Clipping do Varejo 31102011

of 13/13
Clipping do Varejo
  • date post

    24-May-2015
  • Category

    Documents

  • view

    454
  • download

    2

Embed Size (px)

Transcript of Clipping do Varejo 31102011

  • 1. ing do VarejoClipp

2. Caros Leitores Caros Leitores, A ESPM comemorou no ltimo dia 27 seus 60 anos e o Retail Lab, 5! Uma idia ousada dos Profs Francisco Gracioso e do saudoso amigo Carlos Monteiro, ganhou formas e hoje se consolida como ambiente diferenciado e inovador de ensino, aprendizagem e pesquisa. O Retail Lab fez parte das comemoraes dos 55 anos da ESPM e, de l para c, cerca de 3 mil alunos por ano - do ps e da graduao - passaram por aqui em atividades diversas. Alm deles, os fabricantes das grandes marcas presentes no PDV, desenvolveram estudos sobre comportamento de compras dos shoppers que determinaram mudanas significativas em planogramas, comunicao e precificao. Importantes parceiros estiveram conosco nestes anos, entre eles, Unilever, Coop Supermercados, Colgate, Eletectrolux, Perdigo, Plastrom, Bematech, Reebok e mais recentemente Centauro e Sebrae SP. Alm destes, outras empresas desenvolveram projetos pontuais em nossas instalaes com objetivos idnticos ou em programas de treinamento,Ricardo Pastore, Prof. Msc workshops e testes de PDV.Coordenador do Ncleo de Em recente pesquisa que realizamos internamente, o Retail Lab obteve aprovao mxima por parte dos nossos alunos que o reconhecem comoEstudos do Varejo - ESPM um dos ambientes mais diferenciados e dinmicos de aprendizagem, motivo de orgulho para aqueles que se preparam para entrar no mercado de trabalho gerando resultados imediatos e de maneira inovadora. Portanto, agradecemos a todos os nossos parceiros, alunos e professores que ajudam a engrandecer um idia e a tornar o varejo brasileiro competitivo a partir do ingrediente mais estratgico para os prximos anos: o conhecimento! Boa leitura! 3. Super & HiperAtAcAdo promete Abrir 15 lojAs At o finAl do AnoCada vez mais importante no Grupo Carrefour, a rede Atacado ganhou o reforo de seis novaslojas este ano com a migrao de bandeiras. At o final de 2011, dever contar com a inauguraode mais 15 unidades, segundo Armando Almeida, diretor corporativo do Grupo Carrefour.O nmero atual de lojas da rede chega a 76, mais que o dobro de quando a empresa foi adquiridapela empresa, em 2007, quando tinha 34 estabelecimentos. um investimento firme nessabandeira. um modelo de sucesso. A determinao de continuarmos a expanso do Atacadode forma acelerada, afirmou o executivo.De acordo com Almeida, ainda no d para precisar o nmero certo por causa dos processosburocrticos, que envolvem a instalao de uma nova loja. Almeida tambm evitou dar detalhesdas regies onde as lojas sero implantadas e o montante a ser investido.Ao divulgar os resultados do terceiro trimestre no incio deste ms, o Grupo Carrefour registrou fortecrescimento da rede conhecida como atacarejo - unio de atacado com varejo: foram 13,2% nacomparao com igual perodo de 2010.(Propaganda & Marketing - 26/09/2011) 4. Super & Hiperredes do ceAr podem crescer AcimA de 10% no nAtAlA pouco menos de dois meses das datas comemorativas do final do ano, os supermercadistas comlojas no Cear j se preparam para atender a demanda de consumidores nesta poca do ano. OGrupo Po de Acar, por exemplo, detentor das bandeiras Po de Acar, Extra e Assa, anunciouque a expectativa de crescimento, em comparao ao ano anterior, de 30%.J nos produtos sazonais, a expectativa de que os vinhos cresam 15%; as frutas secas 37%;os panetones 25%; e os peixes 10%. Em artigos de decorao natalina, como rvores de Natal,bonecos, prespios e enfeites de mesa, o percentual de nada menos do que 70% de alta nasvendas. Estaro disponveis ao consumidor cerca de 260 itens nesse segmento.Paulo ngelo Cardillo, superintendente da Super Rede, associao de supermercados compostapelos Super Lagoa, Super do Povo, Super Polar, Super Frangolndia, Pinheiro Supermercados eCompre Certo Supermercados, disse que espera um crescimento de vendas em torno de 10%. Nasprateleiras, j estamos vendendo panetones, vinhos, champagnes, frutas secas e outros produtostpicos de Natal, disse. Cardillo tambm adiantou que alimentos como aves e sunos j foramcomprados e devem estar venda nos prximos dias.Nas lojas do Carrefour, a aposta nos panetones, tanto os de marca prpria, como os de outrasmarcas.(Dirio do Nordeste - 31/10/2011) 5. Super & HipersAvegnAgo investe r$ 40 milhes em expAnsoA Savegnago Supermercados investir R$ 40 milhes em um plano de expanso para 2012. A redeplaneja a inaugurao de dois pontos de venda nas cidades de Mato e So Carlos e a comprade mais cinco unidades, que pertenciam ao grupo Carrefour, nos municpios de Ribeiro Preto,Jaboticabal e Monte Alto, em So Paulo.Com a ampliao, a companhia chega a 29 lojas no interior do estado e busca alcanar a meta deestar entre as 14 maiores redes de supermercado do pas at o fim de 2012. As novas unidadessero abertas dentro de 60 a 120 dias e geraro cerca de mil novos empregos, atendendo a 2,3milhes de clientes. A partir dos investimentos, a Savegnago espera faturar cerca de R$ 1,5 bilhono prximo ano.(Mundo do Marketing - 27/10/2011) 6. EconomiacomprA no supermercAdo est mAis cArAAs compras de supermercado esto mais caras. Dados divulgados ontem pela Associao Brasileirade Supermercados (Abras) indicam que os preos praticados em setembro subiram 10,71% emrelao ao mesmo perodo do ano passado. O clculo levou em conta a cesta com 35 produtos delargo consumo, cotada a R$ 306,42. H um ano o valor era de R$ 276,77.Na comparao com agosto, houve aumento de 1,36%. Dos produtos avaliados, as altas maisintensas foram nos preos do leite longa vida (4,90%), do queijo prato (3,13%) e do caf torrado(3,11%). As maiores quedas de preo foram observadas no tomate (-7,47%), na cebola (-6,13%) ena batata (-2,50%).Apesar do consumidor estar pagando a mais nas compras do ms, ningum precisa se assustarcom uma possvel volta da inflao. o que garante o consultor Pedro Matizonkas, professor doNcleo de Estudos de Varejo da ESPM. Parece-me uma oscilao natural, que depende do climaque varia com secas ou chuvas. Ningum precisa comear a estocar nada.(Jornal da Tarde - 13/09/2011) 7. Economiacresce ndice de sobrevivnciA de micro e pequenAs empresAs no brAsilAumentou a parcela de micro e pequenas empresas que sobrevivem aos dois primeiros anos deatividade no Brasil, considerada a fase mais crtica para o empreendimento, diz o Servio Brasileirode Apoio s Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). O nmero foi de 73,1% este ano, contra 71,9%no levantamento de 2010.O resultado ultrapassa o de pases como a Holanda (49,7%), Itlia (67,9%) e Espanha (69,3%), maso Brasil continua atrs do Canad (73,8%) e da Estnia (74,9%). O estudo baseado nos dadosregistrados pela Receita Federal. Nesta pesquisa de 2011, o ndice foi calculado pelas aberturas demicro e pequenas empresas em 2006.As companhias do setor industrial obtiveram o maior nvel de sobrevivncia: de cada 100 criadas,75,1 mantiveram-se abertas. Em seguida, vm os setores de comrcio (74,1%), e de servios(71,7%). Na avaliao por estados, Roraima teve a melhor colocao, com 78,8%. Em segundolugar, ficou a Paraba, com 78,7% e, em terceiro, o Cear, com 78,7%. Os piores resultados foramde Pernambuco (58,2%), Amazonas (58,2%) e Acre (59,8%).(Mundo do Marketing 26/10/2011) 8. Mercadobunge quer desbAncAr pepsico e bimbo nA comprA dA mAbelEnquanto o lema da Mabel focar no crescimento da empresa em 2012, o mercado d comopraticamente certa a compra da companhia. As americanas Bunge e Pepsico, alm da mexicanaBimbo, so as interessadas em adquirir a indstria de biscoitos goiana. Vicente Barros, diretor-presidente da Mabel, desconversa: Queremos fazer de 2012 um grande ano para a Mabel.Procuradas, a Pepsico e Bimbo disseram que no comentam rumores. Segundo reportagem dojornal O Popular, de Goinia, um consultor envolvido nas negociaes disse que o nome docomprador da Mabel seria divulgado no incio de outubro, mas a Bunge pediu at 15 dias para fazernova proposta. A Mabel aceitou. O valor deve chegar a R$ 1 bilho.Uma fonte ouvida pelo jornal Brasil Econmico afirmou que as informaes do veculo goiano estobem embasadas. Outra fonte ligada a Sandro Mabel, deputado federal por Gois e proprietrio de60% da companhia, disse que a empresa sempre assediada por interessados.Ainda segundo O Popular, o Banco Icatu, dono de 40% da Mabel, pressionou o grupo a vender afbrica. Pelo contrato, a famlia Mabel teria direito de preferncia de comprar a parte do Icatu. Casocontrrio, as duas partes teriam de vender integralmente suas aes.(Brasil Econmico 26/10/11) 9. MercadovendA de AssolAn e etti pode render mAis r$ 200 mi hypermArcAsAps vender seis marcas (Assim, Sim, Gato, Fluss, Mat Inset e Sanifleur) para a Flora, do GrupoJBS, a Hypermarcas anunciou ontem, 24/10, que tambm deve se desfazer da Assolan (linha delimpeza domstica) e da Etti, de atomatados. Para o banco BTG Pactual, as vendas dessas duasmarcas podem reforar o caixa da empresa em mais de 200 milhes de reais.Em relatrio divulgado pelos analistas Fabio Monteiro, Joo Mamede e Lucas Suemitsu, o bancoafirma que a venda dessas linhas ajudar a empresa a reduzir o nvel de endividamento para umaproporo de 3,2 vezes a dvida lquida sobre o ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciaoe amortizao.