nos aflige? Este livro explica. E explica de acordo com a ideologia

    favorita de cada leitor: se prefere as justificaes defendidas pela esquerda comea a ler o livro por um lado, se prefere as justificaes defendidas pela direita comea a ler o livro por

    outro.

    Os protagonistas so os mesmos dos dois lados um urso gordo (o dfice) e um enxame de

    abelhas furiosas (os mercados) , mas as explicaes para o estado a que o pas chegou mudam bastante consoante o ponto de vista favorito do leitor e o sentido da sua leitura.

    Fonte: http://esferadoslivros.pt

    Comea assim:

    A crise explicada s crianas A crise explicada s crianas Para midos de direita Para midos de esquerda

    Ilustraes do interior do livro A crise explicada s crianas

    PARA OS JOVENS

    Os nufragos do Holands Voador um romance juvenil escrito por Brian Jacques, publicado originalmente em 2001.

    Quem que nunca ouviu falar do Holands Voador? A lenda do navio fantasma e do seu louco capito, condenados a sulcar os mares para todo o sempre ao sabor de ventos e tempestades, tem sido passada de

    gerao em gerao. A sua terrvel saga inspirou escritores e msicos ao longo dos sculos, mas nunca ningum at hoje tinha contado a fundo a verdadeira histria do navio amaldioado. Poucos saberiam, por exemplo, que da sua tripulao faziam parte um rapaz e um co, cujo extraordinrio destino

    narrado nestas pginas. Nufragos do tempo e do espao, Neb e o seu co Den guiaro os leitores atravs de uma assombrosa viagem, recheada

    de aventuras, perigos, surpresas e mistrios: uma autntica caa ao tesouro, cujo prmio a vitria sobre a prepotncia e a injustia... Um romance que marca o regresso da grande aventura martima, por um mestre da

    literatura fantstica. Fonte: Contracapa do livro

    V L SE SABES PASSATEMPOS

    6

    1 A 19 de Janeiro de 1923 nascia na Beira Baixa o poeta Eugnio de Andrade. Qual dos seguintes ttulos da sua autoria? - Aquela Nuvem e Outras - A nuvem e o caracol

    2 A 28 de Janeiro de 1916 nascia em Melo, na Serra da Estrela, o escritor: - Verglio Ferreira - Antnio Mota

    ENVIA AS TUAS RESPOSTAS PARA [email protected] E TERS UMA SURPRESA!

    Visita o portal das bibliotecas em www.bibliotecas.cm-arganil.pt e o nosso Blogue em http://biblioactivaler.blogspot.com

  • DESTAQUES

    AS BIBLIOTECAS COM A TERCEIRA IDADE

    Realiza-se no prximo dia 31 de Janeiro pelas 14h00 no Auditrio da Biblioteca Municipal o Convvio dos Idosos, no mbito do projeto "As Bibliotecas com a Terceira Idade".

    Neste convvio os idosos dos lares e centros de dia de Arganil, Folques, Sarzedo, Cepos e Vila Cova, partilham entre si cantigas, msicas, histrias e fundamentalmente boa disposio.

    PROJETOS DE ANIMAO DA LEITURA EM JANEIRO

    Bibliotecas com a Terceira Idade Nascer a Ler Pais e Filhos Centro Paroquial de Coja Santa Casa da Misericrdia, C. de Dia de Barril do Alva C. S. Paroquial do Sarzedo Assistncia Folquense Centro de Dia de Benfeita Centro de Dia de Cerdeira Centro Social de Cepos C. de Dia Vila Cova de Alva Centro de Dia de Anseriz

    3, 17 e 31 Biblioteca Municipal de Arganil 10 e 24 Biblioteca Alberto Martins de Carvalho

    8, 14, 15, 22, 28 e 29 Biblioteca Municipal de Arganil 8, 10, 22 e 24 Biblioteca Alberto Martins de Carvalho

    LIVRO DO MS O enigma e o espelho de Jostein Gaarder Lisboa : Presena, 1997

    A noite de Natal, mgica, sagrada, propcia ao raro encontro entre o eterno e o temporal, convidativa a um passeio pelo reino da poesia e de todas as coisas que se movem entre o Cu e a Terra. Ao quarto de Cecilie, onde uma grave doena a mantm acamada, esta noite, intensamente povoada por vozes e aromas familiares, chega pelas asas da sua imaginao, fortes e cleres, quase to imateriais quanto as de Ariel, o anjo que a visita. No limiar da puberdade, Cecilie reflete ainda o brilho primordial do espanto que emana dos jardins da infncia e faz fluir o dilogo com Ariel, com o mundo do outro lado do espelho. Acompanhada pelo anjo viaja numa "teodisseia" que, luz da maiutica socrtica, faz a travessia das sendas labirnticas da incessante curiosidade perante os segredos da vida e do cosmo e assoma a uma invulgar proximidade com o mistrio da criao.

    Fonte: www.wook.pt Excerto: Cecilie acordou sobressaltada. A julgar pelo silncio absoluto em que a casa estava mergulhada, devia ser noite.

    Abriu os olhos e acendeu a luz que ficava por cima da cama.

    Ento ouviu uma voz perguntar:

    - Dormiste bem?

    Quem seria? No havia ningum sentado na cadeira diante da cama. Nem sequer havia ningum acordado quela hora.

    - Dormiste bem? ouviu ela novamente.

    Cecilie, levantou-se, olhando em redor. Estremeceu ao ver um vulto no parapeito da janela. Somente uma criana poderia caber ali, mas

    no era Lasse. Quem poderia ser, ento?

    - No tenhas medo disse o estranho com uma voz ntida e clara.()

    O autor: Jostein Gaarder nasceu em Oslo a 8 de Agosto de 1952. Formou-se em Filosofia, tendo leccionado durante alguns anos as disciplinas de Histria das Ideias e Histria das Religies no Ensino Secundrio. A partir de 1993, depois do grande sucesso de O Mundo de Sofia dedica-se totalmente actividade literria e diz inspirar-se nas reaces dos seus dois filhos ao mundo que os rodeia, para a criao de muitos dos seus livros. Atribui, todavia, o segredo do seu sucesso ao facto de preencher uma das necessidades fundamentais de qualquer ser humano - a de que lhe contem histrias.

    Fonte: www.wook.pt

    SERVIOS NA BMMT e BAMC CONTACTOS: FICHA TCNICA fotocpias; Biblioteca Municipal Miguel Torga EDIO: Cmara Municipal de Arganil acesso gratuito internet; Av. das Foras Armadas - 3300-011 Arganil DIRECTOR: Presidente CMA, Ricardo Pereira Alves utilizao de computadores para trabalhos; Tel.: 235200135 Fax: 235200136 COORDENAO: Margarida Fris impresso de documentos; www.bibliotecas.cm-arganil.pt TEXTOS DE: Margarida Fris, Miriella de Vocht, Rita Cunha ECDL - Centro de competncias; [email protected] e Anabela Borges centro virtual de informao nacional e europeia. Horrio: 2 a 6: 9h00 18h30 DESIGN: Alexandra Novais Acesso gratuito Internet sem fios Sbados: 09h30 13h00 IMPRESSO: Biblioteca Municipal de Arganil digitalizaes gratuitas Biblioteca Alberto Martins de Carvalho R. Comendador Eduardo Francisco Filipe

    3305-124 Coja Telefone: 235 729 489 [email protected] Horrio: 2 a 6: 9h00 18h00