Gasometria Arterial Parte 1files.mmintensivecare.webnode.pt/200000114-aa388aa91b/Gasometria... ·...

Click here to load reader

  • date post

    21-Sep-2018
  • Category

    Documents

  • view

    214
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Gasometria Arterial Parte 1files.mmintensivecare.webnode.pt/200000114-aa388aa91b/Gasometria... ·...

  • Gasometria Arterial Parte 1

  • Metabolismo aerbico e anaerbico

  • METABOLISMO

    A funo normal das clulas do organismo depende de uma srie de processos bioqumicos e enzimticos do metabolismo celular. Diversos fatores devem ser mantidos dentro de estreitos limites, para preservar a funo celular, como:

    Eletrlitos

    Nutrientes

    Temperatura

    Oxignio

    Dixido de carbono

    on hidrognio.

  • CIDOS DO ORGANISMO

    O metabolismo celular produz cidos, que so liberados continuamente na corrente sangunea e que precisam ser neutralizados, para impedir as variaes do pH.

    O principal cido do organismo o cido carbnico, um cido instvel, que tem a propriedade de se transformar facilmente em dixido de carbono e gua. O dixido de carbono transportado pelo sangue e eliminado pelos pulmes, enquanto o excesso da gua eliminada pela urina.

    Os demais cidos do organismo so fixos, ou seja, permanecem em estado lquido e so, principalmente, os cidos alimentares, o cido ltico e os ceto-cidos; o metabolismo das proteinas tambm produz alguns cidos inorgnicos.

  • BASES DO ORGANISMO

    A principal base do organismo o bicarbonato, produzido partir do

    metabolismo celular pela combinao do dixido de carbono com a

    gua.

    As hemoglobinas tm uma enzima chamada anidrase carbnica, que

    ajuda a reao entre o dixido de carbono (CO2) e a gua (H2O)

    acontecer 5 mil vezes mais rpido. O resultado dessa reao o

    cido carbnico, que, por sua vez, se separa em ons hidrognio e

    ons bicarbonato.

    Os ons hidrognio posteriormente se combinam com a

    hemoglobina, enquanto os ons bicarbonato entram no plasma.

  • Dixido de Carbono (CO2) gua (H2O) cido carbnico

    (H2CO3)

    cido carbnico HCO3-

    H+

    O metabolismo gera CO2, que se dissolve em H2O para formar o cido carbnico H2CO3 que, por sua vez, dissocia-se formando o on hidrognio H+.

  • Hidrognio

    Um dos fatores mais importantes para o metabolismo celular

    a quantidade de hidrognio livre existente dentro e fora das

    clulas. As variaes da concentrao do hidrognio podem

    produzir grandes alteraes na velocidade das reaes qumicas

    celulares.

    A manuteno do pH dos lquidos orgnicos dos tecidos, dentro

    da faixa compatvel com o funcionamento celular timo, exige a

    regulao da quantidade de cidos e das bases livres nos

    compartimentos intra e extracelular

  • Lactato Srico

    O lactato um produto final da gliclise anaerbica que ocorre em tecidos hipxicos.

  • Via Glicoltica

    Glicolise anaerbica: a degradao da glicose sem a

    necessidade de O2, tendo como produto final o acido ltico, esta

    via muito mais rpida que a glicolise aerbica.

    Glicolise aerbica: a degradao da glicose na presena de O2,

    tendo como produto final o piruvato que por sua vs

    transportado para dentro da mitocndria para completar sua

    oxidao ate CO2 e H2, ativando o ciclo de krebs e a cadeia

    respiratria.

  • Gliclise Anaerbica

    a degradao da glicose sem a necessidade de O2, tendo como produto final o acido ltico, esta via muito mais rpida que a glicolise aerbica.

  • Gliclise aerbica

    a degradao da glicose na presena de O2, tendo como produto final o piruvato que por sua vs transportado para dentro da mitocndria para completar sua oxidao ate CO2 e H2, ativando o ciclo de krebs e a cadeia respiratria.

  • Lactato Srico

    Fisiologia do lactato:

    Lactato o produto final da gliclise anaerbia, produzido,

    normalmente, numa taxa de 1 mmol/kg/h, especialmente no

    msculo esqueltico, intestino, crebro e eritrcitos. O lactato

    gerado nesses tecidos pode ser extrado pelo fgado e convertido em

    glicose (via gliconeognese) ou pode ser utilizado como substrato

    primrio para oxidao (fonte de energia).

    Em repouso a concentrao normal de lactato no sangue inferior a 2

    mmol/L e aumenta at 5 mmol/L durante o exerccio.

  • Causas de hiperlactatemia

    Aumento da glicolise anaerobica (m perfuso)

    Aumento da glicolise aerobica ( estados hipermetablicos)

    Uso de catecolaminas

    Disfuno heptica

  • Sepse / Trauma / Choque

    A hipoperfuso aguda pode ser caracterizada por um desequilbrio

    entre a oferta e o consumo de oxignio pelos tecidos, o que

    proporciona uma falha em suprir as necessidades metablicas,

    culminando em alto risco de mltiplas disfunes orgnicas. Um

    importante indicador de hipoperfuso o lactato.

    Lactato srico como indicador de hipxia tecidual est estabelecido .

    Consumo de O2 = (VO2) Oferta de O2= DO2

  • Gasometria Arterial Parte 2

  • CONCEITOS GERAIS

    A manuteno da quantidade ideal de ons hidrognio nos

    lquidos intracelular e extracelular depende de um

    delicado equilbrio qumico entre os cidos e as bases

    existentes no organismo, denominado equilbrio cido-

    base.