(Exame Online 26/10/2011) 10. MercadohypermArcAs reestruturA empresA pArA voltAr A crescer em 2012Com vendas e lucro em queda, a Hypermarcas foca em sua reestruturao para crescer novamenteem 2012. Com dificuldades em fazer um emaranhado de marcas, de setores como alimentos,remdios e produtos de limpeza, funcionar de maneira eficiente, a Hypermarcas vive uma fase bemdiferente - com resultados em queda.Aps frustrar investidores com expectativas no cumpridas - em maro, a Hypermarcas previacrescimento de 15% neste ano - Claudio Bergamo, diretor-presidente da Hypermarcas, est maiscauteloso ao dar previses. Mas afirma que os resultados aparecero em 2012. O ganho imediatovir com a venda de marcas. No sbado passado, dia 22/10, a empresa vendeu as marcas Assime Mat Inset para a Flora, controlada pelos donos do JBS.Com a deciso de vender marcas menos rentveis, como Etti e Assolan, ainda neste ano, a divisode consumo estar restrita a produtos de cuidado pessoal, como Monange e Avano, a qual passara representar 42% das vendas (at julho equivalia a 46%). Todo o restante vir da rea farmacutica- a mais rentvel da companhia -, que em outubro passou a ser comandada por Luiz EduardoViolland, ex-presidente da farmacutica Nycomed no Brasil.Em estgio menos avanado, a Etti disputada por Bunge e pela americana McCormick, por R$300 milhes.(Exame Online 31/10/2011) 11. Mercadobrf cresce 73% desde o incio dA fusoO que era esperado aconteceu. A sinergia na fuso das operaes da Sadia e Perdigo ajudoua Brasil Foods a amortecer os efeitos da crise internacional e a forte oscilao do cmbio nosresultados do terceiro trimestre do ano. A empresa apurou lucro lquido de R$ 365 milhes noperodo, o que corresponde a um crescimento de 73% em comparao ao valor de R$ 211 milhesreportado um ano atrs.A receita lquida totalizou R$ 6,2 bilhes entre julho e setembro, o que representa um aumentode 10% sobre o montante de R$ 5,7 bilhes registrado em igual intervalo de 2010. Com essedesempenho, o resultado antes de juros, impostos, amortizao e depreciao (Ebitda, na sigla emingls) subiu de 10,8% para 11,5% em um ano.No que se refere captura das sinergias, a empresa est avanando mais rpido do que esperava.De janeiro at o fim de setembro, a BRF calcula que a economia j alcanou R$ 402 milhes,devendo chegar a R$ 560 milhes at dezembro. Com isso, a organizao antecipa as previsesde ganhos em quase um ano. Na ocasio das negociaes para a fuso, a administrao calculavaque os ganhos seriam de R$ 500 milhes em 2012.Depois da definio do acordo com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econmica), emjulho, passamos a ter mais definies do que era possvel fazer na operao e onde poderamosobter mais economia, diz Leopoldo Viriato Saboya, vice-presidente financeiro e de relaes cominvestidores da BRF - Brasil Foods. O executivo no especifica em que reas foram obtidos osmaiores ganhos, apenas informa que envolve processos, fbricas, logstica e agropecuria.(Valor Econmico - 28/10/2011) 12. Marketing MixcocA-colA substitui vermelho por brAnco em lAtAs pArA ApoiAr cAusAA Coca-Cola lanar embalagens do refrigerante com o branco como a principal cor nos mercadosdos Estados Unidos e do Canad. Sero mais de 1,4 bilho de latas com o novo design entrenovembro e fevereiro. Essa uma das raras vezes nos 125 anos de histria da marca em queo tradicional vermelho substitudo. O motivo o apoio causa da proteo aos ursos polares,mascote da companhia desde 1922, que tambm estamparo as embalagens promocionais.Cada uma das latas brancas vir ainda com um cdigo que possibilita ao consumidor realizar umadoao voluntria de US$ 1 World Wide Fund (WWF). A expectativa de entregar US$ 1 milho fundao de proteo natureza, alm da doao inicial de US$ 2 milhes j feita pela Coca-Cola.Outras bebidas da marca, como a Coca Zero, Sprite e Nestea, tero as tampinhas na cor branca noperodo.O objetivo da organizao com a ao, nomeada de Arctic Home, tambm incrementar as vendasno outono e inverno na Amrica do Norte, onde os refrigerantes em geral costumam sofrer quedaaps as festas de final de ano.(Mundo do Marketing - 26/10/2011) 13. 31/10/2011 ade de destinad o comunidEst e informativo alunos, exbre varejo, formada porinteresse soempresasores e funcionrios de alu nos, profess io de Varejo Retail Lab , o laboratr parceiras doda ESPM. e Estud os de Varejodo Ncleo d: Coordenaoor:Produzido p astore Pro f. Ricardo PmoJoo do Car ndesTatiana Fagu