Informações Sobre Aes

download Informações Sobre Aes

of 21

  • date post

    07-Jan-2016
  • Category

    Documents

  • view

    221
  • download

    0

Embed Size (px)

description

acidentes com exposição ao sangue

Transcript of Informações Sobre Aes

EXPOSIO PROFISSIONAL

Acidentes com Exposio ao Sangue e lquidos biolgicos

Siglas e abreviaturasSIDA Sndrome de imunodeficincia adquirida

ALT/TGP Alanina aminotransferase (ALT) / transaminase glutamico pirvica (TGP)

Anti-HBc Anticorpos contra o Antgeno c da Hepatite B

Anti-HBe Anticorpos contra o Antgeno e da Hepatite B

Anti-HBs Anticorpos contra o Antgeno s da Hepatite B

APV Amprenavir

ATV Atazanavir

AZT Zidovudina

CD4 Linfcitos CD4 (auxiliares)

CDC Centers for Disease Control and Prevention

ddC Zalcitabina

ddI Didanosina

d4T Estavudina

DNA Acido desoxirribonucleico

EFZ Efavirenz

EPI Equipamento de proteco individual

HBeAg Antgeno e do vrus da hepatite B

HBsAg Antgeno s do vrus da hepatite B

HBV Vrus da hepatite B

HCV Vrus da hepatite C

HIV Vrus da Imunodeficincia Humana

IDV Indinavir

IP Inibidores da protease

NVP Nevirapina

NFV Nelfinavir

PEP Profilaxia ps-exposio ocupacional ao HIV

RIBA recombinant immmunoblot assay

RNA Acido ribonucleico

RTV Ritonavir

SQV Saquinavir

TDF Tenofovir

3TC Lamivudina

INDICE

0 INTRODUO 4

1 - DADOS EPIDEMIOLOGICOS ...5

2 MODO E RISCO DE TRANSMISSO .7

2.1 - RISCO PARA O HIV 7

2.2 - RISCO PARA O HBV/HCV.. ...8

3 - AVALIACO DE UMA EXPOSIO IMPORTANTE ..10

3.1 - TIPOS DE LQUIDOS ORGANICOS ..10

3.2 - NATUREZA DAS LESES .10

3.3 - FACTORES QUE AUMENTAM O RISCO .11

3.4 - O ESTADO SEROLOGICO E CLINICO DO PACIENTE FONTE 12

4 - CLASSIFICAO DO RISCO 13

5 PREVENO ..14

5.1 - PRECAUCES UNIVERSAIS .14

5.1.1 - Regras de higiene ..15

5.1.2 - Equipamentos de proteco individual ...16

5.1.3 - Cuidados com materiais perfurocortantes ...18

6 CUIDADOS APS EXPOSIO20

6.1 - CUIDADOS LOCAIS ..20

0 - INTRODUO

Os acidentes com exposio ao sangue e a outros lquidos biolgicos, durante a prestao de cuidados de sade so frequentes e a sua preveno deve ser um objectivo prioritrio nos estabelecimentos de sade.

O sangue ou os lquidos biolgicos podem veicular agentes infecciosos muito diversos (bactrias, vrus, fungos, etc.). Destes, o HIV, HBV e HCV representam um risco particular pela gravidade da infeco adquirida associada a uma importante morbilidade e/ou mortalidade e pelas repercusses scio-econmicas nos profissionais de sade.

O risco de contaminao depende de muitos factores, como sejam a prevalncia, a concentrao viral e o tipo de exposio.

A adopo de medidas preventivas, tais como a vacinao, a utilizao racional de dispositivos de proteco individual e o respeito pelas regras de higiene estabelecidas, permitem diminuir o risco de exposio. No entanto apesar de todas estas medidas, constata-se hoje em dia que o nmero de acidentes no diminuiu como inicialmente se pensava e a sua ocorrncia est directamente ligada ao desrespeito das Precaues Universais.

Sendo o risco permanente, uma exposio profissional ao sangue e a outros lquidos biolgicos pode acontecer. Perante todo e qualquer acidente de exposio ao sangue, a possibilidade de transmisso do vrus deve ser encarada, devendo ser tratada como emergncia mdica visto que a quimioprofilaxia tanto mais eficaz quanto mais rpido for iniciada.

necessrio no entanto referir que as medidas profilticas ps exposio no so totalmente eficazes, devendo para isso as instituies implementar aces de formao que familiarizem os profissionais de sade com as Precaues Universais e os consciencializem da necessidade de empreg-las adequadamente, como medida mais eficaz para a reduo do risco de infeco em ambiente ocupacional.

O objectivo desta compilao fornecer informao que possa esclarecer dvidas em caso de acidente com exposio ao sangue e a outros lquidos biolgicos.1 - DADOS EPIDEMIOLOGICOS

DEFINIO

Uma exposio acidental ao sangue durante a prestao de cuidados definida como um contacto com o sangue ou um liquido biolgico contendo sangue atravs de uma picada com uma agulha, de um corte com um objecto cortante ou pelo contacto do sangue ou lquido biolgico sobre uma pele no intacta ou uma mucosa (3, 7).

A exposio ocupacional ao sangue em meio hospitalar constitui a maioria dos acidentes reportados.