  • CONCEITOS GERAIS

    Os cidos so as substncias que podem ceder ons hidrognio para uma soluo; bases so as substncias que podem receber ons hidrognio em uma soluo.

    A quantidade de ons hidrognio livres nas solues quantificada pelo pH.

    Quanto maior a quantidade de ons hidrognio nas solues, tanto mais baixo ser o seu pH; ao contrrio, as solues com baixa concentrao de ons hidrognio, tem o pH mais elevado.

  • Gasometria Arterial Parte 3

    Teste de Allen

  • Avaliar a circulao colateral da mo pela tcnica de Allen

    Arco Palmar Profundo

  • TESTE DE ALLEN

  • TESTE DE ALLEN

  • Gasometria Arterial Parte 4

  • Gasometria Arterial

    Gaso -> Gas

    Metria-> Medida ou anlise

    Arterial -> Sangue arterial

    Mas gasometria poder ser:

    Arterial

    Venosa

    Mista

  • Gasometria Arterial

    Avaliao do estado cido-base do organismo, na prtica clnica, feita pela anlise de quatro parmetros principais.

    pH

    Pco2

    Hco3

    Be

  • Gasometria Arterial

    A interpretao da gasometria arterial, para a identificao de distrbios do equilbrio cido-base feita em etapas sucessivas:

    Verificao do pH;

    Verificao da PCO2;

    Verificao das bases (bicarbonato);

    Verificao da diferena de bases (excesso ou dficit).

  • Potencial de Hidrognio (pH)

    Quem dita o distrbio o pH.

    Um pH normal demonstra a ausncia de desvios ou sua

    completa compensao.

  • Presso parcial do dixido de carbono (PCO2)

    O componente respiratrio avaliado pela quantidade de cido carbnico existente no sangue.

    Co2 marcador fisiolgico da ventilao.Todo cido produzido organismo so eliminados pela via respiratria e uma pequena parte pelos rins.

    cidos acrescenta H+

    Tampes organismo so pares que aceitam H+

  • Bicarbonato

    O valor normal do bicarbonato real (BR), oscila de 22 a 28mM/L.

    Quando o bicarbonato real (BR) est baixo, inferior a 22mM/L, significa que parte da reserva de bases foi consumida; em consequncia o pH do sangue se reduz, configurando o quadro de acidose metablica.

    Quando, ao contrrio, o bicarbonato real (BR) est elevado, acima de 28mM/L, significa que h excesso de bases disponveis no sangue. O excesso das bases eleva o pH, configurando o quadro da alcalose metablica.

  • DIFERENA DE BASES

    A capacidade total de neutralizao das bases melhor

    refletida pelo clculo da diferena de bases (excesso ou

    dficit de bases existentes). Este parmetro calculado

    partir das medidas do pH, da PCO2 e da hemoglobina. O

    resultado expressa o excesso de bases existentes nas

    alcaloses metablicas ou o dficit de bases existentes nas

    acidoses metablicas.

  • Tipos de distrbios

    Acidose Respiratria (Aumento da PCO2)

    Alcalose Respiratria (diminuio da PCO2)

    Acidose Metablica (diminuio de HCO3-)

    Alcalose Metablica (aumento de HCO3-)

    nico distrbio que no pode acontecer alcalose respiratria e acidose respiratria,pois paciente no pode hiperventilar e hipoventilar ao mesmo tempo.

  • O que devemos avaliar??

    1. 2. 3. 4.

  • Diagnstico

    Tem distrbio?

    Qual distrbio primrio?

    T compensado?

    No compensado ou parcialmente compensado?

  • Interpretao gasometria

    Tem distrbio?

    Qual distrbio primrio?

    T compensado?

  • Interpretao

    cidose Alcalose cidose

    Tem distrbio?

    Sim, acidose e alcalose.

  • Interpretao

    cidose Alcalose cidose

    O distrbio Ventilatrio ou metablico?

    Metablico pois esto alterados pH e o bicarbonato.

  • Interpretao

    cidose Alcalose cidose

    Qual o distrbio primrio?

    O distrbio primrio acidose metablica pois o Hco3 acompanha pH.

  • GSA

  • O que devemos avaliar??

    1. 2. 3. 4.

  • Interpretao

    Tem distrbio?

  • Interpretao

    Tem distrbio?

    Sim,acidose e uma alcalose .

    Acidose Alcalose Acidose Hipxia

  • Interpretao

    O distrbio Ventilatrio ou metablico?

    Metablico com tentativa do sistema respiratrio de compensar lavando Co2.

  • Interpretao

    Temos um pH cido,no entanto temos uma Pco2 que leva para alcalose,logo o distrbio primrio uma acidose metablica maisHipxia.

  • pACO2 esperada = (1,5 x HCO3) + 8 +/- 2

    Calcula-se o Co2 esperado quando se tem dvida se o

    distrbio de origem respiratria ou metablica.

  • Pao2 + Pco2

    Soma da Pao2+Pco2 pode dar no mximo

    146mmhg.Quando pegamos uma gasometria,e a soma

    desses valores so superiores 146mmhg o nosso paciente

    obrigatoriamente tem que t com suporte de O2.

  • Clculo Po2 ideal

    109 - ( idade x 0,4 ) =

    109 - ( 85 x 0,4 ) =

    109 - 34 =

    75mmhg

    Normal = 80 a 100mmhg

  • www.mmcuidadosintensivos.co.cc

    Quero ser hoje melhor

    do que ontem e amanh

    melhor do que hoje

    Abilio Diniz