Numa tentativa de conhecer a frequncia e as circunstncias dos acidentes com exposio ao sangue, foram efectuados numerosos estudos nos ltimos 10 anos. Conhecer a frequncia e as circunstncias dos acidentes com exposio ao sangue, permite definir estratgias de preveno nomeadamente para os enfermeiros que esto envolvidos em cerca de 50% a 65% dos casos reportados17. At 31 de Dezembro de 1997, foram registados nos pases industrializados, 286 casos de infeco profissional s pelo HIV. Em Frana dos 41 casos reportados, 23 envolviam enfermeiros18.

Cerca de 2\3 dos acidentes com exposio ao sangue declarados, so por exposio percutnea com feridas ou picadas provocadas por objectos prfuro-cortantes. As exposies percutneas mais frequentes so provocadas por agulhas, em 70% dos casos elas ocorrem entre o momento da utilizao e o momento da colocao nos contentores, em 13% dos casos elas ocorrem no momento em que a agulha colocada no contentor. O reencapsulamento o gesto que mais vezes so implicadas neste tipo de exposio. Se o gesto praticado de uma forma regular o aparecimento de uma picada somente uma questo de tempo.

Segundo o Programa Italiano de vigilncia das exposies profissionais ao sangue, num estudo15 realizado entre 1994 e 1998, foram reportados 19860 exposies profissionais a este centro coordenador. Destas 77% foram exposies percutneas e 23% cutneo-mucosas. A relao entre estes dois tipos de exposio varia pouco de ano para ano; 3,54 em 94; 3,45 em 95; 3,13 em 96 e 3,23 em 97. Das 19860 exposies, 28% envolviam um paciente infectado por um ou mais vrus: HCV (63%), HBV (13%), HIV (11%) e pelo menos dois destes vrus (13%).

Os enfermeiros estavam envolvidos em 57% das exposies e os mdicos em 13%. O pessoal em formao, essencialmente os estudantes de enfermagem e medicina estavam implicados em 12% das exposies. Os restantes 28% implicavam diversos agentes de sade.

Das 15292 exposies percutneas, 66% so provocadas por agulhas, 30% por objectos perfuro-cortantes e 4% por outro tipo de agente material. As agulhas envolvidas nas exposies percutneas, 44% provm de seringas descartveis, 29% de agulhas de perfuso, 10% de catteres endovenosos e 17% de outros materiais.

A maior parte das exposies percutneas, tm lugar durante ou depois da utilizao, mas antes da sua eliminao. Os catteres endovenosos e as agulhas de perfuso so as mais frequentemente implicadas.

Das 1115 exposies a fontes positivas para o antignio HBs reportadas durante o estudo, nenhuma seroconverso foi observada.

Em Portugal, no existe nenhum caso registado de infeco ocupacional ao HIV, HBV, HCV.

.

.

.

.

2 MODO E RISCO DE TRANSMISSO

As exposies que podem trazer riscos de transmisso ocupacional do HIV e dos vrus das hepatites B (HBV) e C (HCV) so definidas como:

Exposies percutneas leses provocadas por instrumentos perfurantes e cortantes (p.ex.

agulhas, bisturi);

Exposies em mucosas p.ex. quando h salpicos na face envolvendo olho, nariz, boca; Exposies cutneas (pele no-ntegra) p.ex. contacto com pele com dermatite ou feridas abertas.Os lquidos orgnicos susceptveis de transmitir o HBV, o HCV e o HIV em ambiente ocupacional so16:

o sangue e todos os lquidos biolgicos visivelmente contaminados por sangue

rgos e tecidos transplantados

os lquidos pleural, amnitico, pericrdico, peritonial sinovial e cfalo-raquidiano (transmisso possvel mas pouco provvel no caso do HIV)

as secrees vaginais ou o esperma (transmisso possvel mas pouco provvel no caso do VHC)

a saliva (somente para o VHB e VHC, a menos que contaminada com sangue)

Apesar de o HIV ter sido encontrado no esperma, nas secrees vaginais, no leite materno, no lquido amnitico, pericrdico, peritonial, pleural, sinovial ou cfalo-raquidiano nenhum caso de seroconverso aps exposio a estes lquidos foi reportado.

Na saliva, lgrimas, urina, suor e secrees nasais, o vrus habitualmente indetectvel ou em concentraes muito reduzidas para efectuar uma contaminao.

2.1 - RISCO PARA O HIV

Embora o risco seja muito baixo, ele no igual a zero. Existem casos documentados de infeco pelo HIV em profissionais de sade, aps exposio ocupacional em consequncia de picadas, cortes, contacto com mucosas, (olhos, nariz e boca) e pele. A sntese de 25 estudos em que estiveram envolvidos 6000 profissionais de sade, aps exposio ocupacional ao sangue infectado com HIV, permitiram estabelecer uma taxa mdia de seroconverso aps acidente.

O risco mdio de se adquirir o HIV de aproximadamente 0,3% aps exposio percutnea (picada ou corte com exposio a sangue infectado com HIV). O risco aps exposio cutnea-mucosa a sangue contaminado com HIV de 0,1% (1,11,12,14,18,20,22,27,30,33).

O risco de transmisso aps exposio da pele integra a sangue infectado pelo HIV estimado como menor do que o risco aps exposio cutnea-mucosa. No existem casos documentados de infeco pelo HIV, envolvendo uma pequena quantidade de sangue em contacto com a pele intacta. O risco deve ser considerado se envolver uma quantidade de sangue importante, contacto prolongado com a pele e leses cutneas30.

Este risco foi avaliado em situaes de exposio a sangue; o risco de infeco associado a outros materiais biolgicos inferior, ainda que no esteja definido33.

A gravidade potencial duma contaminao pelo HIV